Mortalidade infantil no Estado é a menor já registrada

Médica segura os dois pés do bebê para o teste do pezinho

A taxa de mortalidade infantil no estado de São Paulo em 2020 foi de 9,75 óbitos de menores de um ano a cada mil nascidos vivos – a menor já registrada. Em 2000, a taxa era de 17 por mil nascidos vivos. Os dados, divulgados hoje (10), são da publicação anual realizado pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade).

As menores taxas de mortalidade infantil foram observadas em São José do Rio Preto (7,8 por mil nascidos vivos), Ribeirão Preto (8,6) e Campinas (8,9). Já as maiores ocorreram na Baixada Santista (11,1), Registro (10,7) e Itapeva (10,5). 

“Está é uma marca histórica fruto de um trabalho conjunto e contínuo entre o estado e os 645 municípios. As iniciativas e ações preventivas voltadas para a saúde da mulher e da criança fizeram com que São Paulo chegasse a um patamar único em sua história.

Médica segura os dois pés do bebê para o teste do pezinho
(Gilson Abreu/ANP/via Fotos Públicas)

O objetivo agora é ainda mais desafiador e vamos trabalhar para continuar diminuindo estes índices”, destacou o secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn.

De acordo com o governo do estado, aproximadamente nove a cada dez mortes infantis estão relacionadas a doenças originadas no período perinatal (entre 22 semanas de gestação até os sete dias após o nascimento do bebê), como malformações congênitas; doenças infecciosas e parasitárias, e do aparelho respiratório.

O período neonatal precoce (de 0 a 6 dias de vida) é quando ocorre a maior proporção dos óbitos infantis, com 51% do total.

Por Agência Brasil

Covid-19: Vale do Ribeira cai para fase vermelha

Por causa do aumento na taxa de ocupação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTIs) destinados ao tratamento de casos do novo coronavírus, o governo de São Paulo reclassificou hoje (31) a região de Registro, no Vale do Ribeira, para a Fase 1-Vermelha.

(Reprodução)

“A reclassificação do Vale do Ribeira foi uma medida de segurança, já prevista e discutida no Plano São Paulo, frente ao aumento do número de casos e de ocupação de leitos de unidades de terapia intensiva”, disse o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn.

A região de Registro estava na Fase 3-Amarela do Plano São Paulo desde o dia 10 de julho. A etapa amarela permitia a reabertura de bares, restaurantes e salões de beleza com 40% da capacidade e expediente diário de até seis horas. Já a Fase Vermelha é de quarentena total, com abertura apenas dos serviços considerados essenciais, como de logística, abastecimento, saúde e segurança.

O governo paulista atualiza o plano a cada 15 dias – a última atualização foi sexta-feira (24) passada –, observando os dados obtidos em uma semana na comparação com a semana anterior. Caso haja grande piora nos dados, como ocorreu com Registro, o plano é atualizado a qualquer momento.

 O Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul). Pelo plano, o estado foi dividido em 17 regiões (com a região metropolitana dividida em cinco sub-regiões), e cada uma delas é classificada em uma fase.

Agora, quatro regiões do estado permanecem na Fase 1-Vermelha, de alerta máximo, onde terão que manter a quarentena e só poderão abrir serviços considerados essenciais como de logística, segurança, saúde e abastecimento. Além de Registro, estão nessa fase as regiões de Franca, Ribeirão Preto e Piracicaba.

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (30) que pretendia visitar a região, mas que adiaria o plano se o Vale do Ribeira fosse reclassificado para a Fase Vermelha, o que ocorreu hoje.

Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil 

Defesa Civil alerta para chuva forte e vento hoje e amanhã

(Arquivo/Marcos Ozanan/Fotos Públicas)


A Defesa Civil do Estado de São Paulo alertou hoje para o risco de ocorrer chuva intensa, com ventos fortes, hoje (27) e amanhã (28). A previsão, válida para regiões diversas do Estado, indica a passagem de uma frente fria que, somada ao calor, favorecerá a condição para precipitação de intensidade forte, acompanhada por raios e rajadas de ventos.

O risco é maior em 11 regiões, onde estão previstas chuvas de até 75 milímetros. Segundo o órgão do Governo do Estado, estão incluídas nesse alerta a Região Metropolitana de São Paulo, a Baixada Santista, Sorocaba, Campinas, Ribeirão Preto, Bauru, São José do Rio Preto, Araçatuba, Araraquara, Franca e Itapeva. Já em Registro, São José dos Campos, Presidente Prudente e no Litoral Norte pode chover até 50 milímetros.

Em caso de chuva forte, evite áreas em que alagamentos são recorrentes
(Arquivo/Nivaldo Lima/SP AGORA)

Em casos de emergência, a recomendação é para que o morador chame os Bombeiros (193), a Polícia Militar (190) e a Defesa Civil (199). Se houver raios, o indicado é permanecer em locais fechados e evitar áreas abertas, como terrenos ou praias.

Se estiver dentro de casa, durante a tempestade procure ficar distante de aparelhos e objetos ligados à rede elétrica, como TVs, geladeiras e fogões. Fique distante também de janelas, tomadas, torneiras, canos elétricos e evite tomar banho.

Previsão do tempo e risco de queda de árvore

A quarta-feira (27) começa com sol e temperaturas em elevação, segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE). O termômetros oscilam durante o dia entre a mínima de 18°C e a máxima podendo superar 30ºC. Vai ser a partir da tarde e começo da noite que áreas de instabilidade, associadas com a aproximação de uma frente fria pelo oceano, provocam pancadas de chuva com intensidade variando de moderada a forte.

O CGE faz um alerta, em função da possibilidade de chuva e vento fortes, para o risco de queda de árvores. O órgão chama a atenção ainda para o solo encharcado e a continuidade das chuvas, principalmente na quinta-feira, elevam o potencial para formação de alagamentos e deslizamentos de terra na Grande São Paulo.

Para amanhã (28), a propagação do sistema frontal pelo oceano organiza as áreas de instabilidade sobre o Estado de São Paulo, o que deixa o tempo instável com chuvas que devem se alternar com períodos de melhoria ao longo do dia. Os termômetros variam entre mínimas de 17ºC e máximas que não devem superar os 23ºC.

Alertas no celular e na TV

A Defesa Civil do Estado envia alertas gratuitamente por SMS com informações em tempo real sobre chuvas fortes e alagamentos. Basta cadastrar o número enviando seu CEP para 40199. É possível acompanhar avisos de ocorrências também pelo perfil @defesacivilsp no Twitter.

Clientes de TV por assinatura recebem mensagens de alertas de desastres naturais, deslizamentos de terra, vendavais e chuvas de granizo. As mensagens aparecem em formato de um pop-up (imagem sobreposta à tela) com tempo de exposição de 10 segundos. Não é necessário se cadastrar para receber as notificações de emergência pela TV paga. Há opção de o assinante fechar o pop-up se desejar.

*Com informações do Governo do Estado de SP e do CGE