Com balas de chumbo no corpo, Onça-parda é salva

Por Fabíola Sinimbu

(Alexandre Marchetti/Itaipu/via Agência Brasil)

Uma onça-parda foi resgatada em Foz do Iguaçu, no Paraná, após ser encontrada desacordada na beira da estrada em situação precária, próximo à área de contenção do reservatório da hidrelétrica de Itaipu Binacional. De acordo com os veterinários, o animal foi vítima de atropelamento e tinha balas de chumbo pelo corpo, o que indica que foi alvejado por tiros há alguns meses.

Segundo o médico veterinário da equipe de Itaipu, Pedro Teles, especialista em animais silvestres, a onça encontrada é macho, com aproximadamente dois anos de idade e encontra-se na “fase de dispersão”, quando o animal se separa da mãe e precisa encontrar um território para se fixar. “Nessa idade é comum acontecer conflito com o homem, seja por atropelamento em rodovias, seja pela caça”, explica.

O resgate foi feito pela Polícia Ambiental do Paraná e a onça foi encaminhada para o hospital veterinário do Refúgio Bela Vista. Segundo Teles, o animal é da espécie Puma concolor, comum em todos os biomas brasileiros, e conhecida por nomes como suçuarana e onça-parda.

“O animal chegou até a gente em coma, sem precisar ter sido sedado, por isso já percebemos que ele havia sofrido um traumatismo craniano, ele também tinha um dos caninos fraturados e um corte no lábio que já mostrava que tinha batido com a cabeça”, conta.

(Alexandre Marchetti/Itaipu/via Agência Brasil)

Depois a equipe percebeu que a onça também tinha a pata traseira gravemente fraturada e mantinha mais de cinco projéteis de chumbo espalhados pelo corpo. “Os tiros já estavam cicatrizados, ou seja, ele havia sido alvejado há pelo menos 3 meses, e a gente só pôde perceber pela radiografia”, explica o veterinário.

Após tratamento intensivo, o animal saiu do coma e passou por uma cirurgia de mais de cinco horas para recuperar o fêmur traseiro, que recebeu 2 placas metálicas, um pino e 36 parafusos. A equipe do refúgio Bela Vista não sabia se a onça sobreviveria pela gravidade dos ferimentos, mas agora avalia uma readequação do espaço de confinamento, já que o animal começa a recuperar os movimentos.

Segundo Pedro Teles, a intenção é que o animal seja reintegrado à Mata Atlântica, na região em que foi encontrado, mas, para isso, precisará passar por mais avaliações. Também será necessária autorização dos órgãos ambientais competentes.

“Esse é um animal importante para o equilíbrio ecológico, por que é um dos animais responsáveis pelo controle de outras espécies como capivaras, quatis e cachorros do mato, além de ser um sinalizador de recuperação de áreas reflorestadas, como a que foi encontrado”, destaca.

Foragido ligado ao Hezbollah é preso pela PF

(Reprodução)

A Polícia Federal prendeu nesta nesta sexta-feira (21), na cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná, o foragido internacional Assad Ahmad Barakat. O preso teve a prisão decretada pela justiça paraguaia em no fim de agosto, pelo crime de falsidade ideológica. A prisão de Assad foi autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 19 deste mês.

De acordo com a Unidade de Informação Financeira (UIF) da Argentina, membros do Clã Barakat realizaram a compra de prêmios no valor de 10 milhões de dólares sem declarar os valores, em um cassino na cidade argentina de Iguazu, na região conhecida como Tríplice Fronteira.  A manobra teria sido feita para lavar dinheiro da organização. O governo argentino congelou bens e valores do clã, que teria ligação com o Hezbollah.

Em 2002, Assaad Barakat teve sua prisão autorizada pelo STF, que julgou um pedido de extradição efetuado pela justiça paraguaia por envolvimento em delitos relacionados à apologia ao crime, evasão de divisas e falsificação de marcas de produtos.

No ano seguinte, Assaad Barakat foi extraditado para o Paraguai, onde foi condenado a seis anos de prisão pela Comissão de Delitos de Evasão de Impostos do Paraguai. A sentença foi fundamentada em provas periciais oferecidas pelo Ministério Público, que comprovou remessas ilegais de dinheiro para o exterior.​​Em 2006, foi incluído na lista do Departamento do Tesouro dos EUA sobre indivíduos e entidades que financiam o Hezbollah na região da Tríplice Fronteira.​​Em 2008, após sua libertação, Assaad Barakat continuou vivendo no Brasil e mantendo negócios no Paraguai, Argentina e Chile.

*com informações da Polícia Federal

Quatro são presos na Régis com droga mais potente que a maconha

Droga era trazida de Foz do Iguaçu para a capital paulista (Agência PRF/Reprodução)

A Polícia Rodoviária Federal prendeu quatro homens por tráfico de drogas nesta quinta-feira (13), na rodovia Régis Bittencourt (BR-116). Eles estavam em dois carros e levam 12 quilos de skunk, uma droga também derivada da Cannabis, como a maconha, porém mais forte e mais cara que ela.

O crime foi descoberto quando uma equipe da PRF fiscalizava em Barra do Turvo, no Vale do Ribeira, e deram ordem de parada ao motorista de um Chevrolet Classic. Os policiais perceberam nervosismo dele e de outro homem, que ia como passageiro, e resolveram fazer uma fiscalização no interior do veículo. A droga foi descoberta em compartimentos no interior das portas, banco traseiro e porta-malas.

Outros dois homens participavam do transporte da droga e foram presos num segundo carro, um Honda Civic, fazendo a observação avançada ao primeiro. Eles foram descobertos após desconfiança da equipe da PRF e confirmação pelos primeiros detidos. Os homens voltaram para averiguar a demora e, na tentativa de abordagem, iniciaram fuga pela rodovia. Eles foram alcançados e dominados, ainda com alguma resistência.

A droga foi obtida em Foz do Iguaçu (PR), região de fronteira do Brasil com Paraguai e Argentina, e seria levada à capital paulista. 

Os quatro homens foram presos e levados à delegacia de Polícia Civil em Barra do Turvo, onde foram registrados os crimes de tráfico interestadual de drogas e formação de quadrilha. As penas somadas podem chegar a 33 anos de prisão.

*com informações da Agência PRF