Helicóptero pousa na marginal para socorrer motoqueiro

Helicóptero se aproxima do solo na marginal tiete, pista local.

O helicóptero Águia, da Polícia Militar, pousou na Marginal Tietê, no começo da tarde de hoje (14), para socorrer um motoqueiro acidentado. O médico da equipe foi solicitado para atender o motoqueiro que, segundo a Record TV, sofreu fratura exposta.

O acidente foi na pista local, ao lado da Fábrica do Samba, no sentido zona leste, antes da ponte da Casa Verde.

O Corpo de Bombeiros prestou os primeiros socorros e, devido a gravidade do ferimento, o médico do Águia foi solitado.

Helicóptero se aproxima do solo na marginal tiete, pista local.
(SP Agora)

Para que o helicóptero pousasse, o trânsito na pista local foi bloqueado.

Cresce morte de motoqueiros no trânsito do Estado

(Arquivo/Nivaldo Lima/SP AGORA

O número de motociclistas mortos no trânsito no Estado de São Paulo teve elevação de 17,9% em fevereiro, em comparação ao mesmo mês do ano passado. De acordo com dados do Infosiga SP, os acidentes fatais com motociclistas, principal categoria responsável pelas entregas de produtos, subiram de 123, no segundo mês de 2020, para 145, em fevereiro de 2021.

Acidentes fatais com ocupantes de automóveis também tiveram forte alta, de 17,4%, na mesma comparação: foram 101 ocorrências em fevereiro de 2021 contra 86, no mesmo mês de 2020. Os dados, do governo paulista, foram divulgados hoje (19).

Já as fatalidades envolvendo pedestres e ciclistas em fevereiro de 2021 tiveram queda. A maior redução foi das mortes de ciclistas: 18 fatalidades, contra 37 em fevereiro do ano passado (-51,4%). A queda também foi significativa entre os pedestres, com 79 ocorrências fatais em fevereiro, contra 93 no mesmo período de 2020 (-15,1%).

Considerando o número total de mortes causadas pelo trânsito nos quatro meios de transporte, houve alta de 1,4% no mês: 369 óbitos em fevereiro deste ano contra 364 em 2020.

Por Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil 

PM da Rocam é morto após reagir a assalto

Um soldado da ROCAM, Ronda Ostensiva com Apoio de Motos, morreu ao reagir a um assalto na(altura do número 172 da Rua Aviadora Anésia Pinheiro Machado, no Conjunto Habitacional Parque Valo Velho,) região do Capão Redondo, Zona Sul da Capital paulista.
 
André Luiz Roberto estava de férias e à paisana quando foi atacado na noite desta terça-feira(29). Ele chegava em casa de moto, acompanhado da mulher dele, quando foi cercado por cinco bandidos, que chegaram em outras três motocicletas.
 
A esposa do policial já havia passado pelo portão quando ele, pressentindo que seria atacado, sacou a pistola que carregava consigo e passou a trocar tiros com os criminosos.
 
No confronto, o soldado acabou sendo atingido por vários disparos, um deles no tórax. 
 
O militar ainda foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e encaminhado ao Hospital Municipal do  Campo Limpo, mas ele não resistiu aos ferimentos.
 
Após o crime, os bandidos fugiram e ainda roubaram o carro de um motorista nas proximidades.
 
Dois outros Pms da ROCAM chegaram a perseguir os assaltantes, mas, na  correria, eles sofreram uma queda e também precisaram ser socorridos. Os dois passam bem.
 
Pouco depois, o veículo roubado pelos assaltantes foi abandonado no interior de uma favela na região do Jardim Ângela com uma arma dentro.
 
Pms fizeram uma busca na região, quando teriam localizado e trocado tiros com dois dos bandidos, mas não há informações sobre suspeitos presos.
 
O soldado André Luiz tinha 25 anos e atuava havia apenas dois meses no 3° Batalhão de Choque.
 
Uma equipe do DHPP, o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa,  vai investigar o crime.
 
*Com informações do repórter Paulo Édson Fiore, da rádio Jovem Pan. 
Veja esta e outras notícias no canal do YouTube do repórter Paulo Édson Fiore, da rádio Jovem Pan.

Cai número de mortes no trânsito da Capital

Acidente na Marginal Pinheiros em junho de 2019 (TV Globo/Reprodução)

O número de mortes causadas no trânsito em 2019 na cidade de São Paulo foi de 791, o que representa uma redução de 6,8% na comparação com 2018, quando foram registrados 849 óbitos. Os dados fazem parte do relatório anual da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). 

O número de óbitos dos motociclistas foi reduzido em 18,9%, passando de 366 mortes, em 2018, para 297 no ano passado. Os números são resultados de uma série de medidas de segurança adotadas pela Prefeitura da Capital em defesa da vida de quem se desloca de moto na cidade.

Entre as medidas adotadas em prol da segurança dos motociclistas estão a restrição da circulação de motos na pista expressa da Marginal Pinheiros, sentido Castello Branco, a fiscalização com uso de radar pistola em toda a cidade e a assinatura de um termo de cooperação com as empresas de aplicativo para extinguir a bonificação atrelada ao tempo da entrega (o que, na prática, incentivava os deslocamentos em alta velocidade e o desrespeito às leis de trânsito).

Entrada do Túnel Ayrton Senna, sentido Marginal Pinheiros (Marcelo Pereira/Prefeitura de São Paulo)

“A ação da Prefeitura foi fundamental para reduzir o número total de mortes no trânsito de São Paulo, pois estamos atuando em diversas frentes ao mesmo tempo. No caso dos motociclistas, por exemplo, aumentamos a fiscalização, criamos campanhas educativas, fizemos alterações em pontos considerados críticos e estreitamos ainda mais o diálogo com as associações representativas e com as empresas para as quais os motociclistas prestam serviço”, explica o secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Edson Caram.

Outro ponto de destaque foi a expansão do programa educativo Motociclista Seguro, realizado em conjunto com a Polícia Militar. Antes realizado apenas nas marginais, eles passaram a acontecer em outros 13 pontos como Radial Leste, Ponte João Dias e Av. Aricanduva, impactando cerca de 4,5 mil motociclistas.

Vale destacar que, em 2018, os motociclistas haviam sido as maiores vítimas do trânsito (366) superando, pela primeira vez, a quantidade de pedestres mortos (349).

Os óbitos de motoristas e passageiros de veículos também tiveram queda. Foram 115 em 2018 e 104 no ano passado, redução de 9,6%.

Os dados consolidados pela CET revelam que 81% de todos os óbitos no trânsito, em 2019, foram de homens e 19%, mulheres. Entre os motociclistas, 92% dos mortos foram homens, a maioria entre 18 e 29 anos de idade. 

A predominância masculina também se dá entre os ciclistas vitimados. Das 31 mortes, 29 foram de homens, a maioria entre 30 e 59 anos de idade.

Já os idosos, a partir de 60 anos de idade, são as maiores vítimas entre os pedestres, com 72% do total de óbitos sendo do sexo masculino e 28% do sexo feminino.

Também foi possível constatar que a maior parte dos acidentes fatais ocorre de sexta-feira a domingo, tanto no período noturno como durante a madrugada.

Dentre os dez locais que registraram os maiores índices de acidentes fatais na capital em 2019, quatro deles são rodovias que não estão sob a jurisdição da Prefeitura de São Paulo. A primeira colocação, inclusive, é da Via Anhanguera (SP-330), com 21 óbitos.

Pedestres e ciclistas: os mais vulneráveis

(Arquivo/Rovena Rosa/Agência Brasil)

 Com a expressiva redução dos óbitos de motociclistas, os pedestres voltaram a ser as principais vítimas do trânsito, mesmo com uma relativa estabilidade de 349 mortos em 2018 para 359 no ano passado.

O aumento de mortes dos ciclistas, de 19 para 31, chama a atenção para uma maior conscientização geral no trânsito. Dados coletados pela CET em diversos pontos da cidade mostram que houve aumento em média de 16% no número de ciclistas circulando pela cidade de 2018 para 2019. Com mais bicicletas nas ruas, os motoristas de veículos motorizados devem estar ainda mais atentos em preservar a vida dos que estão em modais mais frágeis e dos que são mais vulneráveis no viário.

 Ações da Prefeitura de proteção no trânsito

Uma das principais iniciativas para mudar esse quadro é o programa Pedestre Seguro, que visa ampliar em 20%, em média, o tempo da travessia nos cruzamentos semafóricos. No total, 43 corredores que representam aproximadamente 900 cruzamentos já tiveram o tempo semafórico de seus cruzamentos alterado. Em 2020, outros 7 corredores passarão pela readequação.

Outro programa voltado para a segurança do pedestre é o Vias Seguras, que já existe em avenidas como M’Boi Mirim, Celso Garcia e Carlos Caldeira Filho. Já estão em fase de obras os Vias Seguras da Avenida Dona Belmira Marin e Estrada de Itapecerica. As intervenções focam a segurança dos pedestres e contemplam a readequação de cruzamentos, a ampliação da quantidade de travessias para pedestres e a colocação de novos semáforos. Ainda receberão o programa as avenidas Raimundo Pereira de Magalhães, Teotônio Vilela e Marechal Tito.

Já as chamadas Áreas Calmas estão sendo implantadas em São Miguel Paulista e em Santana. Há previsão de que Lapa de Cima, Lapa de Baixo e Centro Velho também recebam intervenções. O objetivo é melhorar a segurança com limitação da velocidade em 30 km/h, estreitamento de vias, lombadas e faixas elevadas, sinalização horizontal e vertical, melhoria das calçadas, adequação e implantação de semáforos.

Transporte 

A SPTrans passou a identificar com adesivos nas laterais dos ônibus os pontos considerados “cegos” durante as manobras no trânsito. Esse novo elemento na identidade visual dos coletivos chama a atenção para os mais vulneráveis no trânsito, ou seja, motociclistas, pedestres e ciclistas.

Já os operadores do transporte público participam do programa Viagem Segura, que inclui itens como condução segura, prevenção de acidentes, postura profissional e respeito aos passageiros.

Como a maior proteção aos ciclistas está na existência de uma malha cicloviária segura e eficiente, a Prefeitura está construindo 173 km de conexões e requalificando outros 310 km dessas estruturas, um investimento de R$ 325 milhões que vem acompanhado de um projeto de recapeamento de R$ 250 milhões do programa Asfalto Novo. Assim, a cidade passará dos atuais 503 km de malha cicloviária para 676 km até o fim de 2020.

O modelo adotado pelo Plano Cicloviário traz mais segurança e qualidade para os usuários com sinalização com tinta antiderrapante, aplicação de tachão a cada metro e manutenção de guias e sarjetas.

As novas conexões vão permitir que a população acesse de forma mais fácil terminais de ônibus, trens, metrô, escolas, parques e postos de saúde. O objetivo é ligar diferentes modais, permitindo que o início e o fim de um deslocamento sejam realizados por bicicleta.

Para quem quiser aprender boas práticas na condução de bicicletas, a CET oferece gratuitamente o curso Pedalar com Segurança, que tem duração de oito horas e é realizado em um único dia. Em 2019, 284 ciclistas fizeram o curso, sendo 85 na modalidade presencial e 199 pela internet. Os interessados precisam ser maiores de 16 anos de idade e se cadastrar para receber mais informações pelo e-mail [email protected].

 Relatório anual

O relatório anual completo da CET traz um maior detalhamento dos dados já apresentados e o cruzamento com os registros da Secretaria Municipal da Saúde, resultando em informações relevantes sobre a gravidade dos acidentes, tempo de internação e o custo dos acidentes de trânsito para o poder público.

*Com informações da Prefeitura de SP

PM acerta motoqueiro com barra de concreto, denuncia família

Por Jeniffer Mendonça

PM golpeou jovem no tórax em blitz e atingiu seu coração, segundo família; ‘cenário de terror’, diz testemunha

Jovem de 18 anos foi atingido no tórax com barra de concreto por PM na noite de Natal, no Jardim Jaqueline, em SP. | Foto: arquivo pessoal

Um empacotador afirma ter sido golpeado no tórax com uma barra de concreto por um policial enquanto passava por uma blitz no Jardim Jaqueline, na zona oeste de São Paulo. Essa foi mais uma agressão que aconteceu na noite de Natal (25/12/2019), quando câmeras de segurança flagraram um PM acertando outro motociclista, de 23 anos, na cabeça usando o objeto. 

A vítima de 18 anos teve alta do Incor (Instituto do Coração), ligado ao Hospital das Clínicas da USP, neste sábado (4/1), após passar por cirurgia, já que o impacto do golpe teria perfurado o coração, segundo a família.

“Eu estava indo buscar minha namorada para passar o Natal e só deu tempo de ver o policial com a barra de concreto. Eu fui atingido logo depois do outro rapaz [flagrado no vídeo]. Todo mundo que passava de moto ali, ele [PM] ia pra cima dessa forma”, lembra.

O jovem afirma que assim que sentiu o impacto, perdeu a consciência. “Eu soube que eu fui socorrido por um amigo meu da época da escola que estava passando ali e me reconheceu, ainda nem tive tempo de agradecê-lo”.

Amigo da vítima, um ajudante geral que também pediu para não ser identificado por medo de represálias, afirma que tinha passado de carro pela blitz e estranhou a movimentação de policiais no local quando estava voltando pela rua a pé, após guardar o veículo. “Eu me deparei com várias motos da Rocam e ele [empacotador] jogado no chão todo ensaguentado, ralado”, lembra. “Tinha uma pedra grande do lado dele e o policial falou que na pancada, ele arrancou um pedaço do concreto do chão. Disseram que ele tava usando droga, baforando lança-perfume pilotando a moto. Só que eu conheço ele há muito tempo, já sei que ele não faz uso”.

O ajudante ainda denuncia que os policiais jogaram água na vítima desacordada e não prestaram socorro. “Eles pediram a documentação dele, tiraram a foto do RG dele, levaram a moto dele porque ele tava sem capacete. Jogaram água na cabeça dele, até a garrafa também e foram embora, não ofereceram socorro nenhum, ficou por nossa conta”.

O homem conta que teve ajuda de pessoas que passavam de carro pelo local para levar a vítima até o Pronto Socorro Municipal Dr. Caetano Virgílio Neto, também conhecido como Bandeirantes, na zona oeste.

Vítima teve alta do Instituto do Coração neste sábado (4/1). | Foto: arquivo pessoal

De acordo com a família, por conta da gravidade dos ferimentos, a vítima foi transferida do pronto-socorro para o Hospital Universitário da USP e depois ao Incor. “A gente nem teve Natal, só ficou no hospital. Falaram no pronto-socorro que não ia ter jeito, mas agora ele tá bem”, desabafou o pai do vítima.

O ajudante geral afirma que viu outras pessoas serem agredidas pelos PMs. “Teve um cara que avançou um pouco o carro e os policiais já foram pra cima com bala de borracha, deram chute nele. Umas meninas sendo agredidas num paredão”, denuncia.

“Nunca tinha visto aqui desse jeito, tava um cenário de terror mesmo. Agressão aqui sempre acontece, mas não nesse ponto de usar barra de concreto”, prossegue. “Tá todo mundo assustado porque a gente é pobre, mora na comunidade, é discriminado demais”.

Procurada pela reportagem, a Inpress, assessoria de imprensa terceirizada da SSP (Secretaria de Segurança Pública), informou por meio de nota que “os policiais que aparecem nas imagens já foram identificados” e que “diante da gravidade do fato, a Corregedoria instaurou inquérito policial militar para apurar todas as circunstâncias, incluindo essa nova denúncia feita pela reportagem”. A pasta aponta que as “imagens denotam erro grave nos protocolos vigentes na Polícia Militar e todos os envolvidos foram afastados das atividades operacionais, enquanto durarem as investigações”. 

A assessoria da secretaria municipal da Saúde, responsável pelo pronto-socorro, confirmou que a vítima deu entrada no PS Bandeirantes e foi transferida para o Hospital Universitário. A pasta informou que não poderia fornecer mais detalhes sem consentimento da família.

Tentamos contato com as assessorias de imprensa da USP, do Hospital das Clínicas e do Incor, mas até a publicação não haviam retornado.

*Esta reportagem foi publicada originalmente pela Ponte.

Motos estão proibidas na expressa da Marginal Pinheiros

(Arquivo/SP AGORA)

As motos estão proibidas de circular na pista expressa da Marginal Pinheiros, sentido Castelo Branco, a partir de hoje (20). A decisão é da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes e da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Durante os primeiros 30 dias, segundo a gestão Bruno Covas, haverá um período de adequação, sem aplicação de multas. Após esse período, os motociclistas que desrespeitarem a regulamentação serão autuados por cometerem uma infração de gravidade média, com 4 pontos na CNH e multa no valor de R$ 130,16. Trata-se da mesma penalidade aplicada ao desrespeito à restrição de trânsito de motos nas pistas expressa e central da Marginal do Tietê (leia mais abaixo).

A medida tem como objetivo o resguardo à vida e a proteção dos motociclistas, uma vez que a regulamentação da velocidade máxima permitida na pista local varia entre 50 e 60 km/h. Já na pista expressa, a velocidade regulamentada é de 90 km/h para veículos leves.

“Onde a velocidade é maior, quem está em uma moto fica mais vulnerável”, explica o secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Edson Caram. “Além disso, a pista expressa da Marginal é uma via de trânsito rápido, com tráfego intenso. Por isso, para preservar a segurança dos motociclistas, a circulação desses veículos deve ocorrer somente na pista local.”

Desde o dia 21 de fevereiro, a CET já havia instalado faixas de vinil com a recomendação “Moto Use Pista Local”, nas pontes da Marginal Pinheiros, no sentido Castelo Branco. E a partir do dia 15 de maio, novas faixas informativas foram instaladas para alertar quem utiliza motocicletas sobre a proibição. 

(Arquivo/Nivaldo Lima/SP AGORA

Segundo a CET, o corredor da Marginal Pinheiros contabilizou, em 2018, dez acidentes fatais envolvendo motos. Dados da Companhia também apontam alta de 17,7% no número de motociclistas mortos no trânsito paulistano, de 2017 (311 fatalidades) para 2018 (366).

A restrição faz parte do Programa Vida Segura, promovido pela atual gestão da SMT com base no conceito de Visão Zero, partindo da premissa de que nenhuma morte é aceitável no trânsito.

Trecho de proibição e alternativas

A proibição abrangerá o trecho entre a Ponte Transamerica até cerca 300 metros antes da Ponte Fepasa, na junção com a proibição já existente na pista expressa da Marginal Tietê, no sentido da Rodovia Ayrton Senna.

A sinalização será composta de 85 placas de regulamentação (com o aviso “Proibido Motocicletas”) e de advertência, instaladas antes de pontes, viadutos e transposições (passagem de uma pista à outra) de acesso à pista expressa.

A partir de 20 de maio, motociclistas que estejam na Marginal Pinheiros e desejem acessar a Rodovia Castello Branco devem seguir pela pista local até a Ponte dos Remédios para fazer o retorno para entrar na estrada.

Marginal Tietê

A primeira restrição à circulação de motos na Marginal Tietê ocorreu na pista expressa, em ambos os sentidos, no mês de agosto de 2010. No sentido Ayrton Senna, as motos não podem trafegar na pista expressa, de 300 metros antes da Ponte Nova Fepasa até a Ponte Deputado Ricardo Izar (Tatuapé). Já no sentido oposto, Castelo Branco, a proibição de circulação na expressa vale de 400 metros antes da Ponte Deputado Ricardo Izar (Tatuapé) até a Ponte Atílio Fontana (Anhanguera).

Já em maio de 2017 entrou em vigor a restrição para motos na pista central da Marginal Tietê durante a madrugada, também em ambos os sentidos. O horário de restrição é das 22h às 5h.

*com informações da Prefeitura de SP