Governo antecipa pagamento do abono anual para segurados da Previdência Social

Governo antecipa pagamento do abono anual para segurados da Previdência

O governo federal decidiu antecipar o pagamento do abono anual (equivalente ao 13º salário) devido aos segurados e aos dependentes da Previdência Social neste ano. A medida consta em decreto assinado nesta terça-feira (4) pelo presidente Jair Bolsonaro e que será publicado na edição de amanhã do Diário Oficial da União (DOU).

O pagamento ocorrerá em duas parcelas. A primeira, correspondente a 50% do benefício devido em maio de 2021, será paga juntamente com os benefícios desse mês, entre os dias 25 de maio e 8 de junho. A segunda parcela será paga com os benefícios da competência do mês de junho de 2021, entre 24 de junho e 7 de julho. O pagamento do abono anual ocorre, em geral, nas competências agosto e novembro.

Segundo o Ministério da Economia, a medida tem por objetivo incrementar a renda dos beneficiários que fazem jus ao abono, o que deve injetar cerca R$ 52,7 bilhões na economia do país. A pasta também informou que a medida não tem impacto orçamentário, já que haverá somente a antecipação do pagamento do benefício, sem acréscimo na despesa prevista para o ano.

De acordo com o governo, a grande maioria dos beneficiários da Previdência Social são pessoas idosas, doentes ou inválidas e, portanto, integrantes dos grupos mais vulneráveis ao novo coronavírus.

*Com informações da Agência Brasil

Abono salarial terá pagamento antecipado

Nesta sexta-feira (05), foi publicada uma nova resolução no Diário Oficial da União, na qual o governo antecipa o saque do abono salarial do PIS/Pasep. De acordo com o novo calendário, funcionários de empresas privadas nascidos entre março e junho, e funcionários públicos com inscrição de final 8 e 9 no Pasep, têm direito a sacar o benefício na próxima quinta-feira (11). 

O calendário antigo previa que esses trabalhadores receberiam apenas no dia 17 de março.

De acordo com a nova resolução, os empregados que forem correntistas da Caixa, receberão o crédito do PIS em conta a partir do dia 9 de fevereiro. O mesmo vale para os servidores públicos com direito ao abono do Pasep. Já os trabalhadores que não possuem conta na Caixa, o dinheiro será depositado em poupança social digital, que pode ser movimentada pelo aplicativo Caixa Tem.

Para saber se tem o direito e como sacar, é possível realizar consulta das seguintes maneiras:

PIS: 

– No Aplicativo Caixa Trabalhador

– No site da Caixa, clique em “Consultar pagamento” 

– Pelo telefone de atendimento da Caixa: 0800 726 0207

Pasep:

– Pelos telefones da central de atendimento do Banco do Brasil: 4004-0001 (capitais e regiões metropolitanas); 0800 729 0001 (demais cidades) e 0800 729 0088 (deficientes auditivos).

Por TV Cultura

Abono salarial do PIS/Pasep começa a ser pago hoje

Os últimos beneficiários do calendário 2019/2020 dos programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) recebem o abono salarial a partir de hoje (19). O prazo máximo para sacar os recursos é 30 de junho de 2020.

Quem é cliente da Caixa Econômica Federal ou do Banco do Brasil recebeu os recursos por meio de crédito automático no último 17.

O pagamento do PIS para trabalhadores da iniciativa privada é feito pela Caixa, e do Pasep, para servidores públicos, pelo Banco do Brasil.



O último lote do atual calendário foi liberado para os trabalhadores nascidos em maio e junho, no caso do PIS.

Para os servidores, o pagamento foi liberado para aqueles com inscrição final 8 e 9.

Os valores variam de R$ 88 a R$ 1.045, de acordo com a quantidade de dias trabalhados durante o ano base 2018.

Os pagamentos são escalonados conforme o mês de nascimento do trabalhador e tiveram início em julho de 2019, com os nascidos naquele mês.

A estimativa é de que sejam destinados R$ 19,3 bilhões a 23,6 milhões de trabalhadores, em todo o calendário do PIS/Pasep.

Por Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil 

Em derrota ao Governo, abono salarial é mantido

Por  Wellton Máximo 

(Marcos Oliveira/Agência Senado)


Pressionado pela queda no quórum, o governo sofreu uma derrota na votação de um dos destaques da reforma da Previdência. Na madrugada desta quarta-feira (2), o Plenário do Senado derrubou a restrição do abono salarial a quem ganha até R$ 1.364,43. Com a retirada do ponto da proposta de emenda à Constituição (PEC), a economia com a reforma da Previdência cai para R$ 800,2 bilhões nos próximos dez anos.

Com a derrota, o abono salarial continuará a ser pago aos trabalhadores – com carteira assinada há pelo menos cinco anos – que recebem até dois salários mínimos. A restrição do pagamento do abono salarial geraria economia de R$ 76,2 bilhões ao governo nos próximos dez anos, segundo o Ministério da Economia.

O governo precisava de 49 votos para derrubar o destaque apresentado pelo Cidadania e manter a restrição ao abono salarial, que constava do texto aprovado pela Câmara dos Deputados e pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado, mas teve quatro votos a menos que o necessário. O destaque obteve 42 votos sim (que manteria o texto da Câmara) e 30 votos não (que retiraria o ponto da reforma), mas a maioria foi insuficiente para derrubar o ponto da reforma.

Destaques rejeitados

Logo depois da derrota, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), encerrou a sessão e marcou a continuação da votação dos destaques para as 11h desta quarta-feira. Antes de perder a votação do abono salarial, o governo tinha conseguido derrubar dois destaques com maioria folgada. Um destaque de autoria do Podemos foi retirado mediante acordo.

De autoria do MDB, o primeiro destaque rejeitado foi uma emenda de redação que impediu que o texto-base da PEC da reforma da Previdência fosse alterado e voltasse para a Câmara. O governo venceu a votação por 75 a 0.

O segundo destaque rejeitado, apresentado pelo PT, buscava restabelecer a aposentadoria por periculosidade para profissões de risco, como motoboys, vigilantes, guardas municipais e de trânsito, seguranças e agentes que manuseiam explosivos. A proposta foi derrubada por 71 votos a 3.

Um destaque do Podemos que buscava restabelecer a autorização para que prefeituras criassem regimes próprios de Previdência para os servidores foi retirado pelo partido, depois de dúvidas se a proposta alteraria o mérito da reforma da Previdência e acarretaria o retorno do texto para a Câmara dos Deputados.

SP: Operação da PF contra fraude no abono salarial do PIS

(Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (22), em São Paulo, a operação Golpes Master. O objetivo é desarticular uma quadrilha voltada para a obtenção fraudulenta do abono salarial/PIS (Programa de Integração Social) em agências da Caixa Econômica Federal.

A previsão é cumprir oito mandados de busca e apreensão em residências na capital paulista na tentativa de colher provas e documentos. Um grupo de 60 policiais participa da ação.

Há quatro meses, começou a investigação conduzida pela delegacia de Polícia Federal de Cruzeiro/SP, que prendeu um dos integrantes do grupo a partir do cruzamento de informações e comparações de imagens captadas pelas câmeras de vigilância das agências bancárias.

Somente nesta primeira fase da operação foi possível identificar 88 saques fraudulentos. O cálculo é de um prejuízo para os cofres públicos de mais de R$ 80 mil.

O que é o PIS

O PIS é um programa do governo federal voltado para o financiamento do pagamento do seguro-desemprego, abono salarial e participação na receita dos órgãos e entidades.

O abono salarial é pago anualmente, no valor máximo de um salário mínimo, para pessoas cadastradas no programa há mais de 5 anos, que tenham tido uma remuneração média no ano anterior até dois salários mínimos, dentre outros requisitos.

O nome da operação se deu porque a quadrilha havia formado uma empresa fictícia denominada Golpes Master e, com frequência, postava nas redes sociais fotos do dinheiro obtido com as fraudes praticadas.
 
As informações se restringem à nota da Polícia Federal, não haverá entrevista coletiva, porém, o delegado responsável pela investigação e execução da operação se encontrará no Setor de Comunicação Social da Superintendência da PF em São Paulo às 10h30, quando estará à disposição da imprensa para dirimir dúvidas.