Acidente no metrô do México mata ao menos 23 pessoas

Estrutura por passam os trens desabou sobre movimentada avenida (Reprodução)

Ao menos 23 pessoas morreram e 70 ficaram feridas após um viaduto por onde trafegavam vagões do metrô desabar sobre uma movimentada avenida na Cidade do México nesta segunda-feira (04/05).

Imagens transmitidas pela emissora local Milenio TV mostram a estrutura de cerca de 12 metros de altura caindo sobre vários carros perto da estação Olivos, no sudeste da cidade. A seguir, veem-se nuvens de fumaça e pilhas de escombros. Outras imagens mostram ao menos dois vagões pendendo do viaduto.

O desabamento ocorreu por volta das 22h30 (hora local). Dezenas de socorristas e bombeiros foram acionados para remover passageiros entre ferros retorcidos e cabos.

Inicialmente com escadas, os trabalhos de resgate tiveram que ser interrompidos devido ao risco de que mais partes do viaduto e do metrô entrassem em colapso. Segundo a prefeita Claudia Sheinbaum, um guindaste foi transportado para o local para que os socorristas pudessem retomar as buscas e verificar se há mais pessoas no metrô.

A prefeita afirmou que sete das cerca de 50 pessoas hospitalizadas estão em estado grave, necessitando de cirurgias. Ela disse ainda que um carro ficou preso sob os escombros, mas que a pessoa que estava em seu interior sobreviveu.

Segundo Sheinbaum, aparentemente uma viga da estrutura cedeu, mas que a causa do acidente está sendo investigada.

“Fui salvo por 15 minutos”

“De repente, vi que a estrutura estava tremendo. Não foi nem um minuto depois que o metrô caiu, e muita poeira começou a subir”, disse uma testemunha não identificada à rede local Televisa.

“Quando a poeira se dissipou, corremos para ver se podíamos ajudar. Não ouvimos gritos, não sei se eles estavam em choque […] Algumas pessoas conseguiram entrar e puxaram duas pessoas que estavam em cima. Os outros estavam empilhados.”

José Martínez, um trabalhador que normalmente pega o trem em direção a Tláhuac, disse emocionado à imprensa que se salvou do acidente porque não conseguiu embarcar a tempo depois de sair do trabalho. “Fui salvo por cerca de 15 minutos, ainda bem que nada me aconteceu”, disse.

“Tragédia terrível” 

Este é o segundo acidente registrado no metrô da capital mexicana neste ano. Em janeiro, um incêndio nas instalações de controle do metrô deixou uma pessoa morta e 29 intoxicadas. Em março do ano passado, dois trens colidiram dentro de uma estação, deixando um morto e 41 feridos.

Inaugurado em 1969, o metrô da Cidade do México é um dos principais meios de transporte da capital e de sua área metropolitana, onde vivem cerca de 20 milhões de pessoas. A linha 12, na qual ocorreu o acidente desta segunda-feira, foi inaugurada em 30 de outubro de 2012 pelo atual ministro do Exterior do México e então prefeito da capital, Marcelo Ebrard.

Ebrard lamentou a “tragédia terrível” e ofereceu sua cooperação na determinação das responsabilidades. “As causas devem ser investigadas e as responsabilidades devem ser determinadas. Reitero minha total disponibilidade às autoridades para contribuir em tudo o que for necessário”, escreveu no Twitter.

Analistas veem Ebrard e Sheinbaum como prováveis sucessores do atual presidente Andrés Manuel López Obrador, cujo mandato termina em 2024.

Por Deutsche Welle

lf (Reuters, AFP)

Ex-estrategista de Trump, Steve Bannon é preso por fraude

Steve Bannon, o ex-estrategista-chefe do presidente americano, Donald Trump, foi preso nesta quinta-feira (20/08) nos Estados Unidos. Ele é acusado de conspiração para cometer fraude numa campanha de financiamento coletivo para a arrecadação de fundos para apoiar a construção do muro na fronteira com o México, segundo informou o Departamento de Justiça dos EUA.

Steve Bannon (Redes Sociais)

Além de Bannon, outros três acusados também foram detidos. De acordo com a Promotoria Federal americana, eles teriam “orquestrado um esquema para fraudar centenas de milhares de doadores”.

Iniciada em 2018, a campanha chamada “Nós construiremos o muro” arrecadou mais de 25 milhões de dólares (cerca de 141 milhões de reais).

Segundo os promotores, Bannon prometeu usar todo o valor arrecadado na obra, mas o dinheiro foi usado, entre outros, para financiar despesas pessoais e o luxuoso estilo de vida de Brian Kolfage, descrito como o rosto público e fundador da campanha.

Os promotores afirmam que o grupo falsificou notas e acordo com fornecedores fictícios para esconder o que realmente estava acontecendo. Os quatros também foram acusados de conspiração para lavar dinheiro.

Bannon, uma figura proeminente da extrema direita americana, foi assessor de campanha de Trump, que fez da construção do muro na fronteira com o México uma de suas principais promessas na corrida eleitoral de 2016.

O americano é considerado um dos maiores ícones da extrema direita e esteve à frente do portal Breitbart News, que ajudou a propagar a nova ultradireita dos Estados Unidos.

Muro sendo construído na fronteira dos Estados Unidos com o México
(Arquivo/Mani Albrecht/via Fotos Públicas)

Trump nomeou Bannon como seu estrategista-chefe logo após assumir a Presidência. Ele permaneceu no cargo durante apenas sete meses. No governo, ele defendia que Trump deveria manter o discurso populista que o levara ao poder e o encorajou, entre outras coisas, a emitir o polêmico veto migratório contra os refugiados e os imigrantes de determinados países muçulmanos, bem como a retirar os Estados Unidos do Acordo de Paris sobre o clima.

Em 2018, Bannon se aproximou da família Bolsonaro.

Eduardo Bolsonaro e Steve Bannon (Redes Sociais)

Em agosto daquele ano, ele se reuniu com Eduardo Bolsonaro em Nova York. Na ocasião, o deputado federal relatou que Bannon era um entusiasta de seu pai e que ambos manteriam contato “para somar forças, principalmente contra o marxismo cultural”. Em outubro, o extremista de direita declarou apoio ao então candidato Jair Bolsonaro.

CN/rtr/ap/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. 

México registra 2.049 casos de Covid-19 em 24 horas

O México tem 42.595 casos confirmados de contaminação pelo novo coronavírus e 4.477 mortes. Enquanto o país se prepara para retomar as atividades com a “nova normalidade”, anunciada pelo presidente Andrés Manuel López Obrador, um número recorde de contágios é registrado em 24 horas. Foram anunciados no início da noite de ontem (14) 2.049 novos casos identificados e 257 mortes.

Hoje (15), em entrevista no Palácio Nacional, o presidente mexicano disse que o país já está chegando ao fim da pandemia e que, a partir da próxima semana, deve começar a descer a curva de contágios.

“Vai passar, não apenas porque nós queremos, mas tudo indica que estamos já no pico dos afetados pela pandemia e já vamos iniciar a descida. Agora falta pouco, muitos dias se passaram e já estamos vendo a luz no fim do túnel”, afirmou López Obrador.

O México tem 126 milhões de habitantes. As 4.477 mortes no país representam 3,55 mortes para cada 100 mil habitantes. No ranking do número de contágios nas Américas, o país está atrás apenas de Estados Unidos (1.417.889), Brasil (203.165) e Peru (80.604).

Retomada de atividades econômicas

Há dois dias, na última quarta-feira (13), o presidente anunciou um plano de retomada das atividades econômicas em direção ao que chamou de “nova normalidade”. O plano traça uma reabertura por etapas e com um semáforo com quatro cores para indicar maiores e menores restrições. 

Vermelho, laranja, amarelo e verde, onde o vermelho significa maiores restrições e o verde, a volta de todas as atividades. A ideia é implementar os semáforos no dia 1º de junho, com um período de adequação entre 18 e 31 de maio. 

“Este é um plano progressivo para o reinício das atividades sociais, econômicas e escolares, sob os princípios de clareza, segurança e certeza. Saúde e vida sempre serão privilegiadas. Vamos para uma nova normalidade”, disse o secretário da Saúde, Jorge Alcocer.

A cor vermelha indica que poderão funcionar somente atividades essenciais, além de mineração, construção e transporte. O laranja diz que, além das essenciais, algumas outras atividades podem ser realizadas. O amarelo sinaliza que todas as atividades essenciais e não essenciais podem voltar, com algumas restrições. E o verde é a liberação total de retorno.

O subsecretario de Prevenção e Promoção da Saúde, López-Gatell, afirmou que grande parte do território não tem casos da covid-19, o que permite que as medidas nacionais sejam suspensas. “Elas (as medidas) terão que ser direcionadas de acordo com a intensidade da transmissão”.

Ainda de acordo com o plano de retomada, as regiões do país que não tenham casos confirmados poderão voltar às atividades escolares e de laborais no dia 18 de maio.

O presidente mexicano afirmou que a implementação do plano é voluntária e não haverá problemas caso os estados e municípios optem por não adotá-lo.

“Estamos em um momento estelar da democracia no México, ou seja, medidas coercitivas não serão aplicadas, nada à força, tudo pela razão e pela lei”, finalizou Obrador. 

Por Marieta Cazarré – Repórter da Agência Brasil 

México comenta expulsão de embaixadora da Bolívia

Por  Marieta Cazarré 

Jeanine Áñez, presidente da Bolívia, ao anunciar expulsão da embaixadora mexicana e dois diplomatas espanhóis (Presidência da Bolívia/via Fotos Públicas)


Em nota publicada hoje (30), o Ministério de Relações Exteriores do México afirmou que a decisão boliviana de declarar persona non grata a embaixadora mexicana no país, Maria Teresa Mercado, foi uma decisão de “caráter político”.

O órgão afirmou ainda ter instruído a embaixadora a retornar ao México “para proteger sua segurança e integridade”. A embaixada do México na Bolívia ficará a cargo de Ana Luisa Vallejo, atual chefe da chancelaria no país.

“O governo do México confirma que as ações da nossa embaixadora, que ingressou no Serviço de Relações Exteriores do México em 1982 e obteve condecorações de países como Dinamarca e Holanda, sempre cumpriram os princípios de política externa consagrados na Constituição Política dos Estados Unidos Mexicanos e no Direito Internacional, razão pela qual consideramos essa decisão de natureza política”, diz a nota.

Em outro comunicado, divulgado no dia 26 de dezembro, o Ministério das Relações Exteriores Mexicano já havia comentado sobre o posicionamento boliviano. O comunicado tratava sobre a “persistência de assédio à embaixada e à residência oficial do México na Bolívia”.

“O subsecretário anunciou que mais de 50 pessoas, incluindo civis, policiais e militares, chegaram em mais de dez veículos à residência oficial do México. Por isso, reiterou a posição do México sobre a tradição de asilo e denunciou o assédio ao pessoal diplomático mexicano”, afirmava a nota do último dia 26.

O comunicado dizia ainda que a comunicação com as autoridade bolivianas sempre foi feita através dos canais diplomáticos e que, devido aos constrangimentos, o México recorrerá à Corte Internacional de Justiça, principal órgão judicial das Nações Unidas, para aplicação do direito internacional.

“O que o México quer, essencialmente, é que cessem os atos que violam a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas, uma vez que a presença de militares, oficiais e policiais (às portas da embaixada mexicana) é um ataque contra esse tratado internacional, porque compromete a dignidade e tranquilidade de nossas instalações diplomáticas em La Paz”, disse o texto.

Posição boliviana

O governo da Bolívia declarou hoje que funcionários das embaixadas do México e da Espanha em La Paz feriram gravemente a soberania e a dignidade do povo boliviano com atividades que violam a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas.

A presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, afirmou que o”governo constitucional decidiu declarar personas non gratas a embaixadora do México na Bolívia, María Teresa Mercado, a encarregada de negócios da Espanha na Bolívia, Cristina Borreguero, o cônsul da Espanha na Bolívia, Álvaro Fernández, e o grupo dos diplomatas supostamente encapuzados e armados”.

Áñez referia-se a autoridades estrangeiras que supostamente tentaram “encobrir e proteger criminosos que cometeram delitos de rebelião, levante armado e terrorismo”, em referência aos colaboradores do ex-presidente Evo Morales.

De acordo com o governo boliviano, pessoas encapuzadas a bordo de veículos com placas diplomáticas tentaram entrar na residência da embaixadora mexicana na última sexta-feira, em uma operação para ajudar ex-autoridades bolivianas a fugir do país.

Embaixadora do México e diplomatas espanhóis são expulsos da Bolívia

Por RTP

Jeanine Áñez reunida com militares bolivianos (Senado da Bolívia/via Fotos Públicas)


O Governo interino da Bolívia declarou hoje (30) a embaixadora do México Maria Teresa Mercado e os diplomatas espanhóis Cristina Borreguero e Álvaro Fernández como `personas non gratas`, dando-lhes 72 horas para deixarem o país.

“Este grupo de representantes dos governos do México e de Espanha prejudicaram gravemente a soberania do povo e do governo constitucional da Bolívia”, afirmou a presidente interina do país, Jeanine Añez. O anúncio foi feito em comunidado do Palácio do Governo de La Paz

Os três diplomatas foram acusados de tentar ajudar ex-membros do governo do presidente deposto, Evo Morales, a sair da residência da embaixadora do México, onde estão desde a renúncia de Morales, em novembro, e a deixar o país.

Embaixada na Bolívia é cercada por militares, denuncia México

Por RTP

(Twitter/Reprodução)


O México denunciou nessa quarta-feira (25) a crescente presença de forças de segurança bolivianas próximo à embaixada em La Paz, onde ex-integrantes do gabinete do governo do ex-presidente Evo Morales procuraram refúgio.

O Ministério das Relações Exteriores do México disse que um número maior de militares cerca a residência desde terça-feira. O subsecretário do México para a América Latina, Maximiliano Reyes, descreveu as patrulhas bolivianas em torno da sede diplomática como um “cerco”.

Numa nota diplomática de queixa endereçada ao Ministério das Relações Exteriores da Bolívia, o México disse que existem drones sobrevoando a residência do embaixador, descrevendo a situação como uma “intromissão indevida”.

Em comunicado divulgado quase ao mesmo tempo, o Ministério disse ter convocado o embaixador da Bolívia para “explicar as ações das autoridades bolivianas”.

(Twitter/Reprodução)

As relações entre os dois países estão tensas desde que o México concedeu asilo a Morales, que renunciou em 10 de novembro, em meio a uma revolta nacional depois de ter reivindicado vitória em eleição supostamente fraudulenta.

Morales, desde então, exilou-se na Argentina e diz que pretende permanecer envolvido na política na vizinha Bolívia, enquanto alguns membros do seu gabinete permanecem escondidos na residência do embaixador mexicano. Eles são considerados fugitivos pelas autoridades bolivianas.

*Emissora pública de televisão de Portugal

Todos os 103 passageiros sobreviveram a acidente aéreo no México

(Twitter/Reprodução)

O diretor da companhia Aeroméxico, Andrés Conesa, disse que por enquanto “não há relatos” de vítimas fatais no acidente de um dos seus aviões ao decolar do aeroporto de Durango, no norte do país. Porém, 12 pessoas se feriram gravemente. O voo 4231 da Aeroméxico, que fazia a rota entre Durango e Cidade do México, caiu ao decolar, deixando feridos a maioria dos seus 103 ocupantes – 99 passageiros e quatro tripulantes.

“Ainda bem que mesmo com este lamentável evento, não temos informações até este momento de mortes”, afirmou Conesa, que destacou que não houve mortes durante o acidente foi resultado da “ação oportuna de tripulantes e passageiros”.

No avião da Embraer, fabricado em 2008, viajavam 88 adultos e 11 crianças, entre elas, incluindo dois bebês com menos de 1 ano, além dos quatro tripulantes, dois pilotos e duas aeromoças. De acordo com a Aeroméxico, os parentes de todos já foram contactados.

Causas

O diretor afirmou que a Aeroméxico participa das investigações ao lado das autoridades para identificar as causas do acidente. Segundo ele, no momento a prioridade da companhia é atender os passageiros e tripulantes. De acordo com Conesa, há uma equipe da companhia aérea em Durango “concentrada no atendimento aos passageiros”.
Os feridos estão atendidos em sete hospitais de Durango e clínicas do Exército mexicano.

Conesa confirmou que ainda é “muito cedo” para apontar uma causa do acidente do avião e pediu que evitem especulações e espera o início das investigações das autoridades mexicanas.

A Secretaria de Comunicações e Transportes (SCT) revelou que uma Comissão de Investigação e Acidente de Acidentes de Aviação já foi integrada com representantes da Aviação Civil, das associações profissionais do setor e representantes da Embraer.

 

*Com informações da Agência EFE e da Notimex, agência pública de notícias do México.

Urgente: avião cai perto de aeroporto mexicano

Foto divulgada em rede social mostra a aeronave com a fuselagem em chamas e muita fumaça. (Twitter/Reprodução)

Um avião da empresa Aeroméxico sofreu um acidente perto do aeroporto em Durango, no México. As primeiras informações indicam que 80 passageiros estavam a bordo.

O governador de Durango, José Rosas ​​Aispuro Torres, disse pelo Twitter que equipes de emergências foram enviadas para o local, mas que não há informações sobre feridos ou mortos. A Companhia confirma que há um incidente.

A aeronave envolvida no acidente é um Embraer E190, de fabricação brasileira.

Aeronave envolvida no acidente é um modelo igual a este, fabricado pela Embraer (Arquivo/Agência Brasil)

*atualizado às 19h02