São Paulo é o primeiro Estado a atingir meta de vacinação

Criança negra, usando máscara de proteção facial, segura cartão de vacinação diante de um painel que traz a imagem de uma enfermeira, a logomarca do Estado e a palavra "vacinajá".

O estado de São Paulo é o primeiro do Brasil a atingir a meta da OMS de vacinados contra a covid-19 entre a população elegível, ao chegar a 90% de cobertura vacinal.

De acordo com o governo, o estado já aplicou mais de 102 milhões de doses. A meta de 90% de cobertura vacinal foi atingida ontem (15). Esse percentual também é definido como ideal pelo Ministério da Saúde.

São Paulo também atingiu o índice de 73% de crianças vacinadas com a primeira dose da vacina, com 3,9 milhões de doses aplicadas até a tarde de ontem, entre o público de 5 a 11 anos. Entre os que tomaram a segunda dose, completando a imunização para esta faixa etária, o percentual é de 26,87%.

“São Paulo liderou o processo de vacinação no Brasil e, com a parceria com os 645 municípios, tem ampliado a cobertura vacinal e protegido a população. O dia de hoje é de celebração por atingirmos uma meta tão importante”, disse a coordenadora do Programa Estadual de Imunização, Regiane de Paula.

Além de ser líder no país, o estado superou números de países como Espanha (84,1%), Canadá (81,6%), França (77,8%) Alemanha (75,7%), Reino Unido (73,2%) e EUA (65,8%).

A Secretaria de Estado da Saúde também reforça a necessidade de quem ainda não tomou a segunda dose para que procure o posto de vacinação mais próximo da sua residência para se vacinar.

No público infantil, de 5 a 11 anos, são mais de 821,1 mil crianças não retornaram para tomar a segunda dose. O intervalo para a segunda dose da Coronavac é de 28 dias, já o da Pfizer é de 8 semanas.

Farmácias na Avenida Paulista e parques têm aplicação de vacina hoje contra covid-19

Neste domingo (13), a cidade de São Paulo segue com a campanha de vacinação contra a Covid-19 nas farmácias parceiras da avenida Paulista (nos números 2.371 e 266), das 8h às 16h, e nos parques Buenos Aires, Severo Gomes, do Carmo, Villa-Lobos, da Independência, Ceret e da Juventude, das 8h às 17h, exclusivamente para adolescentes e adultos.

Vale lembrar que já podem receber a dose de reforço da vacina os adultos que receberam a segunda dose há pelo menos quatro meses. Na unidade, é necessário apresentar documento de identificação e o cartão de vacinação contra a Covid-19, físico ou digital, com o registro das doses recebidas anteriormente.

A dose de reforço está disponível também para os adolescentes de 12 a 17 anos com alto grau de imunossupressão, inclusive gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto) desta faixa etária, que receberam a segunda dose da Pfizer há pelo menos oito semanas (56 dias). No caso da segunda dose adicional, o jovem deve ter tomado a primeira dose adicional de Pfizer há pelo menos quatro meses (122 dias).

Também estão elegíveis para a segunda dose adicional as pessoas com alto grau de imunossupressão acima de 18 anos que tomaram a primeira dose adicional há pelo menos quatro meses, independentemente do imunizante aplicado.

Na unidade, o grupo com alto grau de imunossupressão deve apresentar comprovante de vacinação (físico ou digital) e comprovante de condição de risco (exames, receitas, relatório ou prescrição médica físicos ou digitais), contendo o CRM do médico e com até dois anos de emissão.

O instrutivo de priorização de doses mostra a lista do que é considerado alto grau de imunossupressão.

SERVIÇO – VACINAÇÃO CONTRA A COVID-19 NA CAPITAL
13 de março de 2022 (domingo)

Farmácias avenida Paulista: Vacinação Adolescentes e Adultos. Avenida Paulista, nº 2371 e 266 – das 08h às 16h
Parques: Vacinação Adolescentes e Adultos. Funcionamento das 8h às 17h.
Centro: Parque Buenos Aires;
Sul: Parque Severo Gomes;
Leste: Parque do Carmo;
Oeste: Parque Vila Lobos;
Sudeste: Parque da Independência,
Parque Ceret; Norte: Parque da Juventude.

Butantan pede à Anvisa para vacinar crianças de 3 a 5 anos

O Instituto Butantan enviou para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) um pedido para iniciar a vacinação contra a Covid-19 em crianças entre 3 e 5 anos com a Coronavac. A solicitação chegou nas mãos da agência na noite da última sexta-feira (11).

O prazo de avaliação começa a partir da próxima segunda-feira (14) e a Anvisa tem sete dias úteis para tomar alguma decisão. A Anvisa considerará pontos, como segurança e eventos adversos identificados, ajuste de dosagem da vacina e fatores específicos dos organismos das crianças em fase de desenvolvimento.

A Coronavac já está sendo aplicada em crianças entre 6 e 11 anos. A Anvisa aprovou o uso emergencial do imunizante em 20 de janeiro. Na época, o Butatan pediu a aprovação já para o público a partir dos 3 anos. Porém, segundo os técnicos, os dados não demonstraram a segurança e efetividade necessária.

O estudo ainda indicou que a vacina não podia ser aplicada em crianças imunocomprometidas (como aquelas em tratamento para câncer) porque faltavam dados sobre os benefícios do imunizante para esta população específica.

Estado supera marca de 100 milhões de doses de vacina contra covid-19 aplicadas

agente de saúde prepara a vacina removendo o imunizante do frasco com um seringa

O estado de São Paulo ultrapassou, nesta quarta-feira (2), a marca de 100 milhões de doses de vacina contra Covid-19 aplicadas. Com 82,4% da população vacinada, o estado é líder em vacinação no Brasil, superando também os números de países como Japão (79,53%), Itália (78,7%), França (77,56%), Alemanha (74,79%), Reino Unido (71,86%) e EUA (64,72%), quando comparada a população imunizada.

Em países com população igual ou maior do que a de SP, o Estado fica atrás da Coreia do Sul (86,48%), China (85,48%) e Espanha (83,52%), segundo estatísticas do site Our World in Data.

“Os índices de vacinação em São Paulo seguem avançando graças à parceria com os 645 municípios. Os profissionais da saúde fizeram a diferença e, juntos, temos feito a maior campanha de vacinação da história”, destacou Regiane de Paula, Coordenadora do Plano Estadual de Imunização (PEI).

Entre os elegíveis para receber as doses, ou seja, todos acima de 5 anos de idade, SP já chegou a marca de 88,2% da população imunizada com as duas doses. A vacinação da dose adicional também tem crescido nas últimas semanas, com mais de 20,4 milhões de doses aplicadas.

Entre as crianças, o estado também superou a marca de 3 milhões de doses aplicadas e tem 67,9% dos que tem de 5 a 11 anos com pelo menos uma dose. Cerca de 10% do público infantil que tomou o imunizante da Coronavac, já recebeu a segunda dose e completou o esquema vacinal. O intervalo de aplicação da vacina é de 28 dias, já o imunizante da Pfizer é de 8 semanas.

“São Paulo impulsionou a vacinação no Brasil e foi o primeiro a vacinar em janeiro de 2020. O pioneirismo do estado também ocorreu na imunização das crianças, quando em janeiro deste ano abriu a vacinação do público infantil no país. Estas iniciativas têm salvado vidas e são fundamentais para a redução das internações e óbitos por Covid-19 no estado, permitindo um maior controle da pandemia”, afirmou o Secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn.

Postos da Capital reabrem para vacinar crianças

Frasco de vacina contra covid-19 para crianças traz tampa na cor laranja. Na foto, aparece sendo segurado pela mão de uma pessoa.

São Paulo abre toda a rede municipal de saúde a partir do meio-dia de hoje (2) para a vacinação de crianças contra a covid-19. Nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) da capital, a imunização da população acima de 5 anos de idade vai até as 19h e,  nos mega postos e drive-thrus, até as 17h. As  Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs)/Unidades Básicas de Saúde integradas iniciaram a vacinação às 8h e seguem funcionando até as 19h.

As crianças devem estar acompanhadas por um responsável adulto com documento de identificação, comprovante de residência e carteirinha de vacinação.

Os endereços dos locais de vacinação podem ser consultados na página da Secretária Municipal de Saúde.

A página De Olho na Fila mostra a disponibilidade de doses e as filas nos postos de vacinação. As crianças de 5 anos de idade e as entre 5 e 11 anos com alto grau de imunossupressão podem receber somente as vacinas pediátricas da Pfizer.

Imunização

O último balanço divulgado pela prefeitura de São Paulo, com dados até as 13h de ontem (1º), mostra que, da população entre 5 e 11 anos de idade na cidade, 78,1% já receberam a primeira dose das vacinas contra o novo coronavírus, totalizando 845,7 mil crianças.

Nesse público, 14,3% já tomaram a segunda dose do imunizante, o que representa 154,7 mil crianças.

Vacina contra covid-19 começa a ser aplicada nas escolas

Carteira de vacinação sobre a mesa. Material de papel traz escrito "Vacinação contra covid-19". Na linha de baixo está escrito "Infantil" em letras grandes.

A Secretaria de Saúde de São Paulo começou a busca ativa nas escolas da rede municipal nesta segunda-feira (21), com objetivo de vacinar crianças de 6 a 11 anos que ainda não tomaram a dose da vacina contra a Covid-19.

A busca inicia em cada escola municipal, que verifica as carteirinhas de vacinação dos alunos para aferir quais ainda precisam receber doses. Até o último sábado (19), a cidade alcançou a marca de 74,1% de crianças de 5 a 11 anos vacinadas com a primeira dose (D1) dos imunizantes. A estimativa para essa faixa etária é imunizar um total de 1.083.159 crianças na capital. 

A vacinação deve ocorrer no horário de início das aulas e 30 minutos antes do final de cada período. Crianças com 5 anos devem ser vacinadas com a Pfizer pediátrica. A faixa-etária de 6 a 11 anos pode tomar a CoronaVac.

Segundo a Prefeitura de São Paulo, os postos de saúde de cada bairro junto com as escolas realizam o agendamento para a imunização. 

Na cidade, 250 mil crianças de 5 a 11 anos de idade ainda precisam tomar a vacina contra a Covid-19. O número foi informado pelo prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), durante campanha em uma escola na zona sul da cidade.

Estado reforça vacinação nas escolas

O governo do estado de São Paulo inicia hoje (19) um mutirão de vacinação contra a covid-19 em escolas estaduais, municipais e particulares no estado. A iniciativa, chamada de Semana E, ocorre até a próxima sexta-feira (25) e tem como objetivo aumentar a cobertura vacinal de crianças de 5 a 11 anos. 

Os estudantes só poderão ser vacinados mediante autorização dos pais ou responsáveis. No entanto, a presença dos pais não é obrigatória, bastando somente um documento de concordância com a imunização contra a covid-19. O termo já foi disponibilizado e poderá ser retirado pelos pais e responsáveis nas escolas que aderirem à iniciativa.

“As escolas sempre foram grandes aliadas da vacinação e mais uma vez serão um diferencial para alcançarmos a nossa meta de vacinação. Esperamos que um número grande de municípios possam aderir à iniciativa para a proteção das nossas crianças”, destacou Regiane de Paula, Coordenadora do Plano Estadual de Imunização (PEI).

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, os pais devem se informar pelos canais de comunicação das prefeituras, responsáveis pela estratégia local de vacinação, para saber quais escolas irão participar da Semana E.

São Paulo tem atualmente 60% da população infantil vacinada com a primeira dose, totalizando 2,4 milhões de doses aplicadas, segundo dados do Vacinômetro

Idosos devem receber quarta dose contra covid-19 em abril

Frasco de vacina contra covid-19 para crianças traz tampa na cor laranja. Na foto, aparece sendo segurado pela mão de uma pessoa.

Idosos acima de 60 anos e que vivem no estado de São Paulo deverão receber a quarta dose da vacina contra a covid-19 a partir do dia 4 de abril. A informação foi dada hoje (16) pelo coordenador executivo do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, João Gabbardo.

Segundo ele, a quarta dose já vem sendo aplicada na população imunossuprimida do estado, mas o comitê científico vê a necessidade também de que idosos tomem a quarta dose porque nesse grupo há redução da capacidade imunológica.

“É baseado nisso que o comitê científico entende que os idosos também estão incluídos nesse grupo de imunodeprimidos. Eles passam por um processo em que há redução de sua capacidade imunológica. Há uma redução no tempo em que essas pessoas que são vacinadas ainda apresentam imunidade”.

De acordo com Gabbardo, a imunização da quarta dose começará no dia 4 de abril, respeitando um cronograma baseado na faixa etária.

“Vamos começar pelas pessoas acima dos 90 anos e vamos reduzindo as faixas etárias até a inclusão dos mais de 60 anos. O cronograma será definido seguindo a disponibilidade de vacina”, disse ele.

O coordenador disse ainda que a quarta dose será aplicada com a vacina que estiver disponível no estado e a “que for orientada para a aplicação”.

Enquanto isso, disse ele, o governo de São Paulo continua buscando os mais de 2 milhões de faltosos que não compareceram para tomar a segunda ou terceira doses de vacina contra a covid-19.

“As pessoas que não tomaram a segunda dose, devem tomar a segunda dose. Quem não fez a terceira dose, deve tomar a terceira dose”, enfatizou.

Mortes por covid-19: 82% das vítimas não se vacinaram

Os não vacinados contra a covid-19 ou com esquema incompleto são 82% das mortes pela doença no Instituto de Infectologia Emílio Ribas, unidade de referência para casos graves da doença em São Paulo. 

O levantamento foi feito com dados de pessoas internadas nos últimos três meses. Das 17 mortes, 14 não tinham três doses da vacina.

O estudo também indica que houve queda nas mortes com o avanço da vacinação no estado. Uma redução de 85% dos óbitos por covid-19 entre junho e dezembro de 2021.  

De acordo com o instituto, São Paulo aplicou 17,4 milhões de doses de reforço, e cerca de 10 milhões já podem procurar os postos para tomar mais uma dose da vacina. A aplicação deve ser feita após quatro meses da segunda dose.

O atraso na segunda dose alcança 2,1 milhões de pessoas no estado. Mais da met

Estado faz mobilização para vacinar paulistas

Secretario de saúde do estado, jean gorinchteyn, posa para foto ao lado de personagem infantil, uma ave do desenho Galinha pintadinha. Também estão na foto uma criança vacinada, o governador João doria e uma mulher, vestida de branco.

Neste sábado (5), São Paulo terá o Dia C para estimular a vacinação infantil contra a covid-19. A ação, que ocorre em todos os 645 municípios do estado, é voltada para crianças com idade de 5 a 11 anos.

Dados do Vacinômetro do governo paulista mostram que, até o momento, 1,6 milhão de crianças na faixa etária receberam o imunizante, o que corresponde a 40% desse público.

Como parte da campanha, mais de 5 mil postos estarão abertos entre 7h e 19h, conforme a programação de cada município. De acordo com o governo, a ideia é que pais e responsáveis que trabalham ou têm compromissos durante a semana possam levar os filhos aos postos. A meta é chegar a 100% de imunização com a primeira desse público nas próximas semanas. 

Secretario de saúde do estado, jean gorinchteyn, posa para foto ao lado de personagem infantil, uma ave do desenho Galinha pintadinha. Também estão na foto uma criança vacinada, o governador João doria e uma mulher, vestida de branco.
João Doria, governador, e Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde do Estado, com personagem “Galinha Vacinadinha”, em referência ao desenho, junto com uma criança que acabou de ser vacinada
(Gov. do Estado de SP)

A vacinação infantil em São Paulo começou no dia 14 de janeiro, assim que o imunizante da Pfizer foi liberado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Em seguida, em 20 de janeiro, a Coronavac também foi autorizada, ampliando a disponibilidade de doses. 

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, foram disponibilizadas 4 milhões de doses da vacina produzida pelo Butantan e 900 mil doses pediátricas da Pfizer. Crianças imunossuprimidas e com 5 anos só podem receber o imunizante da farmacêutica norte-americana. 

Pela internet, os pais e responsáveis podem fazer um pré-cadastro para a vacinação de crianças e adolescentes. Não se trata de um agendamento, mas, sim, uma forma de agilizar o atendimento, portanto, o cadastro é opcional.