Youtube suspende conta de Trump

Plataforma acompanha decisões de gigantes das mídias sociais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

O Youtube anunciou nesta terça-feira (13/01) a suspensão do canal do Youtube do presidente americano, Donald Trump, devido ao risco de que a plataforma seja usada para inflamar potenciais novos episódios de violência.

A medida vale por sete dias. O Youtube informou que removeu conteúdo publicado no dia 12 de janeiro no canal, que tem quase 3 milhões de inscritos, por incitação à violência. Mas não deixou claro que vídeos especificamente haviam sido apagados.

“Dadas as preocupações com o atual risco de violência, removemos novo conteúdo posto online no canal de Donald J. Trump por violar as nossas políticas”, explicou em comunicado a plataforma. 

O presidente americano encerra seu mandato no dia 20 de janeiro, quando está marcada a posse do democrata Joe Biden. Mas enfrenta um processo de impeachment no Congresso, que pode não só encerrar seu governo mais cedo, como também cassar seus direitos políticos.

A iniciativa do Youtube é tomada depois que uma multidão de apoiadores de Trump, incitados por sua retórica, invadiu o Capitólio na semana passada para tentar impedir o Congresso de certificar a vitória de Biden.

Facebook, Instagram, Twitter

O ato foi amplamente condenado como um atentado à democracia americana e, por muitos congressistas, como um movimento golpista. Ele levou grandes empresas de mídia social a banir ou suspender o presidente americano.

Na semana passada, o Facebook suspendeu as contas de Trump em sua plataforma e no Instagram. O Twitter foi mais longe e baniu definitivamente a conta do republicano, alegando risco de violência durante a cerimônia de posse de Biden, em 20 de janeiro, e privando-o assim de sua plataforma preferida. 

Outras redes sociais, como Snapchat e Twitch, também suspenderam a conta de Trump.

Os democratas se dizem convencidos de que, ao contrário do que aconteceu no primeiro processo de destituição de Trump, no início de 2020, desta vez, republicanos na Câmara dos Representantes e no Senado também apoiarão a remoção do presidente do seu cargo. 

Se o Senado aprovar a destituição, o presidente perde os seus poderes de imediato. Ele será substituído pelo vice-presidente até a tomada de posse de Biden. O Senado poderia subsequentemente votar se deve impedir Trump de concorrer a cargos políticos. 

Por Deutsche Welle

RPR/ap/rtr

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas