Vôlei: Brasil é campeão sul-americano, mas cai no ranking feminino

Reprodução / Facebook oficial CBV

O Brasil perdeu a liderança do ranking mundial de seleções no vôlei feminino para os Estados Unidos na atualização desta segunda-feira (20). Apesar da conquista do 22º título sul-americano no último domingo (19), a derrota por 3 sets a 1 para a Colômbia, na última rodada do torneio continental, impactou a pontuação brasileira, devido ao algoritmo que leva em conta o placar do jogo, o peso da competição e a força do adversário.

Conforme os critérios adotados pela Federação Internacional de Voleibol (FIVB, na sigla em inglês) desde fevereiro de 2020, o algoritmo calcula probabilidades de resultados em cada jogo com base no histórico das equipes e a situação no ranking. Um triunfo sobre a Colômbia não daria muitos pontos ao Brasil, nem custaria tantos às rivais. O resultado oposto, porém, rendeu uma pontuação alta às colombianas e um desconto também elevado às brasileiras, que caíram para 366 pontos, contra 379 das norte-americanas, campeãs olímpicas em Tóquio (Japão).

A equipe comandada por José Roberto Guimarães chegou à rodada final do Sul-Americano, disputado na própria Colômbia, precisando vencer apenas um set contra as anfitriãs para levantar a taça. Com apoio da torcida no ginásio da cidade de Barrancabermeja, as colombianas surpreenderam e ganharam as duas primeiras parciais (25/19 e 25/23), o que já garantiu o time da casa no Mundial do ano que vem.

O Brasil acordou no terceiro set e levou a melhor, mesmo com sofrimento (26/24), assegurando o título. Mas o nível da atuação seguiu abaixo do apresentado na Olimpíada, quando o time ficou com a medalha de prata. A Colômbia aproveitou para vencer o quarto set (25/23) e conquistar um triunfo inédito na história do confronto pelo Sul-Americano. Comandadas pelo brasileiro Antônio Rizola, as colombianas terminaram o torneio com as mesmas três vitórias e uma derrota do escrete verde e amarelo, ficando atrás pela média de sets ganhos.

“Vamos comemorar esse título e toda a temporada que foi muito especial para o nosso grupo. Passamos por muitos momentos difíceis, e terminar o Sul-Americano com esse título e a vaga do Mundial foi uma conquista. Encerramos felizes e já pensando no próximo ciclo que é Paris [França, sede da próxima Olimpíada, em 2024]”, comemorou a ponteira Gabi, escolhida a melhor jogadora do Sul-Americano, à página da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV).

Por Lincoln Chaves – Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional 

Brasil cai para China; segunda derrota do vôlei na Liga das Nações

Divulgação Fvib

Nesta terça-feira (8), a seleção brasileira feminina de vôlei perdeu para a China por 3 sets a 2 (18/25, 25/22, 25/20, 14/25 e 15/12) no fechamento da terceira semana da Liga das Nações disputada em Rimini na Itália. O resultado quebrou uma sequência de cinco vitórias da equipe verde e amarela.

“Foi um grande jogo. Tivemos bons momentos, mas a China foi melhor e mereceu a vitória. Vamos estudar essa partida e ver onde podemos melhorar. A Liga das Nações é um campeonato longo e testes como esse são importantes para a nossa evolução. Agora é seguir treinando e pensar nos próximos adversários”, afirmou Tandara, maior pontuadora da seleção brasileira, com 26 pontos, 10 deles no primeiro set.

Além da oposta, Gabi e Carol Gattaz marcaram 19 vezes cada.

Até o momento, o Brasil tem sete vitórias em nove partidas, e 22 pontos somados. Essa campanha deixou a equipe do técnico Zé Roberto Guimarães na terceira colocação da competição.

O time volta a jogar no sábado (12). O adversário será a Polônia, às 16h (de Brasília). Na sequência, os adversários serão Alemanha e Tailândia.

Na quarta-feira (09), o torneio masculino será retomado, com o Brasil encarando a Holanda, às 16h (de Brasília). Bulgária e Polônia são os outros adversários desta rodada.

Por Juliano Justo, repórter da Agência Brasil

Vôlei: seleção masculina se recupera e bate Japão na Liga das Nações

Reprodução / Twitter Oficial Time Brasil

Um dia após perder para a França, a seleção masculina voltou a vencer na manhã desta sexta-feira (4) na Liga das Nações, em Rimini (Itália). O país ganhou do Japão por 3 sets a 0 (25/20, 25/16 e 25/20) e soma agora quatro vitórias em cinco jogos. A equipe brasileira fecha a participação na segunda semana do torneio neste sábado (5), contra a Sérvia, às 10h (horário de Brasília). Os jogos são transmitidos ao vivo no canal da Federação Internacional de Voleibol (FIVB, sigla em francês).

O time brasileiro começou a partida com Douglas Souza, Cachopa, Isac, Leal, Wallace, Mauricio Souza e os líberos Maique e Thales revezando. Durante a partida, Alan, Bruninho, Flavio, Mauricio Borges e Matheus também jogaram. O maior pontuador foi o oposto Wallace, com 16 acertos.

“Acho que o time foi bem consistente, errou pouco. Isso, contra um time como o Japão, que defende muito, tem muito volume, é importantíssimo. A gente teve paciência nos momentos que precisava ter, e conseguiu definir nos momentos que precisava definir”, avaliou o jogador em depoimento à Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

Quem também brilhou hoje em quadra foi o ponteiro Douglas Souza, que anotou 13 pontos. e o atacante Leal, com outros 12.

Por Juliano Justo, repórter da Agência Brasil

Superliga de Vôlei começa com jogos em São Paulo

(Divulgação)

Foram mais de sete meses de espera. Mas, a partir deste sábado (31), a Superliga masculina de vôlei está de volta. As 12 principais equipes do Brasil começam a corrida para conquistar o troféu da temporada 2020/2021 da principal competição da modalidade no país. Os jogos terão transmissão ao vivo no Canal Vôlei Brasil. A bola já sobe neste sábado (31), a partir das 19h (horário de Brasília), com a partida inaugural entre Ribeirão Preto (SP) e Minas Tênis Clube (MG), no ginásio da Cava do Bosque, na cidade de Ribeirão Preto, no interior paulista. Em razão dos protocolos sanitários para conter a disseminação do novo coronavírus (covid-19), a Superliga não terá presença de público nos estádios, pelo menos até o fim do ano, segundo Renato D’Ávila, superintendente de competições de quadra da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

Marcos Pacheco, técnico do Ribeirão Preto, falou sobre as mudanças de elenco nos últimos meses, durante live (transmissão ao vivo) de lançamento da Superliga no perfil da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), no Facebook, na última terça-feira (27).  “É um grande desafio. Nós tínhamos outras perspectivas para esse ano. Mas, em função dessa nova realidade da pandemia, as coisas não andaram da forma como a gente gostaria. E vamos enfrentar essa Superliga com uma equipe bastante jovem. Temos grandes talentos, sim. Só que a maioria dos atletas não tem experiência em jogos como esses”, disse o comandante do Cavalo, como é conhecida a equipe de Ribeirão Preto (SP).

E logo na primeira rodada, o Cavalo terá pela frente um dos times mais tradicionais do vôlei nacional, o Minas Tênis Clube. Maior vencedora de torneios nacionais, a equipe mineira tem como principal nome para esta  temporada o levantador William Arjona, campeão olímpico. “A gente começa o torneio pensando em ir o mais longe possível. É claro que o grande objetivo é o título. Se vamos chegar ou não, só saberemos lá no final. Mas o investimento e o trabalho estão sendo feitos para isso”, afirmou o técnico Nery Tambeiro, também durante a live.

O segundo jogo da noite deste sábado (31) terá início às 21hh30.  O Sesi-SP estreia contra o Caramuru Vôlei, do Paraná, no ginásio da Vila Leopoldina, na capital São Paulo (SP). Para esta temporada, o tradicional Sesi vem com uma equipe completamente reformulada. A média de idade do plantel é de apenas 20 anos e nove meses. Inclusive, o técnico. o campeão olímpico Marcelo Negrão, estará estreando à frente de uma equipe na Superliga. Antes de assumir o comando da time principal, Negrão teve uma longa passagem pelas equipes de base do Sesi-SP.

“Quebramos um pouco o gelo no Paulista. Fizemos alguns amistosos e disputamos o Super Oito. Isso foi uma grande bagagem para eles iniciarem bem o campeonato. A Superliga é uma competição longa e o importante é evoluir sempre”, disse o treinador, em depoimento ao site da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). 

Já Fábio Sampaio, no comando do time paranaense, acredita que a nova temporada revelará jovens jogadores. “Deve ser uma competição mais nivelada. Muitos times com elenco jovem. Essa Superliga deve revelar muitos novos talentos. Temos a expectativa de fazer um bom papel e o objetivo de ficar entre os oito melhores”, disse o treinador ao site da CBV.

No domingo (01), a rodada segue com o estreante Guarulhos, líder da Superliga B na edição passada, encara o Cruzeiro, no ginásio da Ponte Grande, em Guarulhos (SP), às 21h30. A aposta do time da grande São Paulo está na mescla de veteranos e novos talentos. A manutenção do medalhista olímpico Thiago Alves e as chegadas dos experientes Tiago Barth e Sandro Barbalho são peças importantes na preparação técnica do time.

“Evoluímos bastante durante o Campeonato Paulista, mas nosso foco sempre foi a Superliga. Trabalhamos bastante para fazer uma grande disputa”, disse o capitão Sandro, ex-jogador do Cruzeiro, o primeiro adversário do Guarulhos nesta temporada. Os mineiros vão em busca da sétima conquista da Superliga e novamente com um plantel cheio de estrelas, entre eles destacam-se o retorno do oposto Alan, o ponteiro argentino Facundo Conte e o central Otávio.

A rodada inicial continua na próxima terça (3 de novembro) com mais dois jogos. Em Montes Claros, o América-MG pega o campeão paulista Vôlei Renata, às 19h. Mais tarde, às 21h30, o Uberlândia-MG, também estreante no torneio, joga em casa com o Taubaté- (SP), no estádio Sabiazinho. O último jogo da primeira rodada será em 18 de novembro,  entre o Itapetininga-SP e o Blumenau-SC, às 17h, no Ayrton Senna da Silva, no interior paulista.. Essa partida precisou ser adiada pela CBV devido a oito atletas do Itapetininga-SP terem diagnósticos positivos para covid-19. A equipe só pode retornar aos treinamentos nesta semana.

Quanto aos protocolos sanitários, para evitar a propagação da covid-19, serão realizados testes a cada 15 dias. Os atletas que apresentarem resultados positivos deverão ficar em quarentena por dez dias. O time que tiver quatro ou mais atletas, ou dois levantadores infectados, poderá pedir o adiamento da partida.

Programação – 1ª rodada

sábado (31) 

 19h – Ribeirão Preto (SP) x Minas Tênis Clube (MG), na Cava do Bosque, em Ribeirão Preto (SP)

 21h30 – Sesi (SP) x Caramuru Vôlei (PR), na Vila Leopoldina, em São Paulo (SP)

domingo (1º de novembro) 

 21h30 – Guarulhos (SP) x Cruzeiro (MG), na Ponte Grande, em Guarulhos (SP)

terça-feira (3 de novembro)

19h – América (MG) x Vôlei Renata (SP), no Tancredo Neves, em Montes Claros (MG)

21h30 – Uberlândia (MG) x Taubaté (SP), no Sabiazinho, em Uberlândia (MG)

quarta-feira (18 de novembro) 

17h – Itapetininga (SP) x Blumenau (SC), no Ayrton Senna da Silva, em Itapetininga (SP)

Por Juiano Justo – Repórter da TV Brasil e Rádio Nacional