Estação Capão Redondo tem vacinação contra sarampo

(Mastrangelo Reino/Gov. do Estado de SP)

Nesta sexta-feira (9), a Estação Capão Redondo, da Linha 5-Lilás do Metrô, recebe, das 10h às 15h, mais uma etapa da campanha de vacinação contra o sarampo. A ação – uma parceria da ViaMobilidade, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 5-Lilás, com a Unidade Básica de Saúde (UBS) Jardim Lídia – será repetida na próxima quarta-feira (14), no mesmo local.

O sarampo é uma doença grave e de alta transmissibilidade. Uma pessoa pode transmitir para até 18 outras pessoas. A disseminação do vírus ocorre por via aérea ao tossir, espirrar, falar ou respirar.

Nesta quinta etapa de Mobilização Nacional de Vacinação contra o Sarampo, a vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba, deve imunizar a população com idade entre 20 a 49 anos. Para receber as vacinas é necessário apresentar um documento de identificação.

Colaboradores da concessionária orientarão os passageiros em fila para que mantenham o distanciamento físico correto. Os profissionais de saúde que aplicarão as vacinas estarão equipados com máscaras, aventais e utilizando álcool em gel.

SERVIÇO

Vacinação contra o sarampo
Estação Capão Redondo (Linha 5-Lilás)
Data: 9 de outubro de 2020
Horário: Das 10h às 15h
Endereço: Av. Carlos Caldeira Filho, 4.261 – São Paulo – SP

*com informações do Governo do Estado de SP

Vacinas contra sarampo e gripe serão aplicadas sábado

A capital paulista vai realizar, neste sábado (22), um dia de vacinação contra o sarampo e a gripe (Influenza). O objetivo, segundo a prefeitura de São Paulo, é prevenir as doenças e auxiliar no diagnóstico de covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus.

A iniciativa faz parte do Dia Nacional de Mobilização da Campanha de Sarampo e vai acontecer em todas as unidades de saúde da capital, além de 300 postos volantes espalhados por supermercados, praças, shoppings, drogarias, associações de bairro, igrejas e estações de trem e de metrô. Para receber a vacina, as pessoas devem estar usando máscara.

A vacina do sarampo, que também previne contra caxumba e rubéola, é indicada para a população entre 1 e 2 anos de idade e entre 15 e 49 anos. Para crianças entre seis meses e 11 meses, e entre 3 e 4 anos, a vacinação é seletiva e dependerá da situação vacinal.

Desde o dia 15 de julho, quando começou a campanha de vacinação contra o sarampo, já foram vacinadas 405.656 pessoas na capital.

A campanha contra a Influenza teve início no dia 23 de março e, nos grupos prioritários, a cobertura chegou a 92,4% da população da cidade, com a aplicação de mais de 5 milhões de doses.

Na campanha deste sábado qualquer pessoa que ainda não tenha recebido a imunização este ano pode se vacinar contra a Influenza.

A vacina contra a gripe não protege contra a covid-19, mas ajuda os profissionais da saúde no diagnóstico da doença, já que é possível descartar os vários tipos de gripe na triagem da população que foi imunizada.

Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil 

São Paulo reforça vacinação contra sarampo a partir de hoje

A partir de hoje (15), está disponível em todos os postos de saúde do estado de São Paulo a vacina tríplice viral para as pessoas com idade entre 1 e 29 anos que não tomaram as duas doses previstas no calendário nacional de imunização. A vacina que protege contra sarampo, rubéola e caxumba vai poder ser tomada até o dia 31 de agosto.

Além do público-alvo, a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo recomenda que sejam vacinados bebês com mais de seis meses, fora do calendário de imunização, devido a circulação do vírus. Pessoas com idade entre 30 e 49 anos também podem ser vacinadas em caso de necessidade, que será avaliada por um profissional de saúde.

O calendário nacional de vacinação prevê a aplicação da primeira dose da tríplice viral aos 12 meses e a segunda, aos 15 meses, para reforço. De janeiro até agora, já foram aplicadas 1 milhão de doses da vacina em São Paulo. Com isso, a cobertura do público-alvo ultrapassou os 90%.

Em 2020, 83 cidades registraram casos de sarampo no estado, em um total de 711 notificações. Uma criança morreu, vítima da doença. Em 2019, foram 17,6 mil casos e 14 mortes.

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil

Termina hoje campanha de vacina contra sarampo

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A campanha de vacinação contra o sarampo voltada para crianças e jovens com idade entre 5 e 19 anos termina nesta sexta-feira (13). Este é o público-alvo da Campanha Nacional de Vacinação contra a doença, iniciada em 10 de fevereiro, com a convocação de 3 milhões de pessoas dessa faixa etária.

O Ministério da Saúde informou que, até o início do mês, 28.783 pessoas dessa faixa etária foram vacinadas. Outras 99,6 mil pessoas já tinham sido vacinadas entre janeiro e o início da campanha.

A pasta lembra que a principal medida de prevenção e controle do sarampo é a vacinação, que está disponível durante todo o ano nos 42 mil postos de saúde do país. Para viabilizar a ação, o ministério encaminhou neste ano 3,9 milhões de doses da vacina tríplice viral, 9% a mais que o solicitado pelos estados.Este quantitativo é destinado à vacinação de rotina, às ações de interrupção da transmissão do vírus e à dose extra chamada de dose zero para todas as crianças de seis meses a 11 meses e 29 dias.



A campanha de vacinação faz parte de uma estratégia nacional para interromper a transmissão do sarampo e eliminar a circulação do vírus. As duas primeiras etapas ocorreram no ano passado. “As duas primeiras etapas já ocorreram em 2019, com a realização de campanha de vacinação nacional, em outubro, de crianças de seis meses a menores de 5 anos de idade. A segunda etapa aconteceu em novembro para a população de 20 a 29 anos”, informou o ministério.

Ainda segundo a pasta, duas outras etapas de mobilização darão continuidade às ações em 2020, além da prevista para fevereiro: entre junho e agosto, para o público com idade entre 20 a 29 anos; e em agosto, para a população de 30 a 59 anos de idade.

Casos em 2019

Segundo o Ministério da Saúde, em 2019 foram registrados 18,2 mil casos de sarampo em 526 municípios. Em São Paulo, foram registradas 14 mortes e uma em Pernambuco. O maior número de casos também foi registrado em São Paulo, 16 mil. 

Com o retorno da doença, o Brasil perdeu o status de país livre do sarampo em 2019, concedido pela Organização Mundial da Saúde em 2016.

Sarampo

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, transmitida por meio da fala, da tosse e do espirro. Os principais sintomas são mal-estar geral, febre, manchas vermelhas que aparecem no rosto e vão descendo por todo o corpo, tosse, coriza e conjuntivite. A vacina é fornecida pelo Ministério da Saúde e está disponível gratuitamente em postos de saúde de todo o país.

Quem apresentar doenças agudas febris moderadas ou graves recomenda-se adiar a vacinação até modificação do quadro com o intuito de não se atribuir à vacina as manifestações da doença. Também não é indicado o imunizante a quem recebeu imunoglobulina, sangue e derivados, transplantados de medula óssea, e também a quem apresenta alergia ao ovo e gestantes.

Por Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil

Metrô terá, sábado, posto de vacinação contra o Sarampo

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)


No próximo sábado (15), três estações do Metrô de São Paulo vão sediar postos de vacinação contra o Sarampo. Na Linha 4-Vermelha, as estações Penha e Vila Matilde terão agentes de saúde para atender a população. A ação social também ocorre de maneira simultânea na estação Vila Prudente, da Linha 2-Verde, das 10h às 16h. A iniciativa é direcionada a crianças e jovens de 5 a 19 anos.

Manchas vermelhas pelo corpo, tosse e febre são os principais sintomas da doença, que é altamente contagiosa e pode acarretar complicações graves. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) mostram que, em 2019, casos notificados no mundo triplicaram nos sete primeiros meses em comparação ao mesmo período de 2018.

A ação é uma parceria do Metrô de São Paulo com a Secretaria Municipal de Saúde.

serviço

Vacinação contra o sarampo – Metrô
Data: 15 de fevereiro de 2020 (sábado)
Horário: das 10h às 16h
Local: Estações Penha e Vila Matilde (Linha 3-Vermelha); Estação Vila Prudente (Linha 2-Verde)

*Com informações do Governo do Estado de SP

Vacinação contra Sarampo para jovens de 20 a 29 anos termina hoje

Por Marcelo Brandão

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)


Termina hoje (30) a segunda fase da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo. O Ministério da Saúde (MS) marcou para hoje o Dia “D” da campanha, iniciada em 18 de novembro. Nessa fase, o ministério quer vacinar 9,4 milhões de adultos entre 20 e 29 anos. Para viabilizar a ação, o MS garantiu a maior compra de vacinas contra o sarampo (tríplice viral) dos últimos 10 anos.

O surto de sarampo ainda se encontra ativo no país. Atualmente, há confirmação de 11.896 casos e 15 óbitos pela doença até o começo de novembro (semana 45 do ano). A maioria dos casos, 11.095 (93,2%) estão concentrados no estado de São Paulo, principalmente na região metropolitana.

Os dados mais recentes da pasta da Saúde mostram que jovens nessa faixa etária são maioria entre os casos registrados – respondem por 30,6% do número total de casos de sarampo este ano no Brasil. E, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pelo ministério, são também o maior transmisso em potencial da doença.

A maior preocupação do governo federal não é a gravidade da doença nesse público, e sim o fator de transmissão para os grupos mais suscetíveis às complicações da doença, como as crianças, por exemplo. Há, entretanto, uma ressalva para o público-alvo da campanha. Gestantes na faixa etária não devem se vacinar contra sarampo, já que o método de imunização se dá por uma versão atenuada do vírus.

Foram distribuídos para os estados 4 milhões de doses da vacina tríplice viral. Segundo o ministério, é quantidade suficiente para complementar o quantitativo necessário para vacinação do público-alvo, que já tinha disponível 2,3 milhões de doses remanescentes da primeira etapa da campanha.

Sarampo: Campanha vai vacinar jovens a partir de segunda

(Arquivo)


São Paulo vai intensificar a vacinação contra o sarampo a partir de segunda-feira (18) até 30 de novembro, quando a Secretaria Municipal da Saúde realiza a segunda fase da campanha contra a doença. Nesta etapa, o público-alvo é formado por pessoas de 20 a 29 anos. Quem tem essa idade precisa ter duas doses da vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola, com intervalo mínimo de 30 dias entre elas.

Para se imunizar, basta se dirigir a uma das Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município para atualização da caderneta. Essa é a forma mais eficaz de evitar a disseminação do sarampo.

Caso o munícipe não tenha a comprovação vacinal, deverá receber a primeira dose da vacina durante a campanha e a segunda será agendada com o intervalo de 30 dias da primeira. Se o adulto jovem tiver recebido apenas a primeira dose da tríplice viral ao longo da vida, receberá a segunda dose durante a campanha. Leve a caderneta de vacinação para que o profissional de saúde avalie a situação vacinal.

Em 2018, a cobertura da vacina contra a doença foi de 97,06% (primeira dose) e 44% (segunda dose) na capital paulista. Neste ano, com a intensificação das campanhas, a cobertura da vacina tríplice viral na cidade de São Paulo superou o número inicialmente estimado para a primeira dose (aos 12 meses de idade) chegando a 102,3%. Para a segunda dose (aos 15 meses de idade), a cobertura vacinal atingiu 86%.

Até 11 de novembro foram confirmados 6.510 casos de sarampo no município de São Paulo. Cinco mortes foram causadas pela doença na capital paulista neste ano.

*Com informações da Prefeitura de SP

5,4 mil casos: Estado lança campanha contra Sarampo

(Carlos Bassan/Fotos Públicas)


A Secretaria de Estado da Saúde inicia nesta segunda-feira (7), em parceria com municípios e o Ministério da Saúde, a campanha de vacinação contra o sarampo para alcançar crianças ainda não imunizadas contra a doença.

A vacina tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba. Até 25 de outubro, as doses estarão disponíveis em todos os postos de vacinação do Estado de São Paulo para crianças a partir de 6 meses e com menos de 5 anos. No sábado (19), haverá o “Dia D”, quando os postos de saúde estarão abertos para facilitar o acesso dos pais e responsáveis.

O público-alvo da campanha deve ser levado aos postos de saúde, preferencialmente com a carteirinha de vacinação, para que um profissional verifique a necessidade de aplicação da dose.

“A tríplice viral protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Mantê-la em dia é a melhor forma de prevenção e, por isso, convocamos as mães, pais, familiares e responsáveis para levarem os pequenos aos postos durante esta campanha”, diz a Diretora de Imunização da Secretaria, Helena Sato.

O calendário nacional de vacinação prevê a aplicação da tríplice aos 12 meses e também aos 15 meses para reforço da imunização com a tetraviral, que protege também contra varicela. Neste ano, os bebês com menos de 12 meses também devem receber a chamada “dose zero”, que não é contabilizada no calendário.

Contraindicações

A vacina é contraindicada para bebês com menos de 6 meses. A recomendação para os pais e responsáveis por crianças nessa faixa etária é evitar exposição a aglomerações, manter higienização adequada, ventilação adequada de ambientes, e sobretudo que procurem imediatamente um serviço de saúde diante de qualquer sintoma da doença, como manchas vermelhas pelo corpo, febre, coriza, conjuntivite, manchas brancas na mucosa bucal. Somente um profissional de saúde poderá avaliar e dar as recomendações necessárias.

A Secretaria também orientou que as salas de vacinação façam a triagem de crianças que tenham alergia à proteína lactoalbumina, presente no leite de vaca, para que estas recebam a dose feita sem esse componente.

Outros públicos

A campanha também terá uma segunda fase neste ano, focada em jovens de 20 a 29 anos. A ação acontecerá entre os dias 18 e 30 de novembro, quando acontecerá outro “Dia D”. Esse grupo poderá receber a dose da tríplice ou da dupla viral (sarampo e rubéola), conforme a indicação do profissional de saúde.

Os municípios devem seguir realizando ações de bloqueio diante da notificação de casos da doença.

A vacina é contraindicada para pessoas imunodeprimidas e gestantes. Pessoas nascidas antes de 1960, na sua maioria, já tiveram a doença na infância e possuem imunidade (proteção) por toda a vida, não necessitando ser vacinadas, conforme diretriz do Ministério da Saúde. As pessoas que tiverem dúvidas quanto à imunização adequada devem procurar um posto, com a carteira vacinal em mãos, para que um profissional de saúde verifique a necessidade de aplicação, que ocorrerá de forma “seletiva”, ou seja, apenas em quem tiver alguma pendência.

O Programa Estadual de Imunização prevê que crianças e adultos, com idade entre um ano a 29 anos, devem ter duas doses da vacina contra o sarampo no calendário. Acima desta faixa, até 59 anos, é preciso ter uma dose. Não há indicação para pessoas com mais de 60 anos, pois esse público potencialmente teve contato com o vírus, no passado.

Cenário epidemiológico

O Centro de Vigilância Epidemiológica estadual realiza monitoramento contínuo da circulação do vírus. Neste ano, até o momento, há 5.411 casos confirmados laboratorialmente. Considerando que o vírus já circula em todo o território paulista, conforme prevê no Guia de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, a partir de agora o Estado passa também confirmar casos com base no critério clínico-epidemiológico (ou seja, com base em sintomas e avaliação médica), confirmando outros 976 casos. Cerca de 59% do total de casos se concentram na capital (confira dados por municípios abaixo).

Todos os óbitos pela doença têm confirmação laboratorial. Neste ano, houve oito mortes decorrentes de complicações pelo sarampo. No final de agosto foram confirmadas três vítimas: um homem de 42 anos, da capital sem histórico de imunização contra a doença; e dois bebês – uma menina de quatro meses, de Osasco, e um garoto de nove meses, da cidade de São Paulo.

Na última semana de setembro, outros dois óbitos na capital: uma mulher de 31 anos sem histórico de vacinação, e um bebê do sexo masculino de 26 dias. Nesta quarta-feira (2), quatro mortes também tiveram confirmação, sendo uma na capital (bebê do sexo feminino, com 11 meses e não vacinada); uma de Itanhaém (mulher de 46 anos, com condições de risco); uma de Francisco Morato (mulher de 59 anos, sem histórico vacinal); e uma de Osasco (homem de 25 anos, sem registro de vacinação).

São consideradas pessoas com condição de risco os portadores de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e imunodeprimidos, que podem ficar mais vulneráveis à infecção e evolução com maior gravidade.

Critério laboratorial
CidadesNº de casos
São Paulo3113
Barueri122
Carapicuíba94
Cotia23
Embu8
Embu-Guaçu1
Itapecerica da Serra9
Itapevi16
Jandira24
Osasco119
Santana de Parnaíba29
Taboão da Serra25
Vargem Grande Paulista2
Andradina1
Araçatuba4
Birigui2
Lavínia1
Nova Independência1
Penápolis2
Pereira Barreto1
Ibaté1
Ibitinga2
Itápolis1
Porto Ferreira2
São Carlos11
Taquaritinga1
Salto Grande1
Barretos7
Bebedouro3
Colômbia1
Guaíra2
Olímpia1
Agudos3
Avaí1
Bauru34
Duartina1
Getulina1
Igaraçu do Tietê1
Lins1
Laranjal Paulista1
Americana4
Artur Nogueira2
Atibaia24
Bom Jesus dos Perdões2
Bragança Paulista9
Cabreúva1
Campinas60
Campo Limpo Paulista3
Hortolândia4
Indaiatuba6
Itatiba2
Itupeva1
Jaguariúna6
Joanópolis1
Jundiaí32
Louveira4
Monte Mor1
Paulínia10
Piracaia1
Santa Barbara D’Oeste2
Serra Negra3
Socorro1
Sumaré6
Valinhos5
Vinhedo11
Franca18
Bastos1
Garça1
Guaimbe1
Lucélia1
Mariápolis1
Marília9
Tupã2
Araras1
Itirapina1
Limeira19
Piracicaba2
Pirassununga1
Rio Claro3
João Ramalho1
Presidente Prudente7
Dracena1
Presidente Epitácio1
Presidente Venceslau3
Tupi Paulista1
Cajati1
Juquia1
Pedro de Toledo2
Registro1
Barrinha1
Guariba2
Jaboticabal4
Luis Antonio1
Monte Alto1
Pontal2
Pradópolis1
Ribeirão Preto28
Serrana1
Sertãozinho10
Bertioga1
Cubatão1
Guarujá12
Itanhaém1
Mongaguá1
Peruíbe12
Praia Grande14
Santos32
São Vicente3
Caconde1
Itapira2
Moji-Mirim1
São João da Boa Vista2
Caçapava20
Jacareí7
São José dos Campos21
Caraguatatuba1
Ilhabela3
Ubatuba6
Bady Bassitt4
Guapiaçu1
Ibira1
Icem2
José Bonifácio5
Mirassol2
Santa Adélia2
São José do Rio Preto30
Tabapuã1
Votuporanga7
Fernandópolis38
Jales2
Meridiano2
Rubineia1
Tumalina1
Araçariguama5
Capão Bonito1
Capela do Alto2
Cesário Lange2
Ibiúna1
Itapetininga3
Itu8
Piedade1
São Roque3
Sorocaba32
Tatuí6
Tiête1
Votorantim1
Aparecida1
Campos do Jordão1
Guaratinguetá1
Lorena2
Pindamonhangaba8
Potim1
Taubaté10
Tremembé1
Diadema28
Mauá107
Ribeirão Pires54
Rio Grande da Serra2
Santo André171
São Bernardo do Campo171
São Caetano do Sul38
Arujá4
Biritiba-Mirim2
Ferraz de Vasconcelos14
Guararema9
Guarulhos137
Itaquaquecetuba13
Mogi das Cruzes31
Poá14
Santa Isabel6
Suzano6
Caieiras37
Cajamar6
Francisco Morato98
Franco da Rocha72
Mairiporã59
Total5.411
Critério clínico-epidemiológico
CidadesNº de casos
São Paulo647
Barueri6
Carapicuíba6
Cotia18
Embu1
Embu-Guaçu3
Itapecerica da Serra1
Jandira3
Osasco3
Santana de Parnaíba2
São Carlos6
Campinas1
Indaiatuba1
Jundiaí3
Louveira1
Paulínia5
Sumaré2
Cravinhos1
Jaboticabal6
Ribeirão Preto1
Guarujá1
Fernandópolis11
Sorocaba1
Aparecida1
Cruzeiro1
Lorena1
Diadema8
Mauá6
Ribeirão Pires57
Santo André74
São Bernardo do Campo21
São Caetano do Sul3
Ferraz de Vasconcelos2
Guararema1
Guarulhos33
Poá6
Cajamar1
Francisco Morato11
Franco da Rocha20
Total976

*Conteúdo do Governo do Estado de SP

Sarampo mata mais duas pessoas no Estado

Por Camila Bohem

(Reprodução)

Mais duas mortes por sarampo foram confirmadas hoje (25) na capital paulista, de acordo com a Secretaria de Saúde de São Paulo. As vítimas são uma mulher de 31 anos sem histórico de vacinação e um bebê do sexo masculino de 26 dias.

Até o momento, foram confirmadas cinco mortes provocadas doença no estado. No final de agosto, foram confirmadas três vítimas: um homem de 42 anos, da capital, sem histórico de imunização contra a doença, e dois bebês – uma menina de 4 meses, de Osasco, e um garoto de 9 meses, também da cidade de São Paulo.

O Centro de Vigilância Epidemiológica estadual monitora a circulação do vírus. Este ano, até o momento, 5.139 casos foram confirmados em São Paulo, sendo que, desses, 56,3% se concentram na capital, onde foram contabilizados 2.897 casos.

Segundo a secretaria, o Programa Estadual de Imunização prevê que crianças e adultos com idade entre 1 ano e 29 anos recebam duas doses da vacina contra o sarampo. Acima dessa faixa etária, até 59 anos, é preciso receber uma dose. Não há indicação para pessoas com mais de 60 anos porque considera-se que esse público potencialmente teve contato com o vírus no passado.

A recomendação para mães de crianças com idade inferior a 6 meses é evitar exposição a aglomerações, manter a higienização adequada e a ventilação de ambientes e que procurem imediatamente um serviço de saúde diante de qualquer sintoma da doença, como manchas vermelhas pelo corpo, febre, coriza, conjuntivite e manchas brancas na mucosa bucal.

Estado tem mais de quatro mil casos de sarampo

Por Elaine Patricia Cruz

Em uma semana, São Paulo registrou 708 novos casos (Carlos Bassan/Fotos Públicas)

Entre janeiro e setembro deste ano o estado de São Paulo registrou 4.299 casos de sarampo, de acordo com balanço da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, divulgado ontem (18). Em uma semana, foram 708 novos casos. No balanço anterior, divulgado na semana passada, o estado contabilizava 3.591 ocorrências da doença.

Do total de casos confirmados, mais da metade (55,7% do total) se concentra na capital, com 2.397 notificações. Em agosto, o estado contabilizou três mortes em decorrência da doença. As vítimas foram um homem de 42 anos, da capital e sem histórico de imunização contra a doença, e dois bebês: uma menina de quatro meses, de Osasco, e um menino de nove meses, na cidade de São Paulo.

Recomendação para bebês

Segundo a secretaria, o estado segue vacinando bebês com idade entre 6 meses e menores de um ano contra o sarampo, faixa etária considerada a mais vulnerável para casos graves da doença.

A recomendação do órgão para as mães de crianças com menos de 6 meses é para evitar a exposição dos bebês a aglomerações e manter a ventilação adequada dos ambientes. Além disso, recomenda-se que procurem imediatamente um serviço de saúde diante de qualquer sintoma da doença tais como manchas vermelhas pelo corpo, febre, coriza, conjuntivite e manchas brancas na mucosa bucal.

Programa de imunização

O Programa Estadual de Imunização prevê que crianças e adultos, com idade entre um ano a 29 anos, devem tomar duas doses da vacina contra o sarampo. Acima desta faixa etária até os 59 anos, é preciso ter uma dose. Não há indicação para pessoas com mais de 60 anos, pois esse público potencialmente já teve contato com o vírus, no passado.

As pessoas que tiverem dúvidas quanto à imunização adequada devem procurar um posto de saúde, com a carteira de vacinação em mãos, para que um profissional de saúde verifique a necessidade de aplicação da dose. A secretaria informa ainda que a vacina, nestes casos, será feita apenas para as pessoas que tiverem alguma pendência.

A vacina tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba.