Evento reúne 26 campi para apresentação de trabalhos científicos

Um evento sobre trabalhos científicos vai reunir 26 campi de universidades privadas da região Centro Sul do país. O Seminário de Extensão e Pesquisa (SEPESQ) ocorre nos dias 21 e 22 de outubro, com transmitido pelo Microsoft Teams. O tema abordado é “O contexto da educação no pós-pandemia”.   

O SEPESQ tem como objetivo proporcionar à comunidade acadêmica espaço para a apresentação e discussão de trabalhos científicos, nacionais e internacionais das diversas áreas de conhecimento. Além disso, tem por finalidade, integrar ações e eventos de diferentes instituições de ensino superior que estão localizadas na região Centro Sul, promovendo intercâmbios, trocas de experiências, conexão e proximidade com toda a comunidade acadêmica e egressos da graduação e pós-graduação.  

“Vamos promover um grande fórum de discussão focado na pesquisa e extensão envolvendo 26 campi, pertencentes às instituições de ensino Estácio, Damásio Educacional, UniMetrocamp e UniToledo, construindo juntas um espaço de dialógico, de crescimento acadêmico, buscando antever os desdobramentos que vivenciaremos no estado pós-covid-19”, diz Thais de Abreu Lacerda, coordenadora geral do SEPESQ.  

Dentre os palestrantes convidados, destacam-se a pesquisadora e professora Maria Inês Fini, que é Doutora em Ciências – Educação, Pedagoga, professora e pesquisadora em Psicologia da Educação, Psicologia do Desenvolvimento, Social e do Trabalho, especialista em Currículo e Avaliação, com experiência em Gestão Educacional na Educação Básica e Superior e ex-presidente do INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais/MEC (2016 a 2019).  

Este evento é gratuito e aberto ao público. Interessados devem se inscrever como ouvintes. A programação completa por unidade está disponível no site do SEPESQ. As instruções de acesso serão fornecidas pela organização próximo ao início do evento.  

Programação Geral:  

21/10/2020 – (Quarta-feira)  

Manhã  

8h30min – Abertura  

Jucie de Abreu Silva – Diretor Regional de Operações  

Thais de Abreu Lacerda – Acadêmica Regional  

9h às 10h – Live com a profa. Dra. Maria Inês Fini   

Tema: “O impacto social promovido pela Pesquisa e Extensão no Contexto do Ensino Superior e a importância da Academia no contexto da Pós-Modernidade”  

10h às 12h – Apresentação de trabalhos Científicos (IES)  

Noite  

19h às 20h – Live com Juliana Maria Matos Ferreira – Diretora Nacional Ensino; Thais de Abreu Lacerda – Gerente Acadêmica Regional; Mariana Cavaca Alves do Valle – Pró-reitora de Pesquisa e Extensão Centro Universitário Estácio de Belo Horizonte – Estácio BH.   

Tema: “A experiência do repensar as atividades de pesquisa e extensão no cenário remoto e as oportunidades do hibridismo frente ao cenário Pós-Covid”  

20h às 22h – Apresentação de trabalhos Científicos (programação local de cada IES)  

22/10/2020 – (Quinta-feira)  

Manhã  

8h às 9h – Live com José Guilherme Gonçalves Machado – Analista Internacional  

Tema: “A Educação sem limites através da Internacionalização”  

9h às 12h – Apresentação de trabalhos Científicos (programação local de cada IES)  

Tarde  

14h às 16h – Oficina Leandro de Jesus Silvano – Analista Regulatório Regional  

Tema: Currículo Lattes (exclusivo para Docentes)  

Noite  

19h às 21h – Live de Premiação Melhores Trabalho  

Serviço  

Evento: SEPESQ – Seminário de Extensão e Pesquisa  

Data: 21 e 22 de outubro   

Horário: Das 9h às 21h  

Inscrições: https://sepesqcentrosul.com/  

Jabaquara: Orientação jurídica gratuita inclui novas áreas

(Google Street View)

O Núcleo de Práticas Jurídicas (NPJ) da faculdade Estácio Conceição, no Jabaquara, zona sul de São Paulo, passará a oferecer novos serviços de orientação jurídica de graça. Questões de gênero, sexualidade e discriminação passam a ser contempladas pelos atendimentos.

“Além de ampliarmos os nossos serviços que já oferecemos vamos trabalhar também nas esferas como conciliações, judicialização e orientação jurídica”, comentou o professor Luan Conceição, coordenador do Núcleo.

O trabalho é uma oportunidade para os moradores de baixa renda receberem consultoria jurídica gratuita. O atendimento é realizado pelos alunos de Direito a partir do 7º semestre, sob orientação e supervisão de professores.



O Núcleo faz parte do programa de prática profissional do estágio obrigatório exigido pelo Ministério da Educação e pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) para garantir aos alunos a possibilidade de colocar em prática o que aprendem na sala de aula.

As novas equipes de atendimento e os serviços incluídos serão apresentados em dois eventos esta semana.

(Divulgação)

Sobre a Estácio

A Estácio é uma das maiores e mais respeitadas instituições do setor educacional brasileiro. Há 50 anos, proporciona acesso a um ensino de qualidade em larga escala e de maneira única. Está presente em 23 estados e no Distrito Federal, por meio do ensino presencial, e em todo o Brasil com o ensino digital, contando com mais de 570 mil alunos matriculados.

Oferece cursos de Graduação e Pós-graduação (lato sensu e stricto sensu), além de soluções corporativas e cursos de extensão. Aposta na tecnologia e na inovação como diferenciais para aprimorar o aprendizado, com currículos alinhados às necessidades do mercado de trabalho. A busca constante pela qualidade acadêmica e os investimentos na área de ensino geraram ótimos resultados nos últimos anos – suas instituições e cursos e são reconhecidos pelo MEC com elevados conceitos de qualidade.

Atuante em projetos que contribuem para o desenvolvimento social e cultural do País, a Estácio promove o Programa de Responsabilidade Social Corporativa Educar para Transformar. O programa, que apoia iniciativas em cinco pilares – Esporte, Escola, Cidadania, Cultura, Inovação e Empreendedorismo – reflete o compromisso da Estácio de oferecer uma educação acessível e de qualidade e, assim, gerar um impacto positivo para a construção de uma sociedade mais justa.

Serviços

Núcleo de Práticas Jurídicas

  • Endereço: Av. Eng. Armando de Arruda Pereira, 673 – Jabaquara
  • Telefone: (11) 3780-7800
  • E-mail: [email protected]

Horários de atendimento à população:

  • Segunda-feira: das 10h às 12h e 18h às 20h
  • Quarta-feira: das 10h às 12h e 18h às 20h
  • Quinta-feira: das 10h às 12h e 18h às 20h
  • Sexta-feira: das 10h às 12h e 18h às 20h

Divulgado resultado da 2ª chamada do ProUni

O Ministério da Educação divulgou hoje (18) o resultado da segunda chamada do Programa Universidade para Todos (ProUni) para o primeiro semestre de 2020. Os estudantes selecionados para receber a bolsa de estudos precisam comprovar as informações fornecidas no ato da inscrição. A documentação solicitada deve ser apresentada às instituições de ensino até o dia 28 de fevereiro.

O resultado pode ser conferido na página do ProUni .

As bolsas eventualmente não preenchidas poderão ser ocupadas por participantes da lista de espera. O prazo para se inscrever na lista de espera é de 6 a 9 de março e a divulgação será feita no dia 12 de março.

Neste semestre, o ProUni está oferecendo 252.534 bolsas. O sistema registrou mais de 1,5 milhão de inscrições, feitas por 782.497 estudantes. O número de inscrições é maior que o de inscritos porque cada participante pode escolher até duas opções de instituição, curso e turno.

ProUni

O ProUni é um programa do Ministério da Educação que oferece bolsas de estudos, integrais e parciais (50%), em instituições particulares de educação superior.

Podem participar estudantes que tenham cursado todo o ensino médio na rede pública, ou na rede particular na condição de bolsista integral; estudantes com deficiência; professores da rede pública de ensino, no efetivo exercício do magistério da educação básica, integrantes de quadro de pessoal permanente de instituição pública.

Para concorrer às bolsas integrais, o estudante deve comprovar renda familiar bruta mensal, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. Para as parciais, a renda familiar bruta mensal deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

Só pode se inscrever no ProUni o estudante que não tiver diploma de curso superior, que tenha participado do Enem mais recente e obtido, no mínimo, 450 pontos de média das notas, e nota acima de zero na redação.

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil 

Sai hoje o resultado da 2ª chamada para o ProUni

O Ministério da Educação divulga hoje (18) o resultado da segunda chamada do Programa Universidade para Todos (ProUni) para o primeiro semestre de 2020. Os estudantes selecionados para receber a bolsa de estudos precisam comprovar as informações fornecidas no ato da inscrição. A documentação solicitada deve ser apresentada às instituições de ensino até o dia 28 de fevereiro.

O resultado pode ser conferido na página do ProUni .

As bolsas eventualmente não preenchidas poderão ser ocupadas por participantes da lista de espera. O prazo para se inscrever na lista de espera é de 6 a 9 de março e a divulgação será feita no dia 12 de março.

Neste semestre, o ProUni está oferecendo 252.534 bolsas. O sistema registrou mais de 1,5 milhão de inscrições, feitas por 782.497 estudantes. O número de inscrições é maior que o de inscritos porque cada participante pode escolher até duas opções de instituição, curso e turno.

ProUni

O ProUni é um programa do Ministério da Educação que oferece bolsas de estudos, integrais e parciais (50%), em instituições particulares de educação superior.

Podem participar estudantes que tenham cursado todo o ensino médio na rede pública, ou na rede particular na condição de bolsista integral; estudantes com deficiência; professores da rede pública de ensino, no efetivo exercício do magistério da educação básica, integrantes de quadro de pessoal permanente de instituição pública.

Para concorrer às bolsas integrais, o estudante deve comprovar renda familiar bruta mensal, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. Para as parciais, a renda familiar bruta mensal deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

Só pode se inscrever no ProUni o estudante que não tiver diploma de curso superior, que tenha participado do Enem mais recente e obtido, no mínimo, 450 pontos de média das notas, e nota acima de zero na redação.

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil 

Tiroteio em universidade deixa ao menos dois mortos

Um tiroteio em uma Universidade da Rússia matou ao menos duas pessoas e deixou outras três feridas. As informações são da Agência de Notícias Portuguesa RTP.

O autor dos disparos foi um estudante da Universidade, que após o tiroteio se suicidou. A Universidade esclarece, em comunicado, que o aluno teria levado uma arma de caça para a sala de aula.

Os tiroteios na Rússia são raros, devido à lei sobre a posse de armas, mas, no ano passado, um adolescente matou 19 pessoas, também num estabelecimento de ensino superior.

*Com informações da RTP

Derrubada liminar que proibia cortes nas universidades

Por André Richter

Tribunal Regional Federal da primeira região (TRF/Reprodução)

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) aceitou nesta quarta-feira (12) recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e derrubou a decisão da Justiça Federal da Bahia que suspendeu, na semana passada, o contingenciamento de verbas de universidades federais e de outras instituições públicas de ensino.

Na decisão, o desembargador Carlos Moreira Alves, presidente do tribunal, entendeu que não há ilegalidades no bloqueio temporário de recursos, que também ocorreu nos demais órgãos do Poder Executivo, não somente no Ministério da Educação, segundo o magistrado.

“A programação orçamentária e financeira não afetou apenas a área da Educação, mas a de todos os demais ministérios do Poder Executivo, deixando ver a impessoalidade da medida necessária para a busca do equilíbrio fiscal e do aprimoramento da gestão dos recursos públicos, indispensável para o alcance da estabilidade econômica do país”, decidiu o desembargador.

Na sexta-feira (7), a juíza Renata Almeida de Moura, da 7ª Vara Federal de Salvador, atendeu a pedido feito em oito ações populares contra o contingenciamento de verbas, que foi anunciado pelo governo federal no fim de abril. Em todos os casos, há questionamento acerca do volume de bloqueios, bem como em relação aos critérios adotados pelo MEC na distribuição dos limites orçamentários.

AGU

No pedido de derrubada da liminar, a AGU citou que o Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas Primárias do 1º Bimestre de 2019 indicou a necessidade de contingenciar R$ 29,6 bilhões no âmbito do Poder Executivo Federal. “Desta forma, foi editado o Decreto nº 9.741/19, que afetou não somente a Educação, mas todos os ministérios – o da Defesa, por exemplo, teve 52,3% dos recursos para despesas discricionárias bloqueados”, divulgou, em nota, o órgão.

A AGU argumenta que o bloqueio foi feito em estrito cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal, que determina que o Poder Público deve limitar a movimentação financeira sempre que a arrecadação não for compatível com as metas de resultado primário ou nominal e avalia que este seria o caso de aplicação da lei.

Em parecer, AGU defende no STF bloqueio de verbas das universidades

Por Felipe Pontes

Em manifestação enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF), a Advocacia-Geral da União (AGU) defendeu o contingenciamento promovido pelo governo de 30% das verbas discricionárias (não obrigatórias) das universidades e de outras instituições de ensino federais.

O bloqueio foi questionado no Supremo, em diferentes ações, por ao menos cinco partidos que fazem oposição ao governo: PDT, Rede, PSB, PCdoB e PV. Entre outros argumentos, as siglas alegam que o Decreto 9.741, que permitiu o contingenciamento, compromete o direito constitucional à educação e fere o princípio de “vedação ao retrocesso”, além de violar a autonomia universitária.

Ao relator dos processos, ministro Celso de Mello, o advogado-geral da União, André Mendonça, afirmou que, ao contrário do alegado pelos partidos, o bloqueio não compromete de imediato os serviços prestados pelas instituições de ensino, pois o dinheiro pode ser liberado no futuro, antes que os recursos já disponíveis se esgotem.

“É importante deixar claro que o percentual bloqueado de 30% é da dotação discricionária das universidades. Ou seja, dos 100% que elas teriam para todo o ano de 2019, 30% foram bloqueados neste momento. Tendo em vista que não há possibilidade de as universidades e os institutos executarem 100% de suas despesas no primeiro semestre do ano, esse bloqueio não afetará de imediato nenhuma política ou pagamento dessas unidades”, escreveu o advogado-geral da União.

Sendo assim, “o contingenciamento orçamentário em análise obedece fielmente à legislação de regência e à finalidade pública para a qual está autorizado, sem interferência na autonomia universitária”, acrescentou Mendonça.

O AGU argumentou ainda que o direito à educação deve ser ponderado com outros princípios, como o da eficiência na administração pública e da aplicação responsável do dinheiro disponível, “diante do cenário de escassez de recursos públicos ora vivenciado pelo Estado brasileiro”.

Mendonça também negou que tenha havido discriminação de instituições específicas. “No presente caso concreto, o ‘bloqueio orçamentário’ ou a ‘contenção de despesa’ foi realizada de forma linear, no mesmo percentual, para todas as instituições, o que afasta qualquer alegação de uso com fins persecutórios ou punitivos”, escreveu o AGU.

O ministro Celso de Mello adotou rito abreviado para julgar as ações sobre o caso, que deve assim ser levado diretamente a julgamento pelo plenário do Supremo. Ainda não há data prevista para a análise.

Unesp suspende vestibular de meio de ano por causa de crise financeira

Por Fernanda Cruz

(Unesp/Reprodução)

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) suspendeu o vestibular de meio de ano, com provas normalmente em maio, para selecionar 360 alunos de nove cursos de graduação em engenharia nos campi de Bauru, Ilha Solteira, Registro, São João da Boa Vista e Sorocaba, no interior de São Paulo. 

Essas vagas, a partir do processo seletivo de 2019, passarão a ser oferecidas no final do ano, com início das aulas tanto em fevereiro, como em agosto.

Segundo a Unesp, o número de ingressos no meio do ano representa apenas 5% do total de vagas da universidade, mas os gastos com logística e operação para a realização de exames eram praticamente iguais nos dois períodos do ano.

A Universidade Estadual Paulista estuda formas alternativas de ingresso, como um melhor aproveitamento da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e a busca de talentos entre participantes de olimpíadas estudantis e bolsistas de iniciação científica no ensino médio.

Crise financeira 

Com os pagamentos do 13º salário dos servidos em atraso, a universidade informou que busca o reequilíbrio orçamentário e financeiro. A Unesp conseguiu a antecipação, em caráter emergencial, de R$ 130 milhões do repasse financeiro relativo às dotações orçamentárias de 2019 para honrar os pagamentos aos funcionários.

Houve negociação com o governo estadual e concordância dos reitores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Campinas (Unicamp).

Pelo acordo, está previsto o recebimento de R$ 65 milhões em fevereiro, o que possibilitará o crédito de 50% do 13º salário em atraso, a ser pago no próximo dia 25. A segunda parcela, que totaliza R$ 65 milhões, será paga no mês de maio.

A instituição informou que a falta de orçamento para a folha de pagamento vem sendo um problema de alta complexidade, com déficit de cerca de R$ 175 milhões.

Começam hoje inscrições para bolsas remanescentes do ProUni

Mariana Tokarnia/Agência Brasil

(Arquivo/Agência Brasil)

A partir de hoje (20), estudantes interessados em concorrer a bolsas do Programa Universidade para Todos (ProUni) podem fazer a inscrição pela internet. Ao todo serão ofertadas 106.252 bolsas que não foram preenchidas no processo de seleção regular, das quais 18.070 são integrais e 88.182, parciais de 50%.

O ProUni oferece bolsas de estudo em instituições particulares de ensino superior do país. Podem concorrer brasileiros sem diploma de curso superior que tenham participado de alguma edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010. É preciso ter obtido nota superior a 450 pontos nas provas e não ter zerado a redação.

Os interessados precisam ainda preencher um ou mais dos seguintes requisitos: ter cursado o ensino médio completo em escola pública ou em instituição privada como bolsista integral, ter alguma deficiência, ser professor da rede pública ou estar enquadrado no perfil de renda exigido pelo programa.

As bolsas integrais são para estudantes com renda per capita de até um salário mínimo e meio. Já as bolsas parciais destinam-se a candidatos que têm renda familiar per capita de até três salários mínimos.

O prazo para concorrer às bolsas varia. Os alunos já matriculados nas instituições de educação superior devem se inscrever até 28 de setembro. Para aqueles para aqueles não matriculados, o prazo é menor e vai até 24 de agosto.