Bombeiros confirmam 6ª morte em desabamento

Bombeiros usam cão farejador para encontrar vítimas (Corpo de Bombeiros)


Mais um corpo foi retirado dos escombros o Edifício Andréa, em Fortaleza, aumentando para seis o número de mortos do desabamento. Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social, trata-se de Rosane Marques de Menezes, de 56 anos. O corpo dela foi retirada dos escombros, às 21h10, dessa quinta-feira (17).

“Outras quatro pessoas foram reportadas por parentes como presentes no edifício no momento do desmoronamento e seguem como desaparecidas. Sete pessoas foram resgatas com vida pelos Bombeiros”, diz ainda a nota divulgada pela secretaria.

Além de Rosane Marques de Menezes, morreram também na tragédia: Frederick Santana dos Santos, 30 anos; Izaura Marques Menezes, de 81 anos; Antônio Gildásio Holanda Silveira, de 60 anos; Nayara Pinho Silveira, 31 anos; e Maria da Penha Bezerril Cavalcante, de 81 anos.

O prédio desabou na manhã de terça-feira (15), por volta das 10h30. Localizado no cruzamento da Rua Tibúrcio Cavalcante com Rua Tomás Acioli, no Bairro Dionísio Torres, as informações são de que o imóvel vinha passando por obras.

De acordo coma a Secretaria de Segurança, os trabalhos de busca das vítimas do desabamento continuam ininterruptamente até que todas as vítimas sejam retiradas dos escombros. “Servidores do Sistema de Segurança cearense atuam de forma ininterrupta nas buscas por sobreviventes”.

Mais da metade dos paulistanos já foi vítima de agressão

Bruno Bocchini/Agência Brasil

O percentual de pessoas que foi vítima de crime ou agressão alguma vez na vida chegou a 58% na capital paulista. O dado é de pesquisa sobre vitimização realizada pelo Centro de Políticas Públicas do Insper e conduzida pela Radar Pesquisas. O resultado é superior ao registrado em pesquisa anterior, em 2013 (53,3%), e semelhante ao de 2003 (58,3%).

De acordo com o levantamento, o tipo de ocorrência ao qual as pessoas estão mais sujeitas ao longo da vida é a de roubo ou furto contra a pessoa (35,7%), seguido de ameaça com arma de fogo (26,1%). Os dados foram coletados em São Paulo entre março e maio de 2018 com a realização de três mil entrevistas em domicílios.

Segundo a pesquisa, 41,5% das pessoas foi vitimizada de alguma forma em 2018, resultado maior ao de 2013 (38,4%), mas menor do que o registrado em 2003 (44%). As taxas de roubos (8,9%) e furtos (14,1%) de qualquer tipo  (contra a pessoa, veículo, residência ou casa de temporada) encontram-se no maior nível da série.

O levantamento mostra ainda que a taxa de assédios sexuais, pela primeira vez pesquisado, está em 9,5% em 2018. Entre as mulheres, o resultado chega a 13,5%. Entre elas, o assédio é recorrente, de modo que 55% das vítimas sofreram quatro ou mais vezes no último ano, e um terço delas, seis ou mais vezes. Os principais ambientes das ocorrências foram as vias públicas (29,5%), o transporte público, táxis ou transporte com motorista particular (23,9%), e em redes sociais (14,4%). O agressor foi predominantemente uma pessoa desconhecida (73% dos casos). 

Já a taxa de agressões online em 2018 foi de 5,5% entre os usuários de redes sociais e de aplicativos de mensagens. Entre as novas modalidades de estelionato destacam-se as ocorrências com aplicativos de transporte, que atingiram 6,6%. 

Sargento é baleado e morre durante operação da PM

Cristina Índio do Brasil/Agência Brasil

Sargento Carlos Neppel de Araújo estava na corporação desde 2001 (Facebook/Reprodução)

O segundo sargento da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro Carlos Lucio Neppel de Araújo, de 41 anos, morreu hoje (1º) após ser ferido no peito durante uma operação da PM, na comunidade São Jorge, em Japeri, na Baixada Fluminense.

A Polícia Militar lamentou a morte de Carlos Neppel, que era lotado no Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e estava na corporação desde 2001. O policial deixa esposa e duas filhas.

Segundo a PM, durante a ação, outro policial da unidade foi ferido. Ele foi levado para o hospital da Posse, em Nova Iguaçu, e depois transferido para o Hospital Central da Polícia Militar. Para a unidade da Posse foram levados também dois criminosos feridos no confronto. Outra pessoa ferida foi socorrida por moradores da comunidade. Um fuzil foi apreendido com um criminoso ferido na ação.

De acordo com a PM, o Bope continua operando na comunidade, para localizar os criminosos envolvidos no assassinato do policial.

Pelos números da Polícia Militar, com a morte do sargento sobe para 67 o número de policiais assassinados este ano, sendo que 19 estavam em serviço, 39 em folga e 9 eram reformados ou da reserva.