Por questões de segurança, Doria se muda para o Palácio dos Bandeirantes

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta segunda-feira (29) que passará a morar temporariamente no Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi, na Zona Sul da capital, por questões de segurança, após protestos e ameaças que vem sofrendo.

Desde o endurecimento das medidas do Plano São Paulo no enfrentamento contra a Covid-19, grupos protestam contra Doria. O estado está na fase emergencial da quarentena, que prevê regras mais rígidas do que a fase vermelha.

Na fase emergencial, ficam suspensas celebrações religiosas e esportivas coletivas e uso de praias e parques. Alguns setores e serviços, que tinham autorização para funcionar durante a fase vermelha, foram proibidos de operar, como lojas de materiais de construção, e a retirada presencial de mercadorias e alimentos nas lojas ficou vetada também.

“Meu desprezo por estes extremistas que ameaçam a mim, a minha família e ameaçam pessoas que defendem a vida. É uma decisão difícil, mas necessária nesse momento de muita intolerância ao pensamento contraditório, de belicismo verborrágico e de cegueira ideológica”, disse o governador em comunicado.

Doria disse ainda que o “negacionismo na pandemia deixou de ser um delírio das redes sociais, provocado pela paixão política, e está se tornando algo muito mais perigoso para a vida, a ciência e a democracia”.

O governo de São Paulo já tinha se manifestado contra os protestos em frente à casa do governador. “Ao se posicionar em favor da vida e da ciência, o Governador João Doria se tornou o alvo preferencial de bolsonaristas fanáticos que ignoram a catástrofe sanitária que acontece no país. O Governo de São Paulo não se intimida e continuará a tomar decisões para proteger e salvar vidas”.

Butantan anuncia vacina 100% brasileira

João Doria, governador de São Paulo, apresenta a ButanVac (Gov. do Estado de SP)

O Governador João Doria anunciou nesta sexta-feira (26) que o Instituto Butantan, ligado ao Governo do Estado de São Paulo, iniciou o desenvolvimento e a produção-piloto da primeira vacina brasileira contra o novo coronavírus. A expectativa é que os ensaios clínicos de fases 1 e 2 em humanos com o novo imunizante comecem já em abril, após autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

“Este é um anúncio histórico para o Brasil e para o mundo. A ButanVac é a primeira vacina 100% nacional, integralmente desenvolvida e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, que é um orgulho do Brasil. São 120 anos de existência, o maior produtor de vacinas do Hemisfério Sul, do Brasil e da América Latina e agora se colocando internacionalmente como um produtor de vacina contra a COVID-19”, disse Doria.

A ButanVac será uma vacina desenvolvida e produzida integralmente no Butantan, sem necessidade de importação do IFA (Insumo Farmacêutico Ativo). Os resultados dos testes pré-clínicos realizados com animais se mostraram promissores, o que permite evoluir para estudos clínicos em humanos.

A iniciativa do novo imunizante faz parte de um consórcio internacional do qual o Instituto Butantan é o principal produtor, responsável por 85% da capacidade total, e tem o compromisso de fornecer essa vacina ao Brasil e aos países de baixa e média renda. A produção-piloto do composto já foi finalizada para aplicação em voluntários humanos durante os testes.

Para a produção da ButanVac o instituto deverá usar tecnologia já disponível em sua fábrica de vacinas contra a gripe, a partir do cultivo de cepas em ovos de galinha, que gera doses de vacinas inativadas, feitas com fragmentos de vírus mortos.

Segundo Ricardo Palacios, diretor médico de pesquisa clínica do Instituto Butantan, a nova vacina brasileira terá perfil alto de segurança. “Nós sabemos produzir a ButanVac, temos tecnologia para isso, e sabemos também que vacinas inativadas são eficazes contra a COVID-19. Poder entregar mais vacinas é o que precisamos em um momento tão crítico”, explica.

Diretor-presidente do Butantan, Dimas Covas afirma que a tecnologia utilizada na ButanVac é uma forma de aproveitar o conhecimento adquirido no desenvolvimento da CoronaVac, vacina desenvolvida em parceria com a biofarmacêutica Sinovac, já disponível para a população brasileira.

“Entendemos a necessidade de ampliar a capacidade de produção de vacinas contra o coronavírus e da urgência do Brasil e de outros países em desenvolvimento de receberem o produto de uma instituição com a credibilidade do Butantan. Em razão do panorama global, abrimos o leque de opções para oferecer aos governos mais uma forma de contribuir no controle da pandemia no país e no mundo”, afirma. Segundo ele, a parceria com a a Sinovac será mantida, e não haverá nenhuma alteração no cronograma dos insumos vindos da China.

O diretor-presidente do Butantan também afirmou que será possível entregar a vacina brasileira ainda neste ano. “Após o final da produção da vacina contra Influenza, em maio, poderemos iniciar imediatamente a produção da Butanvac. Atualmente, nossa fábrica envasa a Influenza e a CoronaVac. Estamos em pleno vapor”, afirma Dimas Covas.

A tecnologia da ButanVac utiliza um vetor viral que contém a proteína Spike do coronavírus de forma íntegra. O vírus utilizado como vetor nesta vacina é o da Doença de Newcastle, uma infecção que afeta aves. Por esta razão, o vírus se desenvolve bem em ovos embrionados, permitindo eficiência produtiva num processo similar ao utilizado na vacina de influenza. O vírus da doença de Newcastle não causa sintomas em seres humanos, constituindo-se como alternativa muito segura na produção. O vírus é inativado para a formulação da vacina, facilitando sua estabilidade e deixando o imunizante ainda mais seguro.

A pesquisa clínica em humanos do novo imunizante será realizada em conformidade com altos padrões internacionais éticos e de qualidade. Os resultados vão determinar se a vacina é segura e tem resposta imune capaz de prevenir a COVID-19.

Por Gov. do Estado de SP

Linha 5-Lilás do Metrô será ampliada até o Jardim Ângela

(Mastrangelo Reino/Gov. do Estado de SP)

O Governador João Doria e o Secretário dos Transportes Metropolitanos Alexandre Baldy participaram, na manhã desta terça-feira (23), do anúncio do início da expansão da Linha 5-Lilás até o Jardim Ângela. O projeto contempla duas estações e um terminal de ônibus. O novo trecho terá 4,33 km de extensão e a estimativa é beneficiar cerca de 130 mil moradores.

Os estudos serão iniciados com a elaboração dos projetos funcionais das obras civis e sistemas, seguido dos projetos básico e executivo. O prazo para entrega de todos estudos é de até 24 meses. A Secretaria de Transportes Metropolitanos e a ViaMobilidade, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 5-Lilás desde 2018, negociam os termos para a construção da obra.

“É muito importante que tenhamos um início breve das obras, primeiro para demonstrar que a obra de fato vai seguir seu ritmo, segundo porque em um período tão duro de pandemia, quando vem uma obra que vai ajudar a mobilidade da população mais carente, mais vulnerável a chegar mais rápido ao trabalho e a voltar logo pra casa, é uma esperança”, disse João Doria.

A Estação Comendador Sant’Anna será elevada e localizada na avenida de mesmo nome, uma região que concentra comércios, serviços e equipamentos públicos. Já a Estação Jardim Ângela, que estará próxima ao Hospital Municipal M’Boi Mirim, será subterrânea e conectada ao terminal já existente da SPTrans e ao novo terminal a ser construído, que permitirá absorver o aumento da demanda de passageiros de ônibus com a implantação da nova estação.

“Esse encontro de hoje concentra uma série de resoluções que foram feitas pelo nosso Governo. Desde o início nós encontramos alguns desafios, um dos maiores era dar aqui os passos necessários para permitir a extensão entre o Capão Redondo e o Jardim Ângela. Mas para percorrermos esse caminho existiam entraves, que hoje estão sendo vencidos”, falou Baldy

Para viabilizar o projeto, a avenida Carlos Caldeira Filho será prolongada do Capão Redondo até a Estrada do M’Boi Mirim. O trecho acompanhará o córrego Capão Redondo, que será canalizado, e terá uma pista em cada sentido, com ciclovia. Para a implantação das obras serão necessárias desapropriações e remoção de interferências.

Por Gov. do Estado de SP

Butantan entrega mais 2 milhões de vacinas

Visita ao Instituto Butantan para a liberação de novas doses de vacina
João Doria, governador de São Paulo, acompanhou entrega das doses

O Instituto Butantan entregou hoje (17) mais 2 milhões de doses da vacina contra o novo coronavírus para o Programa Nacional de Imunizações. Na última segunda-feira (15), o instituto já havia feito uma remessa de 3,3 milhões de doses do imunizante ao Ministério da Saúde.

O Butantan entregou até o momento 22,6 milhões de doses do imunizante CoronaVac, produzido em parceria com o laboratório chinês Sinovac. O cronograma prevê que, até o fim de abril, o instituto tenha disponibilizado 46 milhões de doses.

O estado de São Paulo superou ontem (16) a marca dos 4 milhões de vacinados, sendo que 1,1 milhão de pessoas receberam as duas doses necessárias para completar a imunização.

Na fase atual da campanha, estão sendo vacinadas as pessoas de 75 e 76 anos. A partir da próxima segunda-feira (22) será a vez de quem tem entre 72 e 74 anos.

Doria admite desistir da Presidência em 2022

Governador de São Paulo, João Doria (PSDB)(Divulgação)

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), admitiu pela primeira vez que poderá desistir de se candidatar à Presidência da República em 2022.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Doria afirmou que pode dar preferência à disputa de uma reeleição ao seu atual cargo em vez da tentativa inédita de chegar ao Palácio do Planalto.

“Diante deste novo quadro da política brasileira, nada deve ser descartado”, declarou o governador, que em 2018 apoiou Jair Bolsonaro, eleito presidente pelo PSL e atualmente sem partido, e rompeu com o chefe do Executivo durante a pandemia de coronavírus.

O “novo quadro” ao que se referiu Doria é a possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tentar voltar ao cargo que ocupou entre 2003 e 2010.

Na última segunda, o ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), anulou todas as condenações do petista pela Justiça Federal no Paraná relacionadas às investigações da Operação Lava Jato e, consequentemente, restabeleceu os direitos políticos do ex-presidente.

Doria recebe ameaças após implantação da fase vermelha

(Gov. do Estado de SP)

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), divulgou hoje (7), em uma rede social, que voltou a receber ameaças. Segundo a publicação, as ameaças foram dirigidas à casa do governador e à família dele.

“Bolsonaristas loucos tentam me intimidar com novas ameaças contra mim e minha família. Agora ameaçam minha casa e nossa família”, escreveu Doria.

As ameaças acontecem no primeiro fim de semana após a implantação da fase vermelha de restrição, do Plano São Paulo, para conter o avanço da covid-19. Pela medida, comércios e restaurantes não podem atender presencialmente.

Doria informou que, após as ameaças, a polícia foi mobilizada.

“Além de pedir apoio policial e tomar medidas legais, quero registrar meu repúdio a este comportamento”, disse.

Durante a semana, após o anúncio da fase mais restritiva, Doria foi alvo de protestos em diferentes locais do Estado. Na Capital, a Marginal Tietê chegou a ser bloqueada.

Protesto contra fase vermelha no Estado fecha Marginal

(Rede Social/Reprodução)

Manifestantes bloquearam, na manhã de hoje (5), a Marginal Tietê, sentido da rodovia Ayrton Senna, contra a fase vermelha de restrição. A medida anunciada pelo governador do estado de São Paulo, João Doria, é para tentar conter o avanço da Covid-19. 

Números da Secretaria Estadual da Saúde indicam que 77,4% dos leitos de UTI no Estado estão ocupados. Na região metropolitana de São Paulo o quadro é ainda pior, com 79,1% dos leitos de Unidade de Tratamento Intensivo com pacientes.

Durante o protesto, vans e caminhões estacionaram fechando as três pistas da via (expressa, central e local). Faixas contra o governador eram apresentadas. 

Esta semana, ao anunciar as medidas mais duras contra a circulação de pessoas, o governador disse que “estamos hoje, em São Paulo e no Brasil, à beira de um colapso na saúde. Isso exige medidas urgentes, coletivas”. “Exige também a sensibilidade daqueles que preferiram praticar o negacionismo, fazer aglomerações, promover festividades, não usar máscaras, ridicularizar aqueles que usam mascaras e se protegem. Não é só um problema de um governo negacionista, é também um problema de parte da população que nega existência e que se expõe, desnecessariamente, ao risco de perderem suas vidas e estimularem que outras pessoas a perder suas vidas também”, completou Doria.

A partir de amanhã (6), todo o estado entrará na fase vermelha do Plano São Paulo, e apenas serviços essenciais poderão permanecer abertos. A medida vale até o dia 19 de março e poderá ser prorrogada.

*com TV Cultura

‘Estamos à beira de um colapso na saúde’, diz Doria ao anunciar fase vermelha em todo Estado

Um dia após o Brasil registrar, em 24 horas, o maior número de mortes desde o começo da pandemia, o Governo do Estado de São Paulo anunciou que todo Estado regridirá para a fase vermelha. A nossa classificação, recomendada pelo Centro de Contingência, passa a valer a partir da zero hora de sábado (6).

“Estamos hoje, em São Paulo e no Brasil, à beira de um colapso na saúde. Isso exige medidas urgentes, coletivas”, destacou João Doria, governador de São Paulo.

Ontem (2), o Estado registrou 468 mortes pela covid-19.

“Nas últimas 24 horas, a Central de Regulação de Vagas, da Secretaria Estadual da Saúde, recebeu 901 pedidos para internação em leitos de UTI e enfermaria. Na prática, isso quer dizer que São Paulo encaminhou para internação um paciente a cada dois minutos, internados em hospitais públicos ou privados de São Paulo”, disse o governador, que criticou o Presidente da República, Jair Bolsonaro, e o Ministério da Saúde.

Doria sinalizou para a necessidade de comprometimento de cada morador para conseguir frear a transmissão da doença.

“Exige também a sensibilidade daqueles que preferiram praticar o negacionismo, fazer aglomerações, promover festividades, não usar máscaras, ridicularizar aqueles que usam mascaras e se protegem. Não é só um problema de um governo negacionista, é também um problema de parte da população que nega existência e que se expõe, desnecessariamente, ao risco de perderem suas vidas e estimularem que outras pessoas a perder suas vidas também”.

Capital mantém vacinação de idosos neste domingo

(Gov. do Estado de SP)

Os cinco drive-thru de vacinação contra COVID-19 instalados na Capital vão funcionar neste domingo (28). O anúncio foi feito pelo governador de São Paulo, João Doria, que diz tem acertado a ampliação do serviço com o prefeito Bruno Covas.

“O drive-thru tem se mostrado a melhor opção para a vacinação dos idosos”, destacou Doria.

O serviço funcionará no Pacaembú das 8h às 19h, assim como no Anhembi, Autódromo de Interlagos e Igreja Boas Novas (Vila Prudente). Na Neo Quimica Arena, do Corinthians, a imunização ocorrerá das 8h às 17h também neste domingo.

O foco é vacinar exclusivamente os idosos com idade entre 80 e 84 anos, grupo que teve o início da vacinação em São Paulo antecipado para ontem (27), três dias antes da data inicialmente indicada (1º de março, próxima segunda-feira).

Durante a semana, 474 mil doses da vacina de Oxford/Astrazeneca e Fiocruz foram distribuídas pelo governo do Estado para todas as regiões, visando à vacinação do público na faixa etária de 80 a 84 anos.

Fases da campanha em SP

(Gov. do Estado de SP)

A primeira fase da campanha de vacinação contra a COVID-19 começou com profissionais de saúde, idosos com mais de 60 anos e pessoas com deficiência com mais de 18 anos vivendo em instituições de longa permanência, indígenas aldeados e quilombolas. Este último grupo foi inserido no Plano Estadual de Imunização (PEI) de São Paulo, mas não estava contemplado no PNI (Programa Nacional de Imunizações).

O PEI também definiu o início da segunda fase para 8 de fevereiro, contemplando idosos a partir de 90 anos e também a faixa etária de 85 a 89 anos. A partir deste sábado (27) foi iniciada a vacinação dos idosos entre 80 e 84 anos.

Ontem (26), o Governador também anunciou o próximo grupo da campanha: idosos de 77 a 79 anos, que poderão receber a primeira dose a partir de 3 de março. A inclusão de novos grupos populacionais é embasada no PNI.

Vacina Já

O pré-cadastro no site Vacina Já (www.vacinaja.sp.gov.br) economiza em 90% no tempo de atendimento para imunização, que passa a ocorrer de 1 a 3 minutos. Os cidadãos que não conseguirem preencher antes de comparecer ao serviço podem também informar seus dados presencialmente. Neste caso, o tempo estimado é de dez minutos.

*Com Gov. de São Paulo

Decretado toque de recolher durante a noite em todo Estado

João Doria, governador de São Paulo (Gov. do Estado de SP/Reprodução)

O Estado de São Paulo decretou toque de recolher em todo Estado de São Paulo, entre 23h e 5h, a partir da próxima sexta-feira (26). A medida foi uma sugestão do comitê formado por médicos especialistas que orientam o Governo do Estado.

“Com recordes de internações por covid-19, o governo do Estado de São Paulo decreta a partir desta sexta-feira (26) um toque de restrição de circulação, na faixa etária de 23h e 5h da manhã, válido em todo Estado de São Paulo de 26 de fevereiro até o dia 14 de março”, disse João Doria, governador de São Paulo.

Esta semana, o Estado atingiu o maior número de pacientes internados em UTI. Segundo Doria, o número de pessoas nestas unidades chegou a 6.500.

“Nós não temos nenhuma satisfação em adotar uma medida como essa, mas temos a necessidade de aplicar essa medida para proteger vidas. Sem vidas não há consumo”.