Semana começa com 14ºC, mas dia deve ser de sol

Amanhecer na região do Sambódromo, na Marginal Tietê (Redação/SP Agora)

A semana começou com temperaturas médias na casa dos 14ºC, segundo medição feita pelas estações meteorológicas do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Capital. Durante o início da manhã, uma névoa encobriu a cidade.

Apesar disso, meteorologistas do CGE dizem que o céu vai abrir ainda no período da manhã e o sol deve predominar ao longo do dia.

“A temperatura apresenta rápida elevação e não há previsão de chuva”, informa o CGE.

Já para amanhã (18), os ventos vindos da região do oceano favorecem o aumento da umidade e tiram o protagonismo do sol. O CGE prevê “a formação de muitas nuvens, mas não há expectativa de chuva. Os termômetros variam entre 15°C na madrugada e 22°C à tarde”, diz o órgão.

Frente fria reduz temperatura e provoca chuva fraca

A passagem de uma frente fria pelo oceano muda o tempo no litoral e influencia o clima também para quem vive na região metropolitana da Capital. Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE-SP), no fim da tarde hoje (12) há previsão de aumento de nebulosidade, provocando “chuviscos eventuais em função da mudança na direção dos ventos que passam a soprar do quadrante sul”, sinaliza o órgão.

Apesar disso, a segunda-feira começou com tempo firme e previsão de até 29ºC de temperatura. Com a mudança no tempo, a umidade relativa do ar deve melhorar.

Terça-feira

“A terça-feira (13) deve começar com muitas nuvens, temperatura média na casa dos 16°C e chuva fraca intermitente no decorrer do dia, em decorrência do avanço de uma frente fria com rápido deslocamento ao largo do litoral paulista. O dia também será marcado por ligeira sensação de frio por conta dos ventos úmidos que sopram do quadrante sul/sudeste. A temperatura máxima não deve superar os 21°C e os percentuais de unidade do ar se mantêm entre 55% e 95%”, prevê o CGE.

Previsão de ressaca e maré alta deixam litoral em ‘atenção’

(Arquivo/Anderson Bianchi/Pref. de Santos)

A formação de um ciclone extratropical, associado à passagem de uma frente fria, resultará em ventos intensos, maré alta e ondas elevadas entre segunda (12) e terça-feira (13) em Santos. O alerta é a Defesa Civil, com informações do Núcleo de Pesquisas Hidrodinâmicas da Unisanta. Também há possibilidade de chuvas neste período.

A partir da tarde de segunda-feira, o mar ficará agitado, com ondas que poderão ultrapassar dois metros de altura e maré de até 1,7 metro, com tendência a passar de 1,8 metro na tarde de terça-feira, representando aumento de, ao menos, 30 centímetros em relação à tábua de marés.

“A combinação de maré alta com ondas elevadas pode provocar ressaca. Já tivemos uma há menos de duas semanas. Essa época do ano, entre março, abril e maio, é a mais comum para esse evento devido a sistemas meteorológicos que influenciam a região”, explica o meteorologista da Defesa Civil, Franco Cassol.

De acordo com o Plano Municipal de Contingência para Ressacas e Inundações de Santos, o estado é de atenção.

Alagamentos

Se as previsões se confirmarem, há possibilidade de alagamentos pontuais na Cidade devido à ação conjugada de ondas e maré, que pode ser agravada com pancadas de chuva. No entanto, segundo a Defesa Civil, são esperados poucos impactos nas estruturas urbanas costeiras.

Alertas

Munícipes que quiserem receber informações sobre previsão de eventos climáticos extremos podem se cadastrar enviando o CEP por mensagem de texto (SMS) para o número 40199. Quem precisar de socorro também pode acionar o Corpo de Bombeiros pelo 193.

Por Pref. de Santos

Sudeste tem alerta de chuva forte nos próximos dias

(Roberto Parizotti/Fotos Publicas)

As fortes chuvas registradas recentemente nas regiões Centro-Oeste e Sudeste deverão se manter nos próximos dias. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a situação decorre da influência da Zona de Convergência do Atlântico Sul, que costuma ocorrer durante o verão no país, trazendo, para essas regiões, o ar úmido e quente com origem na Região Norte.

“Isso ocorre normalmente durante o verão. Esse fenômeno é responsável pelas chuvas volumosas e as nuvens densas que vemos nessas regiões, até desembocar no Oceano Atlântico”, explica o meteorologista do Inmet Heráclio Alves.

Segundo ele, diversas localidades de Minas Gerais registraram, nas últimas 24 horas, chuvas acima de 70 milímetros (mm). Na região da Pampulha, localizada ao norte de Belo Horizonte, choveu 154 mm nas últimas 24 horas. Ao sul da cidade, em Cercadinho, os 138 mm de chuva registrados nas últimas 24 horas correspondem a 77% do previsto para todo o mês.

“Em Belo Horizonte, o normal para todo o mês de fevereiro são 181 mm de chuva. No entanto, só nos oito primeiros dias do mês já choveu 248 mm. Isso está 37% acima do que é esperado para o mês inteiro”, disse o meteorologista à Agência Brasil.

Centro-Oeste

De acordo com o meteorologista, na Região Centro-Oeste as chuvas se concentram mais no norte/nordeste do Mato Grosso, onde os volumes mais expressivos de chuvas variaram entre 60 mm e 10 mm na primeira semana de fevereiro. “O normal para essa área varia entre 160 mm e 180 mm durante todo o mês”, explica Alves.

Em várias localidades do centro-norte de Goiás, região que inclui o Distrito Federal, o índice pluviométrico já ultrapassou os 100 mm. Os maiores acumulados, nesses primeiros dias de fevereiro, já estão em 179 mm, quando o esperado para o mês inteiro é 183 mm. “Cerca de 98% do previsto para todo fevereiro já choveu apenas na primeira semana do mês, nessas localidades”, detalhou o meteorologista.

Previsão

Segundo o Inmet, o sistema de convergência responsável pelas chuvas nessas regiões se manterá nos próximos dias principalmente na região central de Minas Gerais e Tocantins, bem como no norte do Mato Grosso e no norte e leste de Goiás.

O meteorologista alerta que os solos dessas regiões já estão encharcados e, com a continuidade das chuvas, sugere à população que acompanhe as informações disponibilizadas pela Defesa Civil local e federal, e por meio do site do Inmet. Sugere também que as pessoas evitem, diante de chuvas e trovoadas, se proteger em áreas descampadas.

Belo Horizonte

A prefeitura de Belo Horizonte informa ter recebido 131 solicitações de vistorias de risco entre os dias 6 e 8 de fevereiro, sendo que 12 relativas a alagamentos, outras 12 relativas a deslizamentos de encosta e 15 relativas a enchentes ou inundações. Houve ainda 11 solicitações de vistorias devido a desabamento parcial de muro de arrimo.

De acordo com a prefeitura, muitas ligações se devem a “situações de risco”. Entre estas, pedido  de vistorias no local por “risco de danificação ou destruição de habitações”; por risco de desabamento de muro de arrimo; por deslizamento de encosta; por “risco ou ameaça” de alagamentos; e por “risco ou ameaça” de enchentes ou inundações.

A prefeitura recomenda que durante as chuvas a população redobre a sua atenção, evitando áreas de inundação, o tráfego em ruas sujeitas a alagamentos ou perto de córregos e ribeirões nos momentos de forte chuva.⠀

A prefeitura alerta ainda para as pessoas não atravessarem ruas alagadas nem deixar crianças brincando nas enxurradas e próximo a córregos; e que não se abrigue nem estacione veículos debaixo de árvores.

Por Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil 

Fim de semana prolongado será de chuva em várias regiões

O fim de semana prolongado pelo feriado de finados (2 de novembro) deve ser instável em grande parte do país. A passagem de uma frente fria pelo Sudeste do Brasil, e que chega ao litoral da Bahia, vai estimular a formação de grandes áreas de instabilidade sobre o Sudeste, o Centro-Oeste e parte do Norte e do Nordeste do Brasil.

Segundo o meteorologista Olívio Bahia, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), pelos próximos cinco dias as chances de chuvas na região pantaneira no centro do país, atingida pelo fogo,  são muito pequenas. 

“A condição para chuva é muito remota na região pantaneira, mas claro que já choveu lá nos últimos dias e umedeceu a mata, mas a região ainda merece atenção”, disse.

Uma massa de ar seco predomina sobre Mato Grosso do Sul. Apenas hoje o estado ainda terá muitas nuvens, mas o sol já aparece. No oeste e sul de Mato Grosso, incluindo Cuiabá, o fim de semana será com sol e calor, mas sem extremos. A chance de chuva é remota. Mas as outras regiões de Mato Grosso passam o feriadão com períodos de sol e pancadas de chuva com raios. Vários temporais devem ocorrer no centro, norte e leste do estado.

Para Goiás e o Distrito Federal, a previsão também é de um fim de semana prolongado muito instável, com nuvens carregadas e pancadas de chuva. Há risco de chuva forte e de ventos em todos os dias em Brasília e Goiânia. Apenas no feriado da segunda-feira, o tempo ficará firme no sul de Goiás.

Sudeste

(Redação/SP Agora)

Em quase todo Sudeste, áreas de instabilidade, deixadas por uma frente fria, vão trazer muita nebulosidade e condições para chuva durante o fim de semana.

Hoje, chove em grande parte do leste de São Paulo, incluindo o litoral e a Grande São Paulo, no estado do Rio de Janeiro e em quase todas as áreas do Espírito Santo e de Minas Gerais. Há alerta de muita chuva entre o norte do Rio de Janeiro, o Vale do Rio Doce (MG) e a região de Vitória (ES).

O sábado deve ser com sol no centro-oeste do estado de São Paulo.  A região do Triângulo Mineiro, o norte de São Paulo e a divisa de Minas com a Bahia podem ter um pouco de sol, mas chove várias vezes. Céu nublado predomina na região de Campinas e de Sorocaba, com temperatura amena e vento moderado. A Grande São Paulo terá um sábado nublado, com chuva e frio.

Amanhã, ainda deve chover em grande parte do leste de São Paulo, incluindo a capital e o litoral paulista, no estado do Rio de Janeiro, no Espírito Santo e também no centro, leste e norte de Minas Gerais. 

Na segunda-feira, quase toda a Região Sudeste terá períodos com sol, mas muitas nuvens e pancadas de chuva à tarde e à noite. Ainda chove um pouco em todo o litoral da região. O dia fica chuvoso no Vale do Jequitinhonha e norte do Espírito Santo. A Grande Belo Horizonte, a Zona da Mata e o interior do Estado do Rio têm hoje muitas nuvens e pouca chuva.

Sul

Na Região Sul, o fim de semana começou com tempo instável na maioria dos estados, mas a maior parte do feriadão terá predomínio de sol. O ar frio de origem polar deixa a temperatura amena especialmente à noite e no começo da manhã. Todo o feriado será com um pouco de frio em Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre. 

Neste sábado, a maioria das áreas do Rio Grande do Sul, todo o estado de Santa Catarina e o oeste e o sul do Paraná ficam com muitas nuvens e chuva. O mar fica agitado em todo o litoral da Região Sul. Já no domingo e no feriado de segunda-feira quase toda a Região Sul terá sol e algumas nuvens, mas sem chuva. 

Norte

Na maioria da Região Norte, o fim de semana será com períodos de sol, sempre com muitas nuvens, pancadas de chuva e raios à tarde e à noite. Essas pancadas de chuva podem ser de moderadas a fortes, inclusive em Manaus, Boa Vista, Belém, Macapá  e Palmas.

No Acre e em Rondônia, o fim de semana terá várias horas com sol forte e algumas pancadas de chuva a partir da tarde, incluindo as capitais Rio Branco e Porto Velho.

Já no centro-norte do Tocantins e no norte e no leste do Pará, o feriado de 2 de novembro terá predomínio de céu nublado e chuva, com risco de temporais.

Nordeste

Hoje e amanhã, várias áreas do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas e Sergipe terão bastante sol e tempo seco, com pouca chuva, segundo a Meteorologia.

No feriado, as pancadas de chuva se espalham por todo o Maranhão e Piauí, deve chover no sul do Ceará, no sertão de Pernambuco e em Sergipe. Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e o centro-norte do Ceará continuam com sol no feriado.

Na Bahia, todo o feriadão terá muita nebulosidade e pancadas de chuva, com risco de temporais. Pode chover em Salvador.

 Por Karine Melo – Repórter da Agência Brasil 

Tempo segue firme e quente, dizem meteorologistas

A massa de ar seco e quente que está sobre o interior do Brasil deve permanecer até a próxima semana, elevando as temperaturas e afastando as possibilidades de chuva, em especial nas regiões Centro-Oeste e Sudeste. 

A previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) é que as temperaturas continuem elevadas, com máximas acima dos 30 graus em praticamente todo o Brasil, podendo ter picos de 40°C na região central; e mínimas entre 14°C e 26°C.

De acordo com Maiane Araújo, meteorologista do Inmet, esse é um fato comum nessa época do ano, na entrada da primavera, uma estação de transição. “A atmosfera ainda está se ajustando para sair de um padrão e ir para a outro. Embora tenham ocorrido chuvas há alguns dias, a massa de ar seco volta a se estabelecer, até que as chuvas consigam se firmar de fato”, explicou.

Como a massa quente impede a formação de nuvens, as temperaturas se elevam. Para hoje (29), o Inmet já emitiu alertas de baixa umidade para estados do Sudeste e Nordeste. Os avisos são atualizados diariamente na página do instituto.

Os picos de 40°C de temperatura podem acontecer em pontos do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás. Em Brasília, segundo Maiane, não há indicativo que isso ocorra. O recorde para a capital federal é de 37,7°C, registrado em outubro de 2017.

A especialista disse, ainda, que há a possibilidade de chuvas no interior do país a partir do dia 8 de outubro, mas como essa é uma fase de transição, as previsões sempre podem mudar. Além disso, cada ano tem suas especificidades. Em 2019, por exemplo, a estação chuvosa se estabeleceu na segunda quinzena de novembro. Para este ano, a previsão é que isso aconteça no fim de outubro.

Já essa semana é de chuvas nas regiões Norte e Sul. No Sul, deverá haver concentração de chuvas, principalmente, no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Na Norte, os maiores acumulados deverão ser no noroeste do Amazonas e em Roraima. Já no Nordeste, as chuvas devem ser isoladas e com baixo volume. 

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil

Massa de ar frio volta a derrubar temperatura nos próximos dias

Após um fim de semana ensolarado, as temperaturas devem cair novamente em São Paulo a partir desta segunda-feira (31) com a chegada de uma massa de ar frio vinda do sul do país, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

No domingo (30), os paulistanos aproveitaram a máxima de 32°C na capital. Já nesta segunda-feira, a expectativa é de que a temperatura sofra queda de quase 10°C, amanhecendo com 15°C e alcançando os 23°C, segundo os meteorologistas.

De acordo com o Inmet, uma massa de ar frio, causada pela alta pressão de origem polar, chega pelo oceano, do sul do país, e estaciona temporariamente na altura de São Paulo. O litoral e a região metropolitana estarão em meio à nebulosidade e enfrentam as quedas nas temperaturas.

A condição se intensifica na tarde de terça-feira (1), que começa com 13°C e terá máxima que não ultrapassa os 22°C.

Na quarta-feira (2), o tempo se mantém nublado, mas as temperaturas começam a subir ligeiramente, com máxima prevista de 25°C.

A quinta (3) ainda amanhece fria, mas o sol aparece e a tarde alcança os 28°C. Na sexta-feira (4), a expectativa é de 29°C.

O próximo fim de semana, contudo, esfria mais uma vez com a chegada de uma frente fria, que pode trazer chuvas. O sábado (5) apresenta tendência de mínima de 15°C e máxima de 25°C.

 

Frio persiste nos próximos dias; Veja a previsão

A capital paulista amanheceu nesta segunda-feira (24) com tempo frio, como tem ocorrido nos últimos dias. Os termômetros das estações meteorológicas do Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE) da prefeitura registraram média de 8,6 graus Celsius (°C) na madrugada. A máxima pode alcançar os 19°C, segundo o órgão, e a umidade relativa do ar oscila em torno de 55%, podendo cair a até 45% a partir desta tarde.

(Roberto Parizotti/Fotos Publicas)

Nas regiões mais periféricas e próximas a serras, o frio foi mais intenso na madrugada: os bairros da Zona Sul Engenheiro Marsilac e Capela do Socorro registraram 3,2°C e 4,9°C, respectivamente, e São Mateus, na Zona Leste, 6,6°C. Em Perus, próximo à Serra da Cantareira, a mínima foi de 7,8°C. 

A tendência para amanhã (25) será mais um dia de frio com termômetros em média na casa dos 8°C. Na última sexta-feira (21), o dia terminou com a temperatura mínima mais baixa do ano na cidade, foram 8,1°C de média, segundo dados do CGE. Também na sexta-feira ocorreu a temperatura máxima mais baixa do ano, com 12°C de média na cidade.

Ainda de acordo com o CGE, o tempo aberto associado ao resfriamento noturno deve proporcionar a formação de névoa e eventualmente nevoeiro entre o final da madrugada da terça-feira e as primeiras horas da manhã.

No decorrer do dia, a previsão é de céu com poucas nuvens e predomínio de sol, com os termômetros chegando aos 20°C no período da tarde. Os índices de umidade do ar indicam queda gradativa com valores mínimos acima dos 42%.

O frio continua na quarta-feira (26), que deve registrar madrugada com temperatura média de 9°C e formação de névoa e nevoeiro nas primeiras horas da manhã, mas logo devem se dissipar com o predomínio de sol. Ao longo do dia, a temperatura máxima deve chegar aos 21°C, com percentuais de umidade do ar entre 38% e 85%.

Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil –

Capital registra temperatura abaixo de 10ºC

De acordo com as estações meteorológicas da Prefeitura de São Paulo, as temperaturas mínimas atingiram 9,6°C em média neste início de tarde, mais baixas inclusive do que as registradas durante a madrugada de hoje (21). Dessa forma, a temperatura mínima mais baixa do ano permanece sendo 8,7°C em média na Cidade, ocorrida nos dias 27 e 28 de maio.

Fundo social de Solidariedade do Estado distribuiu kits solidários na Região da Sé (Gov. do Estado de SP)



Imagens do radar do CGE da Prefeitura de São Paulo mostram chuva fraca em toda Cidade, exceto no Brás, Belém, Mooca, Pari, Zona Leste e em Santana, Vila Maria/Guilherme, Zona Norte onde chove moderado.

Nas próximas horas o tempo segue instável com muita nebulosidade e chuvas variando de intensidade entre fraca e moderada. Não há previsão de temporais, porém o solo encharcado e a continuidade das condições de chuva elevam o potencial para formação de alagamentos transitáveis e deslizamentos de terra. No final do dia as temperaturas seguem em declínio e a mínima de hoje pode ocorrer no período da noite, com previsão de termômetros em torno dos 9°C.

Próximos dias

A frente fria se afasta do litoral paulista, mas os ventos úmidos que sopram do oceano ainda causam nebulosidade e chuviscos nos próximos dias. A forte massa de ar polar passa a predominar sobre o Estado de São Paulo, causando frio intenso principalmente durante as madrugadas.

O sábado (22) segue com muita nebulosidade, chuvas fracas e chuviscos, que tendem a diminuir no decorrer do dia. A sensação ainda deve ser de muito frio, com temperaturas variando entre mínimas de 8°C e máximas de 14°C.

No domingo (23) as condições de chuva diminuem e o sol retorna entre nuvens no decorrer do dia. Mesmo assim a sensação de frio segue intensa com temperaturas variando entre 9ºC e máximas que não devem superar os 16ºC.

*com informações do CGE-SP

Onda de frio intenso derruba temperaturas até sábado

Uma onda de frio intenso começa a atingir vários estados do Brasil a partir de hoje (20) e, até sábado (22), os dias serão bastante frios em parte do centro-sul. 

(Thiago André Costa/Defesa Civil Paraná)

De acordo com a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), as condições climáticas atípicas vão provocar quedas acentuadas de temperatura nos estados do Sul do país, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, sul de Goiás, Rondônia, Acre e centro-sul do Amazonas, além dos estados de São Paulo, sul de Minas Gerais e do Rio de Janeiro.

A intensa massa de ar frio de origem polar deve provocar temperaturas mínimas muito baixas, inclusive com possibilidade de valores inferiores a O°C em parte do Sul do Brasil. Em áreas de Mato Grosso, por exemplo, a temperatura deverá ter um decréscimo em torno de 10°C entre as noites de hoje e de amanhã.

Haverá ainda condições favoráveis para formação de geadas amplas, tempestades e vendavais. “Além disso, com a umidade remanescente e o frio intenso, há também possibilidade de queda de neve nas regiões serranas do Rio Grande do Sul, no oeste, sul, meio-oeste e planalto norte de Santa Catarina, bem como em áreas do sul e sudoeste do Paraná, entre o fim de tarde e noite de quinta-feira (20), na sexta-feira (21) e no sábado (22)”, explicou o Inmet.

Articulação

Em comunicado, o Ministério da Cidadania informou que, diante das previsões, já trabalha de forma articulada com a Defesa Civil para garantir proteção à população mais vulnerável, em especial  pessoas em situação de rua. 

Além disso, o momento exige atenção com a segurança das equipes de assistência social, devido à pandemia de covid-19.

“A Secretaria Nacional de Assistência Social do Ministério da Cidadania alerta para que a rede do Sistema Único de Assistência Social esteja mobilizada para garantir o abrigamento temporário dessas pessoas, reforçando também a atuação das equipes de abordagem social nos territórios. É necessário ter atenção com moradores de áreas rurais e povos e comunidades tradicionais”, alertou o ministério.  

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil