Documentário da Netflix homenageia Chadwick Boseman, o Pantera Negra

A Netflix anunciou, nesta terça-feira (13), um documentário sobre a carreira e trabalho de Chadwick Boseman. O ator faleceu em agosto de 2020. Ele enfrentava um câncer de cólon desde 2016.

“Chadwick Boseman: Portrait of an Artist” conta com relato de artistas, diretores e amigos que trabalharam ao lado de Boseman em diferentes momentos de sua carreira. Entre os convidados estão Viola Davis, Denzel Washington, Spike Lee e Phylicia Rashad.

O documentário estreia no próximo sábado (17) e ficará disponível na plataforma por apenas 30 dias.

Assista ao trailer:

Boseman alcançou fama internacional ao interpretar T’Challa no Universo Cinematográfico Marvel (MCU), estreando no papel em ‘Capitão América: Guerra Civil (2016)’. Em 2018, estrelou seu filme solo, Pantera Negra, recordista de bilheteria e vencedor de 3 Oscars. Além de participar dos filmes seguintes da franquia Vingadores (Guerra Infinita, em 2018, e Ultimato, em 2019), ele estrelou também o longa mais recente de Spike Lee, ‘Destacamento Blood’ (2020), da Netflix.

Por TV Cultura

Com Ney Matogrosso, ‘Delicadeza é Azul’ traz reflexão sobre autismo

(Marcelo Tabach/Divulgação)

“Não existe em lugar nenhum onde esteja determinado que uma coisa seja normal e outra coisa seja anormal. Eu sempre fui transgressor”. São com essas palavras, entre outras, que o artista Ney Matogrosso dá a sua opinião sobre o que é considerado “normal” e “anormal” no documentário “Delicadeza é Azul”, que estreia nos cinemas de diversas capitais do Brasil no dia 14 de janeiro (Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Fortaleza, Palmas, Porto Alegre, Salvador e Goiânia). O longa-metragem, dirigido por Yasmin Garcez e Sandro Arieta, traz um panorama sobre o autismo e promove uma reflexão através de depoimentos com famílias que convivem com o Transtorno do Espectro Autista, professores, terapeutas, médicos e artistas.

O filme mostra também os desafios, tanto dos familiares, quanto de especialistas, em busca do melhor tratamento, como também questões que abordam a inclusão escolar e na sociedade como um todo. “Quis fazer este filme porque acho que no Brasil temos poucos produtos audiovisuais que abordam esta questão e sabemos que o quanto antes o diagnóstico for dado para as crianças, melhores chances de desenvolvimento elas terão no decorrer da sua vida”, afirma a diretora Yasmin Garcez.

‘Delicadeza é Azul’ questiona, de forma lúdica, o que significa no mundo de hoje uma comunicação relevante através dos cinco sentidos humanos. Na construção dessa narrativa, artistas convidados explicam sobre o que seria o valor funcional e poético de cada um deles: o cantor Ney Matogrosso fala sobre a audição, Bob Wolfenson, fotógrafo, sobre a visão, Roberta Sudbrack, chef, sobre paladar, a perfumista Veronika Kato sobre olfato e, por fim, a artista plástica Suzana Queirosa conversa sobre o tato.

Com muita poesia e emoção, o roteiro vai além das dificuldades práticas da síndrome e chama para uma conscientização cada vez mais urgente de que ser diferente é normal. “O filme nasceu em 2015, em uma época que eu comecei a assistir alguns documentários estrangeiros sobre o autismo. É um tema que sempre me chamou a atenção. São pessoas que colocam uma lente de aumento sobre os cinco sentidos e isso é muito forte. Pode ser muito potente e, ao mesmo tempo, pouco funcional para quem vive o Transtorno”, diz Yasmin. Produzido pela Ubuntu Filmes e coproduzido pela Afinal Filmes, o documentário terá lançamento nos cinemas no dia 14 de janeiro e também conta com direção de Sandro Arieta. A distribuição é da Pipa Pictures.

Caetano Veloso: “Temos um governo inimigo das liberdades”

(VideoFilmes/Divulgação)

Aos 78 anos, Caetano Veloso convida espectadores a mergulharem em algumas de suas  mais profundas e dolorosas memórias. Ao assistir ao documentário Narciso em Férias, que estreou na última segunda-feira (07/09) na 77ª edição do Festival de Veneza, experimenta-se a força da narrativa, mas também da linguagem corporal e simbólica do cantor e compositor baiano.

Tudo começou quando Paulinha, como Caetano se refere carinhosamente à companheira Paula Lavigne, teve a ideia de recontar o capítulo Narciso em Férias, do livro de memórias Verdade Tropical, com imagens em movimento. Nesse capítulo, o baiano descreve a temporada que passou no cárcere durante a ditadura militar.

A produtora e empresária Lavigne idealizou o documentário e, para dirigi-lo, convidou Renato Terra, que repetiu a parceria com Ricardo Calil, iniciada no longa Uma Noite em 67. “Nesse momento do país, sinto que o filme entra como um sopro de afeto, de esperança, de força e de clareza”, diz Terra à DW Brasil.

Os dois diretores optaram por um formato minimalista, no qual cada detalhe ganha relevância: os silêncios, as pausas, as inflexões de Caetano. “Tiramos imagens de arquivo, tiramos entrevistas, tiramos trilha sonora, tiramos qualquer efeito de câmera”, explica Terra.

No longa, com 83 minutos de duração e também disponibilizado no Globoplay, Caetano aparece numa sala cinza vazia da Cidade das Artes, espaço cultural inacabado no Rio de Janeiro. Ele está sentado em uma cadeira e algumas vezes, poucas, pega o violão e canta. 

“O Antônio Prata me disse que, ao ver o filme, a experiência dele foi muito melhor assim, porque foi completando o que Caetano estava dizendo com as imagens da cabeça dele. É como um filme de terror, por exemplo, que fica muito mais interessante quando você não mostra o monstro. Você só sugere o monstro”, diz Terra.

Os 54 dias de encarceramento de Caetano tiveram início em dezembro de 1968, apenas 14 dias depois da emissão do AI-5. Ele e Gilberto Gil fora retirados de suas casas em São Paulo e levados para o Rio de Janeiro por policiais à paisana. Em entrevista à DW Brasil, Caetano relembra os horrores do cárcere: “Eu tinha uma alucinação de que a minha vida era só aquilo. Eu me lembrava das coisas como se elas fossem apenas sonhos.”

Sobre o atual momento vivido pelo Brasil, sob o governo do presidente Jair Bolsonaro, Caetano diz que a perspectiva para o país é “sombria”. “Temos um governo inimigo das liberdades […] No médio prazo, a gente olha para frente e não vê uma coisa muito boa.”

DW Brasil: Como era sua rotina durante os 54 dias em que ficou encarcerado?

Caetano Veloso: Gil e eu fomos levados para o 1º Batalhão de Polícia do Exército, na Tijuca. Na primeira semana, eu fiquei numa solitária. Foi terrível. Dormia no chão, tinha uma privada perto da minha cabeça, um chuveiro por cima da privada e nada mais. Depois de alguns dias, eu estava muito mal da cabeça. Achava que nunca tinha vivido outra coisa, senão aquilo. No fim dessa primeira semana, fomos transferidos, Gil e eu, para um outro quartel (da Polícia do Exército da Vila Militar, no subúrbio de Deodoro), onde eu dividi o xadrez com outros rapazes. Eu num xadrez, e Gil no outro. Só por não estar mais na solitária já era melhor, mas continuava ruim. Não tinha onde dormir, tinha mais gente do que a cela podia comportar, tínhamos que dividir um chuveiro para todos. Por fim, me transferiram para o quartel dos paraquedistas do Exército. Desta vez, eu tinha cama, travesseiro, lençol. Tinha até um banheiro separado.

Você dividia a cela com outros artistas e intelectuais?

Eu não. No xadrez de Gil estavam alguns nomes da cultura brasileira, como o poeta Ferreira Gular, o escritor Antônio Calado, o jornalista e romancista Paulo Francis. Geraldo Vandré era procurado. Os militares tinham um ódio violento dele por causa daquela canção Pra não dizer que não falei das flores, que falava de “soldados armados, amados ou não”. Eu estava com líderes estudantis, rapazes vinculados à Igreja Católica, mas de esquerda. O Gil estava numa cela melhor porque tinha diploma, ele podia até ter violão. O sofrimento era grande. A minha mulher [Dedé Gadelha] não sabia onde eu estava. Ninguém da minha família sabia. Eu fui sequestrado, estava desaparecido. E já fazia um mês.

(VideoFilmes/Divulgação)

Foi nesse momento que você achou que poderia ser assassinado?

Eu vivi muitos momentos terríveis. No período final da primeira semana nessa solitária que eu descrevi, fiquei muito mal da cabeça. Achei que a vida tinha sido sempre aquilo. Porque eu dormia e acordava, e estava sempre ali. Não via ninguém, não via nem a mim mesmo. O carcereiro colocava café e um pedaço de pão através de uma portinhola. Eu tinha uma alucinação de que a minha vida era só aquilo. Eu me lembrava das coisas como se elas fossem apenas sonhos.

Um dia, quando eu estava no segundo quartel, o tenente chegou com um soldado. Eu me lembro que o soldado me olhava chorando. Ele balançava a cabeça, como se reprovasse aquela situação. Eu pensei: “O que será que vai acontecer?” Lembro-me de meus companheiros de cela assustados. Eles me olhavam com uma cara como se também estivessem se perguntando: “O que será que vai acontecer?” Esse tenente e outros dois outros militares me tiraram da cela. Eles me mandaram andar na frente deles. Eu saí da minha cela bastante tenso. Estávamos em uma vila militar. Quando eu estava andando na frente, eles armados atrás de mim disseram para eu não olhar para trás, e eu pensei: “Vão atirar, vão atirar.”

Então um deles me disse: “Vire à direita.” Eu fui por um corredor, era o barbeiro. Eles cortaram o meu cabelo, e embora eles estivessem simbolicamente tirando mais um pedaço da minha liberdade, fiquei feliz. Eles tosaram meu cabelo num estilo militar, bem batidinho dos lados [A foto do corte foi parar no cartaz do filme].

Você só compôs uma música na prisão. Em qual momento isso aconteceu?

Foi no terceiro quartel, o dos paraquedistas do Exército. A minha mulher [Dedé], enfim, me encontrou. Ela ficava do lado de fora da grade e, assim, podíamos nos ver. Aí minha cabeça melhorou e fiz uma canção meio de vontade de estar fora, de ser solto para eu ver minha irmã mais nova de novo, que era adolescente e tinha uma risada linda, a Irene. Eu fiz essa música sem violão, sem nada.

(VideoFilmes/Divulgação)

Este é o momento em que você chora no filme, quando a Dedé vai te visitar?

Eu me emocionei por não lembrar o nome do sargento baiano que facilitou meu encontro com Dedé. Depois, ele acabou sendo preso. Não gosto de falar disso. A gente teve que parar a gravação. Mas é preciso ter coragem de enfrentar o tema.

E como foi quando a Dedé te mostrou a foto do planeta Terra pela primeira vez na cadeia?

Foi estimulante. Dedé foi me visitar e levou a revista Manchete. E tinha as primeiras fotos da Terra tiradas do espaço sideral. Era a primeira vez que a gente via a Terra. Claro, estudávamos na escola que “a Terra é redonda”, tinha o globo para olharmos, mas ver uma fotografia da Terra tirada do espaço sideral foi a primeira vez. Aquilo me entusiasmou, fiquei pensando… Isso não está em lugar nenhum, estou contando a você. Eu pensei assim: “Mas a Terra aqui aparece toda redondinha, a gente estudou que ela é achatada nos polos, mas nas fotografias nunca aparece achatada. Mais ou menos dez anos depois fiz uma canção chamada Terra, que começa justamente por causa do fato de eu ter visto as primeiras fotos da Terra, tiradas de fora, de dentro de uma cela: “Quando eu me encontrava preso, na cela de uma cadeia, foi que vi pela primeira vez, as tais fotografias…”

O governo Bolsonaro pode ser comparado ao período da ditadura militar?

Nós temos agora um governo de extrema direita, mas que foi eleito democraticamente. Oficialmente, não temos um governo autoritário. Temos um governo inimigo das liberdades. Eles aparelharam as áreas de cultura, de educação. Eles estão fazendo uma corrosão da situação democrática. Isso é perigoso. Sem falar no total desrespeito pelos cuidados ambientais. É duro, porque estão fazendo uma onda populista para se reelegerem em 2022. A perspectiva é sombria. No médio prazo, a gente olha para frente e não vê uma coisa muito boa, não. Eles ficam lutando contra os princípios da democracia, mas dentro das formalidades da democracia. É tenso.

No golpe militar, não houve opção. Foi um golpe. Agora, os brasileiros escolheram este governo…

Olha, não podemos esquecer que o golpe militar de 1964 foi apoiado por grande parte da população e por toda a imprensa. Por toda a imprensa. Ele foi pedido, rogado, pelo Globo, pela Folha de S.Paulo, pelo Estadão, todo mundo. E teve uma passeata que era “Família com Deus pela liberdade”, algo assim, que defendia que estávamos sendo ameaçados pelo comunismo, por causa do governo de João Goulart, que, na prática, era de centro-esquerda. Até alguns intelectuais respeitáveis e adoráveis, como Carlos Drummond de Andrade, chegaram a achar razoável que houvesse um golpe.

Por Meyre Brito, da Deutsche Welle

Filmes premiados pelo Sesc serão exibidos pelo país

Por Cristina Índio do Brasil, da Agência Brasil

Representantes das produções durante a premiação no Rio de Janeiro. (Sesc/Reprodução)

Os 34 filmes selecionados para a 2ª Mostra Sesc de Cinema 2018 já estão sendo exibidos em sessões itinerantes. A programação prevê a passagem das produções pelas representações do Serviço Social do Comércio (Sesc) nas 27 unidades da Federação, incluindo o Distrito Federal, nos próximos dois anos.

Entre elas estão os vencedores da 2ª Mostra, anunciados no dia 9 de dezembro, no Sesc Tijuca, zona norte do Rio. Quem estiver interessado na programação é só acessar o site da instituição e procurar a unidade mais próxima.

Para o analista de Cultura do Departamento Nacional do Sesc, Marco Aurélio Lopes Fialho, a mostra itinerante é importante para permitir a participação do público em todas as regiões do país.

“A gente está dando a oportunidade para o público conhecer uma nova cinematografia e isso é um desafio constante para quem trabalha no setor de audiovisual”, disse ele. Alguns produtores destacaram a importância de seus filmes chegarem a lugares que não podiam imaginar.



“O Sesc está até em lugares de difícil acesso, onde não existem nem equipamentos culturais. Em vários lugares do Brasil, o Sesc é o único equipamento e também está nas grandes cidades. A gente, realmente, consegue dar um grande abraço cinematográfico no país”, completou.

Regiões

O maior número de prêmios (3) ficou com filmes e curtas de São Paulo, seguido de Mato Grosso (2). Segundo Fialho, isso reflete a diferença do número de produções entre os estados do país. Ele disse que, ao mesmo tempo, pode ser observada a chegada de obras de outros estados, como Santa Catarina e Mato Grosso, além de Pernambuco, que se transformou em polo importante de cinema no Nordeste e já está sedimentado.

A diversidade da regionalização das produções foi uma das preocupações dos organizadores. De acordo com Fialho, isso permitiu que trabalhos realizados fora do eixo Rio/São Paulo pudessem se destacar. “Isso mostra o quanto é importante a gente continuar insistindo no modelo de ter todas as regiões contempladas. Entre os premiados, por exemplo, não teve nenhum filme do Norte, o que significa que devemos continuar investindo nos conteúdos que não são dos grandes polos do centro-sul. É importante ficar atento ao que está sendo produzido fora desse eixo”.

Vencedores

Os vencedores da 2ª Mostra Sesc de Cinema 2018 foram escolhidos nas categorias filme, direção de arte, direção de elenco, roteiro, direção, montagem, desenho de som e direção de fotografia. Seis, dos oito prêmios, foram concedidos para curtas e dois para longas-metragens.

O melhor filme foi Escolas em luta, documentário que trata das ocupações estudantis de 2017 em São Paulo e o poder das redes sociais. “Esse filme é coletivo, foi dirigido por mim, pelo Tiago Tambeli e pelo Eduardo Consonni, feito a três mãos, em três produtoras. É um processo feito com os estudantes, que são os protagonistas e que fizeram boa parte das imagens. É um filme colaborativo. A gente fica também muito feliz com o prêmio porque a luta dos estudantes consegue se amplificar. Essa luta foi única no país e, por isso, é super importante a premiação”, disse o diretor Rodrigo Teixeira Marques.

Ele lembrou que o filme ganhou do Sesc o licenciamento no valor de R$ 26 mil e isso dá fôlego para seguir em frente produzindo mais documentários. “Isso para uma produção independente, que não teve apoio nenhum, a gente consegue cobrir os custos que o filme teve e usar os recursos para inscrevê-lo em outros festivais. Para outros editais, o nosso currículo fica mais forte. Ajuda muito a premiação”, observou.

Curtas

Nos curtas, a premiação de direção foi para A Gis (Valinho/SP), de Thiago Borba; de montagem para Entremundo (São Paulo-SP), de Thiago B. Mendonça; em desenho de som o vencedor foi Labor (Cachoeira do Itapemirim/ES), de Igor Pontini Mesquita; e em direção de fotografia Flecha Dourada (Florianópolis/SC), de Cíntia Domit Bittar.

A cineasta Juliana Curvo e o diretor Diego Baraldi, que se conheceram na universidade, foram os coprodutores do curta Aquele disco da Gal (MT), vencedor em duas categorias: direção de arte e direção de elenco. A obra apresenta a história da convivência entre pai e filha, que ficam juntos no apartamento da família depois que a mãe decide sair de casa para morar com a amante. Para Baraldi, o Sesc tem papel fundamental, porque, ao promover iniciativas como essa, apresenta a diversidade dos diferentes olhares e formas de se fazer cinema. “Essa possibilidade é fundamental para que o espectador perceba a heterogeneidade do cinema brasileiro”, afirma.

Nesta 2ª edição da Mostra Sesc de Cinema foram inscritos 1.061 filmes, sendo 952 curtas e 109 longas. A escolha das obras para a mostra nacional seguiu a avaliação de uma comissão formada por profissionais do Sesc e especialistas das áreas de cultura e cinema.

Inscrições

As inscrições para a 3ª Mostra Sesc de Cinema  começarão no dia 15 de fevereiro e terminarão em 20 de março. Como novidade, os médias-metragens poderão participar. O edital será disponibilizado no site da mostra.