Capital registra 2ºC no extremo sul da cidade

Ontem (29), durante a tarde, termômetros já davam sinais de que a noite seria gelada (Roberto Parizotti/Fotos Públicas)

A Capital paulista registrou durante a madrugada 2ºC na região de Engenheiro Marsilac, no extremo sul da cidade. Parelheiros, bairro vizinho, marcou 4ºC, segundo dados do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE-SP).

Na média, São Paulo registrou 5ºC durante a madrugada. Quem acordou cedo para trabalhar precisou de coragem para sair debaixo dos cobertores.

Com céu nublado e vento, na manhã de hoje (30), o paulistano demorou para perceber melhora na temperatura. A máxima prevista para hoje não deve superar 16°C. Não há previsão de chuva.

Para os próximos dias, dizem os meteorologistas do CGE, a frente fria se afasta do litoral paulista e o sol retorna entre nuvens, “porém a massa de ar polar deve provocar dias gelados no decorrer da semana”, salientam.

Amanhã (01), o dia também deve começar gelado, em um cenário semelhante ao desta quarta-feira, com temperatura perto de 6ºC.

“No decorrer do dia o sol ajuda a diminuir um pouco a sensação de frio e favorece a gradativa elevação das temperaturas, com máximas que podem chegar aos 18°C”, prevêem.

Inverno começa com risco de agravamento da crise hídrica

Sistema Cantareira (Arquivo/Sabesp)

O inverno no Hemisfério Sul começa às 0h32 (horário de Brasília) de hoje (21), quando ocorre o solstício de inverno. Caracterizada pelas baixas temperaturas e redução das chuvas em parte do país, a estação se estenderá até o dia 22 de setembro.

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o período menos chuvoso nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e em parte das regiões Norte e Nordeste tende a favorecer a incidência de queimadas e de incêndios florestais, bem como um aumento do número doenças respiratórias, já que a umidade relativa do ar diminui bastante.

Além disso, os baixos índices pluviométricos típicos do período podem agravar a já preocupante situação dos reservatórios hídricos de parte do país. De acordo com o Inmet, a precipitação nos estados que compõem a bacia do Rio Paraná (Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná e São Paulo), por exemplo, já vem registrando chuvas abaixo da média desde o ano passado, e essa situação deve se prolongar pelos próximos meses.

“Neste ano, a situação de escassez de chuvas na bacia do Rio Paraná foi mais extrema em relação aos anos de 2018 e 2019, principalmente nos dois últimos meses (abril e maio)”, informa o Inmet, em nota.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, a situação hidrológica registrada em 2021 é a pior dos últimos 91 anos. O baixo volume de chuvas afeta a geração de energia elétrica porque 65% da produção nacional provêm de hidrelétricas, que dependem do recurso em abundância.

Por outro lado, a típica circulação de massas de ar frio vindas do sul do continente tendem a derrubar as temperaturas, o que pode causar a formação de geadas nas regiões Sul, Sudeste e no estado de Mato Grosso do Sul, e até mesmo queda de neve em áreas serranas e planaltos da Região Sul.

Também em nota, a Climatempo Meteorologia alerta que a baixa umidade e o solo cada vez mais seco facilitarão a propagação do fogo, sobretudo no Tocantins, em Rondônia, no Acre, bem como na região sul do Amazonas e em partes do Pará e das regiões Sudeste e Nordeste.

Veja abaixo o prognóstico do Inmet para os próximos três meses em cada uma das regiões brasileiras.

Região Norte – A previsão climática indica maior probabilidade de que as chuvas ocorram ligeiramente acima da média climatológica sobre o norte da região, principalmente os estados de Roraima e Amapá. Nas demais áreas, existe uma tendência de as chuvas ficarem próximas e abaixo da média, principalmente no sul da região amazônica, onde normalmente chove abaixo de 300 mm no período de julho a setembro. A temperatura média do ar nos próximos meses deve permanecer acima da média.

As condições de falta de chuvas, alta temperatura e baixa umidade relativa do ar favorecem a incidência de queimadas e incêndios florestais, muito comuns na metade do inverno e início da primavera. Por outro lado, isso não descarta a ocorrência de eventuais episódios de friagens no sul dessa região, devido à passagem de massas de ar frio mais continentais.

Região Nordeste – A previsão indica o predomínio de áreas com maior probabilidade de chuvas próximas à climatologia durante esta estação, principalmente no interior da região. Em algumas áreas, como o norte do Maranhão e do Ceará, leste do Rio Grande do Norte e da Paraíba, as chuvas ainda poderão superar ligeiramente a média durante o mês de julho. Predomínio de temperaturas próximas e acima da média em grande parte da região, exceto no centro-leste da Bahia, onde as temperaturas podem ser ligeiramente abaixo da média durante o mês de setembro.

Região Centro-Oeste – No Centro-Oeste, o período seco já teve início, e a tendência é que a umidade relativa do ar diminua ainda mais nos próximos meses, com valores diários que podem ficar abaixo de 30% e picos mínimos abaixo de 20%. Dessa forma, a previsão para o inverno indica alta probabilidade de as chuvas ocorrerem dentro e abaixo da faixa climatológica em grande parte da região, exceto no centro-sul de Mato Grosso do Sul, onde as chuvas deverão ser ligeiramente acima da média durante o mês de setembro. As temperaturas deverão permanecer acima da média, devido à permanência de massas de ar seco e quente, principalmente nos meses de agosto e setembro, favorecendo a ocorrência de queimadas e incêndios florestais. Em algumas localidades do leste de Mato Grosso do Sul e sul de Mato Grosso, as temperaturas poderão ser ligeiramente abaixo de seus valores climatológicos, devido à passagem de algumas massas de ar frio mais continentais.

Região Sudeste – O trimestre de junho a agosto corresponde ao período mais seco da região, especialmente no norte de Minas Gerais. Desse modo, a previsão do Inmet para o inverno no Sudeste indica que as chuvas devem permanecer próximas ou ligeiramente abaixo da média, porém não se descarta a ocorrência de chuvas próximas ao litoral da Região Sudeste no mês de julho, devido a passagem de frentes frias. No caso das temperaturas, elas devem permanecer acima da média em grande parte da região, com exceção do norte de Minas Gerais e do Espírito Santo, onde as temperaturas podem ser próximas ou ligeiramente abaixo de seus valores climatológicos.

Região Sul – O prognóstico para os meses de inverno indica predomínio de chuvas próximas e abaixo da média em grande parte da Região Sul. Em algumas áreas localizadas sobre o sul e leste do Rio Grande do Sul e sudeste de Santa Catarina, a tendência é de que ocorram chuvas abaixo da média, principalmente no mês de setembro. A maior frequência das frentes frias contribuirá para maiores variações nas temperaturas ao longo do trimestre, com a previsão de temperaturas médias próximas e acima da climatologia em grande parte da Região Sul. As temperaturas médias mais elevadas estão previstas para o mês de setembro, principalmente no Paraná. Temperaturas abaixo da média são previstas para o leste de Santa Catarina e do Paraná, além do nordeste do Rio Grande do Sul, pois a incursão de massas de ar de origem polar pode provocar declínio nas temperaturas, possibilitando a ocorrência de geadas especialmente em áreas de maior altitude.

Por Agência Brasil

Capital terá temperatura de 10°C nesta segunda-feira

Capital paulista terá segunda-feira com temperatura mínima de 10°C
Capital paulista terá segunda-feira com temperatura mínima de 10°C
A capital paulista deverá ter nesta segunda-feira (24), a temperatura mais baixa do ano até o momento(Nivaldo Lima/SP AGORA)

A capital paulista deverá ter nesta segunda-feira (24), a temperatura mais fria do ano até o momento. A previsão do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) que os termômetros marquem mínima de apenas 10°C.

Segundo o Inmet, apesar da temperatura baixa durante a madrugada, a semana começará com poucas nuvens, com predomínio do sol, e a máxima deverá chegar até os 22°C.

Na terça (25), a mínima também será de 10°C , e o frio intenso levará a capital paulista a encarar até a possibilidade de geada, porque o céu seguirá sem muitas nuvens, com ventos fracos ou moderados. A máxima, entretanto, não passa dos 23°C .

A quarta (26) terá uma nova mudança no tempo. Os termômetros seguirão em baixa, mas haverá a possibilidade de pancadas de chuva na capital. Segundo o Inmet, a cidade deverá registrar a temperatura mais baixa do ano até então, com apenas 8°C. A máxima chega a 24°C.

A previsão para a quinta (27) é de chuva novamente, com a temperatura mínima subindo um pouco, chegando aos 12°C e a máxima não passando dos 23°C.

Na semana passada, no dia 20, termômetros marcaram mínima de 11,7°C, a menor do ano até então na cidade.

Inverno no Hemisfério Sul começa amanhã

Começa amanhã (20), mais precisamente às 18h44, o inverno no Hemisfério Sul. Marcada como o período menos chuvoso das regiões Sudeste, Centro-Oeste, e de parte das regiões Norte e Nordeste, a estação se estenderá até as 10h31 do dia 22 de setembro. A diminuição da chuva em boa parte do país acaba por reduzir também a umidade relativa do ar, favorecendo o aumento de queimadas, incêndios florestais e a incidência de doenças respiratórias.

(Arquivo/Rovena Rosa/Arquivo/ Agência Brasil)

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), as localidades que, no inverno, costumam apresentar maiores quantidades de chuva são o noroeste da Região Norte, leste do Nordeste e parte da Região Sul. Outras características da estação são as incursões de massas de ar frio, procedentes do sul do continente. Por causa delas, há no país, queda “acentuada” das temperaturas médias do ar. Também são observadas formações de nevoeiros e/ou névoa úmida nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, decorrentes das inversões térmicas.

Segundo o Inmet, as massas de ar frio podem resultar em temperaturas inferiores a 22 ºC sobre a parte leste da regiões Sul e Sudeste, com fenômenos como a formação de geadas nas regiões Sul, Sudeste e no estado do Mato Grosso do Sul; neve em áreas serranas e planaltos da Região Sul; e episódios de friagem nos estados de Rondônia, Acre e no sul do Amazonas.

Prognósticos 

Região Norte

A previsão climática para a Região Norte é de que a chuva ocorra “próxima ou acima da média climatológica sobre o norte da região e parte leste do Amazonas”, informou, em nota, o Inmet. Ainda de acordo com o instituto, nas demais áreas a tendência é de que a chuva fique abaixo da média, “principalmente no sul da região amazônica, onde normalmente chove abaixo de 300 milímetros no período de julho a setembro”.

A temperatura média nos próximos meses deve ficar acima da média, em especial na divisa entre o Pará e Tocantins. O Inmet alerta que a falta de chuva, associada à alta temperatura local e à baixa umidade do ar favorece a incidência de queimadas e incêndios florestais.

Região Nordeste

Para a Região Nordeste, a previsão é de predomínio de áreas com maior probabilidade de chuva “próxima ou acima da climatologia” durante a estação, principalmente na costa leste, onde o período chuvoso já se aproxima de seu final. Na metade sul do Maranhão, oeste da Bahia, do Rio Grande do Norte e da Paraíba, e no nordeste do Ceará, a chuva permanecerá “ligeiramente abaixo da climatologia”. O interior dessa região terá iniciado seu período de seca nos próximos meses, segundo o Inmet.

A temperatura neste inverno, ao que tudo indica, deverá ficar acima da média no Maranhão, Piauí, oeste da Bahia e parte do Ceará. Nas demais áreas, as temperaturas devem ser próximas à média ou ligeiramente abaixo, principalmente em áreas onde a previsão indica chuva acima da média.

Região Centro-Oeste

No Centro-Oeste, a previsão é de alta probabilidade de a chuva ocorrer dentro ou ligeiramente abaixo da faixa climatológica em grande parte da região. Segundo o Inmet, o período de seca já começou e a tendência é de que a umidade relativa do ar diminua nos próximos meses, “com valores diários que podem ficar abaixo de 30% e picos mínimos abaixo de 20%”.

A expectativa é de que as temperaturas fiquem acima da média, com o ar seco e quente se mantendo principalmente nos meses de agosto e setembro. Isso, segundo o instituto, acaba por favorecer também nessa região a incidência de queimadas e incêndios florestais. “Em algumas localidades do leste de Mato Grosso do Sul, as temperaturas poderão ser ligeiramente abaixo de seus valores climatológicos, devido à passagem de algumas massas de ar frio mais continentais”, acrescenta o Inmet.

Região Sudeste

O trimestre de junho a agosto é o período mais seco da região, especialmente no norte de Minas Gerais. Assim sendo, a chuva deverá ter incidência próxima ou ligeiramente abaixo da média. A exceção fica com o litoral do Rio de Janeiro, sul e extremo oeste de São Paulo, onde a chuva deve ser ligeiramente acima do normal.

A temperatura também deve ficar acima da média em grande parte da região, exceto no norte de Minas Gerais e no Espírito Santo, onde deve ficar próxima ou ligeiramente abaixo da média.

Região Sul

No Sul deverá haver predomínio de chuva acima da média em grande parte da região. Em parte do oeste do Paraná, no extremo sul de Santa Catarina e na parte central do Rio Grande do Sul, a tendência é de que ocorra chuva abaixo da média. “A maior frequência das frentes frias contribuirá para maiores variações nas temperaturas ao longo deste trimestre, com a previsão de temperaturas médias próximas à climatologia em grande parte da região”, informou o Inmet.

De acordo com o órgão, a chegada frequente de massas de ar de origem polar poderá provocar declínio nas temperaturas, possibilitando a ocorrência de geadas em localidades de maior altitude. A expectativa é de temperaturas acima da média no norte do Paraná e no extremo sul do Rio Grande do Sul.

Por Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil 

Após noite agradável, veja como fica o tempo hoje

Por do sol na Zona Norte de São Paulo (Nivaldo Lima/SP Agora)

A noite de ontem (18) ficou com a temperatura mais agradável, segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), após mais um dia quente. Mas a temperatura amena, que chegou a 18ºC, em média, foi apenas um alívio diante da jornada de calor que atinge a região metropolitana.

Hoje (19), apesar do dia começar com média abaixo de 20ºC, ao longo do dia os termômetros sobem e chegam a 34ºC à tarde. A massa de ar seco ainda predomina sobre boa parte da região e impede a entrada de frentes frias.

O cenário se repete amanhã (20), com máxima de 35ºC, mas uma frente fria de fraca atividade se propaga pelo litoral, no fim da tarde, afastada da costa, provocando aumento de nebulosidade e rajadas de vento, além de favorecer o retorno das chuvas de forma isolada para a Grande São Paulo.

Domingo teve a menor temperatura máxima desde 2013

Por Flávia Albuquerque

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A capital paulista registrou ontem (4) 12,2°C, a menor temperatura máxima do ano, segundo as medições feitas pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Essa foi a menor temperatura registrada desde julho de 2013 quando os termômetros marcaram 11,5°C no dia 25 e 8,5°C no dia 24. Desde o ano 2000 esta foi a sexta vez em que o clima não superou os 12,2°C.

Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da capital paulista, a manhã de hoje (5) terminou com sol entre muitas nuvens e sem chuvas, com os termômetros marcando 17,4°C em média. A máxima pode alcançar 19°C, sem expectativa de chuvas. Na madrugada e início da manhã, os termômetros oscilaram em torno de 10ºC.  

Próximos dias

De acordo com os meteorologistas do CGE, a terça-feira (06) começará com muitas nuvens e névoa úmida. No decorrer do dia, o sol poderá facilitar a gradual elevação da temperatura. A mínima deverá ser de 11°C e a máxima de 23°C.

Na quarta-feira (07) poderá ocorer formação de nevoeiro e sensação de frio ao amanhecer. Ainda pela manhã, o ar seco ganhará força e o sol passará a predominar, o que vai favorecer a rápida elevação da temperatura. Durante a tarde, os menores índices de umidade se aproximarão dos 30%. Os termômetros deverão oscilar entre 12°C e 26°C.

Atendimento a pessoas em situação de rua

Pelo menos 545 pessoas foram encaminhadas para os serviços de acolhimento da rede socioassistencial da capital paulista na madrugada de hoje (5) pela Coordenação de Pronto Atendimento Social da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social. No final de semana (de 2 a 5 de agosto) foram encaminhadas 1.468 pessoas para os Centros de Acolhida, Centros Temporários de Acolhimento e abrigos emergenciais.

O atendimento faz parte da Operação Baixas Temperaturas efetuada pela Prefeitura, iniciada em maio e prevista para terminar em setembro. A operação é reforçada sempre que a temperatura atinge patamar igual ou inferior a 13°C ou sensação térmica equivalente.

Após domingo frio, confira a previsão para semana

(SP Agora)

Após um fim de semana de frio em São Paulo, os meteorologistas apontam aumento nos termômetros nos próximos dias. Após a passagem de uma frente fria, que provocou chuva na região metropolitana, a massa de ar frio derrubou as temperaturas.

Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), da Prefeitura de São Paulo, o domingo (4) começou com temperatura média de 9ºC. Ao longo da manhã e início da tarde, os termômetros não subiram muito. Com o céu nublado e sem sol, a média registrada nas estações meteorológicas por volta do meio dia foi de 11ºC, e previsão de garoa até o começo da noite.

Começa da semana

Segundo meteorologistas, a segunda-feira (5) vai começar com formação de névoa úmida e céu nublado. “No decorrer do dia, mesmo entre muitas nuvens, o sol aparece e a aos poucos a temperatura apresenta elevação. Não há previsão de chuva”, informa o CGE, que calculam temperatura mínima de 10°C e máxima de 19°C durante a tarde.

Já na terça-feira (06), há chance de neblina ao amanhecer, mas ainda durante o período da manhã o ar seco ganha força e o sol predomina. O período da tarde será ensolarado e com temperatura agradável.

Mínima de 11°C e máxima de 22°C.

Leia também:

https://spagora.com.br/segundo-ataque-em-menos-24h-mata-10-pessoas-nos-eua/

Capital teve a menor temperatura em três meses

Por Fernanda Cruz

Começo do dia registrou a menor temperatura deste domingo (Nivaldo Lima/SP Agora)

A temperatura mínima na capital paulista, durante a madrugada de hoje (7), chegou oficialmente a 6,5°C, a menor registrada em três anos, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Para um mês de julho, essa também foi a menor temperatura em seis anos.

Em algumas regiões, como na zona sul, na região do Ipiranga, a temperatura foi ainda menor, de 4,8°C. No aeroporto de Congonhas, os termômetros chegaram a 6°C e, no aeroporto de Guarulhos, a temperatura mínima foi de 4°C.

No interior do estado, a forte massa de ar frio e seco de origem polar foi responsável pelo frio intenso. A cidade de Campos do Jordão registrou -1,2°C, Pradópolis marcou 1,1°C e Ituverava registrou 1,2°C. Houve formação de geada na região norte do estado.

A tendência é que as temperaturas continuem baixas na maioria das regiões paulistas. A circulação marítima traz o vento de sudeste, que aumenta a chance de formação de névoa úmida e nevoeiros entre o sul e leste do estado, incluindo a capital paulista. A temperatura mínima deve chegar aos 7°C, em média, no início da próxima semana, na cidade de São Paulo.

Força-tarefa

O governo estadual informou que criou uma força tarefa para a distribuição de cobertores, colchões, roupas e água para pessoas em situação de rua que sofrem com o frio. Serão distribuídos agasalhos e cobertores nas regiões central, Jabaquara, Bresser e na zona norte. No total, serão mais de 5 mil peças oferecidas, arrecadadas na Campanha do Agasalho.

As unidades da Polícia Militar, além disso, foram orientadas a conduzir as pessoas que estiverem em vulnerabilidade, por consequências do frio, aos abrigos públicos. Equipes da Defesa Civil também vão realizar abordagens.

Frio pode ter matado três pessoas na capital

Por Daniel Mello

Local onde morador de rua foi encontrado morto no Terminal Rodoviário da Barra Funda, na zona oeste
(Nivaldo Lima/SP Agora)

Ao menos três pessoas em situação de rua foram encontradas mortas ontem (5) e hoje (6), durante a forte onda de frio que atinge a capital paulista. Na madrugada deste sábado, a temperatura alcançou 7,4° graus Celsius (ºC). Em junho de 2016 a cidade chegou a registrar 3,5°C. A temperatura mais baixa deste ano havia sido registrada em 9 de junho, com os termômetros do Mirante de Santana, na zona norte, marcando 11,1°.

Mortes

Moradores em situação de rua dormem perto da área de embarque do Terminal da Barra Funda
(Nivaldo Lima/SP Agora)

Na manha dessa sexta-feira, Gabriel Laffot, de 22 anos, foi encontrado embaixo de uma das escadas do Terminal de Ônibus da Barra Funda, zona oeste da cidade. Segundo a Secretaria da Segurança Pública, o caso foi registrado como morte súbita sem causa aparente. Foram requisitados exames para determinar a causa da morte.

No Pari, na região central, ainda na sexta-feira, um homem não identificado também foi encontrado morto sem sinais de violência. Ele não tinha documentos.

Hoje de manhã, mais um homem foi achado sem vida pela Polícia Militar em Itaquera, zona leste paulistana. Segundo a corporação, não há indícios de que ele tenha sido vítima de crime.

Previsão

A previsão do Instituto Nacional de Meteorologia é que as temperaturas continuem baixas ao longo do dia. A mínima na cidade de São Paulo deve chegar aos 5°C na média, com possibilidade de ficar entre 2°C e 0°C nas partes mais frias ao sul. Em Parelheiros, pode haver geada isolada.

O frio intenso também atingiu outros municípios do estado, como Barra do Turvo, no Vale do Ribeira, que registrou -0,9°C na madrugada. Em São Miguel Arcanjo, no interior, os termômetros marcaram 0,5°C e em Marília, 2,6°C.

Semana terá feriado prolongado e tempo seco

(Nivaldo Lima/SP AGORA)

Com feriado de Corpus Christi na quinta-feira (20), muita gente pretende esticar o descanso e está preocupada com a previsão do tempo. Segundo meteorologistas do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), uma massa de ar seco (alta pressão atmosférica), que predomina sobre boa parte do sudeste do país, impede a passagem de frentes frias por São Paulo.

“Além disso, o ar seco inibe a formação de nuvens carregadas que provocam chuvas. Essa condição se mantém nos próximos dias em todo o Estado de São Paulo”, diz o CGE em boletim.

Segundo o órgão, a segunda-feira (17) segue a tendência observada na semana anterior: madrugada com temperaturas amenas, amanhecer com sol entre poucas nuvens e termômetros na casa dos 15°C.

No decorrer do dia a quantidade de nuvens aumenta um pouco e as temperaturas não sobem muito. A máxima prevista é de 24°C.

A terça-feira (18) deve começar com poucas nuvens, formação de névoa úmida e nevoeiro localizado ao amanhecer. “A temperatura média mínima na madrugada se mantém em torno dos 15°C. Ainda durante a manhã o sol volta a predominar entre poucas nuvens e esquenta, com previsão de máxima de 25°C e percentuais de umidade do ar por volta dos 33% nas horas de maior aquecimento. Não há previsão de chuvas para a Capital e RMSP”, informa.