Com mais 114 autorizações, Capital amplia projeto ‘Ruas SP’

(Pref. de São Paulo)

Mais 114 bares e restaurantes de São Paulo foram autorizados pela Prefeitura a usar parte da área de estacionamento das ruas para atender clientes. A iniciativa faz parte do projeto Ruas SP, que “contribui para a retomada econômica do setor prejudicado pela pandemia”, diz nota do município.

“O Projeto Ruas SP foi ampliado em abril deste ano para toda a capital, após ser considerado positivo o projeto-piloto implantado na região central em 2020”, informa o comunicado.

Atualmente, a cidade não impõe restrição ao horário de funcionamento dos estabelecimentos, como ocorria durante as fases mais críticas da pandemia. O projeto Ruas SP já chegou a dez subprefeituras da cidade: Freguesia/Brasilândia, Ipiranga, Lapa, Mooca, Pinheiros, Pirituba/Jaraguá, Santo Amaro, Sé, Vila Mariana e Vila Prudente.

Como funciona?

“Os bares e restaurantes receberam autorização (Termo de Permissão Eletrônica – TPE) da SMUL após apresentarem projetos de instalação do mobiliário para o atendimento ao ar livre”, diz o comunicado. Os estabelecimentos são identificados também por um selo afixado na parede.

“A Prefeitura não cobra taxa pela adesão ao Projeto Ruas SP, porém, o custo para implantação do mobiliário é dos estabelecimentos. Para ajudar a viabilizá-lo, o Município autorizou a inserção de marcas e logotipos de patrocinadores em mesas, cadeiras e guarda-sóis, respeitando as regras da Lei Cidade Limpa (Lei nº 14.223/2006)”.

A nota à imprensa informa que a fiscalização é feita pelas subprefeituras, mas “cabe a cada proprietário garantir o cumprimento das exigências de segurança sanitária e social”.

“O abandono, a desistência ou o descumprimento das obrigações estabelecidas em decreto farão com que o responsável tenha que restaurar o logradouro público ao seu estado original”, finaliza.

Participação

A Prefeitura elaborou um guia ilustrado que mostra, passo a passo, como solicitar autorização para instalar mesas e cadeiras para o atendimento ao público em vagas de estacionamento na rua. No material, o estabelecimento interessado encontrará o link de acesso para preencher sua manifestação de interesse e conferir a relação de documentos exigidos para pedir a licença de uso do espaço público. Caso a rua onde estiver situado o bar ou restaurante ainda não esteja contemplada pelo Ruas SP, o proprietário poderá indicá-la para análise da Prefeitura. A inscrição é totalmente online e gratuita.

São Paulo reabre hoje parques, restaurantes e academias

(Roberto Parizotti/Fotos Públicas)

A capital paulista avança, neste sábado (24), na flexibilização das regras para conter a pandemia de covid-19. A partir de hoje reabrem para o público restaurantes, lanchonetes, salões de beleza, parques municipais, clubes, academias e estabelecimentos ligados a atividades culturais. No domingo (25), serão reativadas também as ciclofaixas de lazer.

O horário de funcionamento permitido para os estabelecimentos é das 11h às 19h. Academias podem abrir em dois horários: das 7h às 11h, e das 15h às 19h. A orientação é que a população evite aglomerações nesses espaços, que terão capacidade máxima limitada a 25%.

Para evitar a circulação de pessoas no período noturno, está mantido o toque de recolher entre 20h e 5h. Permanece ainda a orientação de teletrabalho para as atividades administrativas não essenciais e escalonamento de horário na entrada e saída das atividades do comércio, serviço e indústria.

De acordo com a prefeitura, está prevista para o dia 1º de maio uma revisão sobre a retomada das atividades na capital, que pode variar conforme os indicadores de contágio pelo novo coronavírus e de internações hospitalares por covid-19 no município.

 Por Fernanda Cruz – Repórter da Agência Brasil

Rede de bares inaugura oitava unidade na Capital

(Divulgação)

A cidade de São Paulo está prestes a ganhar uma nova unidade do Quintal do Espeto. A oitava unidade da rede de bares será aberta dia 30 de outubro no bairro Santana, zona norte da Capital.

O local será ideal para celebração de aniversários, confraternizações de empresas, happy hour e sempre contará com programação musical ao vivo, diferenciada todos os dias.

Os sócios Pedro de Barros Mott, Pedro Mott Filho e Marcelo Tobias estão otimistas com a nova unidade.

“Essa unidade tem valor muito grande para mim, fica bem próximo do local onde eu nasci e fui criado no Jardim São Paulo. É uma honra abrir uma unidade em uns dos melhores lugares de São Paulo, Santana é um bairro que moram muitas famílias tradicionais, um dos maiores polos de eventos do Brasil, nossa expectativa é enorme para receber esse novo público”, afirma Pedro de Barros Mott.

A nova unidade em Santana terá a mesma identidade que caracteriza o Quintal do Espeto. Espaço amplo com 1800 m², teto retrátil, ambiente arborizado e climatizado, palco com estrutura para receber grandes artistas, espaço kids, boutique com itens exclusivos para churrasco, vallet e um espaço com muito entretenimento para a família toda, junto com a grande variedade de opções no cardápio e o já tradicional atendimento.

Serviço

Quintal do Espeto Unidade Santana
Inauguração: Dia 30 de outubro de 2020
Endereço: Avenida Ataliba Leonel, 1239
Telefone: (11) 5095-6565
https://www.quintaldoespeto.com.br/

Sebrae: 7% dos bares e restaurantes fecharam devido à pandemia

Levantamento elaborado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) mostra que 6,7% dos donos de bares e restaurantes decidiram encerrar o negócio permanentemente por causa da crise causada pela pandemia da covid-19. A pesquisa, divulgada hoje (28), foi feita pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) e pelo Sebrae.

Foram entrevistados 1.191 empresários de bares, restaurantes, cafeterias, lanchonetes, padarias, pizzarias e sorveterias dos 26 estados e do Distrito Federal. Entre as pessoas ouvidas, 39% são microempreendedores Individuais (MEI); 58%, micro e pequenos empresários; e 3%, donos de médias ou grandes empresas.

De acordo com o levantamento, 92% das empresas do setor tiveram queda no faturamento. Apenas 4,5% dos donos de bares e restaurantes afirmaram ter aumentado seus rendimentos no período da pandemia.

“Os dados são importantes norteadores que apontam as dificuldades enfrentadas pelos negócios de alimentação fora do lar. Sem dúvida é um dos setores mais impactados pela pandemia e com grandes obstáculos para a retomada”, destacou o superintendente do Sebrae, Afonso Maria Rocha.

Segundo a pesquisa, 18,5% dos donos de bares e restaurantes entrevistados tiveram que demitir funcionários de carteira assinada na pandemia. O levantamento mostra que 50,8% dos empresários ouvidos têm dívidas em atraso; 25,5% têm dívidas, mas estão em dia; e 23,7%, não têm dívidas.

Por Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil

Shoppings da capital poderão funcionar das 12h às 20h

Com a publicação de portaria em Diário Oficial hoje (21), a prefeitura de São Paulo vai autorizar que os shoppings da capital possam funcionar das 12h às 20h, todos os dias. Isso será possível após autorização do governo estadual, que ampliou o horário de funcionamento de seis para oito horas diárias de estabelecimentos comerciais localizados em regiões que estejam na Fase 3-Amarela do Plano São Paulo, que direciona a retomada da atividade econômica depois de quarentena adotada para evitar disseminação do novo coronavírus.

Avenida Paulista, em São Paulo (Roberto Parizotti/Fotos Públicas)

Pela portaria municipal, ficará também estabelecido que o comércio de rua e as galerias comerciais vão funcionar das 10h às 18h, enquanto os shoppings populares terão funcionamento liberado das 5h às 13h. Já os bares e restaurantes podem fracionar as oito horas diárias, mas terão que fechar as portas às 22h.  

A portaria também faculta ao comércio de rua, às galerias comerciais e aos shoppings que queiram funcionar em horário diferenciado ao que foi estabelecido pela prefeitura para que coloquem uma placa na porta dizendo em quais horários eles vão funcionar.

Escritórios, concessionárias, imobiliárias, academias, salões de beleza e barbearias poderão também funcionar por oito horas por dia, de forma corrida ou fracionada, de forma livre, no horário que quiserem.

A capital paulista está na Fase 3 – Amarela do Plano São Paulo desde o dia 26 de junho. Nesta fase, bares, restaurantes, shoppings centers, comércio de rua, salões de beleza e barbearias podem reabrir, mas com limitação de 40% do público.

O Plano São Paulo, elaborado pelo governo paulista em virtude da pandemia do novo coronavírus, é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul). O Plano São Paulo também é regionalizado, ou seja, o estado foi dividido em 17 regiões e cada uma delas é classificada em uma fase.

Parques

Segundo o prefeito da capital, Bruno Covas, os 70 parques municipais da cidade vão passar a funcionar, a partir da próxima semana, em horário normal. Eles vão continuar fechados aos finais de semana, mas poderão funcionar em seus horários normais, os que eram habituais antes da pandemia. O Ibirapuera, por exemplo, funcionará de segunda a sexta-feira, das 6h à meia-noite.

Reabertura à noite: 75 bares são interditados na Capital

A prefeitura de São Paulo interditou 75 bares desde a última sexta-feira (7) por descumprimento do horário estabelecido de funcionamento. Só no domingo (9) foram autuados 17 estabelecimentos. Além do horário de abertura, a fiscalização também tem observado se estão sendo colocadas mesas na calçada.

Desde o início da quarentena na cidade, 559 bares, restaurantes e cafeterias já foram interditados por descumprirem as normas para o combate ao coronavírus. Os estabelecimentos estão ainda sujeitos a uma multa de R$ 9,2 mil a cada 250 metros quadrados de área. A desinterdição deve ser solicitada na subprefeitura da região.

Abertura à noite

Desde a última quinta-feira (6), os bares da capital paulista podem abrir até as 22h, segundo o plano de flexibilização gradual da quarentena estabelecido pelo governo estadual. Antes, os estabelecimentos só estavam autorizados a funcionar até as 17h. Estão mantidas a limitação de 40% do público e o horário reduzido de funcionamento, por apenas seis horas diárias.

Assim, bares e restaurantes podem abrir em horários fracionados, com funcionamento previsto até as 22h, mas somente por seis horas por dia. Com isso, eles poderão alternar seu horário, por exemplo, funcionando durante três horas no almoço e três horas no jantar.

O atendimento nesses bares e restaurantes continuará restrito para pessoas sentadas, mantendo o distanciamento das mesas. Os estabelecimentos não poderão servir alimentos e bebidas para clientes em pé.

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil 

Bares do Centro vão testar mesas na calçada

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, disse hoje (5) que vai iniciar um projeto piloto na capital paulista para que bares e restaurantes possam colocar mesas nas calçadas. Os testes serão feitos nas ruas Major Sertório, Bento Freitas, José Paulo Mantovan Freire e General Jardim, localizadas na região da República, no centro da cidade. O decreto será publicado amanhã (6) no Diário Oficial do Estado.

Projeto piloto vai orientar ações futuras da Prefeitura da Capital
(Arquivo/Band/Reprodução)

As mesas que ficarem nas ruas poderão comportar, no máximo, quatro pessoas, e deverão estar identificadas com os nomes do restaurante responsável. Elas também deverão estar distantes uma da outra e respeitar a largura mínima de 1,20 metro de faixa livre para circulação de pedestres. Será proibido o atendimento de pessoas que estejam em pé. Os parklets, espaços públicos de convivência situados em local antes destinado ao estacionamento de veículos e em esquinas, poderão ser utilizados para o atendimento.  

O projeto será avaliado por quatro semanas após sua implementação. Caso dê certo, a ideia poderá ser levada para outras regiões da cidade. “Eles (comerciantes) estão sabendo do risco que eles correm de fazer um investimento e eventualmente, daqui a alguns dias, a Vigilância Sanitária entender que não deu certo e é preciso retroceder. Da mesma forma que se der certo nós vamos poder ampliar esse tipo e esse exemplo em toda cidade de São Paulo”, disse o prefeito, em coletiva à imprensa.

Segundo a administração municipal, o objetivo da proposta é fomentar as medidas de distanciamento social e criar alternativas para geração de renda a esses estabelecimentos.  A ideia é tentar contornar a limitação de público imposta pela quarentena a esses estabelecimentos. Como a capital está na Fase 3 – Amarela do Plano São Paulo, os bares e restaurantes podem abrir com limitação de 40% de sua capacidade. Estes estabelecimentos também têm limite de tempo de funcionamento, no máximo seis horas.

O projeto-piloto é inspirado na ocupação de espaços externos de outras capitais do mundo, tais como Paris e Nova York.

De acordo com Bruno Covas, não haverá investimento público no projeto.

Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil 

Restaurantes e bares poderão funcionar até 22h

Os restaurantes, bares e padarias poderão funcionar até 22h no Estado de São Paulo. A informação foi divulgada pelo governador João Doria, no começo da tarde de hoje (5). A nova regra vale a partir de amanhã.

Apesar da ampliação do horário, permanece o limite de seis horas diárias de funcionamento, de forma corrida ou em dois períodos. “Não será permitido, em hipótese alguma, serviço em pé. As pessoas não poderão ficar em pé em nenhum estabelecimento de consumo de alimentos no estado de São Paulo. Deverão estar sentadas, dentro da obediência dos critérios de distanciamento e do critério também do limite máximo de 40% do estabelecimento”, disse Doria.

Veja abaixo o anúncio feito pelo governador.

João Doria durante anúncio de abertura de estabelecimentos de alimentação até 22h (UOL/Reprodução)

Veja o que está autorizado a funcionar a partir de hoje

Reabrem hoje (6) na cidade de São Paulo os centros esportivos municipais, bares, restaurantes e salões de beleza. Todos esses espaços e estabelecimentos ainda estão sujeitos, no entanto, a restrições de horário e normas para prevenção da disseminação do novo coronavírus.

(Rovena Rosa/Agência Brasil)

Os centros esportivos municipais ficam abertos das 6h as 12h, somente para caminhadas ao ar livre. É obrigatório o uso de máscaras, os bebedouros estarão desativados e será feito controle de acesso. Não será permitido o acesso a piscinas, playgrounds e quadras esportivas. A estimativa da prefeitura é que nesta fase os clubes sejam frequentados por 40% do público antes da pandemia, o equivalente a 148 mil pessoas por mês.

Restaurantes

Os bares e restaurantes também reabrem hoje com um público limitado a 40% da capacidade máxima dos estabelecimentos. As normas foram estabelecidas em um protocolo assinado com representantes dos empresários e trabalhadores. As mesas não poderão ser ocupadas por mais de seis pessoas e devem ter distância de 2 metros (m) entre elas. Só poderão consumir clientes que estiverem sentados. Os cardápios devem ser disponibilizados para visualização pelo celular ou em painéis afixados no estabelecimento.

Salões de beleza

Nos salões de beleza, o atendimento deve ser agendado de forma a evitar aglomerações e filas. Deve haver distanciamento de 1,5 metro entre as pessoas. Também será permitido o uso de apenas 40% da capacidade máxima. Para o corte, o cabelo dos clientes deve ser lavado antes do serviço. Na depilação e no corte de barba, devem ser usados máscara e escudo facial. Trabalhadores que precisem ter contato físico com os clientes devem usar luvas.

As regras completas estão disponíveis no decreto publicado sábado (4) em edição suplementar do Diário Oficial da cidade.

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil 

Apesar de reabrir bares e salões, ‘a pandemia não acabou’, adverte Covas

Foram assinados hoje (4) os protocolos para reabertura dos setores de bares, restaurantes, estética e beleza na cidade de São Paulo. As normas foram propostas pelos empresários e passaram por revisão e aprovação da prefeitura.

Bruno Covas, prefeito de São Paulo (Gov. do Estado de SP/Reprodução)

A cidade está na terceira etapa do plano de flexibilização da quarentena do governo estadual, chamada de fase amarela. Com os termos firmados, os estabelecimentos poderão voltar a funcionar na segunda-feira (6).

Durante a cerimônia, transmitida virtualmente, o prefeito Bruno Covas disse que a capital paulista está em um momento de estabilização dos casos de coronavírus. “Nós já atingimos um platô aqui na cidade de São Paulo, portanto é o momento de começar a reabrir a atividade econômica”, enfatizou. Apesar de comemorar os bons resultados atingidos pelo isolamento social na cidade, Covas enfatizou que ainda é preciso ter atenção à doença. “Apesar dessa flexibilização, a pandemia não acabou”, acrescentou.

Regras

Os protocolos determinam os horários de funcionamento, regras de higiene e de distanciamento entre clientes. Assim, bares e restaurantes poderão funcionar por no máximo 6 horas diárias, usando apenas 40% da capacidade máxima enquanto a cidade estiver na classificação amarela do plano de reabertura. Quando houver evolução para a próxima etapa, a verde, será possível aproveitar 60% da capacidade dos estabelecimentos.

Há ainda a obrigação do fornecimento de álcool em gel e trocas de máscara para os funcionários. Não é permitido atender grupos de mais de 6 pessoas e deve haver um espaçamento de 2 metros entre as mesas.

Nos salões de beleza, deve haver distanciamento de 1,5 metro entre as pessoas. Também será permitido o uso de apenas 40% da capacidade máxima durante a fase amarela e 60% na verde. Para o corte, o cabelo dos clientes deve ser lavado antes do serviço. Na depilação, deve ser usada máscara e escudo facial. Trabalhadores que precisem ter contato físico com os clientes devem usar luvas.

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil