Chuva provoca estado de atenção para alagamentos

Chuva na região da Marginal Tietê (Redação/SP Agora)

A chuva que atingiu São Paulo e a região metropolitana da Capital no começo da noite de hoje (15) deixou a cidade em estado de atenção para alagamentos. Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE-SP), “imagens do radar meteorológico do CGE da Prefeitura de São Paulo mostram precipitação forte com potencial para queda de granizo na Zona Norte, nas subprefeituras de Perus, Pirituba/Jaraguá e Freguesia do Ò”.

O CGE informou que o temporal veio do interior e ganhou força ao se aproximar da região metropolitana. Mais cedo, durante a tarde, parte da cidade já havia ficado em estado de atenção para alagamentos, mas a chuva perdeu força.

Fim de Semana

No sábado (16), muitas nuvens e poucas aberturas de sol pela manhã. A propagação de uma frente fria provoca chuva a partir das primeiras horas da tarde. Há potencial para pancadas fortes, descargas elétricas e rajadas de vento. Os termômetros oscilam entre 17°C e 26°C.

O domingo (17) será chuvoso e com sensação de frio. A presença do sistema frontal na costa do Sudeste e a propagação de um cavado, área de baixa pressão, nas camadas médias e altas da atmosfera vai favorecer a formação de chuva. Há potencial para precipitações com intensidade moderada a forte, formação de alagamentos e deslizamentos de terra. Pequena amplitude térmica. Mínima de 15°C e máxima de 19°C.

Tempo fecha e Capital tem alerta para alagamentos

Chuva se aproxima da zona norte de São Paulo e atinge a Marginal Tietê (Redação/SP Agora)

O tempo voltou a fechar no meio da tarde de hoje (12), em São Paulo, e na região metropolitana, após o encontro de uma brisa marítima com o clima abafado. O Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE-SP), por volta de 15h, colocou a cidade em estado de atenção para alagamentos.

“De acordo com os dados do radar meteorológico da Prefeitura de São Paulo, os pontos mais significativos se concentram nos municípios de Embú, Cotia e Itapecerica da Serra”, diz boletim do CGE-SP.

O alerta sobre risco de alagamento incluiu, inicialmente, as zonas sul, oeste e a Marginal Pinheiros. Por volta de 16h foi aplicado sobre toda cidade.

Rodovia

Rodovia Raposo Tavares, chegada a São Paulo (DER/Reprodução)

A chuva também atingiu rodovias que ligam São Paulo e a região Metropolitana ao litoral e interior, provocando lentidão nas rodovias. Na Régis Bittencourt, a concessionária informou que havia pontos de chuva e lentidão do km 281 ao km 280, em Embu das Artes, sentido São Paulo, no meio da tarde.

Na Rodovia dos Imigrantes também houve registro de chuva e o trânsito é intenso na chegada à interligação de planalto, do km 46 ao 56, por volta de 15h. Na Bandeirantes, do 13 ao 15, houve registro de congestionamento por causa do trânsito intenso nas marginais, na chegada a cidade de São Paulo. Também houve lentidão, por volta de 16h, em Jundiaí.

Na Ayrton Senna e na Anhanguera não havia informação de lentidão no trânsito no mesmo horário.

*atualizado às 16h08

Frente fria provoca chuva com com raios e trovões

Chuva na região da Marginal Tietê, na zona norte (Redação/SP Agora)

A passagem de uma frente fria pelo litoral de São Paulo provocou chuva com raios e trovões, no começo da noite, em São Paulo. Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE-SP), “a noite paulistana transcorre com chuvas de fraca intensidade e temperaturas em declínio”.

Segundo o órgão, a temperatura média na Capital, por volta de 18h, era de 20ºC, e umidade do ar superior a 80%. Até domingo, a previsão é de chuva na cidade.

Amanhã (10), “a frente fria ainda permanece sobre o litoral paulista mantendo o tempo instável e chuvoso de forma intermitente no decorrer do dia, e sem expectativa de grandes volumes de precipitação”, informa o CGE-SP.

Mesmo com tempo fechado, os termômetros sobem durante o dia e chegam a 24ºC.

No “sábado (11) ainda será de tempo instável com chuviscos na madrugada e pancadas isoladas de curta duração à tarde”, destaca. Os meteorologistas dizem que “não há previsão de temporais para a Capital paulista, que deve ter curtas aberturas de sol e céu com muitas nuvens”.

A mínima no sábado deve ser de 17°C na madrugada e máxima de apenas 22°C no período da tarde

Seca prejudica abastecimento de água e geração de energia

A estiagem prolongada já deixou os principais reservatórios de geração elétrica do Rio de Janeiro e de São Paulo com volume útil abaixo de 40%. A falta de chuva prejudica, também, o abastecimento de água em algumas cidades.

Segundo os dados do Sistema de Acompanhamento de Reservatórios da Agência Nacional de Águas (ANA), na Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul, que abastece o Rio de Janeiro, o reservatório de Paraibuna está em 27,20% do volume útil, Jaguari com 29,32%, Santa Branca com 19,78%, e Funil com 38,83%. Os dois primeiros pertencem à Companhia Energética de São Paulo (Cesp) e os últimos à à Light, fornecedora do Rio de Janeiro.

Em 2015, parte do sistema foi desligado por falta de água para funcionar. O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou na quinta-feira (26)) que será preciso garantir uma produção adicional de energia a partir de outubro, para atender à demanda que não poderá ser suprida pelas usinas hidrelétricas do país.

Os dados desse sábado (28) do Sistema Interligado Nacional (SIN) da ANA indicavam um volume de 44,35% nos reservatórios, valor abaixo do registrado no mesmo período dos últimos 4 anos. Há um ano, o volume estava em 58,27%.

Água

A Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) informou durante a última semana que a estiagem já prejudica o abastecimento de água em algumas regiões, como na Barragem Beija-Flor, que fornece água para a Granja Guarani, em Teresópolis, na região serrana, e opera com 30% da capacidade.

No distrito de Andrade Costa, em Vassouras, região centro-sul do estado, a produção de água tratada da Cedae opera com 60% da capacidade. O sistema Imunana-Laranjal, que serve São Gonçalo, Niterói, Itaboraí e parte de Maricá, todos na região metropolitana, está com capacidade reduzida para 88%.

No estado de São Paulo, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), informa que hoje (29) o manancial da Cantareira está com 37,4% do volume operacional, Alto Tietê com 44,6% e Guarapiranga com 49,2%. Na quantidade de chuva no mês de agosto, os dois últimos chegaram a 56% da média histórica e Cantareira está em 62% do esperado para o mês.

Já em Minas Gerais, o sistema Paraopebas está com o nível dos reservatórios em 76,6% e as chuvas durante o mês de agosto ficaram mais ou menos na média histórica, chegando ao dobro do volume esperado para o mês no sistema produtor de Rio Manso. Os dados são referentes à data de hoje, divulgados pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa).

Previsão de chuvas isoladas

No Rio de Janeiro, a previsão do tempo é de muitas nuvens com pancadas de chuva isoladas e temperatura em queda, com máxima de 25 graus Celsius (ºC) e mínima de 18ºC, e umidade relativa do ar entre 90% e 40%. Para amanhã, a temperatura pode chegar a 30ºC e há possibilidade de chuva isolada pela manhã.

Em São Paulo, também há previsão de muitas nuvens com pancadas de chuva isoladas hoje, quando a temperatura deve ficar entre 15ºC e 19ºC e a umidade relativa do ar entre 80% e 100%. Amanhã, há possibilidade de chuva isolada, com a temperatura caindo para mínima de 14ºC e a umidade podendo chegar a 60%.

Por Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil 

Após um mês de seca, sábado amanhece com chuva

Chuva na região da Marginal Tietê, perto da Ponte da Casa Verde (SP Agora)

O sábado (28) amanheceu chuvoso na Capital Paulista, na região Metropolitana e também em parte do Litoral do Estado. Esta chuva interrompe um período de um mês de tempo seco, já que a última chuva significativa registrada pelo Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE-SP) foi em 28 de julho.

Logo pela manhã, o CGE-SP colocou a cidade em estágio de atenção para alagamentos. “O estado de atenção para alagamentos em toda a Cidade persiste desde às 06h24 e segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), até o momento foram registrados dois pontos de alagamentos transitáveis, ambos na região Central”, diz nota do órgão da Prefeitura de São Paulo.

A previsão dos meteorologistas é de que haja uma diminuição gradativa da chuva ao longo do dia, mas podem ocorrem novas pancadas de chuva até o fim da tarde. Durante a madrugada, “a temperatura média ficou em torno dos 14,1°C e no decorrer do dia não deve superar os 19°C, com taxas de umidade do acima dos 70%”, afirma.

O CGE-SP lembra que, historicamente, o mês de agosto não tem tradição de muita chuva. A média é de apenas 29,4mm.

Fortes chuvas causam destruição e mortes na Alemanha

(Deutsche Welle/Reprodução)

Fortes chuvas e enchentes deixaram ao menos 20 mortos e dezenas de desaparecidos no oeste da Alemanha, informou a polícia nesta quinta-feira (15/07). Os estados da Renânia do Norte-Vestfália e da Renânia-Palatinado foram os mais afetados. 

A situação é particularmente grave no pequeno município de Schuld, na Renânia-Palatinado. Entre 50 e 70 pessoas estavam desaparecidas na cidade na manhã desta quinta-feira. Seis casas desabaram durante a noite com a força das águas, e outras dezenas estão em risco. As autoridades locais decretaram estado de catástrofe.

Todo o distrito administrativo de Ahrweiler, onde fica Schuld, foi afetado pelas chuvas, e cinco mortes foram registradas na região. Várias localidades ficaram isoladas devido às enchentes. Cerca de 50 pessoas refugiadas sobre telhados ainda aguardavam resgate na manhã desta quinta.

A polícia disponibilizou um número de telefone de emergência para o registro de desaparecidos e pediu que moradores enviassem vídeos e fotos que pudessem auxiliar nas buscas. Helicópteros foram acionados para os trabalhos de resgate. Cerca de 200 soldados também ajudam nas operações.

Autoridades pediram que as pessoas ficassem em casa sempre que possível e, se necessário, permanecessem em andares mais altos das residências, alertando que a situação é muito séria.

“Nunca tínhamos visto uma catástrofe assim. É realmente devastador”, afirmou a governadora da Renânia-Palatinado, Malu Dreyer. Ela agradeceu a todos os socorristas por seu empenho.

No estado vizinho da Renânia do Norte-Vestfália, dois bombeiros morreram durante trabalhos de resgate nas cidades de Altena e Werdohl. Em Solingen e no distrito de Unna, dois homens, de 82 e 77 anos, morreram em porões alagados. Em Colônia, duas pessoas também foram encontradas mortas em seus porões. Outra morte foi registrada em Rheinbach, perto de Bonn.

No distrito administrativo de Euskirchen, no sul do estado, ouve ao menos oito mortes. Algumas localidades estão isoladas, e as comunicações foram afetadas, incluindo o número de emergência dos bombeiros. Autoridades informaram que operações de resgate seguem em curso. 

Também foram bastante atingidas as cidades de Hagen – assolada pela enchente do rio Volme, um afluente do Ruhr – e Wuppertal, onde uma represa transbordou. Nos arredores de outra barragem, de Bevertal, mais de mil pessoas tiveram que deixar suas casas. 

Várias regiões também foram afetadas por quedas de energia. A operadora Westnetz afirmou que ao menos 200 mil pessoas estavam sem luz na Renânia do Norte-Vestfália e na Renânia-Palatinado na manhã desta quinta.

A situação é tão catastrófica que a empresa ferroviária Deutsche Bahn aconselhou viajantes a evitarem a Renânia do Norte-Vestfália. Rodovias também foram afetadas.

A chuva parou na manhã desta quinta-feira, e em muitos locais começaram os trabalhos de limpeza. De acordo com o Serviço Meteorológico Alemão (DWD, na sigla em alemão), o clima permanecerá instável nos próximos dias, com mais chuvas e tempestades.

Por Deutsche Welle
lf/as (DPA, AFP, ARD)

Chuva deixa morros de Santos em ‘Estado de Atenção’

(Arquivo/Leandro Frota/Pref. de Santos)

As chuvas dos últimos dias fizeram com que a Prefeitura de Santos colocasse os morros da cidade em ‘Estado de Atenção’ para escorregamento de encostas. Segundo o município, nas últimas 72 horas a chuva provocou um acumulado pluviométrico de 105,2 mm.

Em comunicado divulgado hoje (21) pela prefeitura, a Defesa Civil alerta que a “quantidade de água deixou o solo bastante encharcado, com risco de escorregamentos”.

Apesar do estado de atenção, até o momento não houve registro de ocorrência.

Só neste mês, Santos acumula 268,6mm em volume de chuvas, “quantidade maior que a média esperada para o mês, baseada nos 25 anos anteriores, que é de 218,4 mm”, explica o comunicado.

Um alerta da Defesa Civil Estadual, emitido ontem (20), aponta para a possibilidade de chuva forte no litoral paulista até sexta-feira (23).

Chuva forte coloca regiões da cidade de SP em estado de atenção

A chuva forte que atingiu nesta terça-feira(30) a cidade de São Paulo colocou diversos bairros da capital paulista em estado de atenção para alagamentos.

De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura de São Paulo, as regiões Sul, Sudeste e Oeste, além da Marginal Pinheiros, foram classificadas em estado de atenção para alagamentos desde as 15h30, e a Zona Leste, desde as 16h12. O alerta foi encerrado às 16h30.

Em bairros da capital, como Sapopemba, na Zona Leste, e Saúde, na Zona Sul, e em cidades da região metropolitana, como Cotia e Taboão da Serra, choveu granizo por alguns minutos.

Alagamentos foram registrados em São Bernardo do Campo, o centro da cidade, ficou completamente tomada pela água.

Na capital, o CGE registrou dois pontos de alagamento transitáveis, no centro da cidade.

Previsão do tempo

As chuvas desta terça vieram do interior do estado e se formaram pelo calor e a atuação da brisa marítima, reforçadas pela chegada de uma frente fria originária da região Sul do país.

Na segunda-feira (29), também houve tempestade de granizo na Grande São Paulo, nas cidades de Mogi das Cruzes e Mauá.

Chuva derruba 28 árvores e provoca enchente

Chuva na região de Taboão da Serra, na Grande São Paulo (Viação Pirajuçara/Reprodução)

A chuva que atingiu a região metropolitana de São Paulo, na tarde de hoje (28), provocou ao menos 28 quedas de árvores, segundo números divulgados pelo Corpo de Bombeiros. Além destes chamados, a corporação registrou também duas ocorrências de enchente, mas sem vítimas.

O temporal começou a se formar no começo da tarde. Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), às 14h30 a região da Marginal Pinheiros e a zona sul foram colocadas em estágio de atenção para alagamentos.

No decorrer da tarde, outras áreas da Capital e da região Metropolitana foram atingidas pela chuva, incluindo a Marginal Tietê. Na região de Taboão da Serra, fotos postadas nas redes sociais mostravam ruas encobertas por enxurrada. Antes do começo da noite, todas as regiões estavam livres do risco de alagamentos.

“As áreas de chuva que atingiram a Capital paulista durante a tarde se afastam em direção ao litoral sul, restando apenas chuva com fraca intensidade”, informou o CGE, em nota.

Previsão do tempo

Segundo o CGE, a primeira quinzena de março será de muita chuva na Capital e na região metropolitana. “Historicamente é um mês chuvoso e geralmente fecha a temporada de verão com precipitação acima da média, que é de 176,0mm. Em 2020, março registrou um déficit de chuva com apenas 86,0mm de média”, informa.

Ainda segundo os meteorologistas do órgão, a previsão para esta semana é de temperaturas amenas na madrugada, com possiblidade de chuva durante a tarde, que pode ser de forte intensidade. Há riscos de alagamentos, principalmente no começo da noite. Nesta segunda-feira (1), os termômetros devem marcar temperatura máxima de 28ºC.

São Paulo entra em estado de atenção para alagamentos

A chuva forte que atinge a cidade de São Paulo nesta quarta-feira (24) deixou todas as regiões da capital em estado de atenção para alagamentos, de acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), órgão da Prefeitura de São Paulo.

Segundo o CGE, novo pontos de alagamentos foram registrados na cidade até 14h55.

No Ipiranga, na Zona Sul da capital, o Córrego Ipiranga entrou em iminência de transbordamento.

De acordo com o CGE, áreas de instabilidade vindas da região de Itapecerica da Serra e Juquitiba causaram chuva moderada na Zona Sul, nas subprefeituras de M Boi Mirim, Campo Limpo e Santo Amaro, com potencial para alagamentos e rajadas de vento.

Regiões em estado de atenção

Zona Oeste, desde às 13h37
Zona Sudeste, desde à 13h37
Zona Leste, desde às 13h37
Centro, desde às 13h37
Zona Sul, desde às 13h
Marginal Pinheiros, desde às 13h
Zona Norte, às 14h35
Marginal Tietê, às 14h35