Fim de toque de recolher provoca aglomerações na Espanha

Milhares de jovens tomaram as ruas da Espanha para festejar o fim do estado de emergência no país neste domingo (09/05), dançando e cantando, de bebidas na mão e sem máscaras protetoras. Em Madri, a polícia municipal teve que desobstruir a Porta do Sol, tradicional ponto de encontro, que lembrava um cenário de réveillon. Também na capital catalã, Barcelona, agentes tiveram que interferir para fazer valer o último toque de recolher.

A suspensão entrou em vigor à 00h00 (hora local, sábado 19h00 em Brasília), 14 meses após o governo ter imposto pela primeira severas limitações no dia a dia, na tentativa de combater a pandemia de covid-19. Nesse ínterim, as taxas de incidência se estabilizaram e as vacinações progridem.

Na nova fase da saída gradual do confinamento, o toque de recolher das 23h00 às 06h00 está suspenso em todas as 17 regiões espanholas. Bares e restaurantes poderão receber clientes até a meia-noite; e quem não vive junto também já pode se encontrar em casas ou espaços públicos.

O fim da medida representa um grande alívio para os espanhóis, conhecidos por cultivar uma vida noturna intensa, e em que não se costuma jantar antes das 22h00. Além disso, pela primeira vez em meses, volta a ser possível viajar livremente entre comunidades autônomas, exceto a áreas específicas de alta incidência do coronavírus.

Responsabilidade sobre comunidades autônomas

A nova situação delega às diferentes comunidades a responsabilidade de estabelecer suas próprias restrições, caso haja necessidade de controlar a evolução do novo coronavírus. Várias delas recorreram aos tribunais para impor restrições, especialmente as que afetam a mobilidade.

As cortes superiores das Ilhas Baleares, Valência e Catalunha consideram justificado manter o toque de recolher ou limitar as reuniões pela situação sanitária. Mas não o País Basco, baseado na tese que o sistema jurídico não permitiria a adoção de tais medidas fora do estado de emergência. O Tribunal Superior de Justiça de Madri ratificou as medidas sanitárias que restringem a mobilidade em cinco regiões básicas de saúde.

O dispositivo restritivo foi ativado na Espanha em 14 de março de 2020, com uma duração inicial de duas semanas. Apenas 11 dias depois, porém, o Congresso autorizou uma primeira prorrogação, que viria a ser renovada seis vezes até 25 de outubro, quando se aprovou por decreto um estado de alarme final, que só se encerrou neste domingo.

Por Deutsche Welle

av (EFE,AFP,Reuters,AP,DPA)

Homem com covid-19 que infectou 22 pessoas é preso

A polícia espanhola prendeu um homem que foi responsável por infectar pelo menos 22 pessoas com covid-19 na ilha de Mallorca, ao intencionalmente omitir dos colegas que estava doente.

A prisão foi anunciada no sábado (24/04). A investigação começou no final de janeiro, após um surto de covid na cidade de Manacor e após a polícia receber a denúncia de que “um trabalhador havia sido infectado e escondido a doença”.

Dias antes de o surto ser detectado, o homem começou a apresentar sintomas, o que levantou preocupações entre os colegas. Mas ele se recusou a ir para casa.

No final do dia, ele fez um teste PCR, mas não esperou pelo resultado. No dia seguinte, voltou ao trabalho e chegou a ir se exercitar na academia em seguida.

No trabalho, tanto o gerente quanto os colegas insistiram que ele fosse para casa porque poderia estar infectando outras pessoas. Mas ele ignorou os apelos e, durante o trabalho, circulou pelo local, ironizando quem se aproximava. 

Segundo colegas e a polícia, ele puxava a máscara para baixo e dizia: “Vou passar coronavírus para todos vocês”.

No final do dia, quando ele testou positivo, seus colegas alarmados também tiveram que ser testados. Cinco deles também testaram positivo e, por sua vez, infectaram vários membros de sua família, incluindo três bebês de um ano de idade. 

Na academia, três pessoas que haviam estado em contato direto com o homem também foram infectadas e passaram o vírus para seus parentes.

O homem foi preso sob a acusação de crime de lesão corporal. Segundo o código penal espanhol, a pena pode variar de três meses a três anos de prisão. O processo foi aberto, e ele aguarda o julgamento em liberdade.

A polícia disse que as ações do detido levaram a um total de 22 infecções, embora nenhum dos doentes tenha desenvolvido a covid-19 de forma grave.

Por Deutsche Welle
rpr (ap, ots)

Casos de Covid-19 crescem entre jovens e Itália fecha boates

A Itália anunciou neste domingo (16/08) que decidiu fechar suas discotecas e clubes e tornar obrigatório o uso de máscaras em espaços abertos durante a noite, na primeira reimposição de medidas de contenção contra o coronavírus no país europeu desde sua reabertura.

A decisão ocorre num momento em que os casos de covid-19 voltaram a crescer na Itália – primeiro país europeu a ser duramente atingido pela crise –, especialmente entre os mais jovens.

O número de novas infecções reportadas ao longo da última semana em território italiano foi mais que o dobro das cifras registradas há três semanas. A idade média dos novos infectados caiu para menos de 40 anos, segundo revelam dados oficiais.

As novas regras entram em vigor nesta segunda-feira e valerão por pelo menos três semanas, até o início de setembro. As máscaras serão obrigatórias entre 18h e 6h da manhã, em locais ao livre próximos a bares e pubs e onde aglomerações são mais prováveis.

“Não podemos anular os sacrifícios feitos nos últimos meses. Nossa prioridade precisa ser a reabertura das escolas em setembro, em segurança total”, afirmou o ministro italiano da Saúde, Roberto Speranza, no Facebook.

No sábado, Speranza pediu aos jovens que mantenham o máximo de cautela possível, já que, “se eles infectarem seus pais e avós, correm o risco de causar danos reais”.

O anúncio da nova medida coincide com o feriado italiano chamado Ferragosto, em que muitos costumam viajar, ir à praia e sair para dançar. Nos últimos dias, jornais italianos publicaram imagens de multidões de jovens celebrando o feriado em discotecas ao ar livre.

A Itália vinha mantendo abertos seus clubes, apesar das crescentes críticas de que eles atraem grandes aglomerações, que o distanciamento social não está sendo respeitado nesses locais e que máscaras não estão sendo usadas.

Algumas regiões italianas, como a Calábria, já ordenaram o fechamento de todos os seus clubes de dança, enquanto outras, como a Sardenha, os mantiveram abertos.

A indústria tem receitas anuais de 4 bilhões de euros e emprega quase 50 mil pessoas em 3 mil clubes em todo o país, segundo o sindicato Silb, que representa empresas do setor e pediu ajuda ao governo. O ministro italiano da Indústria, Stefano Patuanelli, reconheceu que haverá danos econômicos com o fechamento dos clubes, mas disse que não via outra alternativa.

A Itália vem registrando nos últimos dias os maiores números diários de casos de covid-19 desde maio. No sábado, foram 629 infecções, marcando o terceiro dia consecutivo com mais de 500 casos diários. Já neste domingo, o país registrou 479 novas ocorrências.

Desde o início da epidemia no país, no final de fevereiro, mais de 253 mil pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus e mais de 35 mil morreram devido à doença.

Espanha também fecha clubes

A reimposição de medidas de contenção na Itália segue decisões semelhantes tomadas por outros países europeus, que também registram um ressurgimento do vírus.

Neste domingo, entraram em vigor novas restrições em duas regiões da Espanha, que incluem também o fechamento de discotecas e uma proibição parcial de fumar ao ar livre.

A pequena região vinícola de La Rioja, no norte, e a região de Múrcia, no sudeste, se tornaram as primeiras do país a implementar uma série de novas medidas anunciadas na sexta-feira pelo ministro espanhol da Saúde, Salvador Illa, e que serão aplicadas em todo o país.

As medidas incluem o fechamento de todas as discotecas, clubes de dança e casas noturnas, enquanto restaurantes e bares só poderão funcionar até 1h da manhã, sendo proibida a admissão de novos clientes depois da meia-noite.

 As visitas em lares de idosos também foram limitadas, e fumar ao ar livre em locais públicos está proibido quando uma distância de dois metros não pode ser mantida. O veto ao fumo na ruas já estava em vigor em duas das 17 regiões autônomas da Espanha, Galícia e Ilhas Canárias.

Espera-se que os governos regionais restantes comecem a implementar as novas medidas nos próximos dias.

A Espanha foi outro país europeu duramente atingido pela pandemia de coronavírus. Ao todo, mais de 342 mil pessoas foram infectadas e 28 mil morreram em decorrência da doença.

EK/rtr/afp/ap/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. 

Embaixadora do México e diplomatas espanhóis são expulsos da Bolívia

Por RTP

Jeanine Áñez reunida com militares bolivianos (Senado da Bolívia/via Fotos Públicas)


O Governo interino da Bolívia declarou hoje (30) a embaixadora do México Maria Teresa Mercado e os diplomatas espanhóis Cristina Borreguero e Álvaro Fernández como `personas non gratas`, dando-lhes 72 horas para deixarem o país.

“Este grupo de representantes dos governos do México e de Espanha prejudicaram gravemente a soberania do povo e do governo constitucional da Bolívia”, afirmou a presidente interina do país, Jeanine Añez. O anúncio foi feito em comunidado do Palácio do Governo de La Paz

Os três diplomatas foram acusados de tentar ajudar ex-membros do governo do presidente deposto, Evo Morales, a sair da residência da embaixadora do México, onde estão desde a renúncia de Morales, em novembro, e a deixar o país.

Protestos na Espanha têm noite mais violenta

(Fotomovimiento/Fotos Públicas)


Os protestos na Espanha produziram a noite mais violenta dos últimos dias, em Barcelona, informa a Agência de Notícias Portuguesa, RTP. Os confrontos entre manifestantes e a polícia provocaram 152 feridos na capital catalã. Alguns são policiais, atingidos por todo o tipo de objectos.

Hoje (19), Quim Torra, chefe do governo regional catalão pediu ao primeiro-ministro espanhol interino, Pedro Sánchez, uma data para “conversações e negociações imediatas”. O objetivo é encontrar uma solução pacífica.

Torra também se posicionou contra a agressividade nos protestos: “A violência não é nossa bandeira”.

Este é o quinto dia de manifestação. O protesto é contra a decisão da Suprema Corte da Espanha, que condenou a prisão os principais líderes políticos da Catalunha, por terem atuado na tentativa de independência da região.

Forças policiais são atingidas por objetos lançados por manifestantes
(Fotomovimiento/Fotos Públicas)

*com informações da RTP

Protestos na Espanha levam milhares às ruas

Por RTP

Estudantes contra a condenação de nove líderes separatistas da Catalunha tomou as ruas de Barcelona (Xavi Ariza/Fotomovimiento/Fotos Públicas)


Lojas vandalizadas, caixotes do lixo e carros em chamas, confrontos com a polícia e agressões entre grupos de extrema-direita e manifestantes antifascistas. Foi assim a quarta noite consecutiva de protestos na Catalunha, com mais incidência em Barcelona. Esta sexta-feira (18), os protestos já levaram à interrupção de várias estradas e ao cancelamento de voos. Em dia de greve geral, espera-se que esta sexta-feira ocorra a maior manifestação dos últimos anos a favor da independência na região.

A tarde de quinta-feira (17) passou sem grandes incidentes, mas no início da noite e ao longo da madrugada o ambiente se agravou, com intensos confrontos entre a polícia e os manifestantes.

Houve vários carros incendiados, confrontos com a polícia e agressões entre manifestantes durante a noite. 
 
A condenação pela justiça de líderes que lutam pela independência foi o motivo para a onda de manifestações violentas.

Cortes de estradas e voos cancelados

Esta sexta-feira está também marcada por cortes de autoestradas e várias vias na Catalunha, entre as quais a N2, próximo da fronteira entre Espanha e a França, informou o Ministério do Fomento.

Na cidade de Barcelona várias vias foram já parcialmente fechadas à circulação por causa das manifestações que se vão prolongar durante todo o dia.

Pelo menos 100 pessoas foram detidas e quase 200 agentes da polícia ficaram feridos desde o início dos protestos.

O caos também se instalou no aeroporto de Barcelona, com mais de meia centena de voos cancelados devido à greve geral.

Segundo as autoridades (Guardia Urbana), o trânsito vai ser restrito na Avenida Meridiana e a Ronda del Litoral, assim como numa das entradas de Barcelona, em Lobregat.

Há pouca disponbilidade de ônibus e trens, que estão funcionando precariamente. 

Protestos na Espanha fecham aeroporto e deixam feridos

Por RTP

Protesto contra a condenação de nove líderes separatistas da Catalunha tomou as ruas de Barcelona (Fotomovimiento/Fotos Públicas)


O governo espanhol emitiu, no final na noite de terça-feira (15), comunicado informando que “houve violência generalizada em todos os protestos” contra as penas de prisão aplicadas aos líderes que lutam pela independência da Catalunha. Até agora já foram detidas mais de 50 pessoas e dezenas de agentes das forças policiais ficaram feridos.

O executivo espanhol acredita que os distúrbios até agora causados não são fruto de “um movimento pacífico dos cidadãos, mas sim da coordenação de grupos que utilizam a violência nas ruas para perturbar a convivência na Catalunha”.

“Uma minoria quer impor a violência nas ruas das cidades catalãs”, disse o governo, referindo-se especialmente Barcelona, Tarragona, Girona e Lleida, onde “grupos de manifestantes atacaram a sede das subdelegações”.

Prisões

O Supremo Tribunal de Espanha condenou, na segunda-feira (14), os líderes que tentaram declarar a independência da região em 2017 a penas de prisão de até 13 anos.

O ex-vice-presidente da Generalitat, Oriol Junqueras, foi condenado, por unanimidade, a 13 anos de cadeia por delito de sedição e má gestão de fundos públicos, os ex-conselheiros da Jordi Turull (ex-conselheiro da presidência), Raul Romeva (ex-conselheiro do Trabalho) e Dolors Bassa (ex-conselheira para as Relações Exteriores) também foram condenados.

As condenações de líderes independentistas são consideradas “inaceitáveis” pela Assembleia Nacional Catalã (ANC).

Perante os protestos, o governo valorizou o trabalho das forças de segurança e destacou de forma positiva a coordenação e trabalho conjunto entre “os integrantes de esquadra, a Polícia Nacional e a Guarda Civil”.

Balanço

(Fotomovimiento/Fotos Públicas)

O balanço provisório dos incidentes desde a noite de terça-feira até ao momento aponta para pelo menos 54 pessoas feridas, alguns delas com fraturas e lesões consideráveis, e 18 policiais nacionais com ferimentos leves.

Pelo menos 29 pessoas foram detidas em Barcelona, 14 em Tarragona e outras oito em Lleida.

Em Barcelona houve mais de uma centena de barricadas incendiadas e, hoje de manhã (16), destroços apareceram nas ruas da cidade.

Também a circulação de trens de alta velocidade entre Barcelona e Girona se encontra interrompida. O serviço encontra-se suspenso devido a um ato de sabotagem, com o corte intencional das linhas de fibra óptica, que está afetando o sistema de comunicações da linha ferroviária.

ados a 12 anos por delitos de sedição e má gestão, o antigo titular do cargo de conselheiro do Interior, Joaquim Forn e Josep Rull (Território) foram condenados a 10 anos de cadeia e Jordi Cuixart, responsável pela instituição Òmnium Cultural, foi condenado a nove anos de prisão por sedição.

Espanha: Militar com cocaína pode ser condenado em dois países

Por  Jonas Valente 

Militar foi conduzido pela Guarda Espanhola (El País/Reprodução)

O inquérito pra apurar o episódio do militar preso na Espanha com 39 quilos de cocaína após desembarcar de um voo da Força Aérea Brasileira (FAB) deve ficar pronto em até 40 dias. A informação é do porta-voz da FAB, major Daniel Rodrigues, que concedeu entrevista à imprensa sobre o assunto hoje (27), em Brasília. De acordo com major Rodrigues, o prazo para conclusão pode, excepcionalmente, ser prorrogado por mais 20 dias.

O resultado do inquérito deve ser encaminhado ao Ministério Público Militar (MPM), que poderá, então, abrir uma denúncia-crime contra o sargento da Aeronáutica.

O homem foi preso na terça-feira (25) na cidade de Sevilha, quando passava pelo controle alfandegário. Ele partiu do Brasil em missão de apoio à viagem presidencial ao Japão para a reunião do G20, integrando a tripulação que ficaria em Sevilha. O sargento foi acusado pelas autoridades espanholas por crime contra a saúde pública, categoria em que se encontra o delito de tráfico de drogas.

Perguntado por jornalistas sobre as circunstâncias do episódio, o representante da Força Aérea Brasileira reforçou que o inquérito corre em sigilo e que nenhuma informação sobre linhas de investigação ou fatos já apurados poderia ser fornecida.

Medidas de segurança

O porta-voz do FAB informou que em missões como esta são adotados procedimentos de segurança, como verificação de bagagens, pela Aeronáutica. Ele reforçou a fala do ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, segundo a qual a fiscalização dos tripulantes do voo não cabia ao GSI, mas à Aeronáutica.

Questionado por jornalistas sobre que procedimentos de segurança foram adotados no episódio, Rodrigues disse que esse é justamente um dos pontos que a investigação quer elucidar e que essas ações variam conforme a infraestrutura do aeroporto. “Em vista do ocorrido, essas medidas serão reforçadas. Foi criado grupo de trabalho para identificar vulnerabilidades em medidas de segurança existentes”, destacou.

Espanha e Brasil

As investigações ocorrem no Brasil e na Espanha. Segundo o porta-voz da FAB, o consulado do Brasil em Madri manteve contato com o sargento e com sua família.

Em face das investigações sobre o caso, o militar pode ser condenado nos dois países. Contudo, se for objeto de condenação pela Justiça espanhola, o cumprimento da pena no Brasil depende de um processo de extradição.

Questionado pela Agência Brasil sobre a possibilidade de extradição, o Ministério das Relações Exteriores reiterou as informações sobre apoio consular ao sargento e seus parentes “como faz no caso de qualquer brasileiro detido no exterior”. O Itamaraty informou ainda que um advogado de defesa já foi designado pela Espanha e que representantes do consulado em Madri estão em contato com autoridades policiais e judiciárias, mas que “não há outras informações disponíveis no momento”. 

https://spagora.com.br/militar-preso-com-droga-na-espanha-tem-salario-de-r-72-mil/

Militar preso com droga na Espanha tem salário de R$ 7,2 mil

Sargento da Aeronáutica atuou na comitiva de três ex-presidentes, segundo a Folha de S. Paulo
(El País/Reprodução)

O militar preso com cocaína na Espanha ao desembarcar de um avião oficial do governo brasileiro tem salário de R$ 7,2 mil. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

Nesta quarta-feira (26), o comando da Aeronáutica informou que instaurou um inquérito policial militar (IPM) para apurar as circunstâncias da prisão do sargento Manoel Silva Rodrigues, no aeroporto de Sevilha. O militar está à disposição das autoridades espanholas e teve o nome divulgado pela imprensa espanhola e confirmado pelo jornal, que descobriu, por meio do portal da transparência, a participação do sargento em, pelo menos, 29 viagens no Brasil e para o exterior desde 2011, e atuou na comitiva de três ex-presidentes.

De acordo com a nota, o sargento da Aeronáutica trabalha como comissário de bordo na aeronave VC-2 Embraer 190. O texto informa ainda que ele fazia parte da missão de apoio da viagem presidencial e que ficaria em Sevilha, não integrando, portanto, a equipe que acompanha o presidente.

“Esclarecemos que o sargento partiu do Brasil em missão de apoio à viagem presidencial, fazendo parte apenas da tripulação que ficaria em Sevilha. Assim, o militar em questão não integraria, em nenhum momento, a tripulação da aeronave presidencial, uma vez que o retorno da aeronave que transporta o Presidente da República não passará por Sevilha, mas por Seattle, Estados Unidos”.

Na nota, a Aeronáutica informa que regularmente adota medidas para prevenir crimes como este e que, diante do ocorrido, “essas medidas serão reforçadas”.

“O Comando da Aeronáutica reitera que repudia atos dessa natureza, que dá prioridade para a elucidação do caso e aplicação dos regulamentos cabíveis, bem como colabora com as autoridades”, conclui o texto.

Repercussão

Na tarde desta quarta-feira, o presidente da República, Jair Bolsonaro, usou a rede social Twitter para informar que exigiu “punição severa” ao responsável, no episódio que classificou como “inaceitável”.

Ver imagem no Twitter

*Com informações da Agência Brasil