Motorista que atropelou e matou pesquisadora da USP é identificado

A Polícia Civil de São Paulo identificou o motorista que atropelou e matou a pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) Marina Kohler Harkot. A informação foi divulgada pelo Agora, do Grupo Folha. O nome do motorista não foi divulgado.

O carro envolvido no atropelamento foi localizado na madrugada de hoje (10), na região da Consolação, no Centro da Capital paulista. O atropelamento ocorreu enquanto a jovem pedalava, na madrugada do último domingo (8), na Avenida Paulo VI, próximo à Rua João Moura, no Sumaré.

Uma policial militar, que estava de folga e à paisana, passava pelo local quando percebeu uma movimentação. Ela não chegou a presenciar o acidente, mas parou para prestar assistência ao ver a ciclista caída no chão. Pouco depois,  um motoqueiro que disse ter seguido um Hyundai Tucson após ver o carro atingir a ciclista e, em seguida, fugir, apareceu no local.

Ele informou o que seria a placa do veículo. O caso foi registrado no Distrito Policial de Pinheiros, mas a identificação de quem estava dirigindo não foi confirmada.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública informou que antes da identificação do motorista, o homem que consta como proprietário disse ter vendido o carro em 2017 e se comprometeu a apresentar o documento de transferência de propriedade à polícia. O Hyundai Tucson prata, com o parabrisa danificado, foi levado para o mesmo Distrito Policial de Pinheiros. O corpo de Marina Harkot foi enterrado nesta segunda-feira (9), no Cemitério São Franscico Xavier, em Niterói, no Rio de Janeiro. 

Carro que atropelou e matou pesquisadora da USP é apreendido

(Reprodução)

A Polícia Civil encontrou e apreendeu, na madrugada de hoje (10), na região da Consolação, no Centro da Capital paulista, o veículo do motorista que atropelou e matou a cicloativista e pesquisadora da USP Marina Harkot, de 28 anos. O atropelamento ocorreu enquanto a jovem pedalava, na madrugada do último domingo (8), na Avenida Paulo VI, próximo à Rua João Moura, no Sumaré.

Uma policial militar, que estava de folga e à paisana, passava pelo local quando percebeu uma movimentação. Ela não chegou a presenciar o acidente, mas parou para prestar assistência ao ver a ciclista caída no chão. Pouco depois,  um motoqueiro que disse ter seguido um Hyundai Tucson após ver o carro atingir a ciclista e, em seguida, fugir, apareceu no local.

Ele informou o que seria a placa do veículo. O caso foi registrado no Distrito Policial de Pinheiros, mas a identificação de quem estava dirigindo não foi confirmada.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública informou que o homem que consta como proprietário disse ter vendido o carro em 2017 e se comprometeu a apresentar o documento de transferência de propriedade à polícia. O Hyundai Tucson prata, com o parabrisa danificado, foi levado para o mesmo Distrito Policial de Pinheiros. O corpo de Marina Harkot foi enterrado nesta segunda-feira (9), no Cemitério São Franscico Xavier, em Niterói, no Rio de Janeiro. 

*Com informações de Paulo Édson Fiore