Venezuela anuncia reabertura da fronteira com a Colômbia

A Venezuela vai reabrir sua fronteira com a Colômbia, disse a vice-presidente venezuelana Delcy Rodriguez em um discurso na televisão estatal nesta segunda-feira (4/10). Ao mesmo tempo, o presidente colombiano, Ivan Duque, disse em uma declaração que seu país estava disposto a iniciar “um processo ordeiro” para se abrir.

Em fevereiro de 2019, o regime de Nicolás Maduro ordenou o bloqueio da ponte internacional Simón Bolívar, que liga o país à Colômbia, assim como outras passagens de fronteira com esse país, devido a uma tentativa fracassada da oposição venezuelana de trazer ajuda humanitária, que o presidente Nicolás Maduro viu como uma tentativa de “invasão” estrangeira.

O trânsito regular já havia sido restringido desde 2015 por decisão de Maduro, que denunciou naquela ocasião uma “emboscada” de soldados venezuelanos. A partir de então, somente os pedestres podiam passar, mas em fevereiro de 2019 o bloqueio foi estendido, com a colocação de contêineres nas pontes que ligam os dois países.

“A partir de amanhã, estaremos abrindo o comércio entre nossos países”, disse a vice-presidente Delcy Rodríguez nesta segunda-feira. Antes disso, os contêineres que bloqueavam a ponte Simón Bolívar no estado de Táchira, principal passagem de fronteira entre a Venezuela e a Colômbia, foram removidos e o tráfego de pedestres começou a fluir, disse um repórter da agência de notícias AFP.

“Viemos aqui e ficamos realmente surpresos”, disse Alexis Contreras, de 42 anos, que estava caminhando de Cúcuta até a cidade venezuelana de San Antonio del Tachira. “Estávamos pensando em como passar pela trilha”, acrescentou ele, referindo-se às passagens irregulares pelas quais a maioria das pessoas estava passando.

Trânsito de carga só após avaliação técnica

O portal Migración, do ministério colombiano do Exterior, esclareceu em uma declaração que “a passagem de veículos de carga através da ponte internacional ocorrerá após validações técnicas (…) relativas à estabilidade da estrutura da ponte”.

Venezuela e Colômbia compartilham uma fronteira de mais de 2 mil quilômetros. Os contêineres, acompanhados por uma forte presença militar, haviam sido colocados em meio a um impasse sobre a entrada de alimentos e suprimentos médicos gerenciados pelo líder da oposição Juan Guaidó, que foi reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países, incluindo os Estados Unidos e a Colômbia.

Maduro, que rompeu relações diplomáticas com Bogotá por causa do reconhecimento de Guaidó pela Colômbia naquele dia, ordenou o fechamento da fronteira com o argumento de que as doações eram um pretexto para uma “invasão” americana.

O bloqueio impediu a entrada de remessas de Cúcuta em 23 de fevereiro de 2019, levando a violentos tumultos do lado venezuelano. A crise na Venezuela provocou a uma onda de emigração, com pessoas procurando refúgio em países vizinhos.

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) mais de 5 milhões de pessoas fugiram do país por causa da insegurança política, violência, falta de alimentos e remédios e serviços básicos.

Por Deutsche Welle
rw (afp, reuters)

Ex-presidente da Colômbia tem prisão decretada

A Corte Suprema de Justiça da Colômbia ordenou nesta terça-feira (04/08) que o ex-presidente e senador Álvaro Uribe seja mantido em prisão domiciliar. Ele é acusado de fraude processual e suborno de testemunhas em um caso contra um de seus maiores adversários políticos.

(Raul Arboleda/AFP)

“A privação de minha liberdade me causa uma profunda tristeza. Pela minha mulher, pela minha família, pelos colombianos que ainda acreditam que fiz algo de bom pela pátria”, escreveu o ex-presidente no Twitter, antes mesmo de o tribunal anunciar a decisão.

O caso contra Uribe, que governou o país entre 2002 e 2010, foi iniciado em 2012, após ele supostamente ter manipulado testemunhas em um processo contra o senador Iván Cepeda, do partido de esquerda Polo Democrático Alternativo (PDA).

Uribe acusou Cepeda de manter contato com paramilitares presos para que envolvessem seu nome em atividades criminosas de grupos ultradireitistas que combatiam as guerrilhas de esquerda no país.

A reviravolta no caso se deu quando um dos juízes da Corte Suprema não apenas arquivou o processo contra Cepeda, como também decidiu abrir um inquérito sobre o ex-presidente por suposta manipulação de testemunhas. Com a decisão dos juízes nesta terça-feira, Uribe se tornou o primeiro ex-presidente colombiano a receber uma ordem de prisão.

O partido Centro Democrático, que está no poder na Colômbia, expressou “grave preocupação” com a detenção de seu líder e fundador.

RC/efe/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Estado de sítio: Venezuela impõe restrição na fronteira

(Leandra Felipe/Agência Brasil)

As autoridades venezuelanas impuseram, a partir de hoje (7), o estado de sítio em três municípios que fazem fronteira com a Colômbia devido à covid-19.

A medida, que incluiu os municípios Simón Bolívar, Pedro María Ureña e San António de Táchira (estado de Táchira, a 850 quilômetros a sudoeste de Caracas) foi anunciada pelo ministro venezuelano de Comunicação e Informação, Jorge Rodríguez e o comandante-geral do Comando Estratégico das Forças Armadas Bolivarianas (Ceofanb), almirante Remígio Ceballos.

Segundo Rodríguez, o estado de sítio vai vigorar entre as 16h e as 10h horas locais e terá como objetivo impedir a entrada no país, por via terrestre, de “desertores e paramilitares”. 

As autoridades vão identificar, por meio de impressões digitais, todas as pessoas que entram no país.



De acordo com o almirante Remígio Ceballos, todas as pessoas que entrem na Venezuela deverão permanecer 15 dias em quarentena preventiva devido à covid-19.

“Estamos iniciando o estado de sítio nos municípios de Simón Bolívar, San António e Ureña, no estado de Táchira, e quem ingressar pela Ponte Simón Bolívar (que une a Venezuela à Colômbia) deve permanecer 15 dias em quarentena. Para isso, há uma articulação cívico-militar policial”, disse Ceballos à televisão estatal.

Ele explicou que foram instalados três pontos de atenção social, com observação médica permanente.

No sábado (4) e domingo, quase 600 venezuelanos deixaram a cidade colombiana de Cúcuta, por via terrestre, em direção à localidade vizinha de San Cristóbal (estado de Táchira), na Venezuela, anunciou a Migração Colômbia (MC). 

“Nas últimas horas, aproximadamente 600 cidadãos venezuelanos regressaram ao seu país pela Ponte Internacional Simón Bolívar”, informou nas redes sociais a MC. Segundo a MIgração Colômbia, esses estrangeiros, “de maneira voluntária, decidiram abandonar” a Colômbia, divididos em dois grupos, em 20 ônibus.

O primeiro grupo era composto por 50 pessoas, entre elas seis crianças. O segundo era de 337 homens, 1167 mulheres e 35 crianças e adolescentes.

“Dada a intenção dos estrangeiros de abandonar o território nacional (colombiano), a Migração Colômbia ativou um corredor humanitário sobre a Ponte Internacional Simón Bolívar, para que essas pessoas, muitas delas menores de idade, não arriscassem a vida tentando atravessar passagens não autorizadas”, acrescentou.

Segundo a MC, “os quase 600 cidadãos venezuelanos, cujo estado de saúde foi analisado pela Secretaria de Saúde de Cúcuta, foram recebidos no meio da Ponte Internacional Simón Bolívar por funcionários do Serviço Administrativo de Identificação, Migração e Estrangeiros (Saime) da Venezuela”.

Pandemia na Venezuela

A Venezuela tem 165 casos de covid-19 e 5 mortes confirmadas. 

O país está desde 13 de março em “estado de alerta”, o que permite ao Executivo tomar “decisões drásticas” para combater a pandemia.

O “estado de alerta” foi decretado por 30 dias, que podem ser prolongados por igual período.

Os voos nacionais e internacionais estão restritos no país.

Desde 16 de março os venezuelanos estão em quarentena, impedidos de circular livremente entre os 24 estados do país.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de covid-19, já infectou mais de 1,3 milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 73 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 250 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar situação de pandemia.

Por RTP – Agência pública de notícias de Portugal

Brasil fecha fronteira para mais 8 territórios da América Latina

Ponte da Amizade, na fronteira entre Brasil e Paraguai (Arquivo/Agência Brasil)

O governo federal publicou portaria hoje (19) restringindo a entrada de estrangeiros pelas fronteiras com países sul-americanos em razão da pandemia do novo coronavírus. 

Fica restrita a entrada por via terrestre de pessoas dos seguintes países: Suriname, Guiana Francesa, Guiana, Colômbia, Bolívia, Peru, Paraguai e Argentina. A limitação para a Venezuela já havia sido divulgada ontem (18). A fronteira com o Uruguai será objeto de uma portaria específica, uma vez que os dois governos ainda analisam a melhor solução.

A medida foi recomendada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em nota técnica elaborada pela equipe do órgão. A justificativa é o risco de contaminação e disseminação do novo coronavírus.



Brasileiros continuam podendo entrar no Brasil vindo dos países mencionados. Imigrantes com autorização de residência definitiva no Brasil e profissionais em missão de organismo internacional ou autorizados pelo governo brasileiro também poderão entrar no país.

Ficam permitidos também o tráfego de caminhões de carga, ações humanitárias que demandem o cruzamento das fronteiras e a circulação de cidades “gêmeas com linha de fronteira exclusivamente terrestre”.

Quem desobedecer às determinações poderá ser processado penal, civil e administrativamente, além de ser deportado e impedido de solicitação de refúgio.

Por Jonas Valente – Repórter da Agência Brasil

Falha nos freios provoca acidente em bondinho na Colômbia

(Cortesia Monserrate/Via El Tiempo/Reprodução)

Um acidente no teleleférico da montanha de Monserrate, em Bogotá, que deixou cerca de 20 feridos, um deles em estado grave. As autoridades informaram que houve falha nos freios de uma das cabines, o que causou a perda de controle. Não há relatos de mortes.

Em funcionamento desde 1929, o bondinho de Monserrate é um dos pontos turísticos mais importantes da capital colombiana. Porém, havia críticas sobre a necessidade de atualizar o sistema técnico e de fiação do teleférico.



O Corpo de Bombeiros está no local. Pelas investigações preliminares, a perda de controle foi motivada pela precipitação no momento de parar o brinquedo. Mas as causas exatas do acidente ainda estão sendo apuradas.

Os feridos receberam cuidados pré-hospitalares para pequenas lesões, enquanto os mais afetados foram transferidos para o hospital mais próximo por terem traumas cranioencefálicos após o impacto.

*Com informações da Telesur, emissora multiestatal com sede na Venezuela.