Olimpíada: Sorteio define grupos das seleções do futebol

(CBF/Reprodução)

As seleções masculina e feminina de futebol do Brasil conheceram seus adversários na Olimpíada na madrugada desta quarta-feira (21), em um sorteio da fase de grupos, realizado em Zurique (Suiça), na sede da Fifa. Atual campeã, a equipe masculina é cabeça de chave do grupo D, junto com Alemanha, Costa do Marfim e Arábia Saudita.  Já a feminina, está na chave  F, ao lado de China, Zâmbia e Holanda.

A jornada das brasileiras em busca do primeiro ouro no futebol olímpico feminino começará em 21 de julho, contra a China, em Miyagi. Na mesma cidade japonesa ocorrerá o segundo confronto, em 24 de julho, contra a Holanda. O último jogo da fase de grupos será em 27 de julho contra a Zâmbia, na cidade de Saitama. 

Por Agência Brasil

Seleção brasileira é a 3ª no ranking da Fifa

(Arquivo/Lucas Figueiredo/CBF)

A Fifa anunciou nesta sexta-feira (27) mais uma edição do seu ranking de equipes nacionais, e a seleção brasileira permanece na terceira posição após os jogos das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa de 2022 (Catar).

Após derrotar a Venezuela (por 1 a 0) e o Uruguai (por 2 a 0) nas duas últimas rodadas das Eliminatórias, a equipe comandada pelo técnico Tite diminuiu um pouco a sua diferença de pontos para a segunda colocada França. A liderança da classificação permanece com a Bélgica.

Uma seleção muito tradicional que retorna ao top 10 do ranking após quatro anos é a Itália, que em novembro venceu suas duas partidas pela Liga das Nações (competição entre seleções europeias).

Por Agência Brasil

Brasil enfrenta hoje o Peru, em Lima

(Lucas Figueiredo/CBF)

A seleção entra em campo nesta terça-feira (13) para enfrentar a seleção peruana em Lima pela segunda rodada das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022 (Catar). A partida, programada para iniciar às 21h (horário de Brasília) no estádio Nacional (Lima), terá um significado especial para o técnico Tite, que alcançará a marca de 50 jogos comandando o Brasil.

A relação entre o técnico e a equipe brasileira tem pouco mais de quatro anos (iniciada em 20 de junho de 2016), e ela tem um retrospecto de 49 jogos, com 35 vitórias, 10 empates e quatro derrotas. E um destes resultados negativos foi justamente contra o Peru, em amistoso realizado em 2019 em Los Angeles (EUA) no qual a equipe andina venceu por 1 a 0.

Porém, também foi diante da equipe peruana que Tite viveu o seu principal momento comandando a seleção brasileira, a conquista da última edição da Copa América em julho do ano passado no estádio do Maracanã.

Expectativa positiva

Para o jogo desta terça a expectativa é a melhor possível, em especial após uma estreia na qual, mesmo diante de um adversário frágil (Bolívia), o Brasil apresentou bom jogo coletivo, com muitos gols e liberdade para as individualidades aparecerem.

E uma das individualidades que brilharam foi o atacante Neymar. Na estreia nas Eliminatórias o camisa 10 não marcou, mas foi fundamental na armação de jogadas de ataque, inclusive com passes para dois gols. Essa nova função do jogador, como um antigo ponta de lança, foi destacada pelo técnico Tite em entrevista coletiva na última segunda (12): “Ele desenvolveu isso, como aconteceu no jogo [da Bolívia] de dar duas assistências, ter penúltima bola, romper marcação […]. Procuramos potencializar suas virtudes”.

Artilharia da seleção

A partida contra o Peru também pode assumir um caráter especial para o atacante Neymar, que pode empatar com Ronaldo na vice-artilharia da seleção. Atualmente, o jogador do PSG tem 61 gols, e marcando mais um empata com o Fenômeno. A primeira posição do hall de artilheiros da equipe nacional é de Pelé, que reina com 77 tentos em 92 partidas.

Provável escalação

Sem problemas físicos para escalar sua equipe, a tendência é que o treinador opte por iniciar o jogo contra o Peru com o mesmo time que goleou os bolivianos por 5 a 0: Weverton; Danilo, Thiago Silva, Marquinhos e Renan Lodi; Casemiro e Douglas Luiz; Everton, Philippe Coutinho e Neymar; Roberto Firmino.

Porém, na última coletiva antes do jogo o treinador não quis confirmar a equipe, e falou que pode realizar algumas mudanças parar este jogo: “Tenho uma equipe montada, mas não quero falar. Os atletas já sabem desde ontem. A base permanece, as ideias permanecem, mas não quero municiar o Gareca [técnico do Peru]”.

Por Agência Brasil

Brasil vence o Peru e é campeão da Copa América

(Lucas Figueiredo/CBF)

“Não vai ser de brincadeira ele vai ser campeão”. O torcedor avisou antes mesmo de a bola rolar neste domingo (7). No campo, a Seleção Brasileira correspondeu à altura. Em noite de reencontros, “o campeão voltou”. Voltou ao Maracanã, voltou a disputar uma final. Dentro de casa, o Brasil venceu o Peru por 3 a 1 e levantou a taça da Copa América pela nona vez em sua história.

E se é em solo brasileiro, o torneio só podia terminar com o título da Canarinho. A edição 2019 da competição foi a quinta que aconteceu no país e em todas elas a Seleção Brasileira sagrou-se campeã (1919, 1922, 1949, 1989 e 2019). 

O jogo

O duelo começou nervoso para a Seleção Brasileira, que viu o Peru criar duas boas chances em cinco minutos de jogo. Na primeira tentativa, Cueva cobrou falta com perigo e, na sequência, Tapia arriscou de fora da área. Passado o susto inicial, o Brasil colocou a bola no chão e na base da habilidade mostrou o que sabe fazer de melhor. E foi desse jeito que a rede balançou pela primeira vez.

Aos 14 minutos, Gabriel Jesus recebeu lançamento na direita, driblou a marcação e cruzou na medida para Everton, que apareceu livre na área e emendou o chute fazendo explodir a torcida presente no Maracanã.

O gol deu tranquilidade para a Canarinho, que seguiu pressionando e ocupando todos os espaços do campo ofensivo. Na marca dos 23 quase veio o segundo. Dessa vez chegando pela esquerda, Firmino achou Coutinho pelo meio. O camisa 11 fez o desvio e viu a bola tirar tinta da trave adversária.

O Brasil não deu trégua e, aos 35, Firmino cabeceou por cima da meta depois de ótimo cruzamento de Alex Sandro. Já aos 40 minutos, o Peru tentou responder e a arbitragem pegou um toque de mão dentro da área assinalando pênalti para os peruanos. Foi aí que o VAR entrou em ação e a tensão tomou conta do estádio.

Com penalidade confirmada, Guerrero deixou tudo igual, aos 43: 1 a 1. Mas o empate durou pouco. Quatro minutos foi o tempo que a Seleção Brasileira precisou para reassumir o placar. Nos acréscimos da primeira etapa, Arthur deu belo passe para Gabriel Jesus, que bateu rasteiro no cantinho sem dar chances para defesa do goleiro Gallese.

Na volta do intervalo, a Canarinho não quis saber de diminuir o ritmo. Logo aos cinco minutos, Coutinho invadiu a área e mandou para o gol com muito perigo. Na sequência, Firmino teve mais uma chance. Everton fez jogada individual pela esquerda, tocou para Alex Sandro, que cruzou para o atacante cabecear rente ao poste.

Aos 24, o Brasil passou a jogar com um a menos após expulsão de Gabriel Jesus. Em vantagem numérica, os peruanos ensaiaram uma pressão no ataque. Bem postado na defesa, a Seleção se fechou bem, na raça segurou o ímpeto dos adversários e ainda ampliou o marcador. Aos 41, o árbitro marcou pênalti para a Canarinho depois que Everton foi derrubado na área. Com a bola na marca da cal, Richarlison bateu com segurança e fechou a conta.

Enquanto isso, nas arquibancadas o torcedor fazia seu show com gritos de “é campeão”, “olé” e tudo mais que se tem direito em um domingo de futebol, Maracanã e título.

BRASIL: Alisson; Dani Alves, Marquinhos, Thiago Silva e Alex Sandro; Casemiro, Arthur e Coutinho (Éder Militão); Everton (Allan), Gabriel Jesus e Firmino (Richarlison). Técnico: Tite

*Conteúdo da CBF

https://www.youtube.com/watch?v=HJCfKeneZ4s

 

Brasil supera Argentina e está na final da Copa América

Por  Edgard Matsuki e Carlos Molinari

Daniel Alves durante jogada na disputa contra a Argentina, no Mineirão, em Belo Horizonte (Lucas Figueiredo/CBF)

Estádio lotado, com mais de 50 mil pessoas, presença até mesmo do presidente da República, um clássico sul-americano com direito a um camisa 10 eleito cinco vezes o melhor do mundo no time adversário. Atmosfera perfeita para a Seleção Brasileira reerguer o orgulho do torcedor e para Tite rebater aqueles que criticam seu trabalho.

O jogo começou disputadíssimo, com carrinhos, faltas e muita marcação. A primeira chance argentina foi um chute de longe de Paredes, que passou sobre o gol de Alisson. A resposta brasileira ocorreu aos 18 minutos. Daniel Alves abriu na ponta para Firmino. Ele cruzou rasteiro e dentro da área, Gabriel Jesus só escorou para o fundo das redes de Armani. A torcida foi à loucura! Era o primeiro gol do atacante do Manchester City na Copa América, era o gol que aliviava toda uma nação!

Mas alívio mesmo quem deve ter sentido foi o goleiro Alison aos 29 minutos. Cruzamento para a área brasileira, Agüero tocou de cabeça e a bola foi caprichosa tocar no travessão e voltou para campo, onde Thiago Silva tirou o perigo definitivamente. Um sufoco!

O Brasil saiu satisfeito ao final do 1º tempo com a vitória mínima. Daniel Alves foi quem esbanjou maior classe, atuando bem tanto na defesa quanto no ataque. O lado esquerdo do campo, com Alex Sandro e Éverton Cebolinha foi totalmente anulado pela marcação argentina. A equipe vencia, mas deixava espaços para os portenhos crescerem no jogo.

No 2º tempo, logo aos 10 minutos, o Brasil desperdiçou uma ótima chance com Philipe Coutinho que, dentro da área, acabou chutando por cima da meta. No minuto seguinte, como se respondesse, Messi encheu o pé esquerdo e acertou a trave de Alisson novamente. No rebote, Thiago Silva cortou. Quase que a Seleção leva seu primeiro gol nesta Copa América. Mas, como diz o ditado popular, “um bom goleiro também precisa ter sorte”.

Aos 20 minutos, Alisson provou que não precisava só da trave. Messi cobrou falta com perfeição, no ângulo, e o goleiro brasileiro encaixou firme. Cinco minutos depois, em contra-ataque rapidíssimo, Gabriel Jesus foi ganhando dos rivais na base da trombada, entrou na área e tocou para Roberto Firmino, livre, só empurrar para as redes de Armani: 2 a 0. Num momento crítico do jogo, o Brasil conseguia matar a Argentina e decretar a classificação para a final da Copa América.

(Lucas Figueiredo/CBF)

Domingo, no Maracanã, às 17 horas, a Seleção enfrentará o vencedor da semifinal entre Chile e Peru, lutando para conquistar seu nono título da competição. A Argentina, sem ganhar uma taça desde 1993, continua seu longo jejum. Nem mesmo o fato de contar com Messi ajudou a alviceleste a conquistar um título neste século XXI. O Brasil, que teve no capitão Daniel Alves seu maior jogador, mantém uma escrita: pode conquistar seu quinto título de Copa América na quinta edição disputada em território nacional.

O técnico Tite, que passou duas noites sem dormir, pode relaxar depois desta grande vitória sobre a Argentina. Os jogadores podem puxar o samba em voz alta. O melancólico tango portenho, cheio de versos de lamentação, também cai bem nesta ocasião.

Nesta quarta-feira(3), a equipe vai para o Rio de Janeiro, onde subirá a serra, rumo à concentração da Granja Comary, em Teresópolis.

Brasil joga bem, anima a torcida e goleia o Peru

Por  Elaine Patricia Cruz e Pedro Peduzzi 

(Lucas Figueiredo/CBF)

A seleção brasileira jogou bem, finalmente arrancou aplausos da torcida e goleou hoje (22) o Peru por 5 a 0, terminando a primeira fase da Copa América como líder do grupo A, com sete pontos. Como primeiro colocado do grupo, o Brasil volta a jogar no dia 27 de junho contra o terceiro colocado do grupo B ou C. O jogo será em Porto Alegre. Casemiro, que recebeu o segundo amarelo na partida de hoje, é ausência certa para o próximo jogo da seleção brasileira.

A seleção peruana começou melhor a partida, impedindo o Brasil de avançar do meio de campo. O primeiro lance de perigo foi do Peru, aos 3 minutos do primeiro tempo. Na cobrança de uma falta, Cueva levantou a bola na área, ninguém do Brasil tirou e ela passou perto do gol de Alisson. Aos 9 minutos, a torcida brasileira já vaiava a posse de bola peruana e permitia que a torcida peruana, menor no estádio, fizesse uma grande festa na arena. A torcida brasileira respondeu com gritos. Aos 10 minutos, Casemiro fez uma falta dura e tomou um cartão amarelo, que o tirou da próxima partida do Brasil.

Mas um minuto depois, o cenário de jogo mudou. Casemiro, que tinha acabado de tomar um amarelo, fez o primeiro gol do Brasil, após cobrança de escanteio de Coutinho para Thiago Silva, no primeiro pau. Em um bate rebate, a bola sobrou para Casemiro mandar para o fundo da rede. Primeiro gol dele com a camisa da seleção.

O segundo gol do Brasil aconteceu aos 18 minutos, em uma falha do goleiro Gallese. O goleiro peruano bobeou na saída de bola e chutou em cima de Firmino. A bola acaba batendo na trave, mas Firmino mesmo aproveitou, driblando o goleiro e mandando para o fundo do gol. Na comemoração brasileira, o capitão Daniel Alves foi até o goleiro Gallese, sozinho, para demonstrar apoio ao jogador.

Aos 31 minutos, com o Brasil já dominando completamente a partida, Everton ampliou com um golaço. Ele recebeu a bola com espaço, cortou para o meio e bateu forte da entrada da grande área.

Só após o terceiro gol é que a torcida brasileira se animou e começou a gritar “Eu sou brasileiro com muito orgulho, com muito amor” e olé a cada vez que a seleção pegava na bola. O Peru só voltou a assustar no final do primeiro tempo, quase fazendo um gol aos 43 minutos, com Trauco, que recebeu a bola dentro da área e soltou a bomba, para defesa do goleiro brasileiro.

Segundo tempo

No intervalo, o técnico peruano fez sua primeira substituição, tirando Youtún e colocando Édison Flores. Mas a primeira grande jogada foi do Brasil.

Inspirado, o jogador Everton arrancou gritos de “É, Cebolinha”, após um outro lance brilhante aos 2 minutos do segundo tempo, quando driblou três defensores e quase conseguiu passar pelo goleiro Gallese. Coutinho ficou com a sobra, mas foi travado.

Aos 9 minutos, o Brasil ampliou a partida com Daniel Alves, com um belo gol após uma tabela com Arthur e Firmino.

Após o gol, o técnico peruano tirou Guerreiro, que foi vaiado pela torcida e colocou Gonzales. O Brasil também fez sua primeira substituição, saindo Filipe Luis e entrando Alex Sandro. Aos 22 minutos, o Peru faz sua última substituição, tirando Cueva e colocando Josepmir Ballón. Muito aplaudido e sob gritos, Casemiro também é substituído para a entrada de Allan. Tite ainda faria a sua terceira substituição tirando Coutinho e colocando Willian.

As trocas no Peru, no entanto, não fizeram efeito. Abatida em campo, a seleção peruana deixou o Brasil continuar dominando a partida e animar a torcida, com apenas um lance de perigo em direção ao gol brasileiro, aos 39 minutos do segundo tempo, quando Polo chutou tentando encobrir Alisson. A bola passou perto da trave.

Superior, o Brasil ainda fez o último da goleada, aos 45 minutos do segundo tempo, com Willian, após cobrança de escanteio curto. Willian dominou e bateu colocado, em outro belo gol na Arena Corinthians. Dois minutos depois, o Brasil ainda perdeu a chance de fazer o sexto gol, após o goleiro Gallese defender a cobrança de pênalti de Gabriel Jesus.

Torcida

Antes do início do jogo, os torcedores brasileiros, maioria no estádio, vaiaram a chegada da seleção do Peru que foi transmitido pelo telão da arena. No anúncio das escalações no telão, Cueva, que jogou no São Paulo, foi vaiado. Já Guerreiro, que jogou no Corinthians, foi aplaudido. Tite e Everton também foram bastante aplaudidos.

Assim como em todos os jogos da seleção brasileira, a torcida cantou parte do hino nacional à capela, após o hino ter parado de ser executado no audio-falante da arena. No início do jogo, a torcida peruana chegou a fazer mais festa que a brasileira. Mas após os gols, a seleção brasileira tomou conta da arena e gritou olé.

Mais uma vez, como se observou em todos os jogos da Copa América, o estádio não encheu. Menor do que o Morumbi, a Arena Corinthians recebeu hoje 42.317 torcedores, mas o que se observou é que haviam também lugares vazios. Segundo o Corinthians, a Arena tem capacidade para 48.234 pessoas.

Ficha técnica:

Peru x Brasil

Competição: Copa América (3ª rodada – Grupo A).

Local: Arena Corinthians, São Paulo.

Juiz: Fernando Rapallini (Argentina).

Peru: Gallese, Luís Advincula, Miguel Araujo, Luis Abram e Miguel Trauco; Renato Tapia, Yotún (Édison Flores), Cueva (Ballón), Andy Polo e Farfán; Guerrero (Gonzales). Técnico: Ricardo Gareca.

Brasil: Alisson; Daniel Alves, Marquinhos, Thiago Silva e Filipe Luís (Alex Sandro); Casemiro (Allan), Arthur e Philippe Coutinho (Willian); Gabriel Jesus, Roberto Firmino e Everton. Técnico: Tite.

Gols: No primeiro tempo: Casemiro (11 minutos), Firmino (18) e Everton (31). No segundo tempo: Daniel Alves (8) e Willian (45).