Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

Grupo Esparrama estreia terceiro espetáculo do Teatro na Janela no Minhocão

“Navegar” reflete sobre a relação das crianças com os espaços urbanos e sobre a forma como elas interagem com a cidade(Foto:Sissy Eiko/Divulgação)

Desde de 2016 o Grupo Esparrama organizou “expedições poéticas” que percorreram regiões de São Paulo se aproximando do imaginário infantil sobre cidade. Vivências, oficinas e uma exposição deram subsídio para que a janela mais movimentada do Minhocão reabrisse esparramando arte e bom humor novamente.

No dia 25 de fevereiro, o público será convidado a embarcar na temporada do espetáculo Navegar, que para além do Minhocão, prevê apresentações nos CEUs Heliópolis, Butantã e Casa Blanca, ciclos de conversa sobre a relação da arte com a cidade e sobre o papel dos artistas como agentes da Cidade Educadora e conta com novidades. Desta vez, o grupo propõe uma interação ainda maior com a plateia, convidando crianças para pintar as bandeiras que formam a vela do navio das personagens do espetáculo e haverá um microfone aberto para as crianças que queiram se expressar.

A história se inicia com o retorno de Nina, a garotinha do espetáculo anterior, que ao voltar para contar como foi sua viagem pela cidade se depara com outro menino viajante, Samuel. Depois de se conhecerem, eles descobrem que a cidade foi dominada por Gatão (um misterioso gato que acha que é dono de tudo) e, juntos com seus amigos pássaros, tentam se libertar das garras desse gatuno.

O Grupo Esparrama é reconhecido por surpreender as crianças com temas que geralmente são considerados complexos, mas que ao serem tratados em camadas simbólicas proporcionam diversos níveis de diálogo, envolvendo os públicos de todas as idades. Agora, com uma fábula sobre a disputa entre pássaros e gatos, além de discutir uma cidade que não leva em consideração a “fala” das infâncias o grupo reflete sobre os mecanismos sociais, políticos e urbanos que nos afastam do exercício democrático.

Por fim, o espetáculo discute a ideia apresentada na música inicial do espetáculo: “Cidade é bicho grande e solto que não cabe na gaiola…”.

“NAVEGAR” nasceu da necessidade de resposta à provocação que o grupo se lançou na obra anterior, Minhoca na Cabeça. Uma garotinha que veio do interior e precisa vencer seus medos para brincar na cidade grande, ao final convida a todos a desbravarem a cidade entoando em alto e bom som: “Navegar!”.

Mas é possível uma criança navegar pela cidade nos dias de hoje?

Para tentar responder a essa questão o grupo se jogou em grandes e audaciosas expedições por São Paulo. Orientados pela pedagoga Laila Sala, na primeira expedição do Projeto Navegar partiu para encontrar com as infâncias da EMEI Gabriel Prestes, da ocupação Lord Palace e do CEU Heliópolis, com a participação de Daniel Viana (poeta), Sissy Eiko (fotógrafa) e Marina Faria (Ilustradora) que fizeram registros poéticos contribuindo com o entendimento sobre como aquelas crianças pensam, vivem e sentem seus territórios.

Toda a materialidade criada foi organizada pelo cenógrafo Jaime Pinheiro na exposição interativa “Navegar – Uma Expedição por Imaginários”, que foi de encontro com infâncias de outros e que agora está na FUNARTE, em cartaz até 04 de março, com entrada gratuita.

O grupo trouxe na bagagem materiais incríveis que alimentaram os artistas do projeto a criar o novo espetáculo, que tem a orientação dramatúrgica de Solange Dias, figurino de Marcela Donato e cenografia de Carlos Mendes (mantendo a já conhecida janela azul criada por Jaime Pinheiro). Os bonecos criados por André Mello, referenciam as imagens modeladas em massinhas pelas crianças durante as pesquisas do grupo e complementam o tom do universo fantástico e poético necessário para contar sua história.

“Neste espetáculo buscamos compartilhar com o público o que nós aprendemos com as crianças e com o Manoel de Barros durante as pesquisas: O olho vê, a lembrança revê, e a imaginação transvê. É preciso transver o mundo.” – comenta o diretor Iarlei Rangel.

Além dos atores do grupo (Kleber Brianez, Lígia Campos e Rani Guerra) foram convidados Gabi Zanola, Gislaine Pereira, Renato Ribeiro, Vinícius Ramos – integrantes da Trupe Dunavô e Weslley Nascimento que se revezam entre a janela e o próprio Minhocão, permitindo que a encenação ganhasse agilidade com jogos coreográficos criados pelo palhaço e bailarino Ronaldo Aguiar. Fazem parte do elenco os músicos Adilson Camarão e Laruama Alves que, sob a direção musical de Joel Carozzi, criaram um ambiente sonoro com composições inéditas.

O Grupo Esparrama iniciou sua trajetória com o Teatro na Janela em 2013 e desde então atraiu os olhares da crítica especializada, imprensa nacional, internacional e ganhou o carinho dos paulistanos trazendo arte, cores e muito bom humor para um cenário de cinza de concreto: o Minhocão.

Esparrama pela Janela (primeiro espetáculo) ainda de forma independente, recebeu o Prêmio FEMSA de Teatro Infantil e Jovem (categoria Revelação – direção Iarlei Rangel e categoria Prêmio Crystal Eco de Sustentabilidade) e o Prêmio da Cooperativa Paulista de Teatro, categoria Melhor Ocupação de Espaço.

Em 2014, contemplado pelo Rumos Itaú Cultural com o projeto Janelas do Minhocão, criou o espetáculo Minhoca na Cabeça. Em 2015, com Prêmio Zé Renato realizou temporadas dos espetáculos no Minhocão.

Em 2016, foi contemplado com o Projeto Navegar na 29ª edição da Lei de Fomento ao Teatro da cidade de São Paulo (um dos mais importantes editais de fomento ao teatro da cidade), com o qual vem dando continuidade à sua pesquisa de linguagem e ampliando sua relação com a cidade.

Espetáculo Navegar

Durante suas viagens dois navegadores de cidade, Nina e Samuel, se conhecem e resolvem juntar suas embarcações para continuar transformando as ruas e vielas por onde passam, mas são surpreendidos por Gatão que se proclamou dono de todas as coisas do mundo e que agora quer o barco das crianças. Ele e seus capangas usarão de todos os disfarces para enganá-las, mas, com ajuda de pássaros amigos, as crianças descobrirão que para a imaginação não há limites. Se não for possível navegar pela cidade, sempre será possível voar por ela. Classificação: Livre – Duração: 50 minutos – Grátis

Temporada: 25 de fevereiro a 25 de março de 2018 – Sempre aos domingos em duas sessões: 10h30 e 16h

Local: No Minhocão (Elevado Presidente João Goulart), altura do número 158 da Avenida Amaral Gurgel. Entrada pelas alças de acesso do Minhocão no Metrô Santa Cecília ou Rua da Consolação.

No caso de chuva, o espetáculo não acontece.

Apresentações nos CEU’s da cidade de São Paulo

CEU Heliópolis – 07 de Março – Horários 10h e 15h30 – Área externa

CEU Butantã – 14 de Março – Horários 10h e 15h30 – Ginásio de Esportes

CEU Casa Blanca – 21 de Março – Horários 10h e 15h30 – Ginásio de Esportes.

FICHA TÉCNICA

Direção: Iarlei Rangel | Dramaturgia: Elenco Navegar | Orientação Dramatúrgica: Solange Dias | Elenco: Adilson Camarão (músico), Gabi Zanola (atriz), Gislaine Pereira (atriz e manipuladora), Kleber Brianez (ator e manipulador), Laruama Alves (musicista), Lígia Campos (atriz e manipuladora), Rani Guerra (ator, manipulador e músico), Renato Ribeiro (ator, manipulador e músico), Weslley Nascimento (manipulador) e Vinícius Ramos (ator e músico) | Direção de Movimento: Ronaldo Aguiar | Direção Musical: Joel Carozzi | Cenografia e Adereços: Carlos Mendes | Figurino: Marcela Donato | Criação e Confecção de Bonecos: André Mello |Assessoria de Comunicação e Imprensa: Luciana Gandelini | Produção Executiva: Izabela Pimentel | Direção de Produção: Iarlei Rangel

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *