Covid-19 provoca trombose em pequenos vasos, revela estudo

Pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) registraram a formação de coágulos em pequenos vasos localizados embaixo da língua de pacientes internados com quadro grave de covid-19 , que precisaram ser submetidos à ventilação mecânica já no início da hospitalização. É a primeira documentação de imagem de trombose microvascular em pacientes vivos com a forma grave da doença.

Os resultados, divulgados na plataforma medRxiv, corroboram a teoria de que distúrbios de coagulação sanguínea resultantes de uma intensa resposta inflamatória ao novo coronavírus estão relacionados aos sintomas mais graves da doença, como a insuficiência respiratória e a fibrose pulmonar. Havia indícios dessa relação a partir de autópsias feitas em pessoas que morreram em decorrência da covid-19, que revelaram a existência de microtrombos – coágulos muito pequenos –nos vasos mais finos que irrigavam o pulmão.

Segundo os pesquisadores, havia dúvidas ainda se tais distúrbios de coagulação eram consequência do longo período de internação em unidade de terapia intensiva (UTI) ou eram resultado da resposta inflamatória causada pelo vírus. No entanto, o estudo revelou a formação dos microtrombos já no primeiro dia de internação, o que reforça que a trombose microvascular é uma característica da covid-19.

No estudo, foram analisadas a imagem da microcirculação embaixo da língua de 13 pacientes no primeiro dia após a internação. A região sublingual foi escolhida porque é uma parte de mucosa possível de ser acessada de modo não invasivo. Os pesquisadores observaram evidências de trombose microvascular em 11 casos, ou seja, 85% dos pacientes.

No artigo, publicado ainda em versão preprint (não revisado por pares), os estudiosos dizem que a relevância clínica da trombose microvascular na covid-19 exige mais pesquisas.

O estudo teve apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil 

Exame indica tumor no trato digestivo de Bruno Covas

Bruno Covas, prefeito de São Paulo (Arquivo/Eduardo Ogata/Fotos Públicas)


O Hospital Sírio-Libanês informou que o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, será submetido na noite deste domingo (27) a uma laparoscopia diagnóstica. Na sexta-feira (25), Covas foi diagnosticado comtrombose venosa – formação de um coágulo sanguíneo em uma veia profunda – nas veias fibulares, localizadas na lateral da perna e no tornozelo.

“No sábado, dia 26, foi realizado um pet scan em continuidade à investigação diagnóstica. Este exame mostrou o surgimento de uma tumoração no trato digestivo”, informa o boletim médico.

Nesta segunda-feira (28), os médicos que acompanham Covas vão dar entrevista coletiva para falar sobre o estado de saúde do prefeito.

Bruno Covas deu entrada no Hospital Sírio-Libanês na quarta-feira (23) para o tratamento de uma erisipela, doença que causa um tipo de celulite (infecção da pele) provocada por bactérias que, quando encontram uma porta de entrada nas camadas mais superficiais da pele, espalham-se, formando uma mancha vermelha.

Prefeito de SP está internado com quadro de Trombose

Por Flávia Albuquerque

Bruno Covas, prefeito de São Paulo (Arquivo/Leon Rodrigues/Prefeitura de SP)


Depois de fazer exames complementares, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, foi diagnosticado com quadro de trombose venosa – formação de um coágulo sanguíneo numa veia profunda – nas veias fibulares, localizadas na lateral da perna e no tornozelo. Covas está internado desde a tarde de quarta-feira (23) no Hospital Sírio-Libanês, para o tratamento de uma erisipela.

A erisipela é doença que causa um tipo de celulite (infecção da pele) provocada por bactérias que, quando encontram uma porta de entrada nas camadas mais superficiais da pele, espalham-se, formando uma mancha vermelha. No sábado (19), ele já havia ido ao Hospital Albert Einstein por causa dessa infecção na pele em membro inferior.

Segundo o boletim médico, Covas segue em tratamento, sem previsão de alta.