Petrobras confirma morte durante transporte de plataforma

A Petrobras divulgou um comunicado, hoje (8), no qual lamenta a morte de um trabalhador durante o transporte da plataforma P-70, da China para o Brasil. A plataforma foi construída no estaleiro COOEC, em Qingdao, na China.

De acordo com o comunicado, seis trabalhadores passaram mal após a ingestão de álcool etílico e um deles morreu. “Os demais foram internados na África do Sul e estão estáveis”, informou a estatal. Não foram fornecidos detalhes das circunstâncias em que ocorreu a ingestão de álcool etílico.

Segundo a Petrobras, os trabalhadores são da empresa holandesa Boskalis, contratada pelo estaleiro para realizar o transporte da plataforma. Nenhum deles integra os quadros da estatal brasileira.

“A Petrobras está garantindo que toda assistência seja prestada. A companhia está em contato com o estaleiro chinês COOEC, contratante da Boskalis, para que todas as providências cabíveis sejam tomadas”, diz o comunicado.

De acordo com a Petrobras, o ocorrido com os seis trabalhadores não impacta no cronograma de implantação da nova estrutura. Ela está sendo transportada pela modalidade dry tow. “Ao invés de ser conduzida por rebocadores oceânicos, a unidade será embarcada em um semi-submersible heavy lift ship (navio semissubmersível para transporte de carga pesada)”, informou a estatal brasileira quando anunciou no mês passado a conclusão da P-70.

Segundo a Petrobras, esta é a segunda vez no mundo que o transporte de uma estrutura desse porte usa a modalidade dry tow. A primeira foi com a P-67. A estatal afirma que o dry tow reduz em cerca de 40 dias o tempo de viagem da China ao Brasil.

Plataforma

Prevista para operar na Bacia de Santos, a P-70 tem capacidade para produzir 150 mil barris de óleo e 6 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia. Ela faz parte de uma série de plataformas que respondem por parte da produção no pré-sal. As unidades P-66, P-67, P-68 e P-69 já tiveram a operação iniciada.

A plataforma pesa aproximadamente 78 mil toneladas.

A Boskalis foi procurada pela Agência Brasil, mas não retornou ao contato.

Petrobras inicia operação no pré-sal da Bacia de Santos

CristinaÍndio do Brasil/Agência Brasil

(Arquivo/Agência Brasil)

A Petrobras já está produzindo petróleo e gás natural na área de Búzios 2, no pré-sal da Bacia de Santos, por meio da plataforma P-75, a segunda unidade instalada naquele campo.

Segundo a companhia, a operação começou neste domingo (11), e a plataforma, do tipo FPSO [unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência de petróleo e gás], está localizada a aproximadamente 210 quilômetros da costa do estado do Rio de Janeiro, em profundidade de água de 2.000 metros.

Conforme a Petrobras, a plataforma tem capacidade para processar diariamente até 150 mil barris de petróleo e comprimir até 6 milhões de metros cúbicos (m³) de gás natural. A produção da P-75 será realizada por meio de 10 poços produtores e sete poços injetores. O escoamento do petróleo será feito por navios aliviadores e o do gás, pelas rotas de gasodutos do pré-sal.



Plataforma

A estatal informou que a P-75 é a quarta plataforma que entra em produção em 2018. Antes disso, começaram a produzir a FPSO Cidade Campos dos Goytacazes, no campo de Tartaruga Verde; a P-69, no campo de Lula; e a P-74, no campo de Búzios.

A Petrobras prevê concluir, no fim do ano, os seis sistemas previstos para este ano no Brasil, que, junto com essas plataformas, inclui a P-67, localizada no campo de Lula, e a P-76, que deverá seguir para o campo de Búzios em dezembro. A petroleira destacou que essas plataformas contribuem para o aumento da produção da Petrobras no horizonte do Plano de Negócios e Gestão 2018-2022.

Búzios

O Campo de Búzios foi descoberto em 2010 e representa o principal campo sob o contrato da chamada cessão onerosa, que permite à Petrobras transferir para outras empresas até 70% dos direitos de exploração de 5 bilhões de barris de petróleo equivalente na Bacia de Santos. A plataforma P-74 iniciou a produção da região em abril deste ano.