Palmeiras e Santos fazem final inédita hoje

(Fed. Plta. de Futebol/Reprodução)

O futebol de São Paulo se acostumou a disputar títulos para além das fronteiras estaduais há muito tempo. Com histórico em decisões no Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil e Torneio Rio-SP, Palmeiras e Santos escrevem neste sábado uma história inédita, com a decisão da Taça Libertadores da América de 2020. Os rivais se enfrentam em jogo único, às 17h, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

Com o Campeonato Brasileiro prevendo decisão entre 1959 e 2002, equipes paulistas estiveram juntas em sete disputas de títulos. No Torneio Rio-SP foram outras cinco finais, enquanto na Copa do Brasil, Palmeiras e Santos fizeram em 2015 a única decisão paulista do torneio. No total, essa será a 14ª final de campeonato entre equipes de São Paulo fora do estado.

Rio-SP é pioneiro

Disputado desde antes da implementação de um campeonato nacional de clubes, o Torneio Rio-SP foi pioneiro em decisões entre paulistas em competições com times de outro estado. Nas primeiras, em 1951 e 1954, Palmeiras e Corinthians decidiram com vitória dos alviverdes e dos alvinegros, respectivamente. A Portuguesa derrotou o Palmeiras em 1955 e o time de Palestra Itália voltou a ficar com a taça em 1993, após vencer o Corinthians. O time do Parque São Jorge foi campeão da última edição do torneio ao superar o São Paulo, em 2002.

Mata-mata no Brasileiro
Com previsão de final de campeonato entre 1959 e 2002, o Brasileirão assistiu a sete decisões entre paulistas. A primeira delas foi em 1973, mas vale destacar que até 1967, apenas campeões estaduais se qualificavam ao torneio nacional e, por isso, uma decisão entre dois times locais não era possível.

Palmeiras e São Paulo inauguraram essa história em 1973, com vantagem palmeirense após empatar sem gols na última rodada do quadrangular final e ficar com a taça. O feito não se repetiu, porém, em 1978, quando o Guarani venceu as finais no Morumbi e no Brinco de Ouro da Princesa por 1 a 0 e ficou com a taça. O time de Campinas, porém, perdeu a chance do bi em 1986, quando o São Paulo empatou o confronto nos minutos finais da prorrogação e conquistou o título nos pênaltis.

Em 1990, o tricolor foi superado pelo Corinthians, que venceu os dois jogos pelo placar mínimo com gols históricos de Wilson Mano e Tupãzinho. Contra o Bragantino em 1991, porém, o time do Morumbi não deixou a conquista escapar. Venceu o primeiro confronto e no acanhado estádio Marcelo Stefani, em Bragança Paulista, segurou o empate sem gols para ser campeão.

As duas últimas finais do Brasileiro entre paulistas são de más lembranças aos corintianos. Em 1994, o Palmeiras venceu o primeiro jogo por 3 a 1 e ficou com o título após o empate por 1 a 1. Já em 2002, o Santos fez 2 a o no primeiro jogo, abriu o placar no segundo, viu o Corinthians virar, mas conseguiu a vitória por 3 a 2 e encerrou longo jejum de 18 anos sem títulos importantes.

Final única e reencontro

Na única vez que a Copa do Brasil foi decidida por equipes paulistas, Palmeiras e Santos decidiram o título da competição em 2015. Na ocasião, o time da Vila Belmiro venceu em casa por 1 a 0 e podia empatar para ficar com o título. O Palmeiras foi melhor em casa e venceu por 2 a 1. Nos pênaltis, os donos da casa levaram a melhor no Allianz Parque.

Confira as finais envolvendo paulistas:

Finais paulistas no Brasileiro

1973 – Palmeiras x São Paulo – Palmeiras campeão
1978 – Palmeiras x Guarani – Guarani campeão
1986 – São Paulo x Guarani – São Paulo campeão
1990 – Corinthians x São Paulo – Corinthians campeão
1991 – São Paulo x Bragantino – São Paulo campeão
1994 – Palmeiras x Corinthians – Palmeiras campeão
2002 – Santos x Corinthians – Santos campeão

Finais paulistas no Torneio Rio-SP

1951 – Palmeiras x Corinthians – Palmeiras campeão
1954 – Corinthians x Palmeiras – Corinthians campeão
1955 – Portuguesa x Palmeiras – Portuguesa campeã
1993 – Palmeiras x Corinthians – Palmeiras campeão
2002 – Corinthians x São Paulo – Corinthians campeão

Finais paulistas na Copa do Brasil

2015 – Palmeiras x Santos – Palmeiras campeão

Por Raoni David, da Fed. Plta. de Futebol

Final da Libertadores faz CBF mudar jogos de Palmeiras e Santos

A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) anunciou na noite desta quinta-feira (14) que a classificação de Palmeiras e Santos para a final da Copa Libertadores da América levou à alteração da 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Como a grande decisão está programada para acontecer no dia 30 de janeiro, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, a diretoria de competições da CBF decidiu mudar os jogos do Peixe e do Verdão pelo Brasileiro programados para o dia 31 de janeiro.

Agora, o Palmeiras mede forças com o Botafogo no dia 2 de fevereiro, às 16h (horário de Brasília), no Allianz Parque, em São Paulo. Já o Santos faz o clássico com o Corinthians em 17 de fevereiro, no estádio da Vila Belmiro, em Santos.

Por Agência Brasil

Palmeiras e Santos vão decidir a Libertadores

Jogador Matías Viña, do Palmeiras, disputa bola com Kaio Jorge, do Santos (Cesar Greco/Palmeiras/via Agência Brasil)

Disputada pela primeira vez em 1960, a Libertadores só teve três finais entre times do mesmo país até hoje. A quarta será no próximo dia 30, entre Santos e Palmeiras, às 17h (horário de Brasília), no Maracanã, no Rio de Janeiro. O Peixe se classificou nesta quarta-feira (13), ao atropelar o Boca Juniors (Argentina). O Verdão avançou na terça-feira (12) ao superar o River Plate (Argentina) no placar agregado. Quinze anos depois, a decisão do maior torneio de clubes da América do Sul será 100% brasileira.

A primeira vez foi em 2005, quando se enfrentaram São Paulo e Athletico-PR. Como a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) avaliou que a Arena da Baixada (antes da reforma para a Copa do Mundo de 2014), em Curitiba, não tinha capacidade mínima para receber o jogo de ida, o Furacão teve de mandar o duelo no Beira-Rio. Após um empate por 1 a 1 em Porto Alegre, o Tricolor goleou no Morumbi, na capital paulista, por 4 a 0, e assegurou o tricampeonato sul-americano.

No ano seguinte, o São Paulo voltou à decisão continental, desta vez contra o Internacional. Diferentemente de 2005, o primeiro jogo foi no Morumbi, com vitória colorada por 2 a 1, em grande atuação do atacante Rafael Sobis. O empate por 2 a 2 no Beira-Rio deu aos gaúchos o primeiro título da Libertadores.

Em 2007, a Conmebol determinou que não poderiam mais ocorrer finais entre clubes do mesmo país. Por isso, nas semifinais daquele mesmo ano, apesar de estarem em lados opostos do chaveamento, Santos e Grêmio tiveram que se enfrentar antes da decisão.

A medida foi mantida até 2017. Um ano depois, o confronto valendo o título voltou a reunir dois times de uma mesma nação. Desta vez, os argentinos Boca e River. O jogo de ida, na Bombonera, terminou empatado em 2 a 2. Após um ataque de torcedores ao ônibus dos Xeneizes no caminho até o estádio Monumental de Nuñez, também em Buenos Aires, a partida de volta foi suspensa e levada para o Santiago Bernabeu, em Madri, na Espanha. Os Millionarios ganharam por 3 a 1 e ficaram com o título pela quarta vez.

A final entre Santos e Palmeiras será a primeira entre dois times de um mesmo estado do Brasil e também a primeira vez que a dupla se enfrenta em uma decisão no Maracanã. O Peixe tem oito títulos no estádio carioca: quatro Campeonatos Brasileiros (1962, 1964, 1965 e 1968), três Torneios Rio-São Paulo (1963, 1964 e 1997) e o Mundial de 1963. O Verdão ergueu duas taças no Maracanã: o Brasileiro de 1967 e a Copa Rio de 1951, competição que o clube pleiteia ser reconhecida como primeiro Mundial.

Por Lincoln Chaves – Repórter da TV Brasil e da Rádio Naciona

Palmeiras enfrenta o River em jogo da Libertadores

Enfrentar o River Plate em uma semifinal de Libertadores traz boas lembranças ao torcedor do Palmeiras. Em 1999, o Verdão passou pelo time argentino antes de superar o Deportivo Cali, da Colômbia, na decisão que levou o clube paulista a um inédito título sul-americano. Nesta terça-feira (5), às 21h30 (horário de Brasília), o Alviverde reencontra os Millionarios no estádio Libertadores da América, em Avellaneda, região metropolitana de Buenos Aires, no primeiro jogo do confronto que vale vaga na final. 

O atual roteiro também se assemelha ao de 21 anos atrás, com a partida de ida na Argentina e a de volta em São Paulo, na próxima terça (12), no mesmo horário. A diferença está nos palcos. Como o Monumental de Nuñez está em reforma, o River tem mandado os jogos no estádio do Independiente desde parte da fase de grupos. Já o Palmeiras sediará o segundo duelo no Allianz Parque, erguido no lugar do antigo estádio Palestra Itália, onde o Verdão recebeu e atropelou os argentinos por 3 a 0 em 1999.

Na ocasião, os paulistas foram a campo precisando vencer por dois ou mais gols de diferença, pois foram derrotados no Monumental por 1 a 0. Para o segundo jogo, Luiz Felipe Scolari, técnico do Palmeiras na época, mandou a campo: Marcos; Chiqui Arce, Roque Junior, Agnaldo e Rubens Junior; César Sampaio, Rogério, Zinho e Alex; Paulo Nunes e Oséas. Alex (duas vezes) e Roque Júnior foram os heróis da classificação contra o River, que tinha Marcelo Gallardo (atual treinador) como camisa 10.

Assim como em 1999, o Palmeiras chega para o confronto tendo campanha melhor que o rival. O Verdão, aliás, é quem possui o melhor desempenho na Libertadores entre os quatro times que seguem na disputa. São oito vitórias e dois empates, com 29 gols marcados e quatro sofridos. Já o River alcançou a semifinal após sete vitórias, dois empates e uma derrota por 3 a 0 para a LDU de Quito (Equador), na primeira rodada da fase de grupos. Os argentinos anotaram 31 gols e foram vazados nove vezes.

O elenco palmeirense viajou para Buenos Aires no último domingo (3). O técnico português Abel Ferreira – que busca repetir o feito do compatriota Jorge Jesus, campeão em 2019 pelo Flamengo – ainda não definiu a equipe. Recuperado de uma lesão na coxa direita, o atacante Gabriel Veron treinou normalmente antes do embarque e pode formar o trio ofensivo com Rony e Luiz Adriano. Outro que tem chances de retornar é o meia Zé Rafael, que perdeu os últimos dois jogos por uma infecção no pé esquerdo.

O provável Verdão terá: Weverton, Marcos Rocha (Zé Rafael), Luan, Gustavo Gómez e Matías Viña; Danilo, Gabriel Menino e Raphael Veiga; Gabriel Veron (William), Rony e Luiz Adriano. Caso se confirme a escalação, será praticamente o mesmo time que bateu o América-MG por 2 a 0 na última quarta-feira (30), no Independência, em Belo Horizonte, e se garantiu na final da Copa do Brasil.

Ao contrário do Palmeiras, o River já estreou em 2021. No último sábado (2), a equipe empatou por 2 a 2 com o rival Boca Juniors pela Copa da Liga Argentina – que passou a se chamar Copa Diego Maradona após o falecimento do ídolo em novembro. Os atacantes Federico Girotti e Rafael Borré marcaram para os Millionarios, que podem ter três mudanças para o duelo de terça, em relação ao time que foi a campo diante do Boca.

No ataque, a expectativa é que Matías Suárez retome o posto no lugar de Lucas Beltrán. No meio, Ignacio Fernández, recuperado de uma lombalgia, está novamente à disposição e briga por um lugar com Bruno Zuculini e Nacho Fernandez. Já na defesa, Milton Casco pode reassumir a lateral esquerda na vaga de Javier Pinola, titular contra o Boca por Casco ainda não estar 100% após tratar uma contusão no posterior da coxa.

Confira a tabela completa da Libertadores.

Por Lincoln Chaves – Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional 

Palmeiras vence Libertad e vai à semifinal

(Cesar Greco/Palmeiras/via Fotos Públicas)

O Palmeiras está classificado à semifinal da Copa Libertadores da América. O time alviverde confirmou a vaga ao derrotar o Libertad, do Paraguai, por 3 a 0, na noite desta terça-feira, no Allianz Parque. No jogo de ida, os times haviam empatado por 1 a 1.

Com o resultado, o Palmeiras aguarda o confronto entre River Plate e Nacional para saber seu próximo adversário. O clube argentino, um dos favoritos ao título, venceu em casa por 2 a 0 e poderá perder por até um gol de diferença para avançar.

O Libertad engrossou contra o Palmeiras. O time paraguaio entrou em campo mais ligado e só não marcou, pois encontrou o goleiro Weverton em uma noite inpirada. O camisa 1 do time alviverde fez um milagre no chute à queima-roupa de Sebastián Ferreira, que deu um corte seco em Gustavo Gómez, antes de desperdiçar a melhor oportunidades da equipe paraguaia.

Aos poucos, o Palmeiras foi gostando do jogo, cresceu e abriu o placar em uma bela jogada de contra-ataque. Gabriel Menino tocou para Raphael Veiga, que tentou o arremate e viu a bola sobrar para Rony. O atacante deixou para Gustavo Scarpa, que acertou um bonito chute de fora da área para fazer 1 a 0.

Em vantagem, o Palmeiras resolveu não correr mais riscos, anulou os espaços do adversário e continuou ameaçando. A melhor oportunidade foi com Rony. O atacante recebeu dentro da área, mas isolou. Gómez também teve uma grande oportunidade, de cabeça. Martín Silva salvou.

O Palmeiras voltou melhor para o segundo tempo. Na cobrança de falta de Gustavo Scarpa, Martín Silva fez uma grande defesa para evitar o segundo do time alviverde. A situação do Libertad, no entanto, piorou quando Cáceres foi expulso após pisão em Rony. O árbitro teve que consultar o VAR para mostrar o cartão vermelho.

Com um jogador a mais, o Palmeiras se soltou. Logo na sequência, Gabriel Veron obrigou Martín Silva a fazer duas defesas à queima-roupa. Mas o goleiro não conseguiu segurar o chute de Rony, que fez o segundo, após bela assistência de Marcos Rocha.

No entanto, o Palmeiras ainda acabou tomando um susto. Marcos Rocha recuou errado e deu de bandeja para Villalba, que driblou Weverton e chutou. O lateral conseguiu se recuperar para salvar em cima da linha. O lance só deu mais moral ao time, que fechou a conta aos 36 minutos. Weverton chutou para Willian, que deu de calcanhar para Scarpa. Ele deixou Gabriel Menino na frente do gol. O meia só empurrou.

Por Federação Paulista de Futebol

Com goleada, Palmeiras interrompe trajetória do Tigre na Libertadores

O jogador Raphael Veiga comemora gol (Cesar Greco/Palmeiras/via Fotos Públicas)

O Palmeiras encerrou a sequência de quatro derrotas consecutivas com uma goleada de 5 a 0 sobre o Tigre (Argentina). A vitória desta quarta-feira (21), no Allianz Parque, em São Paulo, garantiu ao Verdão a melhor campanha da primeira fase da Libertadores pela terceira edição seguida. O Alviverde finalizou o Grupo B na liderança, com 16 pontos. É a mesma pontuação do Santos, primeiro colocado do Grupo G, mas a campanha palmeirense supera a santista no saldo de gols (15 a 5)

O Tigre, com o tropeço, despede-se da Libertadores com um só ponto, em último no Grupo B e a pior campanha geral. O outro classificado da chave foi Guaraní (Paraguai), que ficou no 1 a 1 com o Bolívar (Bolívia) em casa também nesta quarta. Os paraguaios somaram 11 pontos, enquanto os bolivianos (que disputarão a sequência da Copa Sul-Americana) acumularam cinco pontos, em terceiro lugar.

Desfigurado por sete desfalques, sendo quatro pelo novo coronavírus (covid-19), o Tigre assustou no primeiro minuto, após uma sequência de erros do zagueiro Felipe Melo e do lateral Matías Viña, que o meia Diego Morales não aproveitou. Daí em diante, o Palmeiras controlou a partida com tranquilidade, apesar de ter balançado as redes apenas aos 33 minutos, com o meia Raphael Veiga, após cruzamento do atacante Wesley pela esquerda.

O Verdão construiu a goleada no segundo tempo. Aos oito minutos, na sequência de um pênalti desperdiçado pelo atacante Luiz Adriano, o zagueiro Gustavo Gómez marcou de cabeça. Aos 20, Wesley ganhou uma dividida na entrada da área e rolou para o meia Zé Rafael bater cruzado e fazer o terceiro gol. Nove minutos depois, o atacante Rony cruzou pela esquerda para o também atacante Gabriel Veron finalizar. Já aos 35, o próprio Rony fechou o placar.

O Palmeiras aguarda o sorteio dos confrontos da próxima fase da Libertadores, marcado para sexta-feira (23). Pela Série A do Campeonato Brasileiro, o Verdão retorna a campo neste domingo (25), às 16h (horário de Brasília), contra o Atlético-GO, em Goiânia, pela 18ª rodada da competição.

Confira a classificação da Libertadores.

Por Lincoln Chaves – Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional 

Libertadores: Flamengo encara Independiente del Valle no Equador

(Arquivo/Alexandre Vidal/Flamengo)

O embate estava marcado para ocorrer em março, mas precisou ser adiado devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19). Após seis meses de espera, chegou o dia. Flamengo e Independiente del Valle, do Equador, se enfrentam nesta quinta-feira (17), primeira partida das  equipes no retorno da Copa Libertadores da América.

A partida será realizada na altitude da capital Quito,  a 2.850 metros do nível do mar, no estádio Casa Blanca, a partir das 21h (horário de Brasília). Antes da interrupção por conta da pandemia, os dois clubes haviam alcançado 100% de aproveitamento e, desta forma, ainda ocupam as duas primeiras colocações do Grupo 1. Em dois jogos disputados, eles venceram nas duas oportunidades, embora o time equatoriano tenha seis gols de saldo, contra quatro da equipe brasileira.

Enquanto a bola não rolava pelo torneio continental, o Flamengo conquistou o Campeonato Carioca. Já no Brasileirão, os rubro-negros sofreram tropeços inesperados: perdeu por 3 a 0 para o Atlético-GO na segunda rodada e, no último domingo (13) sofreu revés de 2 a 0 diante do Ceará. Além disso, as atuações do time vêm gerando desconfiança. À beira do campo, o técnico Domènec Torrent tem realizado um sistema de rodízio no time titular, que nem sempre resulta em desempenho satisfatório. Estratégia da que era adotada pelo ex-treinador português Jorge Jesus, que dificilmente modificava a escalação sem justificativa, como lesão ou suspensão.

Durante o período sem jogos na Libertadores, o elenco teve uma baixa importante: o lateral-direito Rafinha deixou o clube ao Olympiakos, da Grécia. Como reposição, a diretoria da equipe carioca contratou o chileno Mauricio Isla, que vem se destacando a cada jogo.

Para o confronto de hoje (17), Dome ainda não poderá contar com o goleiro Diego Alves, que ficou no Rio de Janeiro se recuperando de lesão no ombro esquerdo. O atleta havia sido diagnosticado com a covid-19 no último dia 3, mas o resultado de um novo teste, divulgado ontem (16), foi negativo para a presença do vírus.  Por outro lado, o catalão terá à disposição o atacante Bruno Henrique, recuperado de um edema no joelho.

Já os donos da casa são os líderes do Campeonato Equatoriano. Em 13 jogos disputados, o Independiente del Valle pedeu apenas uma vez, venceu oito e empatou quatro jogos. Desde o retorno da competição nacional, em agosto, a equipe equatoriana permanece invicta. Em nove jogos, obteve três empates e seis vitórias. Além disso, conta com o artilheiro do campeonato nacional, o panamenho Gabriel Torres, com 12 gols marcados.

Confira AQUI a tabela da Copa Libertadores da América.

Por Rafael Monteiro – Repórter da Rádio Nacional 

De virada, São Paulo perde na estreia da Libertadores

Próximo jogo do São Paulo é na quarta-feira (Rubens Chiri/São Paulo FC)

O São Paulo perde de virada, por 2 a 1, para o Binacional (Peru), nesta quinta (5), na sua estreia no grupo D da edição 2020 da Copa Libertadores da América.

Mesmo jogando no estádio Guillermo Briceño Rosamedina (que fica na cidade de Juliaca, que fica na fronteira com a Bolívia e a 3850 metros de altitude), a equipe paulista não se intimidou no início da partida e partiu para o ataque.

E a primeira chance não demorou a sair, quando o atacante Alexandre Pato erra finalização de cabeça.



Mas aos 20 minutos não teve jeito, o camisa 7 consegue marcar. A jogada começa com lançamento do goleiro Tiago Volpi para Pablo. O atacante faz tabela com Daniel Alves e toca para Alexandre Pato, que acerta uma pancada de direita para abrir o marcador.

Na parte final da etapa inicial o São Paulo ainda teve a oportunidade de ampliar com Antony e Pablo, mas o 1 a 0 prevaleceu até o intervalo.

Virada no segundo tempo

Mas a falta de competência do São Paulo de aproveitar as oportunidades no final do primeiro tempo foi punida logo no início da etapa final, quando Marco Rodríguez marca para o Binacional logo aos 4 minutos.

A partir de então a equipe brasileira passa a diminuir o ritmo, dando sinais claros de desgaste por conta dos efeitos da altitude.

Com isso o gol da virada não demora a sair. Aos 32 minutos Arango chuta de esquerda após receber a bola próximo à área para vencer o goleiro Tiago Volpi.

A equipe paulista, mais na vontade do que na qualidade, ainda tenta alguma reação, mas não teve chance para mais nada. Resultado final, Binacional 2 x 1 São Paulo.

Próximo jogo

O próximo compromisso do tricolor paulista na Libertadores será na próxima quarta (11), no estádio do Morumbi, contra a LDU (Equador).

Flamengo surpreende no final e é bi na Libertadores

Jogo foi disputado em Lima, no Peru (Alexandre Vidal/Flamengo/via Fotos Públicas)


Após 38 anos, o Flamengo voltou a levantar a taça Libertadores da América, neste sábado (23), após uma vitória emocionante, de virada, sobre o River Plate, por 2 a 1 no Estádio Monumental de Lima (Peru). O atacante Gabigol, artilheiro da Libertadores, fez história ao marcar os dois gols da virada rubro-negra nos cinco minutos finais da partida, garantindo o bicampeonato para o time carioca. Coincidentemente, o primeiro título da Libertadores foi conquistado pelo Flamengo no dia 23 de novembro de 1981, quando o Rubro-Negro derrotou o Cobreloa, do Chile, com dois gols do craque Zico.  

Hoje (23) o Flamengo, comandado pelo técnico português Jorge Jesus,  entrou em campo tomando a iniciativa do jogo, mas aos 15 minutos foi surpreendido, quando o meia argentino Nacho Fernandes cruzou fraco dentro da pequena área – Arão e Gerson deixaram a bola passar – e Borré aproveitou a falha da zaga para abrir o marcador com um chute rasteiro. A partir do gol, os argentinos passaram a dominar o embate, e quase ampliaram aos 36 minutos, com Palácios, que soltou uma bomba de fora da área.

Após o intervalo, o Flamengo voltou melhor e quase empatou aos  11 minutos quando Bruno Henrique invadiu a área pela esquerda e cruzou: Arrascaeta furou, Gabigol chutou em cima de De la Cruz, e a bola ainda voltou para Éverton Ribeiro finalizar, mas o goleiro Armani defendeu.  Aos 20 minutos, Gerson saiu de campo machucado e Diego entrou no lugar dele. Os cariocas botaram pressão e tiveram mais uma chance de empatar aos 30 minutos, em outra jogada do trio Arrascaeta, Gabigol e Everton Ribeiro. Se o gol de empate parecia encantado para o time rubro-negro, o River também desperdiçou a chance de matar o jogo aos 35 minutos, em chute rasteiro de Palácios.

Dois gols de Gabigol renderam ao time o título de campeão fora de casa
(Alexandre Vidal/Flamengo/via Fotos Públicas)

Na reta final da partida, aos 43 minutos, Bruno Henrique partiu em contra-ataque, rolou para Arrascaeta que cruzou na medida para Gabigol livre empurrar para a rede e deixar tudo igual no Monumental de Lima.  E três minutos depois, ele mesmo, Gabigol ganhou a disputa de bola com Pinola e depois arriscou um lindo chute de esquerda, virando o placar para os rubro-negros a cinco minutos fim do jogo.  Festa vermelha e preta em Lima, após 38 anos de jejum. O Flamengo é campeão da 60ª edição da Copa Libertadores da América e além da taça, leva a premiação de US$ 12 milhões, o equivalente a aproximadamente R$ 50,4 milhões.

Há pouco mais de cinco meses no comando do time rubro-negro, o técnico português Jorge Jesus, de 65 anos, também fez história hoje (23) ao se tornar o segundo técnico europeu a conquistar  um título da Libertadores; o primeiro foi o croata Mirko Jozic, em 1991, com o time chileno Colo-Colo bateu na final o Olímpia, do Paraguai.

Ficha Técnica:

Sábado, 23 de novembro de 2019

FLAMENGO X   RIVER PLATE

Competição: Copa Libertadores da América (final)

Local: Estádio Monumental de Lima (Peru)

Árbitro de campo: Roberto Tobar (Chile)

Árbitro de vídeo (VAR): Esteban Ostojich (Uruguai)

Assistentes: Christian Schieman (Chile) e Cláudio Rios (Chile)

FLAMENGO:  Diego Alves; Rafinha, Rodrigo Caio, Pablo Marí e Filipe Luís; Willian Arão, Gérson e Éverton Ribeiro; Arrascaeta, Gabigol e Bruno Henrique. Técnico: Jorge Jesus

RIVER PLATE: Armani; Montiel, Lucas Martínez, Pinola e Casco; Nacho Fernández, Enzo Pérez, Palacios e De La Cruz; Borré e Matias Suárez. Técnico: Marcelo Gallardo

Gols: no primeiro tempo com Borré (14) e no segundo tempo com Gabigol (43) e (46).

Ônibus do Boca é atacado e Conmebol adia o jogo da final

A Conmebol adiou o segundo jogo da final da Libertadores entre Boca Juniors e River Plate para 18h deste domingo (25), horário de Brasília. A partida estava marcada para este sábado (24), em Buenos Aires, mas foi adiada depois que o ônibus que levava os jogadores do Boca foi atacado por torcedores nas ruas próximas ao estádio.

Nos vídeos abaixo é possível ver o momento em que torcedores arremessam garrafas e pedras contra as janelas do ônibus. É possível ver também como ficou o ônibus do lado de dentro. 

Dois jogadores, o capitão Pablo Pérez e Lamardo foram atendidos pelos médicos do Boca. 

https://twitter.com/chapanocanto/status/1066411899787624448