Tripulação de voo vindo da Índia é monitorada

(Pref. de São Paulo)

A prefeitura de São Paulo monitora quatro tripulantes de um voo vindo da Índia que chegou ontem (15) a São José dos Campos. Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, a tripulação foi submetida a testes rápidos antes de desembarcar, e não apresenta sintomas da covid-19.

Os tripulantes passaram por testes para identificar a contaminação pelo novo coronavírus antes de embarcar na Índia e de fazer escala em Cuba. Todas as testagens deram negativo. Antes da aterrissagem, o avião fez ainda uma escala no Aeroporto de Cofins, em Minas Gerais.

Eles são os únicos passageiros, e vieram ao Brasil apenas entregar o avião em São José dos Campos. Os tripulantes serão monitorados até o próximo sábado (19), quando está previsto o retorno à Índia.

Variantes

Estudo feito pela prefeitura indicou que até a última segunda-feira (14) não havia registro de circulação da variante B.1.617 (indiana) na capital paulista. De acordo com o levantamento feito a partir das amostras rastreadas, mais de 90% dos casos de coronavírus na cidade são da variante P1 (Manaus).

Todas as segundas-feiras são feitas as análises de 250 amostras de testes positivos para covid-19 de toda a cidade. A partir desse material, os instituto Butantan e Adolfo Lutz fazem o sequenciamento genético do vírus para identificar quais são as variantes em circulação no município.

Por Daniel Mello, da Agência Brasil

Capital monitora chegada de variante indiana da covid-19

(Gov. do Estado de SP/Reprodução)

A cidade de São Paulo iniciou, há três semanas, estudos para monitorar quais variantes do novo coronavírus estão circulando na capital. A preocupação da Secretaria Municipal da Saúde é, principalmente, com a variante indiana, que vem provocando aumento no número de casos na Índia. 

Em coletiva na manhã de hoje (18), o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, disse que a ação tem o objetivo de preparar a capital com antecedência para a chegada da variante indiana. O monitoramento está sendo feito em conjunto com o Instituto Butantan. 

“Há três semanas, a secretaria municipal de Saúde e o Instituto Butantan iniciaram estudos de novas variantes na capital para que possamos nos preparar e detectar as variantes que estão circulando na cidade. Já fizemos coletas de testes sorológicos que estão sendo agora estudados pelo Instituto Butantan”, disse o secretário. “A cidade está se antecipando para, caso isso aconteça, medidas sanitárias sejam tomadas.”

A expectativa é que em até 20 dias os resultados do monitoramento sejam apresentados. 

“O trabalho da Vigilância Genômica está sendo feito pela prefeitura de São Paulo para se antecipar. É uma ação conjunta com o Instituto Butantan, que analisa os testes para ver se existe ou não a presença de novas variantes do vírus na cidade. Até o presente momento, a variante indiana não foi encontrada na cidade”, afirmou o prefeito Ricardo Nunes.

Um estudo feito em março deste ano, durante o pico da segunda onda da pandemia, mostrou que 65% dos casos de covid-19 detectados na capital tinham predominância da variante brasileira P1, que surgiu em Manaus.

Variante Indiana

Casos da variante indiana já foram identificados na Argentina. Recentemente, um navio foi isolado no Maranhão, após um passageiro indiano apresentar resultado positivo para a covid-19. A preocupação é que este pode ser o primeiro caso da variante B.1.617 [ a variante indiana] no Brasil.

Segundo a secretaria estadual de Saúde no Maranhão, uma equipe técnica inspecionou o navio no domingo e coletou amostras para diagnóstico de covid-19 e investigação epidemiológica. A secretaria informou que as amostras foram enviadas ao Laboratório Central de Saúde Pública do Maranhão e para o Instituto Evandro Chagas, em Belém, que fará o sequenciamento genômico. 

A secretaria informou que toda a tripulação foi colocada em quarentena e isolada em cabines individuais na embarcação. Os resultados desses testes ainda não foram informados. 

Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil 

Índia registra menos de 300 mil casos de covid-19 pela 1ª vez em 25 dias

Índia supera 400 mil casos de covid-19 em 24 horas

A Índia registou 281.386 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, ficando abaixo dos 300 mil diários pela primeira vez em 25 dias, mas contabilizou novamente mais de 4 mil mortes em um dia.

O segundo país mais afetado no mundo em número de casos, depois dos Estados Unidos, já acumulou quase 25 milhões de infecções desde o início da pandemia (24.965.463), de acordo com dados do Ministério da Saúde indiano.

A Índia registou um declínio gradual dos casos, depois de ter atingido números de mais de 400 mil contágios, há duas semanas, no âmbito de uma segunda onda da pandemia, com impacto sem precedentes no sistema de saúde, com falta de oxigênio e de camas.

Nas últimas 24 horas, o país registou 4.106 mortos, com o total de óbitos desde o início da pandemia chegando a 274.390.

Especialistas alertaram que os números oficiais poderão estar subavaliados, devido à falta de testes e à crescente propagação do novo coronavírus nas zonas rurais, onde a cobertura sanitária é menor.

Nova Delhi, uma das cidades mais duramente atingidas pela crise, que sobrecarregou hospitais e crematórios, prolongou por uma semana o confinamento de quase 20 milhões de habitantes, enquanto o estado oriental de Bengala impôs, no domingo (16), uma série de restrições devido ao aumento de casos na região.

A campanha de vacinação se desenvolve de forma lenta, com vários estados a criticarem as limitações no fornecimento das vacinas, apesar de o governo ter aberto, em 1º de maio, o programa a todos os cidadãos com mais de 18 anos.

A Índia só conseguiu completar a vacinação de pouco mais de 3% da população (cerca de 40 milhões de pessoas), apesar da intenção anunciada de vacinar 300 milhões de pessoas até julho.

O total de vacinas administradas se aproxima dos 182,9 milhões, de acordo com dados atualizados diariamente pelo Ministério da Saúde do país.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.371.695 mortes no mundo, resultantes de mais de 162,4 milhões de casos de infecção, segundo balanço da agência de notícias France-Presse (AFP).

Em Portugal, morreram 17.007 pessoas, dos 842.182 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida pelo novo coronavírus, detectado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

por RTP

Índia supera 400 mil casos de covid-19 em 24 horas

Índia supera 400 mil casos de covid-19 em 24 horas
Índia supera 400 mil casos de covid-19 em 24 horas
Número oficial de mortos por covid-19 supera 211 mil (Reprodução redes sociais)

A Índia registrou neste sábado (01) 401.993 infecções em 24 horas, um novo recorde mundial, enquanto tenta fazer frente à alta dramática de casos, ampliando seu programa de vacinação para todos os adultos, apesar de muitos estados não terem doses suficientes para atender à demanda.

O país enfrenta uma alta dramática de contágios numa segunda onda infecções que sobrecarrega o sistema de saúde, principalmente na capital, Nova Déli. As mortes em decorrência ao coronavírus ultrapassaram oficialmente 200 mil nesta semana, e acredita-se que o número real de mortos seja muito maior.

Os novos casos diários ultrapassaram a marca de 300 mil em nove dias seguidos.

Ao todo, foram registradas oficialmente mais de 19,16 milhões de infecções por covid-19 na Índia, o segundo maior número de casos no mundo, depois dos EUA. A cifra oficial de mortos em consequência do vírus subiu neste sábado em 3.523, chegando a 211.853.

Alemanha envia ajuda à Índia

Mais de 40 países se comprometeram a enviar ajuda médica. Um avião A350 da Força Aérea da Alemanha está levando 120 respiradores e medicamentos para a Índia.

Uma aeronave militar dos EUA transportando mais de 400 cilindros de oxigênio, outros equipamentos hospitalares e quase um milhão de testes rápidos de coronavírus chegou a Nova Déli na sexta-feira.

Apesar de ser o maior fabricante mundial de vacinas, a Índia continua com falta de doses, devido à escassez de insumos.

Alerta

Um grupo de consultores científicos criado pelo governo indiano havia alertado no início de março para a disseminação de uma nova e mais contagiosa variante de coronavírus. Críticos dizem agora que as autoridades ignoraram os apelos para impor restrições para impedir a propagação do vírus. Em vez disso, milhões de pessoas sem máscara compareceram a festivais religiosos e eventos políticos nos últimos dois meses.

Incêndio em hospital

Pelo menos 18 pessoas morreram em um incêndio em uma ala de covid-19 em um hospital no estado de Gujarat, no oeste da Índia, incluindo 16 pacientes e duas enfermeiras. O fogo atingiu a unidade de terapia intensiva do hospital Patel Welfare, na cidade de Bharuch. De acordo com as investigações preliminares, um curto-circuito teria sido a causa da tragédia.

Vários acidentes ocorreram recentemente em hospitais no país, alguns deles possivelmente causados ​​por explosão de tanques de oxigênio. Há pouco mais de uma semana, 13 pacientes com covid-19 morreram em um incêndio na UTI de um hospital perto de Mumbai. Poucos dias antes, 22 pacientes com coronavírus morreram em outro hospital no estado de Maharashtra, devido à falta oxigênio provocada por um defeito.

*Com informações da DW

Índia vai atrasar entrega de vacinas compradas pelo governo Bolsonaro

(Joel Rodrigues/Agência Brasília)

O Instituto Serum, responsável pela produção na Índia da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford, comunicou ao Brasil que não conseguirá cumprir os prazos de entrega dos imunizantes comprados pelo governo Jair Bolsonaro.

A informação foi publicada neste domingo (21/03) pelo jornal indiano Indian Times. Segundo o diário, o chefe do instituto, Adar Poonawalla, enviou uma carta à Fiocruz confirmando a suspensão das entregas, sem data exata para restabelecimento.

O Brasil, de acordo com Poonawalla, recebeu até agora 4 milhões dos 20 milhões de vacinas encomendados. A cifra difere da previsão mais recente da Fiocruz. Segundo a fundação, a negociação com a AstraZeneca e o Instituto Serum incluía a aquisição de mais oito milhões de doses ao longo dos próximos dois meses.

O atraso anunciada pelo Instituto Serum afeta também outros países, como Marrocos e Arábia Saudita. Ele foi justificado pelo aumento da demanda interna e dificuldades no trabalho de expansão de capacidade.

No início do mês, em declarações ao Congresso, o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, já havia indicado que poderia haver atrasos em março na carga vinda da Índia.

Pressão interna na Índia

A Índia, o maior fabricante mundial de vacinas, está sendo criticada domesticamente por doar ou vender mais doses do que administra em casa. O país está em meio a mais uma onda de covid-19, e já registrou mais de 11,6 milhões de infectados.

A informação do atraso de entregas ao Brasil é noticiado dias depois de o Reino Unido anunciar que teria que retardar seu programa de vacinação no próximo mês porque o instituto indiano demoraria a entregar doses planejadas. O Instituto Serum forneceu até agora metade das doses dos 10 milhões que o governo britânico encomendou.

Uma fonte citada pela agência de notícias Reuters disse que o Serum trabalha para expandir sua produção mensal de 60 para 100 milhões de doses até abril ou maio.

Originalmente, o instituto deveria vender vacinas apenas para países de média e baixa renda, principalmente na Ásia e África, mas problemas de produção em outras instalações da AstraZeneca forçaram-no a enviar para muitos outros países em nome da AstraZeneca.

A Índia doou até agora 8 milhões de doses e vendeu quase 52 milhões para 75 países, principalmente a vacina da AstraZeneca feita pelo Serum. A Índia já administrou mais de 44 milhões de doses desde que iniciou sua campanha de imunização, em meados de janeiro.

Vacina gerou constrangimento para Bolsonaro

No início do ano, sob pressão após a aquisição da Coronavac pelo governo de São Paulo e sem ter nenhuma dose em mãos para o início da campanha de vacinação nacional, Bolsonaro enviou uma carta  ao primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, pedindo urgência no envio ao Brasil, para, assim, tentar garantir o protagonismo da imunização.

O pedido de urgência para a importação das doses ocorreu após a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), entidade do governo federal, ter informado que ocorreria um atraso na chegada ao país do insumo necessário para a produção local do inoculante da AstraZeneca. 

Pouco depois, o Ministério das Relações Exteriores afirmou em nota que o Brasil adquiriu as doses do Instituto Serum e que a embaixada brasileira teria feito os preparativos junto às autoridades indianas para receber os lotes. Um avião chegou a iniciar viagem para buscar a vacina no país asiático. Tanto Bolsonaro quanto o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, prometiam a chegada do imunizante em dois dias.

Num constrangimento para Bolsonaro, o voo, porém, acabou sendo adiado depois que o governo indiano declarou que não poderia ainda dar uma data para a exportação de doses produzidas no país.

“Parece que o Brasil queimou a largada ao anunciar oficialmente o envio de uma aeronave para transportar 2 milhões de doses de vacina”, afirmou uma reportagem do jornal indiano Hindustan Times na época.

A carga com 2 milhões de doses acabou chegando apenas em finais de janeiro. O material já vem pronto para ser aplicado e é apenas rotulado na Fiocruz. O segundo lote, com mais dois milhões de doses, chegou ao Brasil em 23 de fevereiro.

Importação supriria demora na produção interna 

Segundo a Fiocruz, a vacina indiana serviu para reduzir o impacto inicial sobre o cronograma de entregas. A fundação planeja entregar cerca de 20 milhões de vacinas da AstraZeneca-Oxford por mês, a partir de abril. As entregas ocorrerão de forma semanal. Para março, estão previstos 3,8 milhões de doses, com entrega de 1,08 milhão para esta semana

As vacinas se referem à produção feita pela Fiocruz, sem contar com as compradas pelo Instituto Serum, na Índia.

A quantidade das doses indianas enviadas ao Brasil nunca foi confirmada, mas a imprensa brasileira noticiava que a previsão do governo era de que 2 milhões de doses fossem repassados mensalmente, a partir de abril.

Por Deutsche Welle

rpr/ek (Reuters, ots)

Satélite brasileiro será lançado na madrugada de domingo

Lançamento vai ocorrer na índia (Reprodução)

Será lançado no início da madrugada deste domingo (28) o foguete que levará, consigo, o Amazonia 1 – o primeiro satélite de observação da Terra totalmente projetado, integrado, testado e operado pelo Brasil. O lançamento, previsto para ocorrer à 1h54 (horário de Brasília), será transmitido ao vivo pela Agência Brasil e pela TV Brasil.

O Amazonia 1 será colocado em órbita pela missão PSLV-C51, da agência espacial indiana Indian Space Research Organisation (ISRO). Com seis quilômetros de fios e 14 mil conexões elétricas, o satélite integra a Missão Amazonia 1, que tem, por objetivo, fornecer dados de sensoriamento remoto para observar e monitorar o desmatamento, especialmente na região amazônica, além de monitorar a agricultura no país.

“O satélite Amazonia 1, que é de sensoriamento remoto óptico, vai dar autonomia ao Brasil para melhor monitorar seus diversos biomas, seus mares e todos os alvos de interesses que temos, porque é um satélite que estará sob domínio completo do Brasil”, explica o presidente da Agência Espacial Brasileira, Carlos Moura, que acompanha comitiva na Índia. “O momento de um lançamento como esse é o coroamento de esforços que duram muitos anos, às vezes dezenas de anos. Para alguns profissionais, é o desafio da carreira. O Amazonia 1 coroa esse esforço do Brasil que vem lá de 1979, 1980, com a Missão Espacial Brasileira, de o país ser capaz de desenvolver o satélite próprio de sensoriamento remoto óptico”, disse Carlos Moura.

O Amazonia 1 é o primeiro satélite de Observação da Terra completamente projetado, integrado, testado e operado pelo Brasil (Inpe/via Agência Brasil)

O Amazonia 1 vai gerar imagens do planeta a cada 5 dias. Sob demanda, poderá fornecer dados de um ponto específico em 2 dias – o que, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), ajudará na fiscalização de áreas que estejam sendo desmatadas, bem como na captura de imagens onde haja maior ocorrência de nuvens. De acordo com o instituto, o novo satélite possibilitará também o monitoramento da região costeira, de reservatórios de água e de florestas (naturais e cultivadas). Há, ainda, a possibilidade de uso para observações de possíveis desastres ambientais.

Olhar para dentro

Segundo o presidente da Agência Espacial Brasileira, tanto as missões que miram o ambiente terrestre como as que miram outros corpos celestes são de grande importância. “Os sistemas espaciais – os satélites que observam a Terra a partir de um ponto de vista privilegiado – nos permitem conhecer melhor os nossos oceanos, os nossos biomas, a nossa atmosfera, compreender melhor esse conjunto de fatores que fazem com que este planeta, até onde se saiba, seja o que contém as melhores condições de vida na forma como nós a conhecemos”, disse. “[Também é importante] se projetar para outros corpos celestes, tentando entender melhor como eles evoluíram e o que acontece com eles. Existem missões que procuram entender como ocorreu a evolução de outros corpos, se houve vida ou não, se eles têm componentes materiais que podem ser úteis para humanidade ou não”, acrescentou.

Missão Amazonia e Plataforma Multimissão

A Missão Amazonia pretende lançar, em data a ser definida, mais dois satélites de sensoriamento remoto: o Amazonia 1B e o Amazonia 2. “Os satélites da série Amazonia serão formados por dois módulos independentes: um módulo de serviço – que é a Plataforma Multimissão (PMM) – e um módulo de carga útil, que abriga câmeras e equipamentos de gravação e transmissão de dados de imagens”, detalha o Inpe.

Além de ajudar no monitoramento do meio ambiente, a missão ajudará na validação da Plataforma Multimissão como base modular para diversos tipos de satélites. Essa plataforma representa, segundo o Inpe, “um conceito moderno de arquitetura de satélites, que tem o propósito de reunir em uma única plataforma todos os equipamentos que desempenham funções necessárias à sobrevivência de um satélite, independentemente do tipo de órbita.”

Entre as funções executadas pela plataforma estão as de geração de energia, controle térmico, gerenciamento de dados e telecomunicação de serviço – o que possibilitará a adaptação a diferentes cargas úteis, além de reduzir custos e prazos no desenvolvimento de novas missões.

“Essa competência global em engenharia de sistemas e em gerenciamento de projetos coloca o país em um novo patamar científico e tecnológico para missões espaciais. A partir do lançamento do satélite Amazonia 1 e da validação em voo da PMM, o Brasil terá dominado o ciclo de vida de fabricação de sistemas espaciais para satélites estabilizados em três eixos”, informa o Inpe.

Entre os ganhos tecnológicos que a missão deverá render ao país, o Inpe destaca, além da validação da PMM, a consolidação do conhecimento do país no ciclo completo de desenvolvimento de satélites; o desenvolvimento da indústria nacional dos mecanismos de abertura de painéis solares, o desenvolvimento da propulsão do subsistema de controle de atitude e órbita na indústria nacional e a consolidação de conhecimentos na campanha de lançamento de satélites de maior complexidade.

Por Pedro Peduzzi e Adrielen Alves – Repórteres da Agência Brasil e da Rádio Nacional 

Índia enviará vacinas ao Brasil amanhã, diz secretário indiano

Vacina do laboratório AstraZeneca/Oxford, em parceria com a Fiocruz (Divulgação)

O governo da Índia liberou as exportações comerciais de vacinas contra a covid-19. As primeiras remessas serão enviadas na sexta-feira para Brasil e Marrocos, disse o secretário de Relações Exteriores da Índia,  Harsh Vardhan Shringla, nesta quinta-feira (21) à Reuters.

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, compartilhou a informação pelas redes sociais. 

As vacinas desenvolvidas pela farmacêutica britânica AstraZeneca e pela Universidade de Oxford estão sendo fabricadas no Instituto Serum da Índia, o maior produtor mundial de vacinas, que recebeu pedidos de países de todo o mundo.

O governo indiano suspendeu a exportação de doses até iniciar seu próprio programa de imunização no fim de semana passado. No início desta semana, a Índia enviou suprimentos gratuitos para países vizinhos, incluindo Butão, Maldivas, Bangladesh e Nepal.

O secretário disse que o fornecimento comercial da vacina começaria na sexta-feira, de acordo com o compromisso do primeiro-ministro Narendra Modi de que a capacidade de produção da Índia seriam usadas por toda a humanidade para combater a pandemia.

“Seguindo essa visão, respondemos positivamente aos pedidos de fornecimento de vacinas manufaturadas indianas de países de todo o mundo, começando pelos nossos vizinhos”, disse ele, referindo-se ao fornecimento gratuito.

“O fornecimento das quantidades comercialmente contratadas também começará a partir de amanhã, começando por Brasil e Marrocos, seguidos pela África do Sul e Arábia Saudita”, acrescentou.

Doses

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, declarou em entrevista coletiva na segunda-feira  que a conclusão da viagem para trazer um carregamento de vacinas importadas da Índia deveria ter uma resolução ainda “nesta semana”.

“Estamos contando com essas 2 milhões de doses para que a gente possa atender mais ainda a população”, informou Pazuello na ocasião.

Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro publicou em suas redes sociais sobre a decisão do governo da Índia de liberar as exportações de vacina contra a covid-19 e elogiou o trabalho do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e dos servidores do Itamaraty.

Por Agência Brasil

*com informações da Reuters

Incêndio destrói fábrica de vacina na Índia

Um incêndio de grandes proporções atingiu nesta quinta-feira (21/01) um prédio em construção no complexo do Instituto Serum, na Índia, maior produtor de vacinas do mundo. Ao menos cinco pessoas morreram. A produção de doses para covid-19 não foi afetada.

O Instituto Serum fica na cidade de Pune, em Maharashtra, no sul da Índia. A causa do incêndio ainda não foi determinada.

As mortes foram confirmadas pelo prefeito de Pune, Murlidhar Mohol. Segundo a imprensa indiana, equipes de resgate acharam os cinco corpos no prédio atingido depois que o incêndio foi controlado.

“Estamos profundamene tristes e oferecemos nossas mais profundas condolências aos familiares dos que partiram”, escreveu o CEO do instituto, Adar Poonwala, no Twitter, sem dar mais detalhes.

A companhia garantiu que o incêndio foi restrito a um prédio que está sendo construído para aumentar a produção de vacinas para covid-19. Nem a produção nem o estoque de cerca de 50 milhões de doses foram afetados.

Poonwala disse que não haveria perda na fabricação de vacinas porque a empresa tem outras instalações disponíveis.

É do Instituto Serum que o governo Jair Bolsonaro esperava que viessem 2 milhões de vacinas para o Brasil, mas não houve acordo. A negociação marcou um dos maiores constrangimentos diplomáticosdo atual governo, e não há previsão de destrave no impasse.

As imagens do incêndio mostraram enormes nuvens de fumaça do edifício enquanto os bombeiros trabalhavam para extinguir o fogo. Dezenas de trabalhadores da empresa em trajes de laboratório deixaram o complexo.

O Instituto Serum é o maior fabricante de vacinas do mundo e foi contratado para fabricar um bilhão de doses da vacina da AstraZeneca/Universidade de Oxford.

O CEO Poonawalla disse em uma entrevista no mês passado que espera aumentar a capacidade de produção de 1,5 bilhão para 2,5 bilhões de doses por ano até o final de 2021. A nova instalação seria parte da expansão.

Dos mais de 12 bilhões de doses de vacina contra o coronavírus a serem produzidos neste ano, os países ricos já compraram cerca de 9 bilhões, e muitos têm a opção de comprar ainda mais. Como resultado, é provável que o instituto produza a maior parte das vacinas que serão usadas pelas nações em desenvolvimento.

Por Deutsche Welle

RPR/ap/rtr

Brasil tenta destravar carga de ingredientes das vacinas

(Gov. do Estado de SP)

O atraso na importação de ingredientes produzidos na China e essenciais para a distribuição no Brasil das duas vacinas já aprovadas no país – a Coronavac e a de Oxford/AstraZeneca – ameaça a continuidade do programa de imunização e mobilizou autoridades brasileiras de diferentes níveis para tentar resolver o impasse, ainda sem solução à vista.

Estão parados na China, aguardando a liberação de Pequim, carregamentos do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) da Coronavac, usado pelo Instituto Butantan para elaborar o imunizante em São Paulo, e o da vacina de Oxford/AstraZeneca, que será processada e distribuída pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Rio de Janeiro.

O Butantan já zerou seu estoque para produzir novas doses, e devido ao atraso a Fiocruz adiou de 8 de fevereiro para março a entrega inicial do seu imunizante. A situação ficou mais dramática após o fracasso do governo brasileiro em tentar importar 2 milhões de doses prontas da vacina de Oxford/AstraZeneca feitas na Índia.

Fontes diplomáticas ouvidas pelo site G1 e pelos jornais O Globo e Folha de S.Paulo afirmam que o atraso envolve questões burocráticas e diplomáticas e que a relação do governo de Jair Bolsonaro com Pequim está desgastada devido a inúmeros ataques do presidente e de seu entorno ao país asiático. Se o problema não for solucionado, a aplicação de vacinas no Brasil pode ter que ser interrompida em fevereiro por falta de doses.

Na quarta-feira (20/01) de manhã, Bolsonaro cobrou de ministros que buscassem uma solução para o caso. Depois, participaram de uma videoconferência com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, os ministros da Saúde, Eduardo Pazuello, da Agricultura, Tereza Cristina, e das Comunicações, Fábio Faria. Bolsonaro também solicitou uma conversa telefônica com o presidente da China, Xi Jinping, ainda sem data para ocorrer.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, está afastado da interlocução com os chineses, segundo o jornal O Estado de S. Paulo. O chanceler já se referiu ao coronavírus como “comunavírus” e saiu em defesa do filho do presidente, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), quando ele insinuou que o governo chinês usaria a tecnologia 5G da empresa Huawei para promover “espionagem” no país – o leilão do 5G no Brasil ainda não ocorreu e é de grande interesse para Pequim.

Também entraram no circuito para liberar a exportação dos IFAs para o Brasil o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que conversou com o embaixador chinês na quarta-feira, e o governador de São Paulo, João Doria, que mobilizou o escritório do governo paulista em Xangai para atuar no caso.

Embaixada da China diz buscar solução

Após a reunião com os ministros Pazuello, Cristina e Faria, a embaixada chinesa no Brasil publicou mensagem em rede social afirmando que “a China continuará unida ao Brasil no combate à pandemia para superar em conjunto os desafios colocados pela pandemia”. Não foram divulgados detalhes da conversa.

Maia, que dialogou com Wanming separadamente, afirmou que o embaixador chinês disse que o atraso no envio do IFA ao Brasil decorria de obstáculos técnicos e não políticos. “Ele disse que trabalha junto ao governo chinês para que a gente possa acelerar – a exportação no nosso caso – desses insumos para que possamos restabelecer logo a produção”, afirmou o presidente da Câmara.

Já o governador de São Paulo, João Doria, disse, na quarta-feira, que o “mal-estar claro do governo chinês com o governo brasileiro” estava contribuindo para o atraso no envio do IFA. Segundo o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, a única autorização que falta para a exportação do ingrediente da Coronavac é a do Ministro das Relações Exteriores da China.

Após as manifestações de Maia e Doria sobre o caso, o Palácio do Planalto afirmou em nota que o governo federal “é o único interlocutor oficial com o governo chinês”.

O Butantan aguara a liberação de um lote de 5,4 mil litros do insumo, que seriam suficientes para produzir cerca de 5 milhões de doses da Coronavac. Já a AstraZeneca espera começar a receber duas remessas mensais do IFA, que seriam suficientes para produzir 3,5 milhões de doses por semana.

Araújo nega problema político

Enquanto os ministros do governo se reuninam com o embaixador da China, o chanceler Araújo participou de reunião virtual com deputados da comissão externa da Câmara que avalia o combate à pandemia e negou que as dificuldades para importar doses da vacinas e o IFA sejam consequência de problemas políticos ou diplomáticos.

“Nós não identificamos nenhum problema de natureza política em relação ao fornecimento desses insumos provenientes da China. (…) Nem nós do Itamaraty, aqui de Brasília, nem a nossa embaixada em Pequim nem outras áreas do governo identificaram problemas de natureza política e diplomática”, afirmou.

Para o chefe do Itamaraty, os atrasos se devem à demanda alta pelos insumos em todo o mundo neste momento. Ele não deu prazos para resolver a questão e apenas disse que o tema “está bem encaminhado” e que ele conduz pessoalmente as conversas com autoridades da Índia. Araújo afirmou que o país asiático é imenso e também está em campanha de vacinação, o que tornava o tema “sensível”.

Doses prontas da Índia

A frustração do plano do governo federal de trazer 2 milhões de doses prontas da Índia está ligada não só à prioridade de Nova Déli para vacinar sua população, mas também a uma decisão tomada por Brasília em outubro do ano passado de não apoiar o país asiático em seu pedido de suspensão temporária das patentes de suprimentos e vacinas para o combate à covid-19, feito à Organização Mundial de Comércio (OMC), segundo informou o site G1.

O Brasil foi contra a quebra de patentes e se alinhou aos Estados Unidos, à União Europeia e ao Japão, enfraquecendo a posição da Índia na OMC, o que provocou esfriamento da relação diplomática entre os dois países. O governo da Índia começará a exportar nesta quarta doses prontas da vacina para alguns países, mas o Brasil não está na lista.

Há também irritação na Índia com a publicidade dada pelo governo Bolsonaro à sua tentativa de comprar vacinas do país antes que o negócio tivesse sido fechado, o que envolveu até o adesivamento do avião que sairia do Brasil para buscar imunizantes.

No caso da China, o país sofreu diversos ataques de integrantes do governo Bolsonaro desde o início da atual gestão. O próprio presidente afirmou, em outubro, que não compraria a Coronavac. Seu filho Eduardo faz provocações frequentes à China, culpou o país pela pandemia e insistiu que o uso de tecnologia chinesa na rede 5G no Brasil favoreceria a “espionagem” pelo país asiático. Abraham Weintraub, quando era ministro da Educação, disse que via alta probabilidade de novas pandemias começarem na China, pois os habitantes do país comiam “tudo o que o sol ilumina”, e ridicularizou o sotaque dos chineses que falam português e trocam as letras R por L.

Por Bruno Lupion, da Deutsche Welle

Índia exclui Brasil do início das exportações de vacina

(John Cairns/University of Oxford/Reprodução)

O governo da Índia anunciou nesta terça-feira (19/01) que iniciará a exportação de vacinas contra a covid-19 nesta quarta-feira. O Brasil não aparece na lista dos seis países que receberão os primeiros lotes.

Em comunicado, o Ministério do Exterior indiano afirma que recebeu muitos pedidos para o fornecimento das doses produzidas em seu território, que são da vacina desenvolvida pela farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca e a Universidade de Oxford. 

“Em resposta a esses pedidos, e mantendo o comprometimento de usar a produção de vacinas da Índia e capacidade de entrega para ajudar a humanidade a combater a pandemia de covid-19, os fornecimentos da concessão de ajuda para o Butão, Ilhas Maldivas, Bangladesh, Nepal, Myanmar e Ilhas Seychelles começarão em 20 de janeiro”, diz o texto.

A nota cita ainda que aguarda confirmações de autoridades regulatórias do Sri Lanka, Afeganistão e Ilhas Maurício para a exportação das doses. Apesar de o governo de Jair Bolsonaro afirmar há mais de uma semana que deve receber em breve o imunizante da Índia, o Brasil sequer é mencionado no comunicado.

O texto também diz que os países deverão receber o imunizante em etapas nas próximas semanas e meses, mas ressalta que será garantido o fornecimento interno antes da exportação.

Anúncio causa preocupação

De acordo com a agência de notícias Reuters, o primeiro lote exportado da vacina irá para o Butão. Outros 2 milhões de doses serão enviados para Bangladesh. Na Índia, o imunizante da AstraZeneca-Oxford está sendo produzido pelo Instituto Serum, maior fabricante de vacinas do mundo.

A vacina, inicialmente a única aposta do governo Bolsonaro, requer duas doses para atingir sua eficácia máxima de proteção contra a covid-19, e pode ser armazenada em temperatura de geladeira, o que facilita a logística de distribuição.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o anúncio da Índia causou preocupação no governo brasileiro, que acreditava que poderia receber em breve as doses da vacina. Fontes ouvidas pelo jornal disseram que trabalham com a expectativa de que a carga chegue até o final do mês. Após falhas de comunicação, o governo indiano teria pedido ainda a autoridades brasileiras mais discrição nas negociações.

Apelos do Brasil

A Índia recebeu dezenas de pedidos de várias nações, inclusive apelos urgentes do Brasil, para o início da exportação da vacina. O país asiático, no entanto, aguardava o começo de sua campanha de vacinação interna, que ocorreu no último sábado, para enviar as doses.

Diante da iminência da aprovação de uma vacina contra a covid-19 no Brasil e sem ter nenhuma dose em mãos para o início da campanha de vacinação, em 8 de janeiro Bolsonaro enviou uma carta ao primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, pedindo urgência no envio ao Brasil, para, assim, tentar garantir o protagonismo da imunização.

O pedido de urgência para a importação das doses ocorreu após a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), entidade do governo federal, ter informado que ocorreria um atraso na chegada ao país do insumo necessário para a produção local do inoculante da AstraZeneca. Até o fim do ano, o governo brasileiro espera contar com mais de 200 milhões de doses do imunizante produzidos pela Fiocruz.

Pouco depois, o Ministério das Relações Exteriores afirmou em nota que o Brasil adquiriu as doses do Instituto Serum e que a embaixada brasileira teria feito os preparativos junto às autoridades indianas para receber os lotes. Na semana passada, um avião chegou a iniciar viagem para buscar a vacina no país asiático. Tanto Bolsonaro quanto o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, prometiam a chegada do imunizante em dois dias.

O voo, porém, acabou sendo adiado depois que o governo indiano declarou que não poderia ainda dar uma data para a exportação de doses produzidas no país. “Parece que o Brasil queimou a largada ao anunciar oficialmente o envio de uma aeronave para transportar 2 milhões de doses de vacina”, afirmou uma reportagem do jornal indiano Hindustan Times.

Apesar da aparente falta de confirmação do governo indiano, Pazuello continuou insistindo que a vacina deve ser exportada em breve. Numa coletiva de imprensa no final da tarde desta segunda-feira, o ministro havia afirmado que a Índia sinalizou que deve liberar as doses nos próximos dias, além de alegar que a negociação com o país é difícil devido ao fuso horário.

Campanha de vacinação

A campanha de vacinação no Brasil começou nesta segunda-feira com a Coronavac, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, aposta do governo paulista, após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ter dado autorização ao uso emergencial dos dois imunizantes.

Ao longo do ano passado, a Coronavac foi constantemente desprezada pelo presidente, que chegou a comemorar a morte de um voluntário na fase de testes – num caso sem relação com o estudo – e a suspensão temporária do estudo. “Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, afirmou na época.

Em testes realizados no Brasil, a Coronavac obteve uma eficácia geral de 50,38%. O índice indica a capacidade da vacina de proteger contra todos os casos da doença, independente da gravidade.

Já testes preliminares realizados com o imunizante da AstraZeneca-Oxford apontaram eficácia média de 70,4%. Especialistas afirmam, contudo, que os resultados das duas vacinas não podem ser comparados, já que os estudos foram realizados em público diferente e usando métodos e cálculos distintos.

Por Deutsche Welle

CN/rtr/ots