Rodízio noturno é mantido na Capital durante a fase emergencial

(Jorge Araujo/Fotos Publicas)

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes (SMT) e da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), enfatiza que, durante a fase emergencial decretada em razão da pandemia de covid-19, o rodízio municipal para automóveis vigora em horário noturno, das 20h às 5h do dia seguinte. A medida passou a ser adotada a partir da segunda-feira (22/03).

Durante essa fase, instituída pela Plano São Paulo, está suspenso o funcionamento do rodízio de automóveis em seu horário tradicional: das 7h às 10h e das 17h às 20h.

A medida visa reduzir a circulação de pessoas no período noturno, diante da necessidade de conter a disseminação da Covid-19. Na prática, a medida complementa o toque de restrição decretado pelo governo do Estado.

Durante o rodízio, os automóveis ficam impedidos de circular no Centro Expandido, incluindo as vias que delimitam o chamado Mini Anel Viário, formado pelas marginais Tietê e Pinheiros, avenidas dos Bandeirantes e Afonso D’Escragnolle Taunay, Complexo Viário Maria Maluf, avenidas Tancredo Neves e Juntas Provisórias, Viaduto Grande São Paulo e avenidas Professor Luís Inácio de Anhaia Melo e Salim Farah Maluf.

Confira os números finais da placa e os dias da semana correspondentes

1 e 2 – das 20h de segunda-feira às 5h de terça

3 e 4 – das 20h de terça-feira às 5h de quarta

5 e 6 – das 20h de quarta-feira às 5h de quinta

7 e 8 – das 20h de quinta-feira às 5h de sexta

9 e 0 – das 20h de sexta-feira às 5h de sábado

 O rodízio noturno vigora inclusive em feriados.

Ficam mantidos o funcionamento da Zona Azul e o horário das demais restrições existentes na cidade: Zona de Máxima Restrição à Circulação de Caminhões (ZMRC) e a Zona de Máxima Restrição aos Fretados (ZMRF).

Os caminhões seguirão as regras do rodízio municipal tradicional, das 7h às 10h e das 17h às 20h, de segunda a sexta-feira, de acordo com o final da placa. Nesses horários, a circulação de caminhões é proibida na área delimitada pelo Mini Anel Viário.

Transitar em locais e horários não permitidos pela regulamentação, conforme o Código de Trânsito Brasileiro, implica em infração de nível médio, resultando em multa no valor de R$ 130,16 e acréscimo de 4 (quatro) pontos no prontuário do motorista.

*Pref. de São Paulo

Apesar do ponto facultativo, rodízio de veículos é mantido

Apesar do ponto facultativo decretado hoje (11) pela Prefeitura de São Paulo, o rodízio municipal de veículos está mantido na Capital. A pausa no calendário administrativo é resultado da antecipação do feriado de Corpus Christi.

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), hoje não devem circular placas com final 7 e 8. A Zona de Máxima Restrição à Circulação de Caminhões (ZMRC) e a Zona de Máxima Restrição à Circulação de Fretamento (ZMRF) também estão mantidas neste dia.

“A Zona Azul segue vigente em toda a cidade, exceto no entorno (raio de 300 metros) de unidades de saúde, como hospitais, ambulatórios, UBS, UPA, AMA, pronto-socorro, dentre outros estabelecimentos que prestem atendimentos de urgência e emergência. O objetivo é auxiliar o atendimento da população e o deslocamento dos profissionais de saúde para o enfrentamento da pandemia de COVID-19”, informou a CET em nota.

Campinas anuncia rodízio de veículos

Campinas, interior de São Paulo (Luiz Granzotto/Pref. de Campinas)

A prefeitura de Campinas, no interior paulista, anunciou hoje (13) que o município adotará o rodízio de veículos a partir da próxima segunda-feira (18). Segundo a administração municipal, o objetivo da medida é diminuir a circulação de pessoas e frear a disseminação do novo coronavírus na cidade.

O rodízio visa ainda a reduzir o número de acidentes no trânsito e, consequentemente, poupar leitos do sistema de saúde disponíveis no município. 

A medida inclui carros e motocicletas com placas locais e também de outras cidades. O rodízio será de segunda a sexta-feira, das 6h às 20h, com o seguinte esquema: ficam proibidos de transitar em Campinas veículos com placas de final 1 e 2 às segundas-feiras; 3 e 4, às terças-feiras; 5 e 6, às quartas-feiras; 7 e 8, às quintas-feiras; e 9 e 0, às sextas-feiras.

Segundo a prefeitura, o rod[ízio será por tempo indeterminado e valerá em todo o município. As exceções estarão em um regulamento a ser divulgado no Diário Oficial do Município na próxima sexta-feira (15). 

Quem desrespeitar o rodízio será punido segundo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), que prevê infração de tipo médio, com aplicação de 4 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e multa no valor de R$ 130,16.

De acordo com a administração municipal, a frota do transporte coletivo será ampliada enquanto durar o rodízio.

“Precisamos tomar medidas de contenção para atender a todos os que precisarão do sistema de saúde. Eu gostaria muito de ter uma data e chegar aqui para dizer quando isso vai acabar. Espero que haja um efeito [do rodízio] também psicológico, para que as pessoas percebam a gravidade da situação”, alertou o prefeito de Campinas, Jonas Donizette, em mensagem transmitida pelas redes sociais.

Por Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil 

Capital terá super-rodízio todos os dias da semana

‘Essa é uma medida necessária para evitar o lockdown na cidade de São Paulo’, disse Bruno Covas (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Na tentativa de aumentar a taxa de isolamento social e restringir a circulação de pessoas em São Paulo, o prefeito Bruno Covas (PSDB), anunciou na manhã desta quinta-feira, 7, um novo esquema de rodízio de veículos na cidade. A medida começa a vigorar na segunda-feira, 11. Vai valer para toda a cidade e não mais no centro expandido e valerá o dia todo. Nos dias pares, circulam placas de final par (0,2,4,6 e 8). E nos dias ímpares, as placas de final ímpar (1,3,5,7 e 9). A medida valerá também no final de semana.

“Questões extremas exigem medidas extremas, com isso anuncio o retorno do rodízio de forma ainda mais restritiva. Não dá pra deixar de tomar medidas como essa, com taxas de ocupção de leitos de UTI com mais de 90% na rede municipal”, disse Covas. Com isso, a Prefeitura quer tirar 50% dos carros das ruas.

Com o rodízio mais amplo, haverá reforço na frota de ônibus na cidade, com mais mil veículos e outros 600 de reserva, caso sejam necessários. “Essa é uma medida necessária para evitar o lockdown na cidade de São Paulo”, disse o prefeito. “A liberação do rodízio estava servindo como estimulante para as pessoas saírem de casa. Há pessoas que ainda não entenderam a importância de ficar em casa e voltamos com o rodízio para tentar ter um isolamento de pelo menos 60% na cidade”, afirmou o prefeito. “Além de restringir a circulação, vamos ter um ganho ambiental e de saúde, com redução de poluição, o que impacta também doenças respiratórias.”

Permanecem excluídos do rodízio carros da polícia, do Exército, prestadores de serviço de rede elétrica e de gás, e também veículos da área da saúde. Os profissionais de saúde devem fazer um cadastro junto à prefeitura para ficarem fora da medida de restrição de circulação. O cadastro terá de ser feito em até 10 dias, por meio de envio de dados como CPF, nome, estabelecimento em que trabalha o profissional e a placa do veículo. As multas que forem aplicadas nos próximos 10 dias a esses profissionais serão descartadas posteriormente. Os profissionais devem enviar email para o endereço eletrônico: [email protected]

“A obrigatoriedade de cumprir com o rodízio continua para os demais que não essas categorias”, afirmou o secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Edson Caram.

O prefeito Bruno Covas também anunciou o retorno da restrição à circulação de caminhões em São Paulo, exceto os das áreas de abastecimento e saúde.

A Prefeitura chegou a implementar bloqueios restritivos na cidade nesta semana, mas o próprio Covas reconheceu que a medida, que provocou trânsito e foi questionada pelo Ministério Público, foi um erro e que não surtiu o efeito necessário. Com isso, os bloqueios voltaram a ser apenas educativos.

A taxa de isolamento social na capital paulista, que concentra o maior número de mortes e casos de coronavírus no Estado, vem preocupando as autoridades. A taxa se mantém abaixo dos 50% (com 48% tanto na segunda-feira quanto na terça-feira), ficando acima desse patamar somente em finais de semana. A meta é 60% e o ideal para evitar o colapso do sistema de saúde é 70%.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, a capital tem 93.312 casos supeitos e outros 23.807 casos confirmados da doença. Sobre os óbitos, são 4.300 entre suspeitos e confirmados (1.9218 confirmados + 2.372 suspeitos). “Estamos em um momento de ascendência da doença”, afirmou Aparecido.

*Com informações do portal Terra

Rodízio volta a funcionar amanhã

Rodízio ficou suspenso durante as festas de fim de ano (Arquivo/SP Agora)


O rodízio de veículos leves (automóveis) volta a vigorar na próxima segunda-feira (13), em razão da previsão no aumento do fluxo de veículos na cidade e do término das férias escolares.

No período de suspensão temporária do rodízio, entre os dias 23/12/2019 e 10/01/2020, seguiram valendo normalmente o rodízio de placas para veículos pesados (caminhões) e as demais restrições: Zona de Máxima Restrição à Circulação de Caminhões (ZMRC) e a Zona de Máxima Restrição ao Fretamento (ZMRF).

Lembramos que a restrição ocorre em dias úteis, nos períodos da manhã, das 7h às 10h, e da tarde, das 17h às 20h.

Durante o rodízio os veículos ficam impedidos de circular no Centro Expandido, incluindo as vias que delimitam o chamado Mini Anel Viário, formado pelas marginais Tietê e Pinheiros, avenidas dos Bandeirantes e Afonso D´Esccragnole Taunay, Complexo Viário Maria Maluf, avenidas Tancredo Neves e Juntas Provisórias, Viaduto Grande São Paulo e avenidas Professor Luís Inácio de Anhaia Melo e Salim Farah Maluf.

Transitar em locais e horários não permitidos pela regulamentação, prevista no Código de Trânsito Brasileiro, implica  infração de trânsito de nível médio, resultando em multa no valor de R$ 130,16 e acréscimo de 4 (quatro) pontos no prontuário do motorista.

Para informações de trânsito, ocorrências, reclamações, remoções e sugestões, ligue 156 ou acesse Portal 156. 

*Com informações da Prefeitura de São Paulo