Governo não vai manipular preço do diesel, diz Guedes

Por  Pedro Rafael Vilela e Wellton Máximo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse hoje (16) que o governo está comprometido em não manipular preços e em aumentar a transparência da Petrobras. Ele e o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, explicaram ao presidente Jair Bolsonaro, em reunião do Palácio do Planalto, como funciona o processo de formação de preços dos combustíveis. 

Em coletiva de imprensa após a reunião, Guedes alertou que um eventual congelamento de preços colocaria em risco os futuros leilões de gás e petróleo, inclusive do excedente de barris da camada pré-sal.

“Quem estabelece as práticas de preço é a Petrobras. A maior demonstração que podemos dar de que foi uma reunião de esclarecimento é que não saímos com preço [dos combustíveis] fechado. O presidente da Petrobras tem o encargo de tornar cada vez mais transparente a política de preços O que está claro é que tem uma dimensão econômica a ser respeitada para não colocar em risco nossos leilões”, declarou Guedes, em sua primeira entrevista coletiva desde que assumiu o cargo.

Segundo Bento Albuquerque, o presidente “foi esclarecido” sobre o assunto e a definição sobre qual será o percentual reajuste no preço do combustível, e quando ele será aplicado, são decisões exclusivas da Petrobras. “Desde 2002, o preço do mercado de combustíveis é livre e quem vai tratar desse assunto é a Petrobras”, afirmou. 

Na semana passada, a Petrobras havia anunciado um reajuste de 5,74% do no preço do óleo diesel nas refinarias, mas a medida foi suspensa a pedido do presidente da República. Segundo o governo, Bolsonaro queria entender aspectos técnicos da decisão da Petrobras. Após a decisão de suspender o reajuste do diesel, ocorrida na última sexta-feira (12), houve queda das ações da petroleira na Bolsa de Valores de São Paulo, que registraram desvalorização de 8,54%. 

Guedes manifestou confiança em Bolsonaro e negou qualquer mudança na regra de reajuste de preços. Segundo o ministro, a decisão do presidente de suspender o reajuste no diesel foi motivada por preocupações políticas e com uma possível greve de caminhoneiros.

“Acho que o presidente da República tem uma preocupação maior do que apenas a preocupação do mercado. Tenho que reconhecer que o presidente representa 200 milhões de pessoas e que ele pode estar preocupado com uma greve. Tenho total confiança no presidente. Se fosse regra nova, mudança de política, ele teria falado comigo. A preocupação do presidente é legítima”, ressaltou o ministro.

Em maio do ano passado, a alta no preço do diesel levou à paralisação da categoria, afetando a distribuição de alimentos e outros insumos, o que causou prejuízos a diversos setores produtivos. 

O ministro de Minas e Energia ressaltou que o preço definido pela Petrobras incide nas refinarias e corresponde a 54% do valor final do que é vendido nas bombas. A formação final do preço, segundo ele, ainda inclui impostos federais e estaduais. Bento Alburqueque argumentou também que os preços cobrados no país estão abaixo da média mundial. “Hoje, o valor do diesel no Brasil, praticado na bomba, é 12%, em média, abaixo do que é praticado no mundo. O Brasil é o 102º país no preço do diesel, em comparação com 165 países que têm o acompanhamento do preço do diesel”, afirmou. 

No mês passado, a Petrobras já havia anunciado mudança na periodicidade do reajuste do diesel vendido para as refinarias, que passaria a ocorrer em intervalos não inferiores a 15 dias, como forma de minimizar a oscilação de preços.

Monopólios

O ministro Paulo Guedes reiterou que, no médio prazo, o governo pretende fazer privatizações no setor de distribuição de petróleo e gás e mudar a regulamentação para atacar monopólios e cartéis no mercado de energia. Segundo ele, essas mudanças vão tornar a energia mais barata nos próximos anos.

“Nossa convicção é de que vamos para um choque de energia barata, não só no petróleo, mas também no gás. Precisamos tirar esse problema do colo do governo, algo que existe no Brasil por conta de monopólios”, acrescentou.

Indexação

Ainda segundo Paulo Guedes, o governo estuda medidas de compensação da oscilação do preço do diesel para os caminhoneiros. Uma delas seria a indexação da tabela do frete ao preço do combsutível, como ocorre nos Estados Unidos. “Essa solução americana, de indexar o preço do frete ao diesel, está sendo analisada também”, disse. 

Mais cedo, o governo anunciou um pacote de medidas para atender o setor de transporte de cargas do país. Uma delas é a oferta, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de uma linha de crédito especialpara caminhoneiros autônomos, no valor total de R$ 500 milhões. Os recursos deverão ser usados para aquisição de pneus e manutenção dos veículos.

Outra medida anunciada pelo governo federal foi recomposição de R$ 2 bilhões do orçamento do Ministério da Infraestrutura para a conclusão de obras de pavimentação e manutenção de rodovias.   

Viaduto na Marginal Pinheiros é liberado após queda

(Arquivo/Leon Rodrigues/Prefeitura de SP)

Após quatro meses em obras, o viaduto da Marginal Pinheiros é liberado à circulação de todos os tipos de veículos – leves e pesados – a partir deste sábado (17). A Prefeitura faz a liberação do tráfego com dois meses de antecedência ao prazo inicialmente previsto (15 de maio), para recuperação da estrutura, que cedeu cerca de 2 metros em 15 de novembro último.

Durante as obras, o trânsito foi interrompido em cima do viaduto, e os veículos com destino à Rodovia Presidente Castello Branco foram desviados e orientados a pegar caminhos alternativos.

Após os últimos testes realizados hoje, com supervisão da Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras (SIURB), o tráfego foi liberado na via, não somente para veículos leves, como também para caminhões.

Histórico

Ações complementares importantes tomadas pelo Poder Público, com a participação da Secretaria de Mobilidade e Transportes, CET e SPTrans, mitigaram o impacto na região nesse período: dentre elas, o Rodízio veicular foi suspenso entre a Av. dos Bandeirantes e a Ponte dos Remédios e transposições (passagem de uma pista à outra) ampliadas.

A CET também reforçou sua equipe de agentes de trânsito ao longo da Marginal Pinheiros e colocou faixas de vinil e painéis móveis de mensagens variáveis pela cidade, para orientar sobre a interdição da pista expressa, necessária para viabilizar o andamento das obras.

Com a liberação ao tráfego geral, a circulação pelo sentido Castello Branco da Marginal do Rio Pinheiros volta à normalidade. A Engenharia de Campo da CET segue monitorando as condições de trânsito, a favor da segurança viária dos usuários.

Rodízio é retomado a partir de 25/03

Com o Viaduto liberado, o Rodízio Municipal Veicular que havia sido suspenso no trecho da Marginal volta a vigorar, a partir da segunda-feira, 25 de março. A retomada do rodízio valerá tanto para veículos leves como pesados. Quem não obedecer estará sujeito à autuação.

A Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes (SMT) publicará uma Portaria no Diário Oficial da Cidade revogando a Portaria SMT.DSV nº 117/2018, de 23 de novembro de 2018, que suspendeu a vigência do Rodízio devido à obra emergencial do Viaduto sobre a Linha 9 – Esmeralda da CPTM.

Táxis

Já a circulação de táxis com ou sem passageiros pelos corredores exclusivos de ônibus Campo Limpo/Rebouças/Centro, Santo Amaro/Nove de Julho/Centro e Berrini, que havia sido liberada em qualquer dia e horário da semana desde 27 de novembro de 2018, voltará a ser restrita nesses locais. A SMT, por meio do Departamento de Transporte Público (DTP), publicará Portaria no Diário Oficial do Município restabelecendo a restrição.

Bicicletas abandonadas em condomínios podem ser doadas

(Instituto AroMeiaZero/Divulgação)

É comum vermos nos condomínios residenciais bicicletários entupidos de bicicletas abandonadas por ex-moradores ou pelo fato do proprietário achar que não vale a pena consertá-las. Mas, para o Instituto Aromeiazero de São Paulo, bicicletas em qualquer estado de conservação tornam-se ferramenta de transformação social. O instituto promove um curso gratuito na Vila Olímpia, o Viver de Bike, no qual essas bikes servem de material de aprendizado durante as aulas de mecânica.

O Aromeiazero retira as bicicletas no local sem custo para o condomínio e fornece material para convencer os condôminos. A administradora Oma usou o material da campanha, Como acabar com o cemitério de bicicletas? e logo replicou para os clientes, entre eles o Condomínio Ravena, de Pinheiros, que doou  15 bicicletas. O instituto também recebe doações de peças e acessórios de bicicleta que podem ser deixados no CDC Arena Radical, centro esportivo comunitário voltado para a prática de BMX e skate localizado na Vila Olímpia.

A campanha é simples. O condomínio estabelece um período para informar os moradores sobre a necessidade de identificarem suas bikes, informando o destino delas após o fim do prazo. “Esses cemitérios de bicicletas podem mudar a vida de muita gente. Nenhuma bike é tão ruim que não dê pra usar em uma aula””, explica Murilo Casagrande, diretor do instituto.

As magrelas são parte importante do curso Viver de Bike, que tem 60 horas de aulas voltadas para capacitar pessoas de baixa renda, principalmente mulheres, a gerar renda ou aumentar a mobilidade a partir do uso de bicicletas.

Elas são o caderno e o diploma do curso. Cada aluno ou aluna terá que reformar uma bicicleta nas aulas de mecânica e vai ficar com ela após a conclusão. As outras serão vendidas para financiar as próximas turmas ou redirecionadas para pessoas em vulnerabilidade social. Já as infantis, são utilizadas no Rodinha Zero, atividade que ensina crianças a pedalarem com autonomia e segurança sem rodinhas de apoio.

Linha 10 da CPTM está parada por causa da enchente

As composições da Linha 10-Turquesa, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM estão interrompidas devido a forte chuva que atingiu a Grande São Paulo entre a noite de domingo (10) e a madrugada desta segunda-feira (11). A linha faz o trajeto entre as estações Brás e Rio Grande da Serra.

A CPTM solicitou Paese com 100 ônibus, porém os alagamentos atingem também os vários locais, impedindo a chegada dos ônibus. Não há previsão para início da operação, por enquanto.

Em caso de emergência, ligue para a Defesa Civil 199 ou para os Bombeiros 193. Cadastre no SMS 40199 para receber alertas de chuvas da Defesa Civil.

Licitação de ônibus tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos

Por Daniel Mello

(Rovena Rosa/Agência Brasil)

A prefeitura de São Paulo recebeu hoje (5) os envelopes com propostas para a licitação das linhas de ônibus na capital. O sistema foi dividido em 32 lotes com três grupos: estrutural, local de articulação regional e local de distribuição. Os contratos têm valor global de R$ 71 bilhões e validade de 20 anos.

Os ônibus paulistanos fazem cerca de 2,8 bilhões de viagens por ano, transportando uma média de 9,6 milhões de passageiros por dia. Rodam pela capital 14,4 mil ônibus em 1,3 mil linhas.

A prefeitura vem tentando realizar essa licitação desde 2015. A concorrência, no entanto, primeiro sofreu várias contestações do Tribunal de Contas do Município. A suspensão do edital levou a sucessivas prorrogações, desde 2016, dos contratos com as empresas.

Na última sexta-feira (1º), a prefeitura conseguiu derrubar uma liminar que impedia a realização do processo. Um empresário do ramo havia entrado com ação alegando irregularidades nos editais que acabariam por direcionar os resultados da concorrência.

Os editais preveem aperfeiçoamentos no sistema, como ônibus menos poluentes e equipados com ar-condicionado e com metas de substituição dos veículos ao longo do tempo. O desenho das linhas também deverá ser alterado, com a eliminação de diversas linhas, que, segundo a prefeitura, se sobrepõem.

Protesto na Raposo Tavares, Cotia, complica o trânsito

Manifestação provocou congestionamento (DER/Reprodução)

Um protesto de motoristas do transporte coletivo alternativo complicou o trânsito na manhã desta segunda-feira (1). São mais de cem micro ônibus que seguem em direção à prefeitura de Cotia, na grande São Paulo.

A manifestação foi realizada depois que a Prefeitura anunciou que pretende colocar em prática um novo modelo de transporte coletivo. Uma empresa será contratada.

*com informações da Prefeitura de Cotia

Novos ônibus começam a operar linhas da zona leste

Todos os ônibus possuem ar condicionado, wi-fi e entradas USB para carregar celular (Heloísa Ballarini/Prefeitura de SP/Reprodução)


Começam a operar na zona leste de São Paulo 20 novos ônibus do transporte coletivo. Os veículos novos fazem parte de uma iniciativa da Prefeitura de São Paulo para renovar a frota que circula pela cidade.

A cidade recebeu, desde o início da atual gestão, 2.260 ônibus novos ônibus. “Isso significa mais conforto para os nossos usuários e uma melhor qualidade de vida”, destacou o prefeito Bruno Covas.

O prefeito esteve na garagem da Vip transportes, uma das empresas, na zona leste da capital, onde 20 ônibus, sendo 15 superarticulados e outros 05 do modelo Padron, foram entregues. Todos têm ar-condicionado, acessibilidade, tecnologia embarcada como wi-fi e tomadas USB, e motor menos poluente. A acessibilidade do sistema de transporte coletivo está em 93,8%.

(Heloísa Ballarini/Prefeitura de SP/Reprodução)

A VIP Transportes faz parte do Consórcio Plus, que opera em parte da Zona Leste de São Paulo, com 128 linhas, sendo 19 noturnas. O Plus transporta 770 mil passageiros em dias úteis, do extremo leste da Capital à região central, Estação da Luz e Praça do Correio. Além disso, faz a ligação dos bairros com dez terminais de ônibus da cidade, as estações de metrô da Linha-3 Vermelha e as estações CPTM das linhas 11 (Coral) e linha 12 (Safira).

Os 20 ônibus novos, incluindo 15 superarticulados de 23 metros cada um, utilizam motores certificados no padrão Euro V, menos poluentes e com maior eficiência energética.

Chega a 160 unidades o número de veículos novos na frota do Consórcio Plus, que deve receber outros 20 ônibus novos nos próximos meses.

Área 4 

Na sexta-feira passada, o prefeito Bruno Covas esteve na empresa Express, que opera uma outra parte da Zona Leste. Foram vistoriados 11 ônibus novos.

Ao todo, a Zona Leste já recebeu cerca de 700 ônibus novos desde janeiro de 2017.

*com informações da Prefeitura de São Paulo

Empresas de ônibus não podem cobrar para levar cadeira de roda

Daniel Mello/Agência Brasil

(Arquivo/Elza Fiúza/Agência Brasil)

As cadeiras de rodas e outras formas de auxílio à mobilidade, como bengalas e muletas, estão livres dos limites de peso e tamanho em viagens rodoviárias interestaduais e internacionais.

Decreto assinado pelo presidente Michel Temer e publicado esta semana no Diário Oficial da União impede que esse tipo de equipamento seja alvo de cobranças adicionais ou restrições para serem levados no bagageiro de ônibus de viagem e similares. A nova regulamentação altera o Decreto 2.521 de 1998.

Segundo ressaltou o secretário nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Marco Pellegri, o texto parte do pressuposto que os equipamentos de mobilidade devem ser entendidos como parte integrante do corpo das pessoas com deficiência. “O cidadão tem que viajar sempre acompanhado daquilo que garante sua mobilidade, autonomia e independência, sem nenhum ônus”, ressaltou.