Prefeitura entrega UBS Chácara Santo Antônio totalmente reformada

Prefeitura entrega UBS Chácara Santo Antônio totalmente reformada
A reforma faz parte de 15 obras previstas apenas na zona sul, dentro do programa Avança Saúde SP
O prefeito Ricardo Nunes, destacou que a UBS faz parte de cerca de 140 novas unidades, que estão ou entrarão em reforma, fora aquelas que já foram realizadas(Divulgação/SMS)

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), entregou nesta segunda-feira (2) a reforma da Unidade Básica de Saúde (UBS) Chácara Santo Antônio – Dr. Marcilio de Arruda Penteado Filho, na zona sul da capital. A obra foi financiada com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), dentro do programa Avança Saúde SP.

O prefeito da capital, Ricardo Nunes, destacou nesta manhã, durante a entrega das obras, que a UBS faz parte de cerca de 140 novas unidades, que estão ou entrarão em reforma, fora aquelas que já foram realizadas. “Vamos melhorar ainda mais as UBSs, como essa aqui, onde foram ampliados os consultórios, avançando na saúde e no atendimento da população, que depende muito do SUS.”

Durante as obras de reforma, iniciada em 3 de agosto de 2020, a UBS permaneceu em funcionamento. Para a reforma foram destinados R$ 2.028.703,95 e mais R$ 31.808,24 para mobiliários. O custeio mensal da UBS é de R$ 298.570,98. Outras oito obras estão em andamento na região sul e mais seis serão licitadas para início da construção.

Com fluxo de atendimento estimado em 992 consultas médicas mensais, 1.425 de enfermagem e 70 odontológicas, a UBS Chácara Santo Antônio recebeu melhorias como a individualização das salas de saúde bucal, ampliação da sala de observação e construção do almoxarifado, da área administrativa, gerência, copa e vestiários masculino e feminino. Além disso, o telhado e o piso da unidade foram substituídos e foram realizadas adequações da sala de curativo, vacina e esterilização.

A capital tem atualmente 92 obras em andamento, 30 concluídas e a contratação de nove obras a serem licitadas em agosto. Os recursos também são direcionados para a capacitação dos profissionais da saúde. Nesse período, cerca de 60 mil estão em aperfeiçoamento para atender à população nas diferentes unidades de saúde.

O investimento total no programa Avança Saúde SP é de US$ 200 milhões (cerca de R$ 1 bilhão), dos quais US$ 100 milhões (R$ 500 milhões) financiados junto ao BID e o restante como contrapartida da Prefeitura de São Paulo.

“A pesquisa Datafolha mostrou o quanto o SUS é um serviço importante para a cidade de São Paulo. A população de São Paulo reconhece os benefícios e as melhorias na área da saúde. Na capital, ninguém ficou sem atendimento médico neste período de pandemia. Orgulho do que a Prefeitura de São Paulo tem feito na saúde da cidade”, comentou o prefeito.

O secretário Edson Aparecido destacou a importância da parceria com o BID para avanços nas reformas e construções de novos equipamentos de saúde para o município de São Paulo. “Assim como a UBS Chácara Santo Antônio, outras dezenas e centenas serão reestruturadas para ampliar cada vez mais o acesso à assistência em saúde dos paulistanos”, afirmou o secretário.

O Avança Saúde SP é um programa de reestruturação e requalificação das redes assistenciais da cidade de São Paulo que tem como objetivo ampliar a oferta, melhorar as condições de acesso e aprimorar a qualidade de serviços municipais do Sistema Único de Saúde (SUS) para a população.

*Com informações da SMS

Após polêmica, Bolsonaro recua de estudo sobre UBS

O presidente Jair Bolsonaro anunciou, por meio das redes sociais, que revogou o Decreto nº 10.530/2020, que previa realização de estudos e a avaliação de parcerias com a iniciativa privada para a construção, a modernização e a operação de Unidades Básicas de Saúde (UBS) dos estados, do Distrito Federal e dos municípios.

Em mensagem na rede social, Bolsonaro negou que a medida alterasse o caráter público do Sistema Único de Saúde (SUS). “O espírito do Decreto 10.530, já revogado, visava o término dessas obras, bem como permitir aos usuários buscar a rede privada com despesas pagas pela União. A simples leitura do decreto em momento algum sinalizava para a privatização do SUS.”, escreveu o presidente.

Bolsonaro disse que “em havendo entendimento futuro dos benefícios propostos pelo decreto, o mesmo poderá ser reeditado.”

Conforme números apresentados pelo presidente, o Brasil tem mais de 4 mil UBS  e 168 Unidades de Pronto Atendimento (UPA) inacabadas e “faltam recursos financeiros para conclusão das obras, aquisição de equipamentos e contratação de pessoal.”

A Secretaria-Geral da Presidência da República informa que será publicada uma edição-extra do Diário Oficial da União cancelando o Decreto nº 10.530/2020.

Por Agência Brasil

Paciente se assusta com UBS lotada e chama a polícia na Zona Sul de SP

Filas gigantescas se formaram em busca de vacinas contra a febre amarela em postos de saúde de diversos bairros

Um paciente se assustou com o tamanho da fila de vacinação contra a febre amarela na UBS Santo Amaro, na Zona Sul de São Paulo, e chamou a polícia na tarde desta terça-feira (16). Filas gigantescas se formaram em busca de vacinas em postos de saúde de diversos bairros durante todo o dia, com pessoas que chegaram às 3 horas da manhã.

Na região do Jabaquara, 1.200 senhas já haviam sido distribuídas às 13h30. O panorama era o mesmo na UBS da Barra Funda, onde o porteiro Benedito de Morais Leite esperava há três dias pela vacina. “Tenho parentes no Horto Florestal e fico com medo”, explicou.

A zeladora Giselia Pereira contou que teve que faltar ao trabalho para conseguir se vacinar. “Fiquei seis horas esperando”, disse.

Uma mulher registrou com a câmera do celular o momento em que a Polícia Militar atendia um chamado na UBS Santo Amaro, feito por alguém que se assustou com a quantidade de pessoas em busca da imunização. Segundo ela, houve quem tivesse chegado ao local às 3 horas.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde disse que não houve tumulto na UBS Santo Amaro, e que um paciente se assustou com a quantidade de pessoas e chamou a polícia. A Secretaria reforçou que somente devem procurar a vacina pessoas que morem, trabalhem ou viagem para as áreas consideradas de risco.