Viracopos suspende pousos e decolagens após raio atingir pista

As operações de pousos e decolagens tiveram que ser interrompidas no Aeroporto de Viracopos, em Campinas, após a queda de um raio na pista. Com isso, o funcionamento do aeroporto foi interrompido, na tarde de hoje (28), por pouco mais de uma hora.

Segundo a assessoria de imprensa do aeroporto, o raio abriu um buraco na pista de aproximadamente 80 centímetros de diâmetro e foi necessária uma operação de reparo e de limpeza do asfalto da pista, que durou cerca de 40 minutos.

A pista de pousos e decolagens ficou interditada das 13h42 às 14h47 de hoje. Neste período, oito voos atrasaram e um teve que ser desviado para Guarulhos.

Por Elaine Patrícia Cruz, da Agência Brasil

Grande SP pode ter chuva forte, raios e ventos, alerta Defesa Civil



A Defesa Civil do Estado de São Paulo alerta para a previsão de chuvas fortes, com ventos e raios, na faixa leste do Estado de São Paulo, que compreende as regiões do Vale do Ribeira, Baixada Santista, Litoral Norte, Sorocaba, Vale do Paraíba, Grande São Paulo e Campinas. A previsão é válida até amanhã (3).

O alerta deve-se a passagem de uma nova frente fria sobre o Estado. As chuvas mais intensas são aguardadas para esta quinta-feira (2), com longa duração e risco para alagamentos, quedas de árvores e deslizamentos de terra.

A frente fria começa a se afastar na sexta-feira (3), porém ainda podem ser observadas pancadas de chuva forte no Vale do Paraíba e Regional de Campinas.

Para mais informações sobre como agir antes, durante e depois das chuvas, acesse os sites spalerta.sp.gov.br e defesacivil.sp.gov.br, além dos perfis em redes sociais @defesacivilsp (Twitter e Instagram) e @defesacivilestadual (Facebook). A Defesa Civil também emite alertas de chuvas por SMS. Para isso, cadastre seu CEP no número 40199 e receba os avisos referentes a sua região.

Dicas de segurança durante tempestades

Rodovias e estradas: Se estiver dirigindo, procure um local coberto e seguro e aguarde o tempo melhorar.

Enxurradas: Nunca enfrente enxurradas ou atravesse vias alagadas, pois águas de inundação são pesadas e violentas. Apenas 15 cm de água em movimento podem derrubá-lo, e 30 cm de água em movimento são suficientes para arrastar um veículo.

Áreas descobertas: Se estiver em locais como praia, piscina, estacionamento e campo de futebol, saia imediatamente e procure áreas cobertas e seguras.

Chuvas com raios: Mantenha distância de objetos altos e isolados ou metálicos, como árvores e guarda-sol. Não solte pipas e não carregue objetos como canos e varas.

Trovoadas: Ao escutar trovões, abrigue-se imediatamente em uma edificação ou veículo, permanecendo longe de janelas, tomadas e materiais metálicos.

Deslizamentos: Diante do aparecimento de fendas e rachaduras nas paredes ou de qualquer sinal de deslizamento, abandone o local imediatamente e procure abrigo fora da área de risco.

*Com informações do Governo do Estado de São Paulo

Chuva: Criança é atingida por telhas e vento derruba 80 árvores

Formação do temporal na Zona Norte (Nivaldo Lima/SP Agora)


A chuva forte que atingiu São Paulo e a região metropolitana no fim da tarde de hoje (27) colocou toda cidade em ‘Estado de Atenção para Alagamentos’. O Corpo de Bombeiros informou que as rajadas de vento levaram a 80 chamados para queda de árvores.

Em Cotia, na Grande São Paulo, uma criança ficou ferida depois que o telhado desabou na rua Nova Odessa. Os bombeiros chegaram a ser acionados, mas a vítima foi socorrida antes da chegada da corporação. Houve pelo menos mais um desmoronamento, mas ainda não há detalhes da ocorrência.

Às 16h50, o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) colocou toda cidade em ‘Estado de Atenção para Alagamentos’. Campo Limpo e Ipiranga, na zona sul, chegaram a ficar em ‘Estado de Alerta’.

Pelo menos oito lugares ficaram alagados, sendo quatro deles intransitáveis, segundo o CGE.

A Defesa Civil já havia alertado para o risco de chuva forte, com vento, nesta quarta e quinta-feira.

*Atualizado às 18h20

Defesa Civil alerta para chuva forte e vento hoje e amanhã

(Arquivo/Marcos Ozanan/Fotos Públicas)


A Defesa Civil do Estado de São Paulo alertou hoje para o risco de ocorrer chuva intensa, com ventos fortes, hoje (27) e amanhã (28). A previsão, válida para regiões diversas do Estado, indica a passagem de uma frente fria que, somada ao calor, favorecerá a condição para precipitação de intensidade forte, acompanhada por raios e rajadas de ventos.

O risco é maior em 11 regiões, onde estão previstas chuvas de até 75 milímetros. Segundo o órgão do Governo do Estado, estão incluídas nesse alerta a Região Metropolitana de São Paulo, a Baixada Santista, Sorocaba, Campinas, Ribeirão Preto, Bauru, São José do Rio Preto, Araçatuba, Araraquara, Franca e Itapeva. Já em Registro, São José dos Campos, Presidente Prudente e no Litoral Norte pode chover até 50 milímetros.

Em caso de chuva forte, evite áreas em que alagamentos são recorrentes
(Arquivo/Nivaldo Lima/SP AGORA)

Em casos de emergência, a recomendação é para que o morador chame os Bombeiros (193), a Polícia Militar (190) e a Defesa Civil (199). Se houver raios, o indicado é permanecer em locais fechados e evitar áreas abertas, como terrenos ou praias.

Se estiver dentro de casa, durante a tempestade procure ficar distante de aparelhos e objetos ligados à rede elétrica, como TVs, geladeiras e fogões. Fique distante também de janelas, tomadas, torneiras, canos elétricos e evite tomar banho.

Previsão do tempo e risco de queda de árvore

A quarta-feira (27) começa com sol e temperaturas em elevação, segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE). O termômetros oscilam durante o dia entre a mínima de 18°C e a máxima podendo superar 30ºC. Vai ser a partir da tarde e começo da noite que áreas de instabilidade, associadas com a aproximação de uma frente fria pelo oceano, provocam pancadas de chuva com intensidade variando de moderada a forte.

O CGE faz um alerta, em função da possibilidade de chuva e vento fortes, para o risco de queda de árvores. O órgão chama a atenção ainda para o solo encharcado e a continuidade das chuvas, principalmente na quinta-feira, elevam o potencial para formação de alagamentos e deslizamentos de terra na Grande São Paulo.

Para amanhã (28), a propagação do sistema frontal pelo oceano organiza as áreas de instabilidade sobre o Estado de São Paulo, o que deixa o tempo instável com chuvas que devem se alternar com períodos de melhoria ao longo do dia. Os termômetros variam entre mínimas de 17ºC e máximas que não devem superar os 23ºC.

Alertas no celular e na TV

A Defesa Civil do Estado envia alertas gratuitamente por SMS com informações em tempo real sobre chuvas fortes e alagamentos. Basta cadastrar o número enviando seu CEP para 40199. É possível acompanhar avisos de ocorrências também pelo perfil @defesacivilsp no Twitter.

Clientes de TV por assinatura recebem mensagens de alertas de desastres naturais, deslizamentos de terra, vendavais e chuvas de granizo. As mensagens aparecem em formato de um pop-up (imagem sobreposta à tela) com tempo de exposição de 10 segundos. Não é necessário se cadastrar para receber as notificações de emergência pela TV paga. Há opção de o assinante fechar o pop-up se desejar.

*Com informações do Governo do Estado de SP e do CGE

Raio em campo de futebol mata um e deixa 14 feridos

Por  Ludmilla Souza 

(Arquivo/Marcos Ozanan/Fotos Públicas)


A queda de um raio em um campo de futebol na manhã de deste domingo (27) causou a morte de um homem e deixou 14 pessoas feridas em Gravataí (RS). O fenômeno aconteceu por volta das 10h no local onde acontecia um jogo amistoso entre times da cidade no bairro Rincão da Madalena, informou a Polícia Militar da cidade. As vítimas, entre elas uma criança de oito anos, foram socorridas e levadas para o Hospital Dom João Becker.

Segundo a assessoria de imprensa do Hospital, cinco pessoas permanecem internadas em estado estável, três estão em observação, um paciente está em estado instável e cinco, dentre eles a criança, foram atendidos e liberados.

A vítima fatal foi identificada como Valdenir Massaia, de 27 anos, que atuava como zagueiro de um dos times. 

https://spagora.com.br/raios-invertidos-sao-investigados-por-pesquisadores/

Raios invertidos são investigados por pesquisadores

Por Elaine Patrícia Cruz

(Marcello Casal jr/Agência Brasil)


Por causa da ação do homem, começou a ser observado em vários locais do mundo um tipo de raio “invertido”, que em vez de descer das nuvens e tocar no solo, parte de uma estrutura alta na superfície, tais como torres de telecomunicações, se propagando em direção às nuvens.

No Brasil, esses raios estão sendo observados em locais como na região da Avenida Paulista e no Pico do Jaraguá, em São Paulo, onde há muitas torres instaladas. Só no Pico do Jaraguá, a frequência desse tipo de raios costuma ser de 40 a 50 ocorrências por ano. A maior parte dos raios ascendentes (invertidos) no Brasil ocorre principalmente na transição da primavera para o verão e do verão para o outono.

O estudo é feito no Brasil, nos Estados Unidos e na África do Sul. No Brasil, ele vem sendo tocado por pesquisadores do Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Em entrevista à Agência Brasil, Marcelo Magalhães Fares Saba, pesquisador do Inpe e coordenador do projeto, disse que esse tipo de raio passou a existir à medida que o homem foi colocando ou construindo estruturas altas na superfície terrestre como torres de telecomunicações, torres de celular ou arranha-céus.

“Normalmente os raios saem de cima para baixo, saem da nuvem e vem para o solo. Estávamos procurando no Brasil algum lugar em que os raios acontecessem de forma contrária, saíssem do solo e fossem para a nuvem. O raio sempre começa com uma descarga, que vai se alongando até chegar no solo ou ele começaria no solo, o que é mais surpreendente. Nesse caso, você tem uma torre alta, um prédio alto, e na ponta desse prédio ou dessa torre se inicia a descarga. Para isso precisamos ter uma nuvem de tempestade por perto”, explicou Saba. 

Para a observação desses raios “invertidos”, os pesquisadores utilizaram câmeras fotográficas digitais e de vídeo de alta velocidade, além de medidores de campo elétrico e de luminosidade e uma câmera de ultra alta velocidade. Os resultados dessas observações e análises indicaram que os raios descendentes positivos  – aqueles que tocam o solo e que deixam um saldo de carga negativa na nuvem – é que permitem a incidência dos raios ascendentes (ou invertidos). 

A primeira vez que um raio ascendente foi observado e filmado no Brasil foi em 2012, no Pico do Jaraguá. Os pesquisadores descobriram que para que esses raios ocorram no Brasil é preciso ocorrer antes um raio descendente. “O processo que temos visto é que, quando o raio normal cai no solo, ele deixa uma falta de cargas positivas na nuvem, ou seja, introduz cargas negativas na nuvem. Essas cargas negativas na nuvem, se a perturbação for rápida e suficiente, eles provocam na torre um súbito aumento do campo elétrico e essa mudança rápida no campo elétrico do alto da torre é que produz o início da descarga para cima”, explicou Saba. 

Também é preciso, segundo ele, que ocorra um tipo de nuvem grande e horizontal, que produz os raios chamados positivos. “Esse raio positivo, quando toca o solo, ele deixa um excesso de carga positiva na Terra e um excesso de carga negativa na nuvem”, falou. 

Segundo Saba, os raios ascendentes não apresentam risco de atingir humanos, já que são originados na ponta das torres de energia ou de telecomunicações. Mas podem causar danos à estrutura dessas torres.

Temporal mata mulher, provoca desabamento e queda de árvores

Marginal Tietê entrou em estado de atenção para alagamentos às 16h41 (SP Agora)

O temporal que atingiu São Paulo no fim da tarde deste domingo (28) provocou desabamento e quedas de árvores na região metropolitana e uma morte no litoral. O Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) havia alertado para o risco de rajadas de vento, com velocidade superior a 50km/h, em toda grande São Paulo, além do risco de queda de granizo.

Chuva na região central de São Paulo (Fernanda Pacheco/Cortesia)

Em São Caetano do Sul, no ABC Paulista, o teto de uma casa desabou. Apesar do estrago, segundo o Corpo de Bombeiros ninguém se feriu.

A corporação registrou até o começo da noite 29 ocorrências envolvendo queda ou risco de queda de árvores. Não há feridos.

(Bruno Maraccini/G1/Reprodução)

Em Santos, a Defesa Civil informou ao G1 que as rajadas de vento chegaram a 150km/h. Uma mulher foi atingida por uma árvore que caiu em São Vicente e morreu.

A chuva, acompanhada de ventania e raios, é resultado da combinação entre áreas de instabilidade e uma frente fria que se aproxima da região.

*atualizado às 0h25

Usuários de rodovias terão alertas sobre chuva e raios

(Arquivo)

Com a previsão da Defesa Civil do Estado de São Paulo quanto ao aumento da incidência de chuvas com raios no Estado de São Paulo, a Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) firmou uma parceria com o órgão para alertar os motoristas e quem viaja pelas rodovias da malha paulista concedida sobre como proceder em casos de chuvas com raios.

A partir desta sexta-feira (22), sempre que a Defesa Civil prever a chance de raios atingirem uma determinada região, serão exibidos alertas nos painéis eletrônicos de mensagem das rodovias. A mensagem orientativa definida para a ação será: “Chuva com raios; Procure local seguro; Mantenha os vidros fechados; Não toque em partes metálicas”.

A previsão é que a temporada de raios no Estado se estenda até o dia 31 de março. Em caso de raios, estacione em local seguro, como postos de serviço, e abrigue-se em uma edificação.

Orientações da Artesp

Dirigir sob condições climáticas ruins exige maior cautela dos motoristas. Além de reduzir a visibilidade, a água acumulada na pista diminui a aderência dos pneus e dificulta manobras de emergência. É preciso reduzir a velocidade, manter a distância do veículo da frente e manter aceso o farol baixo.

Para dirigir em pistas molhadas, recomenda-se também calma e prudência nas manobras. O motorista deve levar em conta que a velocidade máxima permitida na rodovia é determinada para o tráfego em condições normais. Sob chuva é recomendável reduzir a velocidade.

Outra dica importante é em relação ao uso correto do pisca-alerta. É comum motoristas acionarem as luzes de emergência em situações de pouca visibilidade e tráfego lento. Esse procedimento, no entanto, é um erro. Em nenhum caso deve-se circular com o pisca-alerta ligado. A Artesp reforça que o pisca só deve ser acionado com o veículo parado, preferencialmente em uma área segura.

Se, mesmo com todas as precauções, o motorista perceber que a visibilidade está comprometida com a chuva, o melhor a fazer é procurar um posto de serviço e parar até a chuva diminuir para então retomar a viagem.

Dicas de segurança para dirigir na chuva:

– Ao perceber acúmulo de água na pista, reduza a velocidade;

– Acenda as lanternas e os faróis baixos para facilitar que seu carro seja visto por outros condutores;

– Mantenha distância segura dos demais veículos, especialmente o que vai a sua frente;

– Evite frear de maneira brusca para não travar as rodas e derrapar por falta de aderência;

– Em áreas de alagamento, tenha calma e aguarde o nível da água baixar.

Primavera: a estação dos raios, alertam especialistas

Flávia Albuquerque/Agência Brasil

(Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Com a chegada da primavera, que tem início às 22h53 de amanhã (22), as regiões Sudeste e Centro-Oeste devem observar um aumento significativo do volume de chuvas, comum para a estação. O período também é marcado pela alta incidência de raios, fazendo do Brasil o líder mundial na ocorrência desse fenômeno. Segundo levantamento feito pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) no ano passado, a média anual de raios a atingirem o país, nos últimos seis anos, foi de 77,8 milhões.

De acordo com a pesquisa, os estados onde há maior incidência de raios por quilômetro quadrado são Tocantins (17,1), Amazonas (15,8), Acre (15,8), Maranhão (13,3), Pará (12,4), Rondônia (11,4), Mato Grosso (11,1), Roraima (7,9), Piauí (7,7) e São Paulo (5,2). A cidade de São Paulo está entre as cinco capitais com maior densidade de raios por quilômetro quadrado (13,26), atrás de Rio Branco (30,13), Palmas (19,21), Manaus (18,93), São Luiz (15,12) e Belém (14,47). Entre as cidades com mais de 650 mil habitantes Osasco, Santo André, São Bernardo do Campo e Guarulhos, todas na região metropolitana de São Paulo, apresentam valores de densidade acima de 10, como consequência da urbanização.

“O Brasil é o campeão mundial em incidência de raios porque é o maior país da região tropical do planeta, o mais quente e por isso favorece a formação de tempestade. Os raios são mais frequentes na primavera e no verão porque são as estações mais quentes. Mas existem diferenças entre uma região e outra. Quando se fala de morte por raio fala-se de uma combinação de alta incidência [de raios] com grande número de pessoas”, explicou o coordenador do Elat, Osmar Pinto Júnior.

De acordo com o levantamento do Elat, a principal circunstância na qual ocorrem mortes por raio no país é durante as atividades rurais (25%), seguido de pessoas que estão dentro de casa (18%), próximas a veículos (10%), embaixo de árvores (8%), jogando futebol (7%), embaixo de coberturas (5%) e na praia (4%).

“De forma geral quando a pessoa está em atividade em céu aberto está mais exposta a ser atingida por raios. Isso explica porque trabalhando no campo a pessoa fica mais sujeita. Mas o número de pessoas que são atingidas dentro de casa preocupa, porque é relativamente alto e isso se deve ao fato de que as pessoas em casa estão mais protegidas de raios diretamente, mas podem ser atingidas indiretamente quando os raios atingem a rede elétrica causando sobrecarga nas tomadas e equipamentos ligados”, disse Osmar.

Segundo ele, um dos locais mais seguros para ficar durante uma tempestade é dentro de um automóvel fechado, uma vez que o raio não ultrapassa a estrutura metálica do carro.

A prevenção é o principal meio para evitar mortes provocadas por raios. Durante as tempestades, deve-se evitar locais altos, sentar embaixo de árvores ou deitar no chão. A pessoa também deve manter distância de poças de água e objetos que possam conduzir a eletricidade, como linhas de energia e cercas de arame farpado. Dentro de casa, deve-se evitar entrar em contato com objetos ligados à rede elétrica ou ficar perto da tomada durante uma tempestade.