Doações de fim de ano são tema de debate online

Filipe Páscoa, da Trackmob (Divulgação)

A Trackmob, empresa de inteligência de doações para instituições sem fins lucrativos, promove, no próximo dia 18, às 17 horas, um webinar com o tema ‘Emoções e storytelling: como captar a atenção e conquistar novos doadores nas campanhas de fim de ano’.  A inscrição é gratuita e pode ser feita pela internet.

Os convidados são Marcelo Douek, fundador da Social Docs, e Marcele Aroca Camy, Gerente de Comunicação e Relacionamento da Fraternidade sem Fronteiras. Filipe Páscoa, diretor de Inovação da Trackmob, media a conversa sobre a relevância das campanhas de mobilização de recursos habituais desta temporada do ano, como Dia de Doar, Natal e 13º, e também sobre a construção de narrativas  para engajamento social. 

De acordo com Páscoa, levantamentos internacionais indicam que dezembro representa pelo menos 30% da receita financeira anual das ONGs. No Brasil, dados da Associação Brasileira de Captação de Recursos (ABCR) informam que o patamar é o mesmo, apesar de não haver estudos científicos.

“O propósito do encontro é aumentar a solidariedade, compartilhar inspirações, boas práticas, compartilhar conhecimentos e refletir sobre o quanto a transformação digital pode ser estratégica nas ações de engajamento para estabelecer captações perto do mês mais representativo do ano em mobilização de recursos para as ONGs”, afirma Páscoa, especialista da Trackmob. 

Serviço

‘Emoções e storytelling: como captar a atenção e conquistar novos doadores nas campanhas de fim de ano’

Justiça solta brigadistas suspeitos de queimadas

Por Alex Rodrigues 



A Justiça do Pará determinou que os quatro brigadistas presos na última terça-feira (26) por suposto envolvimento com as queimadas que atingiram a Área de Proteção Ambiental (APA) Alter do Chão, em Santarém, no oeste paraense, fossem soltos. Por telefone, pessoas próximas aos quatro informaram à Agência Brasil que eles já estão em liberdade.

Titular da 1ª Vara Criminal de Santarém, o juiz Alexandre Rizzi concedeu liberdade provisória aos quatro dirigentes da organização não governamental (ONG) Brigada de Incêndio Florestal de Alter do Chão.

Ontem (27), o mesmo magistrado negou o pedido da defesa dos brigadistas e determinou a permanência da prisão preventiva por, ao menos, dez dias, com o objetivo de permitir que os investigadores aprofundassem as investigações a respeito das causas e dos responsáveis pelas queimadas que se espalharam pela unidade de conservação em setembro deste ano.

Hoje, poucas horas antes do juiz determinar a soltura dos quatro brigadistas, o governador do Pará, Helder Barbalho, determinou a substituição do delegado responsável pelo inquérito policial, o delegado de Conflitos Agrários, Fábio Amaral Barbosa, pelo diretor da Delegacia Especializada em Meio Ambiente, Waldir Freire Cardoso.

Em um vídeo divulgado nas redes sociais, o governador alega estar preocupado com o episódio que resultou nas prisões preventivas. “O caso requer atenção e toda a transparência necessária. Ninguém está acima da lei, mas, ao mesmo tempo, ninguém pode ser vítima de prejulgamento ou ter seu direito à defesa cerceado”, declarou Barbalho, sem explicitar o porquê da troca do delegado responsável pelo inquérito.

Segundo a Polícia Civil, os quatro brigadistas são suspeitos de ter causado os incêndios que atingiram a Área de Proteção Ambiental (APA) Alter do Chão em setembro para se autopromover e também para obter doações de outras organizações não governamentais.

Por sua vez, a WWF-Brasil confirmou ter repassado cerca de R$ 70 mil ao Instituto Aquífero Alter do Chão, organização responsável por manter as atividades da brigada. Segundo a WWF-Brasil, o montante transferido foi para viabilizar a compra de equipamentos de combate a incêndios florestais como abafadores, sopradores, coturnos e máscaras de proteção usados pelos brigadistas.

“A seleção desta instituição [Instituto Aquífero] se baseou nas boas referências recebidas de parceiros nossos e da ampla divulgação dos trabalhos prestados pelo grupo”, afirma a WWF-Brasil.

Em entrevista à Rádio Agência Nacional, da EBC, um dos advogados dos brigadistas, Michel Durans, desqualificou a investigação da Polícia Civil paraense. “A acusação é infundada, uma vez que se baseia exclusivamente em interceptações telefônicas cujo teor a Polícia interpretou fora do contexto geral. Para além disso, ela se valeu de algumas informações desencontradas em relação a um contrato que os brigadistas possuem com a WWF-Brasil”, declarou o advogado. 

Durans ressaltou que, antes de serem detidos, os brigadistas já tinham conhecimento de que a Polícia Civil os investigava. “Eles se colocaram à disposição da autoridade policial, prestaram depoimento espontaneamente, colocaram à disposição toda a documentação, demonstrando que a WWF-Brasil realmente firmou um contrato com os brigadistas e que este contrato tem sido cumprido à risca, dentro da legalidade”, garantiu o advogado.