Guarulhos revoga decreto que suspendia servidores sem vacina

(Câmara de Guarulhos/via Agência Brasil)

O decreto da Câmara Municipal de Guarulhos que determinava a suspensão do contrato de mais de 100 servidores que não teriam apresentado cartão de vacinação contra a covid-19 foi revogado. A orientação começou a valer na última sexta-feira (22), mas o presidente da Câmara Municipal de Guarulhos, o vereador Fausto Miguel Martelo, voltou atrás. Uma portaria cancelou os efeitos do decreto que suspendia o contrato de trabalho de 137 servidores entre concursados, vereadores e comissionados.

Isso porque, de acordo com informações da própria Câmara Municipal, dos nomes que estavam na primeira lista, divulgada na sexta-feira, 128 já tinham apresentado comprovantes de vacinação ao serviço médico da casa, mas por problemas internos não foram contabilizados; e 9 pessoas eram servidores aposentados, exonerados ou em licença médica.

Com isso, fica comprovado que todos os trabalhadores, servidores e vereadores da Câmara Municipal de Guarulhos estão com a carteira de vacinação da covid-19 em dia.

Guarulhos foi uma das primeiras cidades do país a exigir o chamado passaporte de vacinação contra a covid-19 para permitir acesso de pessoas a eventos e locais públicos, como bares, cinemas e restaurantes.

Desde o dia 26 de agosto, há um decreto na cidade obrigando funcionários da administração pública direta ou indireta a se vacinarem.

Atualmente a cidade tem mais de 77% de sua população com a imunização completa em duas doses ou pela vacina de dose única.

Por Agência Brasil

Câmara de Guarulhos suspende servidores que não se vacinaram

(Reprodução)

O presidente da Câmara Municipal de Guarulhos, na Grande São Paulo, Fausto Martello, assinou uma portaria suspendendo os servidores e vereadores que não comprovaram vacinação contra a covid-19.

O texto cita como base a portaria municipal de setembro de 2021 que obriga todos os funcionários da administração pública direta e indireta a se imunizarem contra o novo coronavírus.

A portaria, publicada no Diário Oficial do município da última sexta-feira (22), traz os nomes dos funcionários e vereadores com os contratos de trabalho suspensos. A determinação é que a relação de nomes seja afixada em um local público.

Por Agência Brasil