Rosto de Demétrius Oliveira Macedo. Foto retirada de uma rede social.

Procurador que agrediu chefe vira réu por feminicídio

Demétrius Oliveira de Macedo, que foi preso na última quinta-feira (23) por ter espancado sua colega de trabalho, virou réu na Justiça de São Paulo por tentativa de feminicídio, conforme a denúncia do Ministério Público (MP). O caso aconteceu no início da semana passada, na Prefeitura de Registro (SP).

A decisão é do juiz Raphael Ernane Neves, da 1ª Vara do município. O agressor tem 10 dias para apresentar sua defesa prévia.

Rosto de Demétrius Oliveira Macedo. Foto retirada de uma rede social.
Demétrius Oliveira Macedo, autor da agressão

Na ocasião, o homem de 34 anos agrediu a procuradora após descobrir um pedido de abertura de processo contra ele por conta de supostas posturas violentas com colegas.

Gabriela Samadello Monteiro de Barros, de 39 anos, é chefe do procurador. Ela havia cobrado providências sobre um episódio de grosseria contra uma funcionária, pois estava com medo de trabalhar no mesmo ambiente que Macedo.

Rosto de Demétrius Oliveira Macedo. Foto retirada de uma rede social.

Agressor de procuradora é preso na Grande São Paulo

O procurador Demétrius Oliveira Macedo, que espancou a procuradora-geral da prefeitura de Registro, Gabriela Samadello Monteiro de Barros, foi preso hoje (23) pela Polícia Civil, um dia após a Justiça decretar a prisão. O indiciado estava em uma clínica em Itapecerica da Serra, na grande São Paulo.

Na última segunda-feira (20), Macedo foi filmado dando socos, chutes, xingando e espancando a procuradora, sua chefe, dentro do ambiente de trabalho.

Rosto de Demétrius Oliveira Macedo. Foto retirada de uma rede social.
Demétrius Oliveira Macedo, autor da agressão

Os vídeos da agressão, que caíram rapidamente na internet, também mostram Macedo empurrando outra funcionária, com força, contra a porta.

A Polícia Civil abriu boletim de ocorrência por lesão corporal contra Macedo, e o delegado responsável pelo caso, Daniel Vaz Rocha, pediu à Justiça a prisão preventiva do procurador. Rocha justificou o pedido dizendo que o acusado tinha “sérios problemas de relacionamento com mulheres no ambiente de trabalho, sendo que, em liberdade, expõe a perigo a vida delas, e consequentemente, a ordem pública.”

Na noite de ontem (22), a Justiça expediu o mandado de prisão.

Também ontem, mais cedo, a prefeitura de Registro publicou no Diário Oficial a suspensão preventiva de Demétrius do trabalho por 30 dias, com interrupção de salário. Também foi aberto processo administrativo para apurar o episódio, o pode implicar exoneração do cargo.

O Ministério Público de São Paulo informou que designou dois promotores de Justiça, ambos com atuação em Registro, para investigar a agressão.