Capital decreta Emergência por causa da Covid-19

(Roberto Parizotti/Fotos Públicas)

A prefeitura de São Paulo decretou hoje (17) situação de emergência para o enfrentamento da epidemia decorrente do novo coronavírus.  Publicado no Diário Oficial da cidade, o decreto autoriza a dispensa de licitação para aquisição de bens e serviços destinados ao enfrentamento da emergência.

A norma autoriza ainda o regime de teletrabalho, mais conhecido como home office ou trabalho de casa, “no curso do período de emergência, à critério e nas condições definidas pelo titular do órgão da Administração Direta, Autarquias e Fundações, para servidores cujas atribuições, por sua natureza e meios de produção, permitam a realização do trabalho remoto, sem prejuízo ao serviço público”.

Também fica autorizada a reorganização da jornada de trabalho dos servidores, permitindo que o horário de entrada ou saída, ou ambos, recaiam fora dos horários de pico do sistema de transporte público da capital, se possível em turnos.



Os postos de atendimento da prefeitura só funcionarão para serviços que não podem ser solicitados via telefone 156 e deverão ser agendados previamente. Os velórios serão permitidos com até 10 pessoas por sala.

Na área da saúde, nenhum profissional poderá tirar férias nos próximos 60 dias. Entre as outras medidas estão: início da vacinação contra a gripe para idosos no dia 23; viabilização de 490 novos leitos de UTI na rede pública, divididos da seguinte forma: reorganização da rede municipal com 190 novos leitos em até 20 dias e outros 300 financiados pelo Ministério da Saúde em até 50 dias. Já na área da educação, as aulas serão interrompidas gradualmente.

Na área cultural, os alvarás já concedidos para eventos públicos serão cancelados e não serão autorizados novos alvarás para eventos.

O rodízio municipal de veículos também está suspenso. Os ônibus do transporte coletivo da cidade serão lavados, com água sanitária, a cada término de viagem. Os parques permanecerão abertos, mas sem a realização de eventos.

Por Ludmilla Souza – Repórter da Agência Brasil 

Ouro Preto: Risco em barragem ativa plano emergencial

Por Cristina Indio do Brasil

(CMBH/Reprodução)


A Vale acionou, de forma preventiva, o protocolo de emergência em Nível 1 da Barragem Forquilha IV, na Mina Fábrica, em Ouro Preto (MG). De acordo com a companhia, conforme acordo com a Agência Nacional de Mineração (ANM) a medida não impõe evacuação da população a jusante (direção da água à foz) da barragem.

A decisão, divulgada hoje (31) pela Vale, foi tomada a partir de uma avaliação da própria companhia e acertada com órgãos de fiscalização externos. Foi identificada uma anomalia na barragem durante inspeção de rotina.

“Com os fatos novos observados, a expectativa é que se torne negativa a Declaração de Condição de Estabilidade (DCE) da estrutura. A Barragem Forquilha IV não recebe rejeitos desde fevereiro deste ano”, informou a Vale em nota.

A empresa informou ainda que o acionamento do Nível 1 da Barragem Forquilha IV “não impacta o plano de produção de 2019, sendo certo que o plano de retomada da produção paralisada de, aproximadamente, 50 milhões de toneladas permanece inalterado, conforme apresentado no Relatório de Desempenho da Vale do 3T19, uma vez que este não prevê a disposição de rejeitos na estrutura nos próximos anos”.