Vigilância flagra seis festas clandestinas em Campos do Jordão

Equipes da Vigilância Sanitária Estadual e Municipal realizaram uma ação conjunta na madrugada deste sábado (05), em Campos do Jordão. Foram inspecionados 51 estabelecimentos, sendo um deles autuado por descumprir as regras do Plano SP.

As forças policiais estaduais apoiaram ações do município, atuando durante a madrugada na desmobilização de seis festas clandestinas. Os organizadores foram identificados e autuados de acordo com a legislação municipal.

A Prefeitura instalou gradis no centro do bairro de Capivari com objetivo de restringir o acesso das pessoas e assim evitar aglomeração. Também têm sido utilizados alto falantes para reforçar as orientações à população. As ações dos agentes estaduais e municipais continuam.

Vídeos postados nas redes sociais mostram pessoas aglomeradas

Outras ações no Estado

Além da ação em Campos do Jordão, a equipe da força-tarefa também participou de inspeções na capital.

No total, 25 estabelecimentos foram inspecionados e orientados. Seis deles foram autuados por descumprimento de horário de funcionamento e aglomeração. As ações aconteceram nos bairros do Belenzinho, Interlagos, centro, Itaim Bibi, Vila Madalena e Ipiranga.

Comitê de Blitze

Criado no dia 12 de março, em parceria com a Prefeitura de São Paulo, o Comitê de Blitze tem como objetivo reforçar as fiscalizações e o cumprimento das medidas restritivas da fase emergencial e evitar a propagação do coronavírus.

Integram o Comitê agentes da Guarda Civil Metropolitana e da Covisa (Coordenadoria da Vigilância Sanitária) pela Prefeitura de São Paulo. Pelo Governo do Estado, atuam profissionais da Vigilância Sanitária, Procon e das polícias Civil e Militar.

Qualquer pessoa pode denunciar festas clandestinas e funcionamento irregular de serviços não essenciais pelo telefone 0800-771-3541 e também no site www.procon.sp.gov.br ou pelo e-mail [email protected], do Centro de Vigilância Sanitária.

Por Gov. de SP

Fiscais flagram festa com 600 pessoas no fim de semana

(Gov. do Estado de SP/via Agência Brasil)

Uma festa clandestina com 600 pessoas foi interrompida em Osasco, Região Metropolitana de São Paulo, pela Polícia Civil. A aglomeração descumpre as medidas restritivas de contenção da covid-19 no estado. A Vigilância Sanitária identificou 400 pessoas sem máscaras. Os presentes consumiam bebidas alcoólicas e fumavam no narguilé.

O local foi interditado e o responsável pelo evento e três funcionários foram detidos e autuados por infração de medida sanitária preventiva e encaminhados ao 10º Distrito Policial (DP) de Osasco. A blitz de fiscalização também apreendeu equipamentos de som e uma máquina de cartão bancário.

Na capital

Na zona sul da capital paulista, um grupo de 100 pessoas foi flagrado em uma tabacaria no Jardim São Luís. Os policiais chegaram até o local, na Avenida Maria Coelho de Aguiar, por meio de denúncia. De acordo com o governo paulista, o caso foi registrado como infração de medida sanitária preventiva no Departamento de Polícia e Proteção à Cidadania (DPPC).

Outros 12 locais foram inspecionados e orientados. Foram autuados dois estabelecimentos na Vila Madalena, zona oeste, e no Tatuapé, zona leste da cidade. A blitz percorreu os bairros Penha, Vila Leopoldina, Pirituba e São Judas.

Denúncia

O Comitê de Blitze, criado em março, funciona em conjunto com a prefeitura de São Paulo e fiscaliza as medidas restritivas de combate à propagação do coronavírus. Qualquer pessoa pode denunciar festas clandestinas e funcionamento irregular de serviços não essenciais. O contato é pelo telefone 0800-771-3541, pelo site do Procon-SP ou ainda pelo e-mail do Centro de Vigilância Sanitária.

Por Camila Maciel – Repórter da Agência Brasil 

Polícia flagra festa clandestina com 149 pessoas aglomeradas

Mais de 60 pessoas estavam sem máscara (Reprodução)

Mais uma festa clandestina com jovens foi flagrada em um bar na região de Cidade Ademar, na Zona Sul de São Paulo. A aglomeração ilegal foi descoberta no início da madrugada de hoje (23), pelas equipes do GARRA E GER, da Polícia Civil, que receberam apoio do Batalhão de Choque da PM e de guardas civis metropolitanos.

Averiguando denúncias, as forças de segurança foram até o estabelecimento e precisaram usar ferramentas para abrir a porta de aço e ter acesso ao local. Quando entrou na casa, a força-tarefa encontrou 149 pessoas aglomeradas, 66 delas sem a máscara de proteção.

O cenário é o mesmo dos locais fechados nas últimas fiscalizações, com muitas bebidas alcoólicas e narguilé, e a música ao vivo, com a presença de uma banda. A determinação de distanciamento social era totalmente ignorada, como se não houvesse riscos de contaminação.

Fiscais do Procon e da Vigilância fizeram os trabalhos de autuação e interdição da casa. Garotas e rapazes foram separados, qualificados e depois liberados ali mesmo, após a verificação de antecedentes.

Doze pessoas, sendo o responsável pela casa, funcionários e integrantes da banda contratada para o evento, foram conduzidas ao Departamento de Polícia e Proteção à Cidadania, no Centro da cidade, onde foi elaborado um Termo Circunstanciado de “Infração de Medida Sanitária Preventiva”. Somente pelo não uso de máscara, a casa foi multada em R$ 343 mil.

Máquinas leitoras de cartão e equipamentos de som foram apreendidos. 

*Com Paulo Édson Fiore, da Jovem Pan

Festa clandestina tinha 133 pessoas aglomeradas

Mais de 130 jovens foram encontrados aglomerados na noite de ontem (11) em um lounge bar na região do Capão Redondo, na Zona Sul de São Paulo. A balada ocorria na casa noturna localizada na Avenida Augusto Cardoso, no Jardim Maracá.

Averiguando denúncias, policiais civis do GARRA/DOPE, o Departamento de Operações Policiais Estratégicas, e do GER, Grupo Especial de Reação, além de homens da PM e da Guarda Civil e fiscais do PROCON e da Vigilância Sanitária,  que compõem a força-tarefa de fiscalização às regras sanitárias, foram até o endereço fornecido. No bar, eles surpreenderam 133 pessoas aglomeradas, sendo que 103 delas não usavam a máscara de proteção obrigatória. 

No ambiente, com pouca ventilação, garotas e rapazes consumiam bebidas, dançavam e fumavam narguilé, em horário e aglomeração que violam as regras vigentes no Estado. Após serem identificados e submetidos a consulta de antecedentes criminais, todos foram liberados.

Já o responsável pela casa e os funcionários foram conduzidos ao Departamento de Polícia e Proteção à Cidadania, onde os fatos foram objeto de um Termo Circunstanciado. Além de ter equipamentos de som e máquinas leitoras de cartões apreendidos, o bar foi multado e interditado.

*Com Paulo Édson Fiore, da Jovem Pan

Postagem no Instagram leva polícia a festa clandestina

Uma postagem feito no Instagram por uma cliente ajudou a polícia de São Paulo, junto com a Força Tarefa de fiscalização das medidas sanitárias, a descobrir uma festa clandestina no Tatuapé, zona leste da Capital. Segundo o deputado federal Alexandre Frota (PSDB), no vídeo publicado pela cliente apareceu o nome do local em um copo descartável.

“Nós puxamos na rede, na internet, e descobrimos que esse ‘Kanalhas’ funcionava aqui”, explicou Frota em um vídeo.

Segundo o deputado, a festa tinha 50 frequentadores. No local, além de bebida, frequentadores dançavam e fumavam.

“A casa está sem alvará e com vários problemas”, explicou em uma rede social.

Festa é interrompida e estabelecimento é multado em R$ 120 mil

A ação da força-tarefa de fiscalização às regras sanitárias fechou mais uma festa clandestina na noite de ontem (8), na região da Penha, Zona Leste de São Paulo. Após denúncia, agentes das duas Polícias, da GCM e fiscais do Procon e Vigilância Sanitária seguiram para a esquina entre as Ruas Amorim Diniz e Osvaldo Sobreira, próximo à Avenida Governador Carvalho Pinto, na Vila Santo Antônio.

Eles encontraram 36 clientes, 15 deles sem a máscara de proteção. Havia outros jovens, mas, com a chegada dos policiais, eles conseguiram fugir pelos fundos do estabelecimento.

Os frequentadores estavam consumindo bebidas alcoólicas e fumando narguilé aglomerados em ambiente de pouca ventilação, violando às regras da fase emergencial do Plano São Paulo, em vigor em todo o Estado. A casa foi autuada em cerca de 120 mil reais e interditada.

Para evitar novas aglomerações, os jovens foram liberados após a consulta de antecedentes criminais. O proprietário da casa e os funcionários compareceram ao Departamento de Polícia e Proteção à Cidadania, no Centro, onde foi lavrado um Termo Circunstanciado.

*Com Paulo Édson Fiore, da Jovem Pan

Polícia flagra festa com metade dos clientes sem máscara

Equipamento de som usado na festa foi apreendido (Reprodução)

Policiais, junto fiscais do Procon e Vigilância Sanitária, interditaram mais um bar na última noite, o oitavo em 11 dias .O flagrante de desobediência à fase emergencial ocorreu no estabelecimento localizado na Vila Inglesa, região da Cidade Ademar, Zona Sul de São Paulo.

Averiguando denúncia, as equipes encontraram 46 pessoas no local, 23 sem máscaras de proteção. Os frequentadores foram separados e qualificados, para checagem de antecedentes criminais.

A casa foi multada e interditada. Foram apreendidos equipamentos de som e máquinas leitoras de cartões. Já os responsáveis pelo bar e alguns funcionários foram encaminhados ao Departamento de Polícia e Proteção à Cidadania, no Centro, onde  foi lavrado um Termo Circunstanciado de natureza “Infração de Medida Sanitária Preventiva”.

*Com Paulo Édson Fiore, da Jovem Pan

Vigilância autua 70 estabelecimentos no fim de semana de Páscoa

O Governo de SP realizou um total de 12.589 atos de fiscalização entre os dia 1º e 4 de abril, quando ocorreu o feriado prolongado de Páscoa, em todo Estado. A força-tarefa realizada pela Vigilância Sanitária, Procon-SP, e polícias Civil e Militar tem objetivo de combater aglomerações e impedir o funcionamento irregular de estabelecimentos comerciais não essenciais.

A Vigilância Sanitária realizou, entre a noite de quinta-feira (1) e o domingo de Páscoa, um total de 3615 inspeções em todo estado. As ações resultaram em 70 autuações. Na capital, foram realizadas fiscalizações em 49 endereços diferentes, incluindo os flagrantes a três festas clandestinas em conjunto com a força-tarefa. Os fiscais fecharam 30 estabelecimentos no momento das inspeções e interditaram outros sete. Além disso, 10 locais foram autuados.

Segurança Pública

Para garantir o cumprimento das determinações estabelecidas pela fase emergencial do Plano São Paulo, as ações de fiscalização têm sido intensificadas em todo estado, com o reforço de policiais civis e militares no apoio aos órgãos fiscalização. A Segurança Pública realizou mais de 8,2 mil ações de combate à aglomerações apenas no sábado (3) e no domingo (4).

Entre a noite de sábado e manhã de domingo, a Polícia Militar realizou 3.800 dispersões, flagrando mais de mil pontos de aglomeração em todo o Estado. Já no domingo (5), foram registradas 4.429 dispersões e mais de 900 flagrantes em pontos de aglomeração em todo Estado. Na capital, foram 646 dispersões e 190 aglomerações.

Procon-SP

O Procon-SP promoveu 745 atos fiscalizatórios entre sábado (3) e domingo (4). Destes, 674 ocorreram em municípios do interior e 71 na capital. No total, 18 estabelecimentos foram autuados. No período entre 26/02 e 04/04, o Procon-SP já realizou 6615 fiscalizações que resultaram em 395 estabelecimentos autuados. Foram realizadas 226 autuações na capital e 169 pelos núcleos regionais mantidos pelo órgão em todo estado.

Comitê de Blitze

Criado no dia 12 de março, em parceria com a Prefeitura de São Paulo, o Comitê de Blitze tem como objetivo reforçar as fiscalizações e o cumprimento das medidas restritivas da fase emergencial e evitar a propagação do coronavírus. As ações foram ampliadas e ocorrem em todo estado por meio da força-tarefa que reúne os órgãos fiscalizadores.

Qualquer pessoa pode denunciar festas clandestinas e funcionamento irregular de serviços não essenciais pelo telefone 0800-771-3541 e também no site www.procon.sp.gov.br ou pelo e-mail [email protected], do Centro da Vigilância Sanitária.

Por Gov. do Estado de SP

Operação fecha bar e bingo com pessoas aglomeradas

A força-tarefa formada por agentes do GARRA e fiscais do Procon e da Vigilância Sanitária realizaram mais dois flagrantes de aglomeração e violação às regras da fase emergencial ma Zona Leste de São Paulo. O primeiro deles ocorreu na Rua Tuiuti, na região do Tatuapé, onde foi encontrado um bingo clandestino, com 127 máquinas caça-níqueis em funcionamento.

Os policiais encontraram o estabelecimento fechado e precisaram arrombar a porta. Quando entraram, as equipes surpreenderam dezenas de pessoas jogando nas máquinas de vídeobingo, sendo 51 mulheres e 43 homens, muitos com máscara de proteção, mas aglomerados, sem respeito às normas de distanciamento.

Por orientação dos fiscais, os frequentadores, entre eles idosos, foram retirados do local e conduzidos para o estacionamento da casa de jogos, onde foram identificados e, depois, liberados. Entres nos jogadores, havia dois que eram procurados pela Justiça, um deles por não pagamento de pensão alimentícia, e foram detidos.

A casa de jogos foi interditada pelos fiscais e multada. O gerente do bingo e dois funcionários foram encaminhados ao Distrito Policial da Vila Carrão,  e autuados por infração de medida sanitária preventiva.

Casa Noturna

(Reprodução)

Já durante a madrugada de hoje (1), outra casa noturna que estava em funcionamento, violando decreto que proíbe a abertura nesta fase do Plano São Paulo, foi fechada. Trata-se de mais um lounge bar, o terceiro interditado somente nesta semana.

A casa funcionava na Aldeia de Santo Inácio esquina com a Avenida Baronesa de Muritiba, no Parque São Rafael. No local, os policiais e fiscais encontraram 67 pessoas no total, sendo 64 clientes, o responsável pela casa e dois funcionários.

Além de aglomerados, várias delas estavam sem máscara de proteção. Para evitar novas aglomerações, os frequentadores do bar foram liberados depois de qualificados. O delegado Osvaldo Nico Gonçalves, titular do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (DOPE), da Polícia Civil, lamentou as aglomerações e alertou que as operações irão continuar.

O responsável pelo Lounge Bar e funcionários foram conduzidos ao Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania, no Centro da Capital, e autuados por infração de medida sanitária preventiva. A casa também foi multada e interditada. Dezesseis pessoas estavam sem a máscara de proteção, o que gera multa de 5 mil e 200 reais por cada uma delas para o estabelecimento.

Por Paulo Édson Fiore, da Jovem Pan

Tabacaria é flagrada com 150 pessoas aglomeradas

O Comitê de Blitze flagrou cerca de 150 pessoas aglomeradas em uma tabacaria, na madrugada desta terça-feira (30), na Praça Nossa Senhora das Vitórias, na Vila Formosa, na zona Leste da Capital. Dez pessoas, incluindo o proprietário, funcionários e frequentadores, foram conduzidas à delegacia e autuadas. Ao todo, entre a noite de ontem (29) e a madrugada de hoje, 294 dispersões foram realizadas e 11 eventos clandestinos encerrados na capital.

A ação na tabacaria foi deflagrada pela Polícia Civil, por meio do Grupo Armado de Repressão a Roubos (Garra), do Departamento de Operações Especiais de Polícia (Dope), com o apoio do Procon e da Vigilância Sanitária Estadual para a fiscalização do cumprimento das medidas restritivas contra a pandemia.

No estabelecimento, as equipes flagraram uma confraternização às portas fechadas, com som operado por DJ, farta quantidade de bebidas alcóolicas, brasas de narguilé, máquinas de cartão, uma central de monitoramento eletrônico e centenas de tickets de bebidas destacados. A maioria das pessoas local desrespeitava o distanciamento social e algumas não usavam a máscara de proteção ou quaisquer outros equipamentos de proteção individual, descumprindo o Decreto Estadual que visa a combater a disseminação do Covid-19.

Com a chegada dos policiais civis, alguns frequentadores tentaram fugir do estabelecimento, mas foram interceptados e qualificados. Dez pessoas, incluindo o proprietário do espaço, funcionários e clientes, foram levados ao Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC), onde foram autuados em um termo circunstanciado por infração de medida sanitária preventiva.

Alguns objetos, como dois rádios transmissores, cinco máquinas de cartão, equipamentos do DJ, notebook e três celulares foram apreendidos na ação. A ocorrência foi encaminhada para o Juizado Especial Criminal (Jecrim).

Balanço

Festas foram interrompidas com o apoio da polícia

Para garantir o cumprimento das determinações estabelecidas pela fase emergencial do Plano São Paulo, as ações de fiscalização tem sido intensificadas em toda capital paulista, inclusive com o reforço de policiais civis e militares no apoio às ações da vigilância sanitária, Procon e demais órgãos de fiscalização.

Como resultado desse trabalho, entre a noite de segunda-feira (29) e manhã desta terça-feira (30), na capital paulista, foram realizadas mais de 7,3 mil abordagens, sendo 18 pessoas presas. No período, também foram encerrados 11 eventos clandestinos, realizadas 294 dispersões de aglomerações e vistoriados mais de 11,1 mil veículos, sendo 125 deles, produto de roubo e furto, localizados.

Comitê de Blitze

Criado no último dia 12, em parceria com a Prefeitura de São Paulo, o Comitê de Blitz tem como objetivo reforçar as fiscalizações e o cumprimento das medidas restritivas da fase emergencial e evitar a propagação do coronavírus.

Integram o Comitê agentes da Guarda Civil Metropolitana e da Covisa (Coordenadoria da Vigilância Sanitária) pela Prefeitura de São Paulo. Pelo Governo do Estado, atuam profissionais da Vigilância Sanitária, Procon e das Polícias Civil e Militar.

Qualquer pessoa pode denunciar festas clandestinas e funcionamento irregular de serviços não essenciais pelo telefone 0800-771-3541 e também no site www.procon.sp.gov.br ou pelo e-mail [email protected], do Centro de Vigilância Sanitária.

Por Gov. do Estado de SP