Agentes da Polícia Federal observam computador. Na camisa dos policiais há o nome da Polícia Federal.

PF combate distribuição de material de pornografia infantil

Criminosos que utilizavam a chamada darkweb para a difusão de material de abuso sexual infantil no Brasil e em diversas partes do mundo são alvo da Operação Lobos II, da Polícia Federal (PF), nesta sexta-feira (3).

Na ação estão sendo cumpridos 104 mandados de busca e apreensão e oito mandados de prisão preventiva, distribuídos em 20 estados e no Distrito Federal. Segundo a Polícia Federal, além da identificação e prisão de abusadores sexuais e de consumidores desse tipo de material, a operação pretende localizar e resgatar crianças que se encontram em situação de extrema violência.

Os crimes investigados são a venda, produção, disseminação e armazenamento de pornografia infantil e estupro de vulnerável, sem prejuízo de outros que possam surgir com a continuidade das investigações.

Histórico

Agentes da Polícia Federal observam computador. Na camisa dos policiais há o nome da Polícia Federal.
(Polícia Federal/Reprodução)

Desde 2016, a Polícia Federal estabeleceu parcerias com forças policiais de diversos países para identificar indivíduos que se utilizavam da darkweb para difundir material de abuso sexual infantil. Os criminosos atuavam mediante divisão de tarefas (arregimentadores, administradores, moderadores, provedores de suporte de hospedagem, produtores de material, disseminadores de imagens, dentre outros) com a finalidade de produzir e realizar a difusão de imagens, fotos e comentários acerca de abuso sexual de crianças e adolescentes e, ainda, alimentar a demanda por esse tipo de material.

“A união internacional de esforços permitiu a identificação de um indivíduo brasileiro que utilizava a deepweb para hospedar e gerenciar cinco dos maiores sites de abuso sexual infantil de toda a rede mundial de computadores. Os sítios e fóruns da darkweb eram divididos por temática, com imagens e vídeos de abuso sexual de crianças de zero a cinco anos de idade, abuso sexual com tortura, abuso sexual de meninos e abuso sexual de meninas”, detalhou a PF em nota.

Os sites eram utilizados por mais de 1,8 milhão de usuários, em todo o mundo, para postar, adquirir e retransmitir materiais relacionados à violência sexual contra crianças e adolescentes, dando a dimensão da necessidade do enfrentamento aos principais fomentadores deste tipo de conduta delituosa.

Liderada pela PF no Brasil a união internacional, conseguiu identificar e prender o principal responsável pelos sites voltados para o abuso sexual de crianças e adolescentes, em uma ação que foi batizada de Operação Lobos. Na época o esforço investigativo não foi objeto de divulgação no propósito de viabilizar prisões de produtores e consumidores deste tipo de material criminoso e o resgate de crianças vítimas em todo o mundo.

As investigações em sigilo permitiram a identificação e localização de dezenas de indivíduos no Brasil envolvidos com a produção e divulgação de material envolvendo abusos sexuais contra crianças e adolescentes.

Por Agência Brasil

Suspeito de divulgar pornografia infantil é alvo da PF

Policiais federais cumpriram, hoje (18), um mandado judicial de busca e apreensão na casa de um suspeito de produzir e divulgar imagens e vídeos de pornografia infantil. Na residência do suspeito, em Cariacica (ES), na região metropolitana de Vitória, os agentes encontraram farto material contendo cenas de sexo explícito envolvendo crianças ou adolescentes.

“Com a realização das buscas, conseguimos a comprovação do cometimento do crime. Foram encontradas peças e roupas utilizadas em vídeos de abuso sexual infantil”, disse o superintendente da Polícia Federal no Espírito Santo, delegado Eugênio Ricas.

O nome do suspeito não foi divulgado. Segundo a PF, o homem já vinha sendo monitorado e a ação deflagrada esta manhã é resultado de uma cooperação com o Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas (Ncmec, do inglês, National Center for Missing and Exploited Children).

Além de responder pelos crimes de produzir, transmitir e ou armazenar material pornográfico infantil, o investigado poderá ser denunciado por estupro de vulneráveis caso alguma das vítimas seja identificada.

Por Agência Brasil

Suspeito preso divulgava pornografia infantil no Instagram

Por Elaine Patricia Cruz 

Um homem foi preso hoje (29), pela Polícia Federal, em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, por divulgação de pornografia infantil no Instagram. O nome do preso não foi divulgado, mas a Polícia Federal informou que se trata de um homem de 23 anos.

Na casa dele foi encontrado vasto material de pornografia infantil e, por essa razão, a PF apreendeu seu celular e o HD do seu computador. Ele foi autuado em flagrante por posse de pornografia infantil e conduzido para a Superintendência da Polícia Federal em São Paulo. Esse crime é tipificado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente e prevê pena de reclusão de um a quatro anos.

A polícia chegou a ele após uma denúncia da Organização não-governamental National Center for Missing Exploited Children, dos Estados Unidos, que atua em parceria com as polícias no combate a crimes contra crianças.

PF faz operação contra pornografia infantil em oito estados

Por Vitor Abdala

Policiais federais cumprem hoje (23) 28 mandados de busca e apreensão em uma operação contra a pornografia infantil em oito estados. Ao todo, 23 pessoas são investigadas por crimes de produção, armazenamento e distribuição de material pornográfico envolvendo crianças ou adolescentes.

De acordo com a Polícia Federal (PF), pelo menos cinco pessoas foram presas em flagrante durante o cumprimento dos mandados.

Cerca de 120 policiais federais participam da operação nos estados de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Minas Gerais, do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, da Paraíba, de Sergipe e do Maranhão. A maior parte dos mandados (12) está sendo cumprida no Rio.

Operação prende divulgador de material pornográfico infantil

Flávia Albuquerque/Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã de hoje (22) uma operação para combater o abuso sexual infantil e a divulgação de material pornográfico infantil na internet. A Operação Mestre Impuro cumpriu dois mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva na capital paulista. As investigações começaram após a PF receber informações sobre uma pessoa publicando muito material com cenas de sexo em fóruns dedicados à pornografia infantil.

“Policiais federais entraram no ambiente da deep web ((internet oculta) com o uso de equipamentos e técnicas próprias para a investigação desse tipo de crime e identificaram que esse brasileiro seria um professor que atua na capital paulista. As diligências apontam que ele usaria a proximidade decorrente da profissão para abusar de crianças entre 5 e 10 anos de idade, de ambos os sexos”, diz a PF por meio de nota.

Segundo as informações, a polícia concluiu que, além do compartilhamento, havia evidências de que a mesma pessoa também produzia imagens dos abusos, com o objetivo de conquistar respeito e admiração dos outros participantes dos grupos que atuavam nesse ambiente da internet.

De acordo com a PF, já foram identificadas sete crianças, que são membros da família do suspeito, alunos e alunas. “Agora a PF trabalha para identificar se há outras vítimas, a partir da análise do material apreendido e da oitiva de pessoas”, informou a PF.

O investigado será indiciado pelos crimes de publicação de imagens de pornografia infantil, previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), com penas variando de três a seis anos de reclusão, e pelo crime de estupro de vulnerável, previsto no Código Penal, com penas de oito a 15 anos de reclusão.

O preso será encaminhado ao sistema prisional estadual, onde permanecerá à disposição da Justiça.

Homem é preso com pornografia infantil durante operação da PF

Fernanda Cruz/Agência Brasil

A Polícia Federal deflagrou hoje (25), em três cidades da grande São Paulo, a operação Take Care 3 contra produção, compartilhamento e publicação de conteúdo pornográfico envolvendo crianças e adolescentes.

Foram cumpridos três mandados de busca e apreensão em São Paulo, Guarulhos e São Bernardo do Campo, onde uma pessoa foi presa em flagrante. O nome não foi revelado.

A polícia não divulgou quantos acusados são investigados, mas informou que eles não possuem relação entre si, e responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de divulgação, compartilhamento e publicação de imagens e vídeos de pedofilia.

Pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, as penas para esses crimes podem variar de três a oito anos de prisão.

A primeira fase da operação ocorreu em 14 de junho deste ano, quando foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão e uma pessoa também foi presa em flagrante.

A Operação Take Care [Tome Cuidado] visa monitorar atividades de pedofilia na internet para identificar e punir os responsáveis.

Homem é preso em operação contra a pornografia infantil

(Arquivo)

A Polícia Federal deflagrou hoje (2), em São Paulo, a operação de combate à produção, divulgação, compartilhamento e publicação de materiais com conteúdo pornográfico envolvendo crianças e adolescentes.

A segunda fase da Operação Take Care cumpre três mandados de busca e apreensão nos bairros de Parelheiros e Freguesia do Ó, além da cidade de Mogi das Cruzes.

Uma pessoa, encontrada com imagens pornográficas de menores, foi presa em flagrante em Mogi das Cruzes. Ela será enviada ao sistema prisional estadual, onde permanecerá à disposição da Justiça Federal.

Na fase inicial, em 14 de junho deste ano, uma pessoa também foi presa em flagrante e foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão.

Os investigados podem ter de cumprir penas que variam de três a oito anos de prisão.

Os crimes, previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente, são os de produzir, reproduzir ou registrar cenas de sexo explícito ou pornográfica infantil; e oferecer, trocar, disponibilizar, publicar ou transmitir vídeo ou registro desse tipo, além de adquirir, possuir ou armazenar foto, vídeo ou outra forma de registro.

(Fernanda Cruz/Agência Brasil)