Festa clandestina reuniu 500 pessoas em São Vicente

Uma festa clandestina com mais de 500 pessoas foi dispersada pela força tarefa de fiscalização da prefeitura de São Vicente, no litoral paulista, na noite de ontem (12). Festas e aglomerações estão proibidas na cidade por serem ambientes de grande propagação do novo coronavírus.

Segundo a prefeitura, o evento ocorria na Rua Tupiniquins, no bairro do Japuí, e reunia centenas de pessoas sem máscara. A força tarefa encerrou a festa, lavrou autos de infração por falta de uso de máscara e apreendeu equipamentos de som.

A fiscalização é feita por agentes da Guarda Civil Municipal (GCM), da Vigilância Sanitária, da Secretaria de Desenvolvimento do Comércio, Indústria e Assuntos Portuários (Secinp) e da Secretaria de Trânsito e Transportes (Setrans).

Denúncias sobre festas clandestinas ou aglomerações podem ser feitas em São Vicente pelo telefone 153 ou pelo WhatsApp (13) 99641-0112.

Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil

Justiça de São Paulo mantém condenação de serial killer de crianças

A 6ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve júri que condenou réu por homicídio qualificado cometido contra menina de nove anos. A pena foi mantida em 30 anos de reclusão, em regime inicial fechado.

Consta nos autos que o homem era amigo da família da vítima, moradores de São Vicente. Tendo a confiança da menina, ele a atraiu com a promessa de uma pescaria. Quando estavam no mar, o réu amarrou a criança e a atirou na água.

Anos depois ele foi preso por assassinar outras crianças de maneira semelhante, o que possibilitou que ele fosse ligado ao caso da menina de nove anos. De acordo com a polícia, o réu confessou a prática do homicídio, bem como de mais sete crianças.

Para o relator da apelação, desembargador Eduardo Abdalla, a decisão do júri foi tomada de acordo com as provas dos autos. Para o magistrado, também as qualificadoras – recurso que dificultou a defesa da vítima, meio cruel e motivo torpe – foram corretamente reconhecidas, pois a criança “foi amarrada e jogada ao mar, vindo a óbito por asfixia em decorrência de afogamento, por mero sadismo, consubstanciado no prazer em ver o sofrimento da vítima se debatendo no oceano”.

Os desembargadores Ricardo Tucunduva e Machado de Andrade participaram do julgamento. A votação foi unanime.

Por TJ-SP

Kayo Amado é o novo prefeito de São Vicente

Este é o primeiro mandato de Kayo Amado como prefeito de São Vicente(Divulgação)

Kayo Amado (PODEMOS) foi eleito neste domingo (29), em segundo turno, prefeito de São Vicente, no litoral de São Paulo, por quatro anos. Segundo a Justiça Eleitoral, Amado recebeu 90.876 votos, o que equivale a 56,30% do total de votos válidos.

Suas principais propostas de governo incluem a reabertura do Pronto Socorro da Náutica, criação de um departamento específico dentro da Secretaria de Educação para realizar a manutenção das escolas, investimento em câmeras inteligentes para monitoramento e fortalecimento da Guarda Civil Municipal.

Amado conversou com o portal G1 após a divulgação do resultado. “Estou muito feliz com a vitória. É a vitória de São Vicente. Vou junto com cada vicentino para construirmos uma cidade digna para todos. Vamos escrever uma nova história. Colocar São Vicente no lugar que a cidade merece”, disse.

Este é o primeiro mandato de Kayo Amado como prefeito de São Vicente. Ele é servidor público, tem 29 anos e é formado em Ciências Políticas e em Gestão de Políticas Públicas.

Bolsonaro visita ponte recuperada em São Vicente

O presidente Jair Bolsonaro visitou, hoje (7), em São Vicente (SP), a Ponte A Tribuna, antiga Ponte dos Barreiros, que recebeu investimentos de R$ 57,3 milhões do governo federal em obras de recuperação da infraestrutura. Em breve pronunciamento, Bolsonaro disse que o objetivo do governo é levar adiante mais obras de infraestrutura com menos recursos.

Presidente da República observa ponte dos Barreiros, em São Vicente
(Isac Nóbrega/Presidência )

A prefeitura do município também investiu R$ 600 mil como contrapartida. A infraestrutura foi interditada em 30 de novembro de 2019 por decisão judicial. Em 1º de julho, houve reabertura parcial da ponte, com a liberação de tráfego para veículos leves.

Foram revitalizadas 52 estacas, uma longarina e três travessas, que compreendem a primeira etapa das intervenções na ponte. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Regional, o projeto executivo para o início das obras da segunda fase está em análise pela Caixa Econômica Federal. Após a aprovação, serão feitos reparos em 266 estacas, vigas e todo o pavimento da estrutura.

O empreendimento faz a ligação entre as áreas continental e a Ilha de São Vicente. Após a conclusão dos serviços, a ponte comportará o tráfego de veículos de até três eixos, além de ciclistas e pedestres, com a capacidade de suporte de carga ampliado de 36 toneladas para 45 toneladas. 

De acordo com o ministério, as melhorias vão beneficiar diretamente 350 mil pessoas – destas, 150 mil vivem na ilha, além de moradores de outras cidades que integram a região metropolitana da Baixada Santista.

Antes da visitação às obras da ponte, Bolsonaro recebeu o título de Cidadão Vicentino, em evento fechado. 

(Arquivo)

O presidente retorna a Brasília ainda nesta tarde.

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil 

3 cidades que permitem prática de surf na quarentena

(Fernando Frazão/Agência Brasil).

Algumas cidades do litoral paulista regulamentaram a prática de surfe durante a quarentena adotada para evitar a disseminação da covid-19. Apesar da regulamentação local, a orientação do governo do estado de São Paulo continua sendo que as pessoas saiam de casa apenas para realizar atividades essenciais.

Em Bertioga, atividades físicas específicas e individuais estão liberadas na areia da praia, em rios e mares, por meio de decreto publicado no último dia 29, desde que respeitadas as medidas de higiene e distanciamento. As atividades, incluindo o surfe, estão permitidas das 6h às 18h, de segunda a quinta-feira. Durantes as sextas-feiras, finais de semana e feriados, as práticas estão proibidas.

As seguintes proibições permanecem: utilização de barracas, cadeiras, mesas, guarda-sóis, serviços de praia, consumo de alimentos e bebidas na faixa de areia e estacionar em toda orla.

A prefeitura de Praia Grande, também por decreto publicado em 29 de abril, regulamentou a prática de esportes individuais no mar durante o período das medidas restritivas devido à pandemia. A prática esportiva está permitida entre as 5h e as 8h. Demais atividades na praia continuam proibidas.

Em São Vicente, a liberação da prática de surfe foi anunciada em 19 de abril, entre as 6h e as 10h, desde que não haja aglomeração, mantenha-se o uso individual dos equipamentos utilizados e sejam respeitadas as recomendações de higiene. A prefeitura informou que a Guarda Civil Municipal faz abordagens com orientações sobre as restrições de permanência na faixa de areia.

Caso haja resistência no descumprimento das regras estabelecidas pelo município, o infrator pode ser conduzido à delegacia e responder pelo Artigo 268 do Código Penal, que se trata de infringir determinação do poder público destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa.

Faixas de areia interditadas

Guarujá interditou o acesso às praias (Reprodução)

Já a prefeitura de Guarujá, por decreto publicado em 20 de março, proibiu o acesso à faixa arenosa da praia para qualquer finalidade, incluindo as práticas esportivas, por tempo indeterminado. O município avalia que a liberação para a prática do surfe acentuaria o potencial de atração de frequentadores às praias, inclusive vindos de outras cidades, podendo causar distúrbios nas barreiras rodoviárias e nas travessias marítimas, montadas, também, em razão da pandemia.

Apenas o uso dos calçadões das praias está parcialmente liberado para caminhadas, corridas e outras atividades físicas, além de passeios com animais domésticos. No entanto, a medida está vedada durante os pontos facultativos, feriados e fins de semana que o antecedam ou sucedam. A Guarda Civil Municipal de Guarujá (GCM) faz a fiscalização e orientação dos banhistas e, em casos de descumprimento da determinação, há a autuação e o encaminhamento ao Distrito Policial para lavratura de termo circunstanciado.

A prefeitura de Santos informou que também não liberou as praias para uso do público. No último dia 20 de março, em virtude dos impactos da pandemia do novo coronavírus, a prefeitura decretou estado de calamidade pública e medidas restritivas visando ao isolamento social, entre elas a restrição total de acesso a faixa de areia, o que impede também a prática de surfe.

A prefeitura de São Sebastião mantém atualmente a suspensão da presença de pessoas em praias, cachoeiras e espaços públicos enquanto durar o estado de calamidade pública no município, conforme decreto de 26 de março. Segundo o município, com base no mesmo decreto, a Associação de Surf de São Sebastião (ASSS) e outras organizações da categoria manifestaram apoio público a suspensão da prática de surfe no município, incluindo a não realização de competições durante a pandemia.

Resgatado último corpo no Litoral após desmoronamento

(Governo do Estado de SP/Reprodução)

Foi resgatado na noite de ontem (18) o último corpo que estava desaparecido por causa das chuvas que atingiram a Baixada Santista no início do mês. As equipes atuavam na região do Morro do João Guarda, no Guarujá.

As ações foram concentradas nos morros do João Guarda, do Engenho e do Macaco, em Guarujá; no Parque Prainha e na Vila Valença, em São Vicente; e nos morros da Fontana, Penha e do Tetéu, em Santos. Ao todo morreram 45 pessoas, sendo 34 no Guarujá, oito em Santos e três em São Vicente.



“Os trabalhos de resgate, salvamentos e identificação das vítimas tiveram início logo após o incidente, por meio de uma ação integrada entre diferentes órgãos do governo, dentre eles o Corpo de Bombeiros, a Polícia Militar, com o Comando de Aviação da PM, o Canil, Policiamento Ambiental, CPI-6, Polícia Civil e Técnico Científica. Mais de 2 mil profissionais de diferentes áreas e órgãos foram empenhados nessa operação”, disse a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo.

Por Flávia Albuquerque – Repórter da Agência Brasil

Bombeiros procuram última vítima desaparecida no litoral

O Corpo de Bombeiros procura pela última vítima desaparecida no litoral sul de São Paulo, após a forte chuva que provocou deslizamentos de terra no dia 3 de março. Segundo a Defesa Civil do Estado de São Paulo, as buscas estão concentram na Barreira do João Guarda, onde, segundo a moradores, vivia o desaparecido.

O número de desaparecidos, que chegou a mais de 40 pessoas, caiu depois de o Estado fazer um cruzamento de dados com informações municipais e do SUS. Desta forma, as autoridades descobriram que as pessoas que eram consideradas desaparecidas não estavam no local das tragédias no dia da chuva, e estão vivas.

Mortes



O temporal que provocou deslizamentos no Litoral Sul matou 44 pessoas, incluindo dos bombeiros que faziam o resgate de vítimas quando foram soterrados. O Guarujá foi a cidade com maior número de mortos: 33 e 1 desaparecido até o momento.

Santos registrou 8 mortes e São Vicente 3.

Segundo a Defesa Civil Estadual, ainda há 121 desabrigados no Guarujá e 226 em Santos.

Cai para 17 número de Desaparecidos no litoral

A Defesa Civil do Estado de São Paulo revisou ontem (11) de 34 para 17 o número de pessoas desaparecidas após as fortes chuvas que atingiram a Baixada Santista na madrugada do dia 3 de março. Segundo o órgão, 17 pessoas foram localizadas por meio da plataforma eletrônica do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Informações foram cruzadas com o banco de dados do e-SUS, iniciando-se as buscas pelos não localizados por meio dos telefones cadastrados, obtendo sucesso em localizar 17 pessoas com vida”, destacou em nota a Defesa Civil estadual.

Até ontem, no total, foram computados 44 mortes e 17 pessoas não localizadas em Guarujá (33 mortes e 17 desaparecidos), Santos (8 mortes) e São Vicente (3 mortes). O número de desabrigados é de 269 em Guarujá e 214 em Santos.



Por Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil

Litoral: Bombeiro morto durante buscas é homenageado

Policiais do Corpo de Bombeiros que morreram durante as buscas (Reprodução)

A Defesa Civil do Estado de São Paulo confirmou na manhã de hoje (10) que 44 pessoas foram encontradas mortas no litoral Sul desde a madrugada da última terça-feira (3). Ainda segundo o órgão, ainda há 34 desaparecidos.

Na noite de ontem (9), o Corpo de Bombeiros localizou o corpo do cabo Marciel de Souza Batalha, que morreu tentando salvar vítimas do desmoronamento. Batalha era natural de Juiz de Fora, Minas Gerais, e deixa esposa e uma filha. Estava na corporação havia 20 anos.

O corpo do cabo foi levado em carro aberto dos Bombeiros na manhã de hoje, em Guarujá.

Chuva: Militares começam a ajudar cidades no litoral

(Governo do Estado de SP/Reprodução)

As Forças Armadas enviaram, nesse fim de semana, 40 militares, sendo 30 do Exército e 10 da Aeronáutica, para reforçar o trabalho de triagem de donativos e assistência, em conjunto com as defesas civis municipais e a Defesa Civil Estadual, aos atingidos pelas chuvas extremas de terça-feira (3) no litoral de São Paulo. Até a manhã de hoje (9), 42 mortes haviam sido confirmadas na Baixada Santista. Ainda há 36 desaparecidos.

Na semana passada, o presidente da República, Jair Bolsonaro, informou que enviaria a Secretaria de Defesa Civil para o litoral. Segundo o Governo do Estado, os militares estão ajudando na separação, organização em kits e a distribuição da ajuda humanitária, além da organização do voluntariado, reforço na segurança e intermediação de conflitos. O trabalho começou no sábado no Guarujá e segue pela região por tempo indeterminado.

Atualmente, mais de 1 mil profissionais das forças de segurança de São Paulo estão atuando nas três cidades do litoral mais afetadas pelas chuvas extremas desta semana. As equipes estaduais atuam no litoral na busca por desaparecidos, atendimento a desabrigados e isolamento de áreas de risco.



Foram oferecidas pelo Governo do Estado 30,5 toneladas de materiais de ajuda humanitária aos municípios afetados do litoral, sendo: 15,6 toneladas (colchões, cobertores, cestas básicas, roupas, água sanitária, kits de limpeza, kits de higiene e água potável) para o depósito do Fundo Social de Santos de onde serão distribuídos, mediante solicitação, às defesas civis municipais; 11 toneladas (colchões, kits higiene, vestuário e limpeza, cestas básicas, água potável e fita de isolamento) a Guarujá; 2,9 toneladas (colchões, cestas básicas, kits de higiene, limpeza e vestuário) a Peruíbe; 1 tonelada (colchões) a Santos.

Além disso, foram comprados equipamentos de proteção individual (luvas de raspa e capacetes) e baldes, os quais foram destinados ao mutirão de voluntários que estão atuando em apoio às equipes de salvamento nos cenários de ocorrência de Guarujá.

Atuação da Defesa Civil

De acordo com dados divulgados neste domingo (8) pela Defesa Civil Estadual, em razão das chuvas extremas que incidiram sobre a região do litoral na madrugada de terça-feira (3), 42 pessoas morreram e 36 estão desaparecidas, nos seguintes municípios: Guarujá (31 mortes e 36 não localizados), Santos (8 mortes) e São Vicente (3 mortes). O número atual de desabrigados é de 329 em Guarujá e 185 em Santos.

Equipes do Instituto Geológico e do Instituto de Pesquisas Tecnológicas reforçam as equipes técnicas municipais nas avaliações das áreas afetadas e no monitoramento do risco nos locais de buscas.

O Diretor do Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil, Tenente-Coronel PM Henguel Ricardo Pereira, e equipe, permanecem na região do litoral sul, em reuniões com o Gabinete de Crise, avaliando as necessidades e a atuação das equipes de salvamento.

Nas últimas 24 horas, a contar das 6h de sábado (7), foram registrados mais 16mm em Santos (42mm em 72h), 3mm no Guarujá (6mm em 72h) e 0mm em São Vicente (7mm em 72h).

No domingo (8) e na segunda-feira (9), faz calor e voltam as condições de pancadas de curta duração no final da tarde. Essas chuvas possuem baixo acumulado, por serem isoladas e rápidas, porém podem apresentar intensidade moderada-forte e descargas elétricas. Acumulados previstos para o Guarujá: 08-03 (3mm) 09-03 (5mm).

*Com informações do Governo do Estado de SP