Chuva derruba 30 árvores e enchente mobiliza bombeiros

Marginal Tietê, altura da ponte da Casa Verde


A chuva que atingiu São Paulo na tarde deste sábado (14) fez com que o Corpo de Bombeiros recebessem 13 chamados para enchentes. Ao menos 30 árvores caíram. Os alertas de alagamentos do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) começaram pela Zona Norte e pela Marginal Tietê, às 14h32.

Foram áreas de instabilidade que se formaram na região de Campinas, no interior do Estado, que trouxeram a chuva. Pancadas de forte intensidade foram detectadas.

Às 15h14, o aviso de risco de alagamento foi extendido para a Marginal Pinheiros e as zonas Central, Leste e Oeste da Capital.

“A baixa velocidade de deslocamento do sistema eleva o potencial para formação de alagamentos”, informou o CGE.

Depois das 16h, os Córregos Tremembé, na altura da Rua Garabed Gananian, e Paciência, na altura da Avenida Edu Chaves, chegaram a eminência de transbordar.


Leia Também

https://spagora.com.br/deslizamentos-de-terra-matam-avo-e-3-criancas/cidades/interior-de-sao-paulo/

*Atualizado às 20h02


Obra vai retirar areia do fundo do Rio Pinheiros

Por Camila Maciel

(Rovena Rosa/Agência Brasil)

O governo paulista anunciou ontem (12) o início do desassoreamento do Rio Pinheiros. Segundo o governador de São Paulo, João Doria, a despoluição do rio ocorrerá até 2022. Em um ano, será feito o desassoreamento e o desaterro de 1,2 milhão de metros cúbicos de detritos com recursos que somam aproximadamente R$ 70 milhões.

Para fazer o desassoreamento – remoção de areia, lodo e outros sedimentos do fundo do rio – será utilizada a técnica de escavadeira embarcada em plataformas flutuantes. De acordo com a Empresa Metropolitana de Águas e Energia, máquinas vão retirar sedimentos do leito do rio, depositá-los em barcaças, transportá-los às margens para disposição final na Cava de Carapicuíba.

O órgão aponta que o volume mensal dos resíduos, se colocados em caminhões, formaria uma fila de 100 quilômetros. Serão investidos inicialmente neste processo R$ 32 milhões. A previsão é que, em até 12 meses, sejam desassoreados 500 mil metros cúbicos. O objetivo é remover 2,4 milhões de metros cúbicos de sedimentos nos próximos anos.

Duas empresas que vão prestar o serviço foram selecionadas por meio de pregão eletrônico. São os consórcios Jerivá, do qual fazem parte a Soebe Construção e Pavimentação, a FBS Construção Civil e a Pavimentação S.A.; e o Pinheiros 14, do qual participam a ETC Empreendimentos e Tecnologia em Construção e DP Barros Pavimentação e Construção.

As ações de desaterro, por sua vez, vão aumentar o espaço de áreas chamadas de “bota-fora” com a e a escavação mecânica dos materiais depositados. O custo será de mais de R$ 37 milhões. Serão desaterrados cerca de 700 mil metros cúbicos de materiais em um ano. Vão executar os serviços, o consórcio Pinheiros 15 (ETC Empreendimentos e Tecnologia em Construção, e DP Barros Pavimentação e Construção) e a empresa Construdaher Construções e Serviços.

Acidente deixa cinco feridos na Marginal Pinheiros

Um dos carros envolvidos no acidente ficou completamente destruído (TV Globo/Reprodução)

Um acidente envolvendo cinco carros deixou cinco pessoas feridas neste domingo (30), na Marginal Pinheiros, sentido zona sul. Segundo o Corpo de Bombeiros, três homens e duas mulheres foram levados para hospitais com lesões no rosto e contusões.

Um homem, que não teve o nome divulgado, em situação mais grave, com contusão no tórax, foi levado pelo helicóptero Águia para o Hospital das Clínicas. Os outros feridos seguiram de ambulância para unidades da região.


Leia Também


A causa do acidente ainda é investigada. O trecho onde a colisão aconteceu tem velocidade máxima de 90 km/h.

Por causa do acidente, o trânsito ficou complicado durante, pelo menos, duas horas.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a circulação na região voltou ao normal no meio da tarde.

Motos começam a ser multadas na Marginal Pinheiros

(Prefeitura de SP/Reprodução)

A Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes (SMT) e a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) anunciam que está em vigor a fiscalização dos motociclistas que circularem pela pista expressa da Marginal Pinheiros, sentido Castello Branco.

A proibição das motos na pista expressa está vigente desde 20 de maio, no trecho entre a Ponte Transamérica até cerca 300 metros antes da Ponte Fepasa, onde há a junção com a restrição já existente na pista expressa da Marginal Tietê, sentido Ayrton Senna.

A partir de 20 de junho, quem desrespeitar a regulamentação será autuado por cometer infração de gravidade média, com quatro pontos na CNH e multa de R$ 130,16. Trata-se da mesma penalidade aplicada ao desrespeito à restrição semelhante nas pistas expressa e central da Marginal do Tietê (leia mais abaixo).

Conforme estabelecido pela SMT, houve 30 dias para adaptação dos usuários, sem aplicação de multas.

A fiscalização será feita por agentes de trânsito da CET, policiais militares do Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran) e por equipamentos de fiscalização eletrônica (radares fixos e portáteis do tipo pistola).

Ao longo da Marginal Pinheiros, no trecho onde a medida vigora, há radares fixos ajustados para fiscalizar a placa traseira das motocicletas.

O efetivo do CPTran utilizará radares pistolas. Além disso, a PM promoverá blitz rotineiras, chamada Operação Cavalo de Aço, com foco na fiscalização de motociclistas, intensificando a presença policial nos horários mais críticos em ambas as Marginais.

“Houve um período de adaptação justamente para que os motociclistas entendessem a importância de trafegar pela pista local, cuja velocidade varia de 50 a 60 km/h e confere maior segurança a esse tipo de veículo”, explica o secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Edson Caram.

Desde 21 de fevereiro, a CET já havia instalado faixas de vinil com a recomendação “Moto Use Pista Local” em algumas pontes da Marginal Pinheiros.

Sinalização

A orientação aos motociclistas que pilotam pela Marginal Pinheiros foi reforçada ainda em maio, com a disposição de dez Painéis de Mensagens Variáveis (PMVs) e faixas de vinil informativas alocadas antes de pontes, viadutos e transposições (passagem de uma pista à outra) de acesso à pista expressa.

Há PMVs inclusive na Rua Hungria (pista local, altura da Rua Tucumã), na Avenida dos Bandeirantes (sentido Imigrantes/Marginal) e Avenida Jornalista Roberto Marinho próximo à Rua Guaraiuva (acesso à Ponte Octávio Frias de Oliveira).

Dados da CET  

(Prefeitura de SP/Reprodução)

O corredor da Marginal Pinheiros contabilizou em 2018, segundo a CET, dez acidentes fatais envolvendo motos. Dados da Companhia também apontam alta de 17,7% no número de motociclistas mortos no trânsito paulistano de 2017 (311 fatalidades) para 2018 (366).

A restrição à circulação de motos na pista expressa da Marginal do Rio Pinheiros tem como objetivo o resguardo à vida e a proteção dos motociclistas. É parte do Programa Vida Segura, promovido pela atual gestão da SMT, com base no conceito de Visão Zero, partindo da premissa de que nenhuma morte é aceitável no trânsito.

Marginal Tietê

A primeira restrição a motos na Marginal Tietê ocorreu na pista expressa, em ambos os sentidos, em agosto de 2010. No sentido Ayrton Senna, as motos não podem trafegar na pista expressa, de 300 metros antes da Ponte Nova Fepasa até a Ponte Deputado Ricardo Izar (Tatuapé). Já no sentido oposto, Castello Branco, a proibição vale de 400 metros antes da Ponte Deputado Ricardo Izar (Tatuapé) até a Ponte Atílio Fontana (Anhanguera).

Em maio de 2017 entrou em vigor a restrição para motos na pista central da Marginal Tietê durante a madrugada, também em ambos os sentidos. O horário de restrição é das 22h às 5h.

*Conteúdo da Prefeitura de SP

https://spagora.com.br/motos-estao-proibidas-na-expressa-da-marginal-pinheiros-a-partir-de-amanha/

Laudos vão apontar se há risco à estrutura da Ponte Jaguaré

Por Flávia Albuquerque 

(Corpo de Bombeiros/Reprodução)

A Ponte do Jaguaré, que passa sobre o Rio Pinheiros e a Marginal Pinheiros, na zona oeste da capital paulista, continua interditada para os veículos nos dois sentidos hoje (24). A ponte está liberada apenas para os pedestres e ciclistas. A pista local da Marginal Pinheiros, sentido Interlagos, foi liberada na noite de sexta-feira (21), depois da limpeza da área atingida por um incêndio.

A interdição aconteceu depois de o incêndio na sexta-feira (21) que atingiu uma comunidade instalada embaixo da ponte. Pelo menos 50 famílias que residiam no local foram prejudicadas. Os barracos que não queimaram foram derrubados.

Segundo informações da prefeitura, a previsão é a de que Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras receba hoje (24) os resultados dos testes realizados no concreto e nas ferragens da ponte, para que os engenheiros avaliem os danos causados pelo incêndio. Para fazer a análise foram retirados 46 blocos de concreto e 26 placas de aço da ponte.

Tráfego

Apenas pedestres podem passar pelo local (Nivaldo Lima/SP Agora)

As 13 linhas de ônibus que têm a Ponte do Jaguaré em seu itinerário continuam com seu percurso alterado. Os motoristas que pretendem acessar a ponte estão sendo desviados para a Marginal Pinheiros, sentido Castello Branco. Outra alternativa é acessar a Ponte Cidade Universitária para chegar aos bairros do Jaguaré e Butantã. Quem está no sentido Lapa, deve desviar pela Marginal Pinheiros, sentido Interlagos.

Assistência

Moradores que viviam debaixo da ponte estão em um terreno próximo (Nivaldo Lima/SP Agora)

De acordo com a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), o atendimento aos moradores da comunidade atingida foi feito desde as primeiras horas depois do incêndio para oferecer insumos e acolhimento na rede socioassistencial.

Foram disponibilizados colchões, cobertores, cestas básicas e kits de higiene para as mais de 200 pessoas, das cerca de 50 famílias desabrigadas pelo incêndio. Apenas houve aceitação dos cobertores. A secretaria informou que os insumos estão à disposição das famílias, assim como a oferta de acolhimento.

Barracas improvisadas ajudam desabrigados a enfrentar o frio (Nivaldo Lima/SP Agora)

Segundo as informações da prefeitura, também esteve no local a Secretaria Municipal de Habitação, que monitorou a situação das famílias atingidas. “Na manhã de sábado (22) foi reforçada a oferta de atendimento com auxílio aluguel e o compromisso para atendimento habitacional definitivo, respeitando a fila existente”, informou a prefeitura.

Após incêndio, Ponte Jaguaré está fechada para veículos

Após reunião emergencial com os secretários municipais na tarde desta sexta-feira (21), devido a um incêndio que atingiu o baixo da Ponte do Jaguaré, o prefeito Bruno Covas afirmou que a via vai permanecer interditada para o tráfego de veículos durante o final de semana. “Até segunda-feira esperamos ter uma avaliação definitiva para determinar a liberação de tráfego de carros e ônibus na ponte”, acrescentou.

No final da noite desta sexta-feira, a CET confirmou a liberação da pista local da Marginal Pinheiros e a permissão para a circulação de pedestres e bicicletas sobre a ponte, conforme o prefeito havia sinalizado mais cedo.

Na reunião, Covas também tratou do amparo às famílias que tiveram de deixar as moradias na ocupação que existia embaixo da ponte, atendidas pela Prefeitura desde as primeiras horas do dia. “A Secretaria de Assistência Social esteve lá para recepcionar todas as famílias. Nós temos vagas para todas elas nos abrigos da Prefeitura. Um desses abrigos fica ali na Lapa, próximo ao local do incêndio, e está totalmente equipado para recebe famílias, homens, mulheres e crianças”, declarou. “Embora tenhamos abrigo para todas as famílias do entorno da ponte, muitos não querem ir e por isso estão sendo inscritos no programa de aluguel social da Prefeitura”, declarou. Por fim, Covas afirmou que a Prefeitura acompanha desde 2017 a situação no local. “Não havia nenhum risco iminente. Apesar de ser uma ocupação anterior a essa gestão, temos monitorado a região.”  

Desvios para carros e linhas de ônibus

A Companhia de Engenharia e Tráfego (CET) trabalha no local desde as primeiras horas e a SP Trans desviou o itinerário de 12 linhas no entorno da ponte, para diminuir o impacto tanto para os cidadãos que utilizam o transporte público quanto para o trânsito local.

A CET sugere as rotas de desvio para os motoristas:

Quem está na Av. Jaguaré, sentido bairro, e pretende acessar a referida ponte, está sendo desviado para a Marginal Pinheiros, sentido Castello Branco. Para aqueles que estão no sentido Lapa, o desvio é pela Marginal Pinheiros, sentido Interlagos.

O desvio para quem vem pela pista local da Marginal Pinheiros, sentido Interlagos, próximo à Ponte do Jaguaré é pela Av. General Vidal.

Desde o início da ocorrência, a Engenharia de Campo da CET vem monitorando o trânsito na região e efetuando as medidas operacionais necessárias, a fim de mitigar o impacto dos bloqueios viários. É importante destacar que a orientação à população é feita por agentes de trânsito e 12 Painéis de Mensagens Variáveis (PMVs) dispostos ao longo da Marginal, comunicando o seguinte texto: Ponte do Jaguaré Interditada – Utilize Alternativas. A CET também solicitou às concessionárias de rodovias (Autoban e Via Oeste) que reforcem o alerta em seus equipamentos de mensagens variáveis alocados nas estradas.

Sobre a Ponte do Jaguaré

A Ponte do Jaguaré passou recentemente por inspeção, de acordo com Covas. “Esta Ponte Jaguaré está na lista dos 73 viadutos e pontes para laudo estrutural que consta no TAC assinado com Ministério Público, ficamos por mais de um ano discutindo para a contratação de laudos desses equipamentos e, por conta do incidente ocorrido na ponte da Marginal Pinheiros no ano passado, a gente contratou de forma emergencial algumas vistorias”, afirma. “E a vistoria feita nesta ponte em fevereiro deste ano apontava que não havia a necessidade de contrato emergencial. Mas agora, por conta do incêndio, vamos contratar este laudo de forma emergencial”, acrescentou.

Relação de linhas alteradas e itinerário alternativo:

7282/10 Parque Continental – Praça Ramos de Azevedo
748A/10 Jd. Peri Peri – Lapa
748A/41 Jd. D’Abril – Lapa
748R/10 Jd. João XXIII – Metrô Barra Funda
775N/10 Rio Pequeno – Metrô Vila Madalena
8038/10 Parque Continental- Lapa
809H/10 Jardim Boa Vista – Lapa
809N/10 Vila Dalva – Lapa
809T/10 COHAB Raposo Tavares- Lapa
8319/10 Parque Continental – Sesc Pompeia
847J/10 City Jaraguá- Jaguaré
874C/10 Parque Continental – Metrô Trianon Masp

Sentido centro:
Praça César Washington Alves de Proença, Av. Escola Politécnica, Av Eng Billings  (Marg Pinheiros), Ponte Cidade Universitária, Av prof Manuel José Chaves, Praça Panamericana, Av Professor Fonseca Rodrigues, Praça Apecatu, Av. Queiroz Filho.

Sentido bairro:
Normal até Av. Queiroz filho, Praça Apecatu, Av Professor Fonseca Rodrigues, Praça Panamericana, Av. Professor Manuel José Chaves, Ponte Cidade Universitária, Rua Alvarenga,  Av Afrânio Peixoto, Av Prof. Nelo Moraes, Av Escola Politécnica, Av Kenkiti Simomoto, Av Jaguaré

Balanço de atendimentos

A Secretaria Municipal de Habitação esteve no local do incêndio para monitorar a situação das cerca de 55 famílias que viviam no local. Ao todo, segundo cadastro realizado pela Sehab em 2017, havia mais de 90 pessoas morando na ocupação localizada debaixo da Ponte Jaguaré.

Balanço de ocupações em pontes e viadutos

A Secretaria Municipal de Habitação monitora constantemente a situação das ocupações sob viadutos na capital paulista. Segundo relatório realizado pela equipe técnica da Sehab, existem atualmente em São Paulo sete pontes ocupadas.

Na Zona Leste as ocupações estão no Viaduto Tiquatira, na Penha. O local abriga cerca de 50 famílias. Viaduto da Rua Gabriela Mistral, na Penha. Local abriga cerca de 50 famílias. Viaduto Jacú Pêssego, em São Mateus. Local abriga mais de 300 famílias. Viaduto da Rua Dr. Luís Aires, no centro de Itaquera. Local abriga 20 famílias.

Na região Sudeste da capital a única ocupação sob viaduto está na Ponte Pacheco Chaves, na Vila Prudente. Local abriga cerca de 100 famílias.

Na Regional Norte existem dois pontos de ocupação. No Viaduto Alcântara Machado, na Mooca, foram identificadas 150 famílias vivendo no local. Já na Ponte Domingos Faciulli Neto, na Chácara Bela Vista, foram registradas 50 famílias.

O corpo técnico da Sehab está realizando um levantamento detalhado para identificar novos pontos de ocupação em viadutos e entroncamento de vias. O objetivo é cadastrar as famílias nos programas habitacionais do município e por fim a esse tipo de ocupações atingindo a meta 10.2 do Programa de Metas revisado do biênio 19/20 da Prefeitura de São Paulo.

“Aquela região atingida pelo incêndio é uma ocupação de mais de 10 anos. Nós temos mais de 130 mil famílias na fila da Cohab-SP e não se pode furar essa fila. Nós vamos construir nesta administração o dobro de unidades habitacionais do que foi feito na gestão passada, mas ainda assim, a fila é muito grande. O que podemos fazer é encaminhar para aluguel social”, explicou.

https://spagora.com.br/incendio-em-ponte-afeta-cerca-de-50-familias/

Motos estão proibidas na expressa da Marginal Pinheiros

(Arquivo/SP AGORA)

As motos estão proibidas de circular na pista expressa da Marginal Pinheiros, sentido Castelo Branco, a partir de hoje (20). A decisão é da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes e da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Durante os primeiros 30 dias, segundo a gestão Bruno Covas, haverá um período de adequação, sem aplicação de multas. Após esse período, os motociclistas que desrespeitarem a regulamentação serão autuados por cometerem uma infração de gravidade média, com 4 pontos na CNH e multa no valor de R$ 130,16. Trata-se da mesma penalidade aplicada ao desrespeito à restrição de trânsito de motos nas pistas expressa e central da Marginal do Tietê (leia mais abaixo).

A medida tem como objetivo o resguardo à vida e a proteção dos motociclistas, uma vez que a regulamentação da velocidade máxima permitida na pista local varia entre 50 e 60 km/h. Já na pista expressa, a velocidade regulamentada é de 90 km/h para veículos leves.

“Onde a velocidade é maior, quem está em uma moto fica mais vulnerável”, explica o secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Edson Caram. “Além disso, a pista expressa da Marginal é uma via de trânsito rápido, com tráfego intenso. Por isso, para preservar a segurança dos motociclistas, a circulação desses veículos deve ocorrer somente na pista local.”

Desde o dia 21 de fevereiro, a CET já havia instalado faixas de vinil com a recomendação “Moto Use Pista Local”, nas pontes da Marginal Pinheiros, no sentido Castelo Branco. E a partir do dia 15 de maio, novas faixas informativas foram instaladas para alertar quem utiliza motocicletas sobre a proibição. 

(Arquivo/Nivaldo Lima/SP AGORA

Segundo a CET, o corredor da Marginal Pinheiros contabilizou, em 2018, dez acidentes fatais envolvendo motos. Dados da Companhia também apontam alta de 17,7% no número de motociclistas mortos no trânsito paulistano, de 2017 (311 fatalidades) para 2018 (366).

A restrição faz parte do Programa Vida Segura, promovido pela atual gestão da SMT com base no conceito de Visão Zero, partindo da premissa de que nenhuma morte é aceitável no trânsito.

Trecho de proibição e alternativas

A proibição abrangerá o trecho entre a Ponte Transamerica até cerca 300 metros antes da Ponte Fepasa, na junção com a proibição já existente na pista expressa da Marginal Tietê, no sentido da Rodovia Ayrton Senna.

A sinalização será composta de 85 placas de regulamentação (com o aviso “Proibido Motocicletas”) e de advertência, instaladas antes de pontes, viadutos e transposições (passagem de uma pista à outra) de acesso à pista expressa.

A partir de 20 de maio, motociclistas que estejam na Marginal Pinheiros e desejem acessar a Rodovia Castello Branco devem seguir pela pista local até a Ponte dos Remédios para fazer o retorno para entrar na estrada.

Marginal Tietê

A primeira restrição à circulação de motos na Marginal Tietê ocorreu na pista expressa, em ambos os sentidos, no mês de agosto de 2010. No sentido Ayrton Senna, as motos não podem trafegar na pista expressa, de 300 metros antes da Ponte Nova Fepasa até a Ponte Deputado Ricardo Izar (Tatuapé). Já no sentido oposto, Castelo Branco, a proibição de circulação na expressa vale de 400 metros antes da Ponte Deputado Ricardo Izar (Tatuapé) até a Ponte Atílio Fontana (Anhanguera).

Já em maio de 2017 entrou em vigor a restrição para motos na pista central da Marginal Tietê durante a madrugada, também em ambos os sentidos. O horário de restrição é das 22h às 5h.

*com informações da Prefeitura de SP

Rodízio volta a valer segunda-feira na Marginal Pinheiros

Em virtude da liberação do viaduto da Marginal Pinheiros, no dia 16 de março, a Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes informa que, a partir de segunda-feira (25), voltam a valer as regras antigas em relação ao Rodízio Municipal Veicular e à circulação de táxis em corredores de ônibus. Veja como ficarão as ações que haviam sido adotadas durante o período de interdição:

Rodízio

O Rodízio Municipal Veicular, que havia sido suspenso apenas em alguns trechos da Marginal Pinheiros, volta a vigorar a partir da próxima segunda-feira (25). A retomada do rodízio valerá tanto para veículos leves como pesados. A partir dessa data, quem desrespeitar a restrição estará sujeito à autuação.

Circulação de táxis em corredores de ônibus

A circulação de táxis, que estava totalmente liberada nos corredores de ônibus Campo Limpo/Rebouças/Centro, Santo Amaro/Nove de Julho/Centro e Berrini, volta a ser restrita também a partir do dia 25 de março. A partir de 25/3, os táxis só poderão circular nos corredores nas seguintes condições:

  • com passageiro, em qualquer horário e dia da semana;
  • com ou sem passageiro de segunda a sexta, das 20h às 06h, e aos sábados, domingos e feriados, por período integral.

Bolsões de táxis

Seguem ativos os bolsões de táxis que foram criados nas proximidades da Marginal Pinheiros como parte das ações para melhorar o trânsito durante a interdição. Com a liberação do viaduto, novos estudos serão feitos para verificar a necessidade da permanência ou suspensão desses bolsões.

Viaduto na Marginal Pinheiros é liberado após queda

(Arquivo/Leon Rodrigues/Prefeitura de SP)

Após quatro meses em obras, o viaduto da Marginal Pinheiros é liberado à circulação de todos os tipos de veículos – leves e pesados – a partir deste sábado (17). A Prefeitura faz a liberação do tráfego com dois meses de antecedência ao prazo inicialmente previsto (15 de maio), para recuperação da estrutura, que cedeu cerca de 2 metros em 15 de novembro último.

Durante as obras, o trânsito foi interrompido em cima do viaduto, e os veículos com destino à Rodovia Presidente Castello Branco foram desviados e orientados a pegar caminhos alternativos.

Após os últimos testes realizados hoje, com supervisão da Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras (SIURB), o tráfego foi liberado na via, não somente para veículos leves, como também para caminhões.

Histórico

Ações complementares importantes tomadas pelo Poder Público, com a participação da Secretaria de Mobilidade e Transportes, CET e SPTrans, mitigaram o impacto na região nesse período: dentre elas, o Rodízio veicular foi suspenso entre a Av. dos Bandeirantes e a Ponte dos Remédios e transposições (passagem de uma pista à outra) ampliadas.

A CET também reforçou sua equipe de agentes de trânsito ao longo da Marginal Pinheiros e colocou faixas de vinil e painéis móveis de mensagens variáveis pela cidade, para orientar sobre a interdição da pista expressa, necessária para viabilizar o andamento das obras.

Com a liberação ao tráfego geral, a circulação pelo sentido Castello Branco da Marginal do Rio Pinheiros volta à normalidade. A Engenharia de Campo da CET segue monitorando as condições de trânsito, a favor da segurança viária dos usuários.

Rodízio é retomado a partir de 25/03

Com o Viaduto liberado, o Rodízio Municipal Veicular que havia sido suspenso no trecho da Marginal volta a vigorar, a partir da segunda-feira, 25 de março. A retomada do rodízio valerá tanto para veículos leves como pesados. Quem não obedecer estará sujeito à autuação.

A Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes (SMT) publicará uma Portaria no Diário Oficial da Cidade revogando a Portaria SMT.DSV nº 117/2018, de 23 de novembro de 2018, que suspendeu a vigência do Rodízio devido à obra emergencial do Viaduto sobre a Linha 9 – Esmeralda da CPTM.

Táxis

Já a circulação de táxis com ou sem passageiros pelos corredores exclusivos de ônibus Campo Limpo/Rebouças/Centro, Santo Amaro/Nove de Julho/Centro e Berrini, que havia sido liberada em qualquer dia e horário da semana desde 27 de novembro de 2018, voltará a ser restrita nesses locais. A SMT, por meio do Departamento de Transporte Público (DTP), publicará Portaria no Diário Oficial do Município restabelecendo a restrição.

Viaduto da Marginal Pinheiros tem data para ser liberado

(Arquivo/Leon Rodrigues/Prefeitura de SP)

O prefeito Bruno Covas anunciou nesta terça-feira (12) que o viaduto da Marginal Pinheiros poderá ser aberto para circulação de carros leves no dia 18 de março. A reabertura para os carros ocorrerá dois meses antes do previsto.

Acompanhado dos secretários municipais Edson Caram (Mobilidade e Transportes) e Vitor Aly (Infraestrutura Urbana e Obras), o prefeito vistoriou a instalação das fibras de carbono no tabuleiro, material mais resistente e durável que substitui o aço, e também acompanhou a recuperação da junta de dilatação e a troca dos aparelhos de apoio de dois pilares. O investimento nesta etapa das obras foi de R$ 19,9 milhões.

Segundo o prefeito Bruno Covas, serão feitos alguns testes durante o período do carnaval. “As obras de manutenção poderão ser feitas já com o viaduto sendo utilizado pela população com carros leves. Vamos fazer uma fase de testes para poder comprovar. Caso os testes confirmem essa hipótese o viaduto será liberado para carros leves a partir do dia 18 de março”.

Covas confirmou que o edital de licitação para recuperar o restante da estrutura do viaduto será lançado na próxima semana. O valor é estimando em R$ 10 milhões. Entre as principais intervenções estão previstas: trocas de juntas de apoio, de duas juntas de dilatação (no começo e no final da estrutura) e dos guarda-corpos, além da correção de fissuras nos pilares.

Outra novidade anunciada é que a velocidade de circulação dos trens da linha 9 Esmeralda da CPTM volta ao normal nesta terça (12). Os trens da linha 9 Esmeralda estavam operando em velocidade reduzida desde o dia 19 de novembro. Esta foi uma das medidas adotadas para a preservação do viaduto.

A Prefeitura fez todos os esforços para manter  a estrutura  do viaduto, já que sua demolição e reconstrução levaria até 3 anos, ao custo de R$ 70 milhões,

Histórico

Poucas horas após o incidente, no dia 15 de novembro de 2018, foi iniciado o escoramento de 120 dos 200 metros da parte da pista (tabuleiro) que cedeu. Todos os esforços de engenharia ficaram voltados para preservar a estrutura do viaduto. Ao lado do pilar sobre o qual a pista cedeu, foi feito outro de apoio, com três macacos hidráulicos, para alivio do peso do tabuleiro.

Após 15 dias, foi iniciada a bem sucedida operação para que fosse reerguida a estrutura. O processo, conhecido na engenharia como macaqueamento, foi concluído uma semana antes do previsto.

Foram utilizados seis macacos hidráulicos, cada um com capacidade para erguer 300 toneladas. A instalação dos equipamentos foi feita sobre um bloco de reação, apoiado em dez estacas. Trabalharam na operação 60 operários e engenheiros da JZ Engenharia, contratada em caráter emergencial para as obras do viaduto; 17 engenheiros, técnicos e topógrafos da São Paulo Obras (SPObras), responsável pelo gerenciamento da obra. Quatro técnicos da CPTM acompanharam a operação, já que durante o macaqueamento a linha 9 Esmerada teve a circulação de trens interrompida, para garantir a segurança dos usuários.

Dois meses após a estrutura ter cedido, a viga recebeu concretagem e foi concluída a reforma de dois pilares, que agora também  contam com pilares de apoio.