CPTM fará viagens diretas de Jundiaí a Rio Grande da Serra

Trem da CPTM (Governo do Estado de SP)

A partir de hoje (4) a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos disponibiliza trens que vão direto de Jundiaí, ao norte da Grande São Paulo, até Rio Grande da Serra, no sudeste da região metropolitana. A mudança elimina a necessidade de baldeações na Estação Brás.

O novo percurso tem duração estimada de 2 horas e 8 minutos e percorre 31 estações, das linhas 7 – Rubi e 10 – Turquesa. Segundo o secretário estadual de Transporte Metropolitanos de São Paulo, Alexandre Baldy, a alteração atende a uma demanda antiga dos usuários do sistema. “O Serviço 710 irá atender esse pedido tão justo e importante”, enfatiza.

A mudança também deve reduzir o tempo de espera nas estações. Entre as estações Francisco Morato (Linha Rubi) e Mauá (Linha Turquesa), onde o fluxo de passageiros é maior, a previsão é que o intervalo entre os trens fique em média em 6 minutos. Nas pontas das linhas, o tempo entre uma composição e outra deve ficar em média em 12 minutos.

Por Daniel Mello, da Agência Brasil

Jundiaí: 2 mulheres trans são vítimas de violência em menos de 24h, aponta centro de apoio

O município de Jundiaí, a cerca de 60 km de São Paulo, registrou dois casos de violência contra mulheres trans em menos de 24 horas entre um e outro, nesta semana, conforme informa o Cais (Centro de Apoio e Inclusão Social de Travestis e Transexuais) da região.

Por questões de segurança e privacidade, as vítimas preferem não falar com a reportagem. Por isso, as informações são centralizadas no Cais, que as repassa por meio de sua presidente, a ativista Samy Fortes, também mulher trans.

De acordo com Samy, o primeiro caso aconteceu na quarta-feira (24/03), no centro da cidade, e vitimou a garota de programa identificada como Natasha. Segundo a ativista, o ataque foi em um dos poucos momentos em que a vítima ficou desacompanhada das colegas de trabalho.

“A orientação que passamos para as meninas, tanto trans como cis [que se identifica com gênero de nascença], é que não fiquem sozinhas, e fiquem sempre em companhia uma da outra para que não passem por assaltos, agressões, e outras coisas negativas”, explica Samy.

Natasha e as demais colegas seguem as orientações e, juntas, perceberam, no início da noite do ataque, que duas motociclistas circulavam na área onde concentra diversas garotas de programas e ficavam perguntando pelos valores dos programas.

Samy afirma que, desde o início, as mulheres desconfiaram dos motociclistas, mas não havia nenhum indício de violência até o momento que Natasha precisou deixar o local para ir buscar cigarro em um hotel.

“Quando ela estava subindo uma das ruas do centro, uma das motos apareceu do nada, na contramão, parou próximo dela e o rapaz desceu com uma faca enorme. Em seguida, agrediu, pegou a bolsa e o celular, a ameaçou e saiu. Como estava de capacete, não deu para identificar nada”, diz a presidente do Cais.

Mulher ficou com ombro ferido após ataque em Jundiaí | Foto: Divulgação/Cais

No dia seguinte, quinta-feira (25/03), a vítima foi Alicia, também na região central de Jundiaí, por volta das 17h.

“Ela saiu para pagar algumas contas no centro, e quando estava voltando para casa parou para atender o seu telefone. Enquanto parou, um Ford Ká branco se aproximou e duas mulheres que estavam no carro avisaram para ela tomar cuidado. Ela se assustou e olhou para trás para ver o que estava acontecendo, e viu um homem com pedaço de madeira vindo na direção dela”, conta Samy.

Alicia foi agredida na cabeça e no ombro antes de conseguir começar a se defender, segundo a presidente do Cais. Em seguida, ela lutou contra o agressor e se desvencilhou, derrubando e imobilizando o homem o tempo suficiente para que as outras pessoas do local acionassem a Polícia Militar.

Carro da PM que atendeu ocorrência com mulher trans | Foto: Divulgação/Cais

Quando a PM chegou, ainda de acordo com Samy, iniciou o procedimento para registrar a ocorrência e o telefone de um dos policiais tocou. “O policial se afastou um pouco, mas deu para escutar ele falando que não era nada grave, somente um traveco que apanhou no centro”, diz a ativista.

Ponte questionou a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo sobre as agressões sofridas pelas duas mulheres trans e a possível postura do policial militar no atendimento do ataque contra Alicia, mas não recebeu retorno até a publicação desta reportagem.

Por Ponte Jornalismo

PM flagra baloeiros em sítio e 11 são detidos

(Polícia Militar/Reprodução)

A Polícia Militar de Jundiaí, no interior de São Paulo, flagrou um grupo de baloeiros em um sítio, no Bairro Chapirra, na manhã de hoje (27). Segundo a PM, 11 pessoas foram detidas, além de oito veículos apreendidos.

Os policiais disseram que o grupo estava prestes a soltar o balão quando foi abordado. Uma denúncia anônima ajudou os policiais a chegar ao local.

As 11 pessoas detidas foram levadas para a delegacia de Jundiaí, que vai registrar o caso.

Cenipa

Um relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea Brasileira (FAB), estima que o Brasil tenha 100 mil balões soltos, por ano. Proibida por lei, a prática representa uma ameaça ao meio ambiente e também à aviação.

Entre 2010 e 2019, o Cenipa contabilizou pelo menos um incidente grave envolvendo balões e aeronaves, além de outros 22 eventos de risco próximos aos aeroportos. O órgão também destaca o crescimento no número de balões que carregam explosivos: pelo menos dois em cada dez (23,02%) levam fogos de artifício em sua engrenagem.

São Paulo e Rio de Janeiro são os estados que mais registram avistamentos de balões no Brasil.

Homem furta carro do gás carregado de botijões e é preso

Policiais recuperaram os botijões furtados (Reprodução)

Um homem foi preso em Jundiaí, no interior de São Paulo, ontem (14), após furtar um veículo de entrega de gás de cozinha. Testemunhas contaram aos policiais militares que o suspeito cometeu o crime enquanto o funcionário da empresa fazia uma entrega.

O suspeito aproveitou que a chave estava no contato e fugiu levando o veículo e todos os botijões de gás de cozinha que estavam na caçamba. A Polícia Militar foi chamada e rapidamente conseguiu localizar o veículo de entrega.

Todos os botijões foram recuperados. O criminoso, ao ser preso, confessou aos PMs que venderia os botijões de gás de cozinha no bairro São Camilo. Ele foi autuado em flagrante por furto.

Reabertura: Bares e restaurantes adotam novas medidas

Restaurante em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, em março, seguia medidas para distanciamento entre clientes (Arquivo/Luciano Lanes/Pref. de Porto Alegre)

Comerciantes de cidades do interior de São Paulo começam a adotar medidas de segurança para a reabertura de serviços não essenciais nesta segunda-feira (1º). As medidas seguem o que foi estabelecido no Pacto Regional assinado pela prefeitura de Marília, Jundiaí, Bauru e Sorocaba e outras 35 cidades da região e são compatíveis com o Plano São Paulo, conjunto de orientações do governo do estado para a retomada das atividades.

De acordo com as orientações, bares, restaurantes, lanchonetes, sorveterias, docerias e similares estão autorizados a fazerem o atendimento ao público com até 40% da capacidade, somente mesas ao ar livre ou com plena capacidade de ventilação natural. O horário de atendimento ao público está reduzido a seis horas seguidas e salões internos devem permanecer fechados.

Para o presidente executivo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel Nacional), Paulo Solmucci, a retomada deve considerar a realidade do município. “Esse movimento de retomada que está acontecendo em algumas cidades e regiões é uma etapa natural no enfrentamento ao coronavírus, que leva em consideração a realidade da pandemia naquele local e as medidas adotadas pelo governo. Mas, para isso, é fundamental que haja transparência e diálogo nesse processo de planejamento da reabertura do comércio e que o poder público embase as decisões em informações técnicas e não em critérios políticos. Esperamos que esse movimento nas cidades do interior de São Paulo seja bem-sucedido e possa inspirar a capital [São Paulo] a planejar de forma mais clara os próximos passos”.

Retomada segura

A Abrasel criou um site com orientações para o planejamento da retomada segura das atividades de bares e restaurantes pós crise. As orientações podem ser acessadas no site da entidade.

Com uma série de ferramentas capazes de conectar pessoas, conhecimentos e oportunidades em torno de áreas de interesse comum, a ideia é que os usuários possam se apoiar de forma prática, expansiva e gratuita.

“Todo mundo que trabalha no setor seja empresário, garçom, contador, consultores e até mesmo advogados podem fazer parte da Rede Abrasel, mesmo sem ser nosso associado”, explica o presidente do Conselho de Administração da Abrasel, Paulo Nonaka. “Esse ambiente foi pensado justamente para aproximar as pessoas, enriquecendo os diálogos e troca de informações para construirmos juntos soluções para um setor mais produtivo, ajudando até quem está em áreas mais afastadas ou conta com menos recursos”, reforça.

Negociação de aluguéis

A Abrasel em São Paulo também disponibilizou, de forma online e gratuita, uma cartilha sobre negociações de aluguéis para ajudar a gestão de empresários de bares e restaurantes em todo o Brasil.

O documento aborda a busca do reequilíbrio contratual, ações judiciais e fundamentos jurídicos, rescisão sem pagamento de multa e disponibilidade de imóveis comerciais após a crise.

Para o presidente da Seccional Abrasel em São Paulo, Percival Maricato, o empresário do setor de alimentação fora do lar deve estar ciente de todos seus direitos e deveres em relação ao imóvel. Ele conta que o gasto com aluguéis dos imóveis comerciais utilizados pelas empresas costuma passar dos 4% do custo total dos negócios. “Enquanto durar a crise do Coronavírus é imperativo que as empresas, que reduziram ou até deixaram de faturar, tentem diminuir esse custo, tanto como os demais, em todas as áreas de atividade; é uma questão de sobrevivência, é justo buscar reequilíbrio dos contratos”, diz.

Por Ludmilla Souza – Repórter da Agência Brasil 

Cidades do interior vão relaxar o isolamento social

Jundiaí, no interior de São Paulo (Prefeitura de Jundiaí/Reprodução)

Os municípios de Jundiaí e São José dos Campos, no interior paulista, vão flexibilizar as restrições de funcionamento do comércio que tem sido feitas como forma de conter a pandemia de coronavírus.

Em Jundiaí, o decreto publicado pelo prefeito Luiz Fernando Machado na última sexta-feira (17) entra em vigor hoje (20). Pelas novas normas, o comércio de rua pode funcionar desde que em sistema de entregas. Também foram liberados, os supermercados, padarias, vendas de produtos perecíveis, agropecuários, de construção civil, os profissionais liberais e os salões de cabeleireiro.

O decreto prevê normas específicas para o funcionamento de cada uma dessas áreas, como distanciamento entre os clientes e uso de equipamentos de proteção pelos funcionários. O número de profissionais em cada estabelecimento também deve ser adequado ao espaço físico disponível.

As recomendações de distanciamento social foram mantidas no decreto para as pessoas com mais de 60 anos ou com doenças que aumentam o risco de morte para o convid-19. A publicação estipula ainda o isolamento para pessoas com sintomas da doença e proíbe eventos que provoquem aglomerações, como shows, teatro e cinema.

Casos e mortes

Segundo a Prefeitura de Jundiaí, as novas normas foram “orientado pelas evidências de dados do cenário epidemiológico da cidade e parâmetros técnicos de saúde”. O município de 419 mil habitantes, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tem 46 casos confirmados de coronavírus e quatro mortes causadas pela doença.

De acordo com o monitoramento feito pela Secretaria Estadual de Saúde do Estado de São Paulo, Jundiaí registrou no sábado (18) uma adesão de 51% às medidas de isolamento social. A média no estado ficou em 54%.

São José dos Campos

Em São José dos Campos, na região do Vale do Paraíba, o novo decreto passa a valer na segunda-feira (27) da semana que vem. O prefeito Felicio Ramuth fez uma apresentação em que justificou as medidas a partir das características do município, como densidade demográfica e infraestrutura em saúde, e em estudos que avaliam a forma de disseminação do coronavírus pelo mundo. “Todo o nosso trabalho é voltado a preservar vidas, usando como base a ciência: dados, informações e estudos epidemiológicos”.

O novo decreto municipal, que substitui as normas de quarentena estipuladas no final de março, permite a abertura de escritórios, do comércio em geral, de shoppings e salões de beleza. Os estabelecimentos deverão, no entanto, solicitar uma autorização temporária de funcionamento e se adequar a uma série de regras, como o uso de máscaras pelos trabalhadores. Os locais com mais de 40 funcionários deverão fazer escalonamento em turnos.

Os restaurantes só podem funcionar em regime de entrega ou pague e leve. Mesmo as praças de alimentação dos shoppings devem continuar fechadas, assim como cinemas e teatros.

Casos na cidade

No último sábado, São José dos Campos registrou uma adesão de 55% às medidas de isolamento social. A cidade com 722 mil habitantes, segundo estimativa do IBGE, tem três mortes confirmadas por coronavírus e 16 aguardando os resultados dos exames. Os casos confirmados de convid-19 são136 e os suspeitos 521.

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil 

Polícia prende duas pessoas e recupera carga furtada

(Reprodução)


Policiais do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) prenderam um motorista de caminhão e o dono de um ferro velho suspeitos de desvio de cargas. A ação da 2ª Divecar aconteceu em Jundiaí, interior de São Paulo.

Investigações revelaram como os desvios ocorriam. Segundo os agentes, parte da carga de um caminhão, que prestava serviços a uma empresa de metais, era desviada antes de chegar ao destino.

Os investigadores localizaram o caminhão estacionado em um ferro velho. O motorista foi preso. O dono do estabelecimento participava da ação criminosa, segundo apuraram os investigadores, e também foi preso no local. 

Ambos foram autuados em flagrante por furto. Foi recuperada uma carga de 450 kg de metais, que será restituída para a empresa vítima.

*com informações da Polícia Civil de São Paulo

Busca por jovem que sumiu após abordagem da PM é suspensa

Cães farejadores teriam sentido cheiro do jovem em matagal onde ele está sendo procurado, segundo família; Cadu está desaparecido desde 27/12

Carlos Eduardo tem 20 anos, trabalha como ajudante de caminhão e pintor | Foto: Arquivo pessoal

Chuvas fortes atrapalham buscas por Carlos Eduardo, 20 anos. O jovem desapareceu na tarde de 27 de dezembro quando estava com mais quatro amigos em um bar na rua Benedito Basílio Souza Filho, no bairro Jardim São Camilo, periferia de Jundiaí, interior do estado de São Paulo. Segundo testemunhas, ele foi levado por uma viatura da Polícia Militar. A Corregedoria da PM identificou a viatura responsável pela ronda no bairro na data do sumiço de Cadu, como é conhecido.

As buscas avançaram na terça-feira passada (7/1), quando, segundo a família, cães farejadores teriam sentido o cheiro do Cadu em dois locais em um matagal em Jarinu, município de São Paulo localizado a 35 km do local onde a vítima desapareceu. As buscas deste dia foram feitas pela Corregedoria da PM e cães farejadores do Batalhão de Choque da PM.

De acordo com o pai de Cadu, o segurança Eduardo Aparecido do Nascimento, 50 anos, as buscas pelo filho devem ser retomadas no próximo fim de semana.

“Parece que vai parar de chover no próximo fim de semana, então vamos voltar para as buscas por conta já que não tivemos novidades do caso”, afirma o pai, que segue aflito na expectativa de descobrir o paradeiro do filho caçula.

O ouvidor das polícias de São Paulo, o sociólogo Benedito Mariano, disse à Ponte que a Ouvidoria recebeu a dona de casa Carla Santos, 38 anos, mãe de Cadu na semana passada.

“Ela reforçou que testemunhas afirmam que Carlos foi abordado pela viatura e citou o nome de um dos policiais que é conhecido na região. Eu encaminhei o depoimento dela como termo complementar à Corregedoria”, declarou.

Mariano afirma que a Ouvidoria está em contato permanente com a Corregedoria, que segue com uma equipe na região, fazendo buscas com cães farejadores. “As buscas vão continuar. Vamos analisar dados técnicos para comprovar que a viatura passou perto do bar onde testemunhas dizem que o Carlos foi abordado”, explica o ouvidor.

“Há registro dos policiais de quatro abordagens no bar, mas não do Carlos. A Corregedoria está tentando contatar um desses quatro abordados para serem ouvidos”, continua. 

De acordo com a Ouvidoria, os policiais permanecerão afastados até o fim das investigações. “A perspectiva da Ouvidoria é que a Corregedoria esclareça nas próximas semanas esse caso em que há indícios de que o desaparecimento de Carlos se deu a partir de uma abordagem policial”, conclui Mariano.

Eduardo afirmou à reportagem que os amigos de Cadu e testemunhas da operação policial não querem falar sobre o assunto. “A princípio eles estavam conversando com a gente, mas agora se afastaram. Eu não sei o motivo, mas se afastaram. Me disseram que não iam mais falar sobre o assunto”, conta o pai, sem disfarçar a decepção.

Por Paloma Vasconcelos – Repórter da Ponte

Jovem some após ser levado em viatura da PM, dizem testemunhas

Por Arthur Stabile



Segundo testemunhas, Carlos Eduardo dos Santos Nascimento, 20 anos, e amigos estavam em um bar quando apenas ele teria sido levado de viatura

Carlos Eduardo, 20 anos, trabalhava com pintura enquanto estava desempregado | Foto: Arquivo pessoal

Há seis dias, Eduardo Aparecido do Nascimento, segurança de 50 anos, busca informações sobre o seu filho. Carlos Eduardo dos Santos Nascimento, 20 anos, desapareceu na tarde de sexta-feira (29/12) depois de ser abordado com outros amigos por policiais militares, segundo relato de testemunhas.

Quem estava naquele dia no bairro Jardim São Camilo, periferia da cidade, conta que o grupo de cinco jovens curtia um churrasco feito em um bar da favela quando a PM chegou. Os policiais revistaram os cinco, mas apenas Carlos Eduardo teve o celular apreendido, foi colocado na viatura e levado pelos policiais. Ele era o único negro do grupo.

Dali por diante, amigos e familiares não têm mais notícias do jovem e estão atrás de quaisquer informações do paradeiro, seja em órgãos oficiais ou no entorno do bar. “Estive duas vezes na delegacia de plantão na sexta-feira e disseram que ele não tinha dado entrada”, conta o pai, Eduardo. “Fui em hospitais, IML (Instituto Médico Legal) e nada. É como se abrisse um buraco no mundo, ele caísse e nunca tivesse existido”, desabafa.

No sábado, dia seguinte ao desaparecimento, familiares se reuniram e começaram a buscar por Carlos Eduardo ou indícios de seu sumiço em uma mata que fica próxima ao local da abordagem, conforme os relatos. As tentativas pessoas se estenderam até a quarta-feira, dia 31 de dezembro e data da virada do ano.

“Saímos de lá era 20h, éramos em cinco pessoas. Andamos bastante”, conta Eduardo, citando que apenas a família atuou nas buscas, nenhum órgão do poder público ajudou. Apenas nesta quinta-feira (2/1) a família foi chamada para depor na DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Jundiaí.

“Como some desse jeito e o povo do bairro fala que ele foi colocado dentro da viatura? Toda a população do bairro fala isso, que foi pego pela polícia”, desabafa, acrescentando que os amigos imaginaram ser uma abordagem de rotina e só estranharam no momento em que apenas Carlos Eduardo foi levado pelos PMs.

“Eles falaram isso, que foram abordados, todos revistados, pegaram ele, o celular e foram embora. Daquele dia em diante não conseguimos mais falar no celular dele, dá como se o número não existisse”, afirma o segurança. “Está um caos desde sexta-feira”.

Santista que vivia de bicos

Carlos Eduardo é um rapaz tranquilo que fazia seus bicos enquanto procurava emprego formal, conta o pai. Sem carteira assinada, se virava com pintura de casas, serviço que o garantia semanalmente de R$ 300 a R$ 400.

“O Carlos Eduardo entregava currículos para conseguir um emprego. Fazia os bicos com pintura e também ajudando na carga e descarga de caminhão. Um amigo chamou, estava assim desde outubro, novembro, aproximadamente”, comenta Eduardo.

O rapaz pretendia encerrar os estudos nesse ano, retomando o ensino médio para concluir o terceiro ano. Depois, seria a vez do pai agir: segurança de uma universidade de Jundiaí, usaria seu direito como funcionário para matricular o filho em um curso, ainda indefinido. 

“Como trabalhamos, temos uma bolsa gratuita Ele ainda não tinha escolhido o curso.. Ia atrás dele terminar o terceiro ano e ia dar uma bolsa na faculdade, mas… espero que ainda dê tempo”, desabafa o segurança, que trabalha há cinco anos no local.

Nos dias de folga, o rapaz se dividia entre o futebol e a ida aos bares com os amigos. Ele torcia para o Santos, time da Baixada Santista. “Gostava de jogar bola, queria sempre jogar. Nos finais de semana, era isso e também jogava baralho com os amigos”, prossegue Eduardo.

Ponte questionou a SSP (Secretaria da Segurança Pública) de São Paulo, comandada pelo general João Camilo Pires de Campos neste governo de João Doria (PSDB), sobre o desaparecimento de Carlos Eduardo. A reportagem também solicitou posicionamento oficial à PM. No entanto, pasta e corporação não responderam até a publicação desta reportagem.

*Esta reportagem foi publicada originalmente pela Ponte.

Piloto é a única vítima de queda de avião na Cantareira

Por Bruno Bocchini

(Amanda Fotografia/via G1)


O Corpo de Bombeiros localizou o corpo de uma vítima da queda de aeronave, na Serra da Cantareira, região norte da capital paulista, na manhã de hoje (2). Os restos mortais foram encaminhados aos cuidados do Instituto Médico Legal (IML).

Na ação, as equipes de resgate também conseguiram a caixa-preta do avião acidentado. A ocorrência, atendida pelo 2º Grupamento de Bombeiros de São Paulo, contou com 11 viaturas e 27 bombeiros. 

A Aeronáutica solicitou apoio após perceber, pelo radar, a ausência do sinal de uma aeronave na região. O Helicóptero Águia, da Polícia Militar, confirmou a queda da aeronave.

Não há, até o momento, informações oficiais sobre a identidade da vítima.