Testagem revela 16% dos alunos da rede municipal contaminados pela Covid-19

Pesquisa feita a partir da testagem de alunos da rede municipal de ensino de São Paulo indicou que 16,1% das crianças e adolescentes entre 4 e 14 anos foram infectados pelo novo coronavírus e contraíram a doença. O percentual é maior do que entre a população geral da capital paulista que, segundo o estudo divulgado na semana passada, tem 10,9% de pessoas que já foram contaminadas pelo vírus.

A pesquisa divulgada hoje (18) pela prefeitura foi realizada a partir de exames para indicar a presença de anticorpos em 6 mil dos 676 mil estudantes da rede de ensino municipal. Os jovens foram divididos em três grupos por faixa de idade: de 4 a 5 anos; de 6 a 10 anos; de 11 a 14 anos. O percentual dos que tiveram contato com o vírus variou de 16,5%, entre os mais jovens, a 15,4%, para os mais velhos.

A pesquisa também mostrou que os alunos negros foram significativamente mais contaminados, com um percentual de 17,8% de crianças e adolescentes pretos e pardos que tiveram o vírus. Entre os estudantes brancos, o índice ficou em 13,7%.

Assintomáticos

Cerca de dois terços (64,4%) dos jovens que foram contaminados pelo coronavírus não desenvolveram os sintomas.

As famílias da maioria dos alunos informaram que aderiram completamente ao isolamento social (74,1%) e 24,1% disseram que cumpriram parcialmente as medidas para evitar o contágio com o vírus. Menos de 2% disse não ter seguido as recomendações.

O estudo mostra ainda que 25,9% dos jovens da rede municipal tem contato com pessoas com mais de 60 anos, grupo de risco para a covid-19.

Volta às aulas

Para o prefeito Bruno Covas, os resultados mostram que não é possível retornar às aulas em setembro, seja na rede pública, seja nas particulares. Segundo Covas, novas pesquisas serão feitas para avaliar a possibilidade da retomada do ensino presencial em outubro.

“O retorno das crianças às aulas seria temerário em um momento como esse, em que estamos controlando a doença na cidade de São Paulo. É muito mais complicado manter o distanciamento social dentro da sala de aula, dentro da escola, do que em bares restaurantes e outros estabelecimentos já autorizados ao retorno”, justificou.

Na avaliação de Covas, as dificuldades em manter o distanciamento dentro das escolas e o alto percentual de jovens que não desenvolvem os sintomas faz com que as crianças e adolescentes aumentem o risco de circulação do vírus. “Nesse momento, a volta às aulas representaria um grande vetor de disseminação e ampliação da doença na cidade”, enfatizou.

A prefeitura pretende fazer uma nova pesquisa envolvendo também os alunos de escolas particulares e da rede estadual na capital paulista.

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil

Alunos de escola pública de SP são premiados por aplicativo inovador

Flávia Albuquerque/Agência Brasil

(Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Um projeto desenvolvido por cinco alunos de escola pública de São Paulo venceu o primeiro programa educacional Startup Varejo, desenvolvido para bairros da zona norte, na área de tecnologia e empreendedorismo dedicados ao setor. O grupo criou o aplicativo Serv Pet e receberá como prêmio a mentoria de pré-aceleração profissional, prestada por consultoria de inovação social Ideias de Futuro.

O Serv Pet é um aplicativo que oferece entrega de refeições frescas e balanceadas para animais de estimação como alternativa ao consumo restrito de rações industrializadas. As refeições têm o aval de médicos veterinários e nutricionistas e a ideia é propor  praticidade ao dono e qualidade de vida aos animais. Com a premiação, os estudantes terão a chance de desenvolver ainda mais o projeto e até mesmo lançar a startup e o aplicativo

Durante três meses, 140 alunos de quatro escolas da rede pública da zona norte desenvolveram projetos de startups para apresentar soluções ao varejo. Sete projetos disputaram a final. Os projetos consistiram em soluções criativas para o setor nos segmentos de alimentação, serviços temporários, trocas de livros, e uma consultoria online para microempreendedores.



“O grande objetivo aqui é usar o programa para exercitar e desenvolver competências empreendedoras nos alunos, ao mesmo tempo em que eles possam ter uma experiência de criadores de tecnologia e não apenas de usuários. Isso tudo dentro da temática de  desafios e oportunidades que o comércio e o varejo oferecem hoje em dia. O setor é a principal porta de entrada dos jovens no mercado de trabalho. Então, aliar tudo isso é o grande diferencial desse projeto”, disse o diretor de operações da consultoria Ideias de Futuro, Oswaldo Cruz.

Segundo Cruz, os vencedores terão um dia inteiro de visitação a vários centros de tecnologia e inovação da capital paulista, para conhecer os locais e ter contato com as pessoas que trabalham nos ambientes. “O grupo também ganhará quatro meses de pré-aceleração profissional da Ideias de Futuro para ter a chance de desenvolver os projetos.”

De acordo com a responsável pelo Instituto Center Norte, um dos parceiros do projeto, Daniela Pavan,  a ideia é apoiar ações e iniciativas em sintonia com estratégias dos negócios e inovação social, voltadas para o empreendedorismo e a mobilidade. “Acreditamos no ambiente de aprendizagem que cria formas para pessoas e instituições conseguirem soluções capazes de melhorar a vida na região em que vivem.”

Este foi o primeiro ano em que o programa foi desenvolvido e já há planos de ampliá-lo para outras escolas públicas da região, no próximo ano. “Já estamos pensando em como dar sequência e ampliar esse projeto para trazer a cultura de sustentabilidade e inovação para a zona norte, como uma grande força de transformação social”, disse Pavan.

Participaram da final, no Expo Center Norte, as plataformas digitais Food Back, que registra as impressões dos clientes de restaurantes encaminhadas aos proprietários para a realização de melhorias; I Force, consultoria para pequenos negócios expandirem sua atuação; I need 2 eat, que estimula o hábito de valorizar as refeições fora de casa para encontrar amigos e familiares; Hungry moving, que reduz o tempo de espera, entre um pedido e a entrega, oferecendo ao consumidor a possibilidade de escolher e fazer seu pedido, antes de sair de casa); Bicos Parati, que conecta pessoas que oferecem e buscam serviços temporários; e Sebo Teen, de venda e troca de livros.