Voos domésticos atingem 80% de nível pré-pandemia

(Tony Winston/Ministério da Saúde/via Fotos Públicas)

Os voos domésticos já recuperaram 80% dos níveis de passageiros que havia antes da pandemia de covid-19 no Brasil, segundo o ministro do Turismo, Gilson Machado. Em entrevista à Agência Brasil, durante visita à Expo 2020 em Dubai, nos Emirados Árabes, Machado disse que a companhia aérea Azul já até superou seus números pré-pandemia.

“O hub de Recife, por exemplo, já está com 115% de fluxo aéreo. A gente vê também as reservas nos hotéis no final do ano, não tem mais hotel praticamente no Nordeste brasileiro, nos endereços de ecoturismo, no Natal Luz de Gramado e Canela”, afirmou o ministro.

Os voos internacionais, no entanto, ainda estão longe da recuperação. De acordo com Machado, as ligações aéreas com o exterior movimentam atualmente apenas 30% dos passageiros de antes da covid-19.

Gilson Machado chegou a Dubai com a mensagem de que pretende ampliar o número de turistas internacionais que viajam ao Brasil e aumentar os investimentos estrangeiros na infraestrutura de turismo do país. Ele acredita que depois da pandemia, muitos vão querer ter contato com a natureza, que seria um forte ativo brasileiro.

Mas, para isso, seria preciso investir na promoção do Brasil no exterior. “Estamos lutando por recursos para isso, porque a briga pelo turista internacional é briga de cachorro grande. O turismo é dinheiro na veia da economia. A gente vê hoje um país como o México, que tem US$ 500 milhões para divulgar seu país lá fora. Por isso que o México recebe praticamente quase dez vezes mais turistas estrangeiros que o Brasil. Nós estamos lutando junto com o Congresso Nacional, para que a Embratur tenha mais recursos”, acrescentou.

A meta é atingir um patamar de 12 milhões de visitantes internacionais, o dobro do recorde já registrado no país, que foi atingido em 2018, com 6,62 milhões. Nos dois anos anteriores, os números também ficaram próximos de 6,6 milhões. Em 2019, se esperava bater a marca de 7 milhões, devido à isenção de vistos para americanos, canadenses, japoneses e australianos.

Segundo o ministro, no entanto, a crise econômica na Argentina, principal emissor de turistas para o Brasil, representando mais de um terço do total, frustrou as expectativas, e o Brasil recebeu apenas 6,35 milhões de visitantes internacionais.

Por Vitor Abdala, da Agência Brasil
*O repórter Vitor Abdala e o fotógrafo Marcelo Camargo viajaram a convite da Apex-Brasil

Argentina reabre fronteiras aéreas para brasileiros

A Argentina reabriu hoje (1º) as fronteiras aéreas para turistas brasileiros. Aqueles que quiserem visitar o país vizinho terão que comprovar vacinação completa. Só será possível entrar em território argentino 14 dias após a segunda dose ou a dose única. A informação foi divulgada pelo governo argentino.

O país também vai exigir um teste PCR negativo realizado até 72 horas antes do embarque, além de um teste rápido com antígeno no momento de entrar no território. Também será exigido outro PCR entre o quinto e sétimo dia já dentro das fronteiras argentinas.

As autoridades sanitárias do país vizinho também limitaram a entrada diária pelos aeroportos a 2,3 mil pessoas nos primeiros dias até chegar a 28 mil passageiros diários a partir do dia 11 de outubro. Esse limite será revogado quando 50% da população argentina alcançar a vacinação completa.

A reabertura das fronteiras aéreas da Argentina, neste primeiro momento, é destinada apenas a turistas de países limítrofes, entre eles, o Brasil.

A partir do dia 1º de novembro, o governo argentino deve abrir as fronteiras para todos os turistas. No início desta semana, a Argentina já havia autorizado a entrada de turistas pelas fronteiras terrestres do Brasil e do Chile.

Os aeroportos do país estavam fechados para turistas de todo o mundo desde dezembro do ano passado. Em março deste ano, o governo argentino proibiu todos os voos com destino ou origem do Brasil, México e Chile, na tentativa de conter a disseminação do novo coronavírus.

Por Agência Brasil

Azul quer comprar 220 aviões elétricos

(Divulgação)

A companhia aérea Azul assinou uma intenção de compra de 220 aeronaves elétricas da fabricante alemã Lilium. O modelo – uma espécie de táxi voador – deve entrar na malha aérea da empresa a partir de 2025 e será usado basicamente para realizar viagens curtas e conectar centro econômicos, regiões metropolitanas e até mesmo condomínios residenciais.

A Lilium anunciou nesta quarta-feira (04/08) que o acordo com a Azul é a primeira encomenda de grande porte recebida e que o negócio gira em torno de 1 bilhão de euros. Antes de a compra ser selada em definitivo é preciso obter a aprovação para a aeronave voar no Brasil. 

As aeronaves são tipo eVTOL, sigla para electric vertical take-off and landing (decolagem e pouso vertical elétrico, em tradução livre. Elas têm capacidade de pousar e decolar verticalmente como helicópteros e não precisam de pistas ou aeroportos.

A aeronave elétrica consegue voar até 240 quilômetros de distância a uma altura máxima de três mil metros, alcança velocidade de até 280 quilômetros por hora e possui espaço para um piloto e seis passageiros.

Empresa brasileira pretende voar com modelo elétrico a partir de 2025 (Divulgação)

Ao contrário dos carros elétricos, que demoram para recarregar suas baterias, as aeronaves da Lilium conseguem recarregar em apenas 30 minutos no solo. A aeronave é movida por 36 pequenos motores elétricos giratórios montados em quatro asas. O alcance do eVTOL deve ser ampliado assim que houver baterias melhores disponíveis no mercado. A empresa planeja um alcance de até 300 quilômetros em 2026.

“Uber dos céus” 

O presidente da Azul, John Rodgerson, afirmou em entrevista ao jornal Valor Econômico que o eVTOL “pode ser o ‘Uber dos céus'”. A empresa avalia operar os eVTOL em rotas como Campinas-Santos, Campinas-Campos do Jordão, São Paulo-São José dos Campos ou Rio de Janeiro-Búzio.

O negócio será conduzido e liderado pelas duas empresas, de forma conjunta. “A Lilium planeja trabalhar com a Azul para transformar radicalmente o transporte regional de alta velocidade no Brasil”, diz um trecho do comunicado da fabricante alemã.

A Azul e a Lilium consideram que o fato de o mercado brasileiro de viagens aéreas ser bem consolidado pode facilitar a nova modalidade de viagens. A rede regional deve ser montada dentro de dois a três anos. A primeira aeronave deve ser construída no próximo ano.

Ajuda também o fato de o Brasil atualmente ser um dos maiores mercados de helicópteros do mundo. Porém, segundo a Lilium, os custos operacionais de um eVTOL representam apenas um quinto dos custos operacionais de um helicóptero.

Após os testes de voo e aprovação em 2024, o serviço comercial com o eVTOL deve ser lançado inicialmente na Flórida e na Alemanha.

Nas últimas duas semanas, outras duas empresas do crescente setor de táxi aéreo já haviam anunciado transações semelhantes. A americana United Airlines encomendou 200 máquinas da startup californiana Archer, enquanto a American Airlines, a Virgin Atlantic e a empresa de leasing Avolon contrataram a British Vertical Aerospace para produzir até mil aeronaves. Além disso, dois operadores de helicópteros encomendaram 200 táxis aéreos da brasileira Embraer.

A Lilium foi fundada em 2015 por um grupo de graduados da Universidade Técnica de Munique, entre eles o presidente-executivo da empresa, Daniel Wiegand. A empresa, com sede em Oberpfaffenhofen, perto de de Munique, possui mais de 600 funcionários. Ao contrário da maioria dos outros fabricantes de táxis aéreos, a Lilium não aposta em conexões aéreas dentro de uma cidade ou metrópole, mas em rotas regionais.

Por Deutsche Welle
pv (ots)

Jatinho cai perto da pista do aeroporto da Pampulha

Aeronave caiu dentro dos limites do aeroporto (Corpo de Bombeiros/Reprodução)

Um avião de pequeno porte caiu hoje (20) no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte. De acordo com o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, as causas, até o momento, apontam para um problema na abertura do trem de pouso da aeronave. O avião saiu da pista após o pouso de um voo de teste.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, três pessoas estavam a bordo. Uma vítima já está fora do avião e teve escoriações. Outras duas continuam na aeronave. Os bombeiros estão tentando acessar a parte frontal da aeronave para retirá-las da estrutura.

De acordo com a Infraero, a pista de pouso e decolagem do aeroporto ficou interditada entre 13h55 e 14h29. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) foi acionado e está investigando o acidente.

Tráfico em jatos executivos é alvo de investigação da PF

(PF/Reprodução)

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã de hoje (12) a Operação Flight Level, que apura o crime de tráfico internacional de drogas por meio de jatos executivos. Os alvos da investigação também são suspeitos de lavagem de dinheiro e de integrar organização criminosa.

De acordo com a PF, as investigações tiveram início em outubro de 2020, após ter sido apreendido no Aeroporto Internacional de Lisboa um avião executivo brasileiro que teria partido de Belo Horizonte com 175 quilos de cocaína a bordo.

Ao todo, 90 policiais cumprem dois mandados de prisão preventiva e 20 mandados de busca e apreensão. As diligências são cumpridas em Belo Horizonte, Lagoa Santa (MG), Rio de Janeiro, São Paulo e Goiânia.

A 11ª Vara Criminal Especializada de Minas Gerais autorizou ainda o bloqueio de contas de 29 pessoas físicas e jurídicas e o sequestro de 15 veículos, cinco imóveis e oito aeronaves, bem como a suspensão de atividades de seis empresas.

Ainda segundo a PF, além dos responsáveis pelas aeronaves, o esquema contava com a participação de laranjas e fantasmas para ocultação de bens. O órgão estimou que a operação desta segunda-feira (12) provocou um prejuízo de R$ 30 milhões ao crime organizado.

Por Agência Brasil

Boeing recomenda suspensão de voos com 777 após explosão de turbina

O fabricante norte-americano Boeing recomendou hoje (22) a suspensão dos voos de 128 aviões do modelo 777, um dia após incêndio no motor de um aparelho em pleno voo, no estado do Colorado.

“Enquanto a investigação [das autoridades] está em curso, recomendamos suspender as operações dos 69 aviões 777 em serviço e dos 59 em armazém com motores Pratt & Whitney 4000-112”, disse a empresa em comunicado.

No sábado (20), um Boeing 777-220 da companhia norte-americana United Airlines, que decolou de Denver, no Colorado, com destino a Honolulu, no Hawaí, com 231 passageiros e dez membros da tripulação, foi forçado a regressar ao aeroporto de onde partiu, depois de o motor direito se incendiar em pleno voo.

O avião aterrissou em segurança no aeroporto de Denver e nenhum dos ocupantes ficou ferido.

Imagens filmadas por um passageiro do voo UA328 mostram o motor direito em chamas, com a fuselagem destruída. Partes do motor caíram numa área residencial, sem no entanto provocar feridos.

Nesse domingo (21), o regulador norte-americano para a aviação exigiu inspeções urgentes aos aviões Boeing 777 equipados com o mesmo tipo de motor.

“Depois de consultar a minha equipe de peritos em segurança aérea, relativamente à falha de motor de ontem [sábado] num avião Boeing 777 em Denver, pedi que emitissem uma diretiva de navegabilidade de emergência que exija inspeções imediatas ou minuciosas de aviões Boeing 777 equipados com alguns motores Pratt & Whitney PW4000”, escreveu um representante da Administração para a Aviação Federal (FAA, na sigla em inglês), Steve Dickson, na rede social Twitter.

“Isso significará provavelmente que alguns aviões serão retirados de serviço”, acrescentou.

(Reprodução)

O representante da FAA disse que uma análise preliminar dos dados de segurança revelou a necessidade de verificações adicionais do tipo de motor afetado.

“Com base em informações iniciais, concluímos que o intervalo entre inspeções deve ser encurtado para as pás ocas do ventilador, que são exclusivas desse tipo de motor, utilizadas apenas nos Boeing 777”, explicou o funcionário.

Na sequência do incidente, a United Airlines decidiu retirar do ar 24 aparelhos Boeing 777.

A Japan Airlines (JAL) e a All Nippon Airways (ANA) anunciaram igualmente a imobilização de 13 e de 19 aviões desse tipo, respectivamente.

Segundo órgãos de comunicação norte-americanos, as únicas companhias aéreas que utilizam esse modelo estão nos Estados Unidos, no Japão e na Coreia do Sul.

O fabricante norte-americano Boeing teve graves problemas nos últimos anos com outro dos seus modelos, o 737 MAX, que esteve imobilizado durante 20 meses devido a dois acidentes que deixaram 346 mortos em seis meses.

Um aparelho daquele tipo sofreu um acidente num voo da Ethiopian Airlines, em março de 2019, que deixou 157 mortos, e numa viagem da Lion Air, na Indonésia, em outubro de 2018, que fez 189 mortos.

Os voos comerciais do Boeing 737 MAX foram retomados em dezembro de 2020, primeiro no Brasil e depois nos Estados Unidos e no Canadá, com o primeiro voo comercial na Europa realizado em 17 de fevereiro pela companhia aérea belga TUI fly.

Por RTP

Portugal suspende voos vindos do Brasil

Aeronave A330neo da TAP (Divulgação)

O governo de Portugal anunciou nesta quarta-feira (27/01) que decidiu suspender os voos entre o país e o Brasil, a partir de 0h de sexta-feira, devido à evolução da pandemia nos dois países e à detecção de novas variantes do coronavírus. A medida deve durar pelo menos duas semanas.

“Até ao dia 14 de fevereiro, estão suspensos todos os voos, comerciais ou privados, de todas as companhias aéreas, de e para o Brasil. As regras agora estabelecidas são igualmente aplicáveis aos voos de e para o Reino Unido”, declarou o Ministério da Administração Interna de Portugal, em comunicado. 

O governo português justificou a suspensão dos voos citando a evolução da situação epidemiológica no mundo, o aumento dos casos de infeção por SARS-CoV-2 em Portugal e a detecção de novas cepas do vírus.

Em 15 de janeiro, o Reino Unido havia proibido voos entre o país e Portugal. Na ocasião, os britânicos citaram, entre outros motivos, que o país lusitano ainda mantinha rotas abertas com o Brasil. A decisão provocou reclamações do governo português.

A medida anunciada por Portugal nesta quarta-feira prevê exceções para voos de natureza humanitária de repatriamento de cidadãos portugueses e membros das respectivas famílias, bem como de titulares de autorização de residência em Portugal.

Nesses voos de caráter humanitário poderão também embarcar cidadãos de países da União Europeia, cidadãos de Estados associados ao Espaço Schengen e às respectivas famílias, além de cidadãos de países terceiros com residência legal num Estado-membro da União Europeia.

O ministério ainda aponta que todos cidadãos têm de apresentar, no momento da partida, um teste com resultado negativo para coronavírus realizado nas 72 horas anteriores à hora do embarque. 

Além disso, após a chegada, os viajantes precisam cumprir uma quarentena obrigatória de 14 dias em seu domicilio ou em local indicado pelas autoridades de saúde.

Portugal registou nesta quarta 293 mortes relacionados com a covid-19, um novo recorde diário desde o início da pandemia. Ao todo, o país, que tem 10 milhões de habitantes, já registou 669 mil casos positivos da doença. Desses, quase 173 mil estão ativos. A covid-19 causou ainda 11 mil mortes em Portugal.

Por Deutsche Welle

jps/cn (Lusa, ots)

Voos da África do Sul são proibidos no Brasil

(Paulo Pinto/Fotos Públicas)

Voos internacionais com destino ao Brasil que tenham origem ou passagem  pela África do Sul estão temporariamente proibidos. A medida foi publicada em uma portaria do governo federal nesta terça-feira (26). Entre outros motivos, a decisão foi tomada para evitar a variante do novo coronavírus. Voos com origem ou passagem pelo Reino Unido também continuam proibidos de entrar no país. 

Também está suspensa, em caráter temporário, a autorização de embarque para o Brasil de viajantes estrangeiros procedentes ou com passagem pelo Reino Unido e pela África do Sul nos últimos 14 dias.

Segundo o documento, o descumprimento da medida  implicará em responsabilização civil, administrativa e penal, repatriação ou deportação imediata e inabilitação de pedido de refúgio.

A portaria foi assinada pelo ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça e pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. 

Outros viajantes de procedência internacional, brasileiros ou estrangeiros, devem apresentar antes do embarque ao Brasil, teste laboratorial RT-PCR com resultado negativo para a Covid-19. O exame precisa ser realizado nas 72 horas anteriores ao momento do embarque. 

Por TV Cultura

Israel suspende voos internacionais de passageiros

(Reprodução)

Israel vai proibir voos de passageiros de dentro e para fora do país a partir da noite de segunda-feira (25/01). A medida deve vigorar por uma semana, com o objetivo de impedir a disseminação de novas variantes do coronavírus.

“Além de raras exceções, estamos fechando o céu hermeticamente para evitar a entrada de variantes do vírus e também para garantir um progresso rápido de nossa campanha de vacinação”, afirmou o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

As fronteiras do país já haviam sido em grande parte fechadas para estrangeiros durante a pandemia, com permissão de entrada apenas para portadores de passaporte israelense.

Também neste domingo, Israel expandiu sua campanha de vacinação para incluir determinados grupos de jovens. As vacinas foram inicialmente limitadas a idosos e outras categorias de alto risco, mas agora estão disponíveis para qualquer pessoa com mais de 40 anos ou jovens entre 16 e 18 anos – com permissão dos pais.

A inclusão de adolescentes tem como objetivo “permitir seu retorno (à escola) e a realização ordenada de exames”, disse um porta-voz do Ministério da Educação. Mas o ministro da Educação, Yoav Galant, disse que ainda é muito cedo para saber se as escolas serão reabertas no próximo mês.

Israel tem a taxa de distribuição de vacinas mais rápida do mundo. Com as importações regulares de vacinas da Pfizer, administrou pelo menos uma dose a mais de 25% de sua população de 9 milhões desde 19 de dezembro, aponta o Ministério da Saúde.

O país está sob um terceiro lockdown nacional desde 27 de dezembro, que o governo planeja suspender no final de janeiro.

Por Deutsche Welle

JPS/rt/ots