Rodízio de veículos será mantido nas férias de fim de ano

(Arquivo)

O Rodízio Municipal de Veículos em São Paulo continuará em vigor no período das festividades do Natal e do Ano-Novo e no mês de janeiro de 2021, ao contrário do que  ocorreu nos anos anteriores. Também continua valendo o rodízio de placas para veículos pesados (caminhões) e as demais restrições da Zona de Máxima Restrição à Circulação de Caminhões (ZMRC) e da Zona de Máxima Restrição ao Fretamento (ZMRF). A medida foi tomada com base nas recomendações das autoridades de saúde do município.

A restrição é válida de segunda-feira a sexta-feira, exceto feriados, e impede os veículos de circularem no chamado Centro Expandido e no Mini Anel Viário, formado pelas marginais Tietê e Pinheiros, avenidas dos Bandeirantes e Afonso D´Esccragnole Taunay, Complexo Viário Maria Maluf, avenidas Tancredo Neves e Juntas Provisórias, Viaduto Grande São Paulo e avenidas Professor Luís Inácio de Anhaia Melo e Salim Farah Maluf.

Nas segundas-feiras estão proibidos de circular veículos com placas de final 1 e 2; nas terças às de final 3 e 4; nas quartas, 5 e 6; nas quintas não circulam veículos com final 7 e 8 e nas sextas, os de placa com final 9 e 0. 

O descumprimento dessa norma implica em infração de trânsito de nível médio, resultando em multa no valor de R$ 130,16 e acréscimo de quatro pontos no prontuário do motorista.

Por Flávia Albuquerque – Repórter da Agência Brasil 

Vandalismo danifica, em média, 11 semáforos por dia

O vandalismo danificou, em média, 11 semáforos por dia no primeiro semestre deste ano na Capital Paulista, revelam dados divulgados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Segundo a Prefeitura de São Paulo, de janeiro a junho foram 2.017 ocorrências registradas.

(Arquivo/Fabio Arantes/Pref. de SP)

O município afirma que, por conta do isolamento social, furtos de fios e atos de vandalismo contra os equipamentos se tornaram mais frequentes. Trata-se de um aumento de 74% em relação ao mesmo período do ano de 2019, quando foram contabilizadas 1.157 ocorrências. 

Entre janeiro e junho, a Prefeitura reinstalou 182 quilômetros de fiação elétrica nos equipamentos alvos de dano ao patrimônio. É a distância aproximada entre São Paulo e a cidade de Aparecida, no interior paulista.

Os danos provocados por  vandalismo em um controlador pode afetar o funcionamento de até cinco cruzamentos semaforizados numa mesma região. A área central da cidade costuma concentrar o maior número de falhas por furto ou vandalismo.

Neste ano, entretanto, verificou-se um aumento significativo na Zona Leste. Vale ressaltar que a cidade de São Paulo tem o maior parque semafórico do País, com 6.567 cruzamentos e travessias com sinalização por semáforo.

Para minimizar o volume das ocorrências, a CET tem reinstalando controladores semafóricos em locais mais altos, além da concretagem e soldagem das tampas das caixas de passagem da fiação, bem como das janelas de inspeção das colunas semafóricas.

O município informou que a CET mantém conversas frequentes com a Secretaria de Segurança Pública, Polícias Civil e Militar e a Guarda Civil Metropolitana (GCM) para a adoção de medidas que combatam esse tipo de crime tão nocivo à cidade. A população pode ajudar. Ao flagrar um ato criminoso, denuncie pelo 190 ou 156.  

Locais recordistas de furtos em 2020:

– Av. Braz Leme
– Av. Abraão Ribeiro
– Av. Duque de Caxias
– R. da Consolação
– Av. do Estado
– Av. Inajar de Souza
– Av. Nagib Farah Maluf
– R. Norma Pieruccini Giannotti
– Av. Sapopemba
– Av. Oliveira Freire
– Estrada do Imperador

*Com informações da Prefeitura de São Paulo

Cai número de mortes no trânsito da Capital

Acidente na Marginal Pinheiros em junho de 2019 (TV Globo/Reprodução)

O número de mortes causadas no trânsito em 2019 na cidade de São Paulo foi de 791, o que representa uma redução de 6,8% na comparação com 2018, quando foram registrados 849 óbitos. Os dados fazem parte do relatório anual da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). 

O número de óbitos dos motociclistas foi reduzido em 18,9%, passando de 366 mortes, em 2018, para 297 no ano passado. Os números são resultados de uma série de medidas de segurança adotadas pela Prefeitura da Capital em defesa da vida de quem se desloca de moto na cidade.

Entre as medidas adotadas em prol da segurança dos motociclistas estão a restrição da circulação de motos na pista expressa da Marginal Pinheiros, sentido Castello Branco, a fiscalização com uso de radar pistola em toda a cidade e a assinatura de um termo de cooperação com as empresas de aplicativo para extinguir a bonificação atrelada ao tempo da entrega (o que, na prática, incentivava os deslocamentos em alta velocidade e o desrespeito às leis de trânsito).

Entrada do Túnel Ayrton Senna, sentido Marginal Pinheiros (Marcelo Pereira/Prefeitura de São Paulo)

“A ação da Prefeitura foi fundamental para reduzir o número total de mortes no trânsito de São Paulo, pois estamos atuando em diversas frentes ao mesmo tempo. No caso dos motociclistas, por exemplo, aumentamos a fiscalização, criamos campanhas educativas, fizemos alterações em pontos considerados críticos e estreitamos ainda mais o diálogo com as associações representativas e com as empresas para as quais os motociclistas prestam serviço”, explica o secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Edson Caram.

Outro ponto de destaque foi a expansão do programa educativo Motociclista Seguro, realizado em conjunto com a Polícia Militar. Antes realizado apenas nas marginais, eles passaram a acontecer em outros 13 pontos como Radial Leste, Ponte João Dias e Av. Aricanduva, impactando cerca de 4,5 mil motociclistas.

Vale destacar que, em 2018, os motociclistas haviam sido as maiores vítimas do trânsito (366) superando, pela primeira vez, a quantidade de pedestres mortos (349).

Os óbitos de motoristas e passageiros de veículos também tiveram queda. Foram 115 em 2018 e 104 no ano passado, redução de 9,6%.

Os dados consolidados pela CET revelam que 81% de todos os óbitos no trânsito, em 2019, foram de homens e 19%, mulheres. Entre os motociclistas, 92% dos mortos foram homens, a maioria entre 18 e 29 anos de idade. 

A predominância masculina também se dá entre os ciclistas vitimados. Das 31 mortes, 29 foram de homens, a maioria entre 30 e 59 anos de idade.

Já os idosos, a partir de 60 anos de idade, são as maiores vítimas entre os pedestres, com 72% do total de óbitos sendo do sexo masculino e 28% do sexo feminino.

Também foi possível constatar que a maior parte dos acidentes fatais ocorre de sexta-feira a domingo, tanto no período noturno como durante a madrugada.

Dentre os dez locais que registraram os maiores índices de acidentes fatais na capital em 2019, quatro deles são rodovias que não estão sob a jurisdição da Prefeitura de São Paulo. A primeira colocação, inclusive, é da Via Anhanguera (SP-330), com 21 óbitos.

Pedestres e ciclistas: os mais vulneráveis

(Arquivo/Rovena Rosa/Agência Brasil)

 Com a expressiva redução dos óbitos de motociclistas, os pedestres voltaram a ser as principais vítimas do trânsito, mesmo com uma relativa estabilidade de 349 mortos em 2018 para 359 no ano passado.

O aumento de mortes dos ciclistas, de 19 para 31, chama a atenção para uma maior conscientização geral no trânsito. Dados coletados pela CET em diversos pontos da cidade mostram que houve aumento em média de 16% no número de ciclistas circulando pela cidade de 2018 para 2019. Com mais bicicletas nas ruas, os motoristas de veículos motorizados devem estar ainda mais atentos em preservar a vida dos que estão em modais mais frágeis e dos que são mais vulneráveis no viário.

 Ações da Prefeitura de proteção no trânsito

Uma das principais iniciativas para mudar esse quadro é o programa Pedestre Seguro, que visa ampliar em 20%, em média, o tempo da travessia nos cruzamentos semafóricos. No total, 43 corredores que representam aproximadamente 900 cruzamentos já tiveram o tempo semafórico de seus cruzamentos alterado. Em 2020, outros 7 corredores passarão pela readequação.

Outro programa voltado para a segurança do pedestre é o Vias Seguras, que já existe em avenidas como M’Boi Mirim, Celso Garcia e Carlos Caldeira Filho. Já estão em fase de obras os Vias Seguras da Avenida Dona Belmira Marin e Estrada de Itapecerica. As intervenções focam a segurança dos pedestres e contemplam a readequação de cruzamentos, a ampliação da quantidade de travessias para pedestres e a colocação de novos semáforos. Ainda receberão o programa as avenidas Raimundo Pereira de Magalhães, Teotônio Vilela e Marechal Tito.

Já as chamadas Áreas Calmas estão sendo implantadas em São Miguel Paulista e em Santana. Há previsão de que Lapa de Cima, Lapa de Baixo e Centro Velho também recebam intervenções. O objetivo é melhorar a segurança com limitação da velocidade em 30 km/h, estreitamento de vias, lombadas e faixas elevadas, sinalização horizontal e vertical, melhoria das calçadas, adequação e implantação de semáforos.

Transporte 

A SPTrans passou a identificar com adesivos nas laterais dos ônibus os pontos considerados “cegos” durante as manobras no trânsito. Esse novo elemento na identidade visual dos coletivos chama a atenção para os mais vulneráveis no trânsito, ou seja, motociclistas, pedestres e ciclistas.

Já os operadores do transporte público participam do programa Viagem Segura, que inclui itens como condução segura, prevenção de acidentes, postura profissional e respeito aos passageiros.

Como a maior proteção aos ciclistas está na existência de uma malha cicloviária segura e eficiente, a Prefeitura está construindo 173 km de conexões e requalificando outros 310 km dessas estruturas, um investimento de R$ 325 milhões que vem acompanhado de um projeto de recapeamento de R$ 250 milhões do programa Asfalto Novo. Assim, a cidade passará dos atuais 503 km de malha cicloviária para 676 km até o fim de 2020.

O modelo adotado pelo Plano Cicloviário traz mais segurança e qualidade para os usuários com sinalização com tinta antiderrapante, aplicação de tachão a cada metro e manutenção de guias e sarjetas.

As novas conexões vão permitir que a população acesse de forma mais fácil terminais de ônibus, trens, metrô, escolas, parques e postos de saúde. O objetivo é ligar diferentes modais, permitindo que o início e o fim de um deslocamento sejam realizados por bicicleta.

Para quem quiser aprender boas práticas na condução de bicicletas, a CET oferece gratuitamente o curso Pedalar com Segurança, que tem duração de oito horas e é realizado em um único dia. Em 2019, 284 ciclistas fizeram o curso, sendo 85 na modalidade presencial e 199 pela internet. Os interessados precisam ser maiores de 16 anos de idade e se cadastrar para receber mais informações pelo e-mail [email protected].

 Relatório anual

O relatório anual completo da CET traz um maior detalhamento dos dados já apresentados e o cruzamento com os registros da Secretaria Municipal da Saúde, resultando em informações relevantes sobre a gravidade dos acidentes, tempo de internação e o custo dos acidentes de trânsito para o poder público.

*Com informações da Prefeitura de SP

Justiça nega liminar e super-rodízio está mantido

(Prefeitura de SP/Reprodução)

A juíza Celina Kiyomi Toyoshima, da 4ª Vara da Fazenda Pública da Capital, negou pedido de liminar para suspender o super-rodízio, restrição de veículos ampliada esta semana em São Paulo. A decisão da prefeitura de implantar novo formado para o rodízio é para pressionar os paulistanos a ficar em casa.

A ação popular foi proposta pelos advogados do vereador Fernando Holiday.

“Não há, em princípio, vício formal na edição do Decreto nº 59.402/2020, não cabendo ao Poder Judiciário se imiscuir nas diversas medidas que estão sendo adotadas pelo Poder Público para contenção do alastramento da pandemia mundial do novo coronavírus (Covid-19), que têm sido baseadas nas orientações proferidas pelos órgãos sanitários, Ministério da Saúde e Organização Mundial da Saúde”, afirmou a magistrada.

O novo formato que restringe circulação de carros na Capital vale durante 24 horas por dia, inclusive na madrugada, todos os dias da semana e em todas as regiões da cidade. 

O super-rodízio determina que nos dias pares do mês somente poderão circular os veículos com placa final par. Já nos dias ímpares do mês circulam aqueles com final ímpar. A exceção é o dia 31/05, quando todos os veículos poderão circular.

Os motoristas que descumprirem as novas regras serão autuados de acordo com Código de Transito Brasileiro, com 4 pontos no prontuário CNH e multa de R$ 130,16. Será aplicada uma multa por dia para o mesmo veículo, independentemente da quantidade de vezes em que houver, no mesmo dia, desobediência à restrição.

Profissionais de saúde e algumas categorias incluídas no decreto podem pedir isenção do rodízio.

Efeitos

Segundo a medição feita para Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), com o super-rodízio, a capital paulista teve redução no trânsito. Na segunda-feira (11), o pico de 1 quilômetro de engarrafamento às 8h30. Na segunda-feira (4) passada, foram 11 quilômetros de congestionamento na cidade entre as 8h e as 9h.

A lentidão também caiu: foram 11 quilômetros entre as 8h e as 9h de hoje. Na última segunda-feira, a cidade registrou 21 quilômetros de lentidão no mesmo horário.

Porém, a prefeitura informou que teve que colocar em circulação 489 dos 600 ônibus extras distribuídos pela cidade para evitar aglomerações no transporte público como reflexo do

Cabe recurso da decisão que negou a liminar para suspender o super-rodízio.

*Com informações do TJ-SP e da Agência Brasil

Super-rodízio reduz congestionamentos na Capital

Trânsito no começo da tarde na Avenida Dr. Abrahão Ribeiro, acesso para a Avenida Pacaembú

Os congestionamentos diminuíram no primeiro dia do novo rodízio na cidade de São Paulo. Segundo a medição feita para Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a capital paulista teve o pico de 1 quilômetro de engarrafamento às 8h30 desta segunda-feira (11). Na segunda-feira (4) passada, foram 11 quilômetros de congestionamento na cidade entre as 8h e as 9h.

A lentidão também caiu: foram 11 quilômetros entre as 8h e as 9h de hoje. Na última segunda-feira, a cidade registrou 21 quilômetros de lentidão no mesmo horário.

Porém, a prefeitura informou que teve que colocar em circulação 489 dos 600 ônibus extras distribuídos pela cidade para evitar aglomerações no transporte público como reflexo do novo rodízio.

O rodízio de veículos estava suspenso na capital paulista desde março, quando teve início a quarentena por causa da pandemia gerada pelo novo coronavírus. No entanto, na sexta-feira (7), o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, anunciou a volta e ampliação da restrição de veículos circulando na cidade como ação para conter a disseminação do coronavírus na cidade.

Normalmente, a restrição valia para um dia da semana para cada veículo. No novo esquema, os veículos com placa com número final par só podem circular nos dias do mês pares. Os veículos com placa de final ímpar, nos dias ímpares.

Diferentemente do rodízio normal, a restrição vale também para os fins de semana e durante todo o dia, não apenas nos horários de pico, como no sistema que já existia. Assim, cada veículo pode circular dia sim, dia não. No dia 31 de maio, ambos finais de placa estarão liberados para rodar.

Os carros que descumprirem as novas regras serão autuados de acordo com o Código de Transito Brasileiro, com perda de quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e pagamento de multa no valor de R$ 130,16.

Serviços essenciais

Para os profissionais que prestam serviços considerados essenciais – como os serviços funerários, de segurança, o dos profissionais de imprensa e principalmente da área da saúde, a prefeitura criou um canal de comunicação, onde eles serão cadastrados para poder circular pela cidade, independentemente do número da placa do seu veículo. Conforme publicado na edição de sábado (9) do Diário Oficial, os profissionais isentos do rodízio, segundo o Decreto nº 59.283/20, devem fazer pedido por e-mail.

Os táxis e veículos de transporte coletivo podem circular normalmente, em quaisquer dias da semana. Os motoristas de aplicativos, no entanto, terão que respeitar o novo rodízio.

A restrição de circulação de veículos exclui os serviços de socorro de incêndio e salvamento, os de polícia, os carros de fiscalização e operação de trânsito, assim como as ambulâncias. Também estão isentos os serviços de guincho e motocicletas.

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil 

Super-rodízio já está valendo e vai durar 24 horas por dia

(Prefeitura de SP/Reprodução)

Começou a valer às 0h de hoje (11) o super-rodízio de veículos da capital paulista, medida criada pela Prefeitura para reduzir a circulação de pessoas na cidade, por causa do Coronavírus. O novo formato de restrição vai valer durante 24 horas por dia, inclusive na madrugada, todos os dias da semana e em todas as regiões da cidade.

O super-rodízio determina que nos dias pares do mês somente poderão circular os veículos com placa final par. Já nos dias ímpares do mês circulam aqueles com final ímpar. A exceção é o dia 31/05, quando todos os veículos poderão circular.

Os motoristas que descumprirem as novas regras serão autuados de acordo com Código de Transito Brasileiro, com 4 pontos no prontuário CNH e multa de R$ 130,16. Será aplicada uma multa por dia para o mesmo veículo, independentemente da quantidade de vezes em que houver, no mesmo dia, desobediência à restrição.

Cadastro profissionais

Para garantir o livre deslocamento dos profissionais que prestam serviços considerados essenciais durante o super-rodízio, a Prefeitura criou um canal de comunicação para a realização de cadastro com informações pessoais e do veículo que terá o benefício. Conforme publicado na edição de sábado (9), do Diário Oficial, os profissionais isentos devem fazer pedido pelo e-mail [email protected]

A partir desta segunda-feira (11) também será possível fazer o cadastro pelo Portal 156, no site https://sp156.prefeitura.sp.gov.br. Para realizar o cadastro, é necessário clicar na área “Trânsito e Transporte” e, em seguida, na opção “Rodizio de Veiculos (coronavírus) – Cadastrar veículos para isenção durante a pandemia”.

A empresa ou instituição na qual o profissional presta serviço deve preencher a planilha em Excel seguindo o passo a passo descrito na portaria SMT.GAB nº93 de 8 de maio de 2020. Formulários em outros formatos ou fora do padrão descrito na portaria serão desconsiderados.

Dentre os profissionais que têm o direito à isenção e ficam livres do super-rodízio estão os que prestam serviço na área da saúde, servidores que exercem atividades de segurança e fiscalização administrativa, servidores e contratados do serviço funerário e da assistência social e profissionais de órgãos de imprensa. Em alguns casos, como o de jornalistas, o cadastro também pode ser feito por autônomos, mediante documento ou comprovação do exercício da atividade. A lista completa de excepcionalidades está disponível no decreto publicado no Diário Oficial.

O cadastro é autodeclaratório e as informações são de responsabilidade do interessado sob pena de crime por falsidade ideológica.

Como as novas regras passam a valer hoje (11), o requerimento enviado em até 10 (dez) dias corridos do início da restrição, terão seus efeitos retroagidos. O requerimento enviado após este período, ou seja, a partir do 11º dia corrente de vigência da restrição, terão sua validade a contar da data do recebimento do requerimento.

*Com informações da Prefeitura de SP

Marginal Tietê terá interdições esta noite

Marginal Tietê perto da Ponte da Casa Verde (SP Agora)

A Marginal Tietê será interditada a partir das 23h de hoje (9) até às 4h de terça-feira (4). As interdições, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), vão ser necessárias para obras de manutenção da vida, a mais importante de São Paulo.

Durante o trabalho, o trânsito será direcionado para a pista local. Agentes da CET vão monitorar a situação.



Veja abaixo os trechos que terão o trânsito bloqueado.

Interdições

• Marginal Tietê, sentido Castelo Brancopista expressa, entre a ponte Doutor Miguel Arraes (Ponte Aricanduva), até ponte Governador Orestes Quércia;
• Marginal Tietê, sentido Castelo Branco, pista central, entre a ponte Presidente Jânio Quadros (Ponte da Vila Maria) e ponte Jornalista Walter Abraão (Ponte Casa Verde).

Liberado acesso da Rua da Consolação para Radial

Foi liberado para o trânsito o acesso que liga a Rua da Consolação à Ligação Leste-Oeste, continuação da Radial, na área central de São Paulo. O quarteirão ficou mais de 24 horas interditado por causa de um caminhão que entalou no túnel debaixo da Praça Franklin Roosevelt.

Na madrugada de ontem (5), um motorista ignorou a sinalização, que proíbe passagem de caminhões no local, e acessou a via. Quando já estava dentro do túnel, a caçamba do caminhão levantou e atingiu a estrutura.

O motorista ficou ferido e chegou a ser levado para o hospital. Por causa do acidente, o quarteirão ficou bloqueado e o trânsito na região deu um nó, principalmente no fim do dia.

Foi preciso escorar a estrutura do túnel para retirar o caminhão. O veículo foi removido pela Companhia de Engenharia de Tráfego na madrugada de hoje (6).

Após a remoção das escoras, a via foi liberada por volta de 9h da manhã.

Acesso da Rua da Consolação para Radial segue interditado

O acesso da Rua da Consolação para a ligação Leste-Oeste, na região Central de São Paulo, segue interditado há mais de 24 horas. Durante a madrugada, o caminhão foi retirado do local, mas ainda há obras no local.

O viaduto foi escorado e operários trabalham para reconstruir a viga atingida pelo caminhão. Ainda não há prazo para que a liberação da via.

O acidente foi na madrugada de ontem (5) quando a caçamba do caminhão levantou ao passar pelo trecho. Ainda não se sabe porque a caçamba foi acionada.



O acesso, que tem trânsito proibido para caminhões, passa por baixo da Praça Franklin Rosevelt.

Opção

A opção para quem desce a rua da Consolação e pretende seguir para a Zona Leste da Capital é seguir reto por mais 150 metros, entrar à esquerda na Rua Rêgo Freitas, depois novamente à esquerda na rua General Jardim e, por fim, à esquerda na Amaral Gurgel – continuação da ligação Leste-Oeste.

Caminhão entala no acesso à Radial Leste e interdita trânsito

Interligação entre a Rua da Consolação e a Radial Leste (Reprodução)

Um caminhão caçamba entalou debaixo da Praça Franklin Roosvelt, no acesso da Rua da Consoloção para a ligação Leste-Oeste. O acidente aconteceu durante a madrugada de hoje (5) e o local permanece interditado.

O motorista do caminhão só conseguiu sair pela porta do passageiro. Ele sofreu ferimentos leves e precisou levar pontos na boca, segundo informou o Bom Dia São Paulo, da TV Globo.

O local do acidente tem trânsito proibido para caminhões. Agentes da CET e da PM estão no local, e não há previsão de liberação. A estrutura do túnel, que passa por debaixo da praça, ainda vai ser avaliada.

Opção



A opção para quem desce a rua da Consolação e pretende seguir para a Zona Leste da Capital é seguir reto por mais 150 metros, entrar à esquerda na Rua Rêgo Freitas, depois novamente à esquerda na rua General Jardim e, por fim, à esquerda na Amaral Gurgel – continuação da ligação Leste-Oeste.