Crimes graves, como estupro e latrocínio, crescem em setembro

O estado de São Paulo terminou o mês de setembro com aumento dos casos de estupro e latrocínio – roubo seguido de morte –, na comparação com o mesmo mês do ano passado. Houve aumento também de roubos e furtos em geral. Já os casos e vítimas de homicídios dolosos – quando há intenção de matar – tiveram queda no período. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública do Estado.

O indicador de estupros aumentou de 1.038 em setembro de 2020 para 1.076 em setembro deste ano. Em relação aos latrocínios, os índices de ocorrências e de vítimas aumentaram de 15 para 22 e de 15 para 23, respectivamente.

As mortes intencionais caíram no mês passado, em comparação com o mesmo mês de 2020, passando de 238 casos para 226. A quantidade de vítimas desse crime também teve recuo no período, passou de 248 para 243. Com as variações, as taxas dos últimos 12 meses (de outubro de 2020 a setembro de 2021) caíram para 6,32 casos e 6,68 vítimas para cada grupo de 100 mil habitantes.

Os indicadores de roubos, assim como o de furtos, apresentaram crescimento no período. Os roubos em geral subiram de 15.225 para 19.359 e os furtos em geral foram de 30.571 para 42.722.

O indicador de roubos de veículos cresceu de 2.247 para 2.902. Os roubos de cargas também apresentaram alta, passando de 428 para 468 casos. Na modalidade de furtos de veículos, o total passou de 5.180 para 6.984.

O índice de roubo a banco permaneceu estável, com apenas uma ocorrência contabilizada. É a terceira vez que o indicador registra um caso em um mês de setembro.

No indicador de extorsão mediante sequestro, a queda foi de um caso. Foram dois boletins de ocorrência dessa natureza no mês passado, contra três registrados em setembro de 2020.

Por Agência Brasil

Polícia Civil faz operação contra furto e roubo de celular na Capital

A Polícia Civil faz hoje (28) uma ação envolvendo mais de mil agentes contra o roubo de celulares na cidade de São Paulo. São 460 viaturas de oito delegacias seccionais e de grupos especiais, como o Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) e o Departamento de Operações Policiais Estratégicas (Dope).

Os agentes fazem diligências em estabelecimentos que atuam na compra, venda, revenda e desmonte de aparelhos de telefone celular. A operação tem ainda o apoio da Guarda Civil Metropolitana (GCM).

De acordo com os dados divulgados pela Secretaria de Estado da Segurança Pública de São Paulo, os aparelhos de telecomunicação representam 26% dos objetos roubados no estado.

Por Agência Brasil

PM recupera carro furtado e prende dois suspeitos

Revólver foi encontrado no carro (Polícia Militar/Reprodução)

A Polícia Militar recuperou, na última noite, um carro furtado, modelo Pálio, e prendeu dois suspeitos, em São Paulo. Segundo a PM, o carro passou por um ponto de monitoramento e foi emitido um alerta de que se tratava de um veículo furtado.

Segundo os policiais, os suspeitos tentaram fugir. Houve uma perseguição, mas eles acabaram presos.

No carro, os policiais apreenderam um revólver. A Polícia não informou o local e a circunstância em que o carro foi furtado.

Os dois homens foram levados para a delegacia do Campo Belo, na zona sul da Capital.

Bandido tenta furtar jornalista sueco e é gravado pela própria vítima

(Reprodução)

Um jornalista sueco, correspondente internacional, que cobria as manifestações na Avenida Paulista sofreu uma tentativa de furto no último sábado (8). Um homem de bicicleta, que levava a mochila de um aplicativo de delivery nas costas, tentou furtar seu celular.

Henrik Brandão Jönsson, a própria vítima, publicou o vídeo da situação em suas redes sociais. Na gravação, é possível ver o jornalista falando para a câmera do celular, e na sequência o ciclista tenta pegar o aparelho, que filmou a curta perseguição. “Desgraçado, ei, polícia, pega esse cara”, gritou o sueco.

Mais tarde, ele publicou uma matéria em que revela o que disse a um jornal sueco. “Gritei palavras muito feias em português e não consigo traduzi-las em sueco. Usamos outras palavras aqui. Mas, em sueco, você poderia traduzir em ′’merda do inferno’ e ‘merda”, aponta.

Jönsson ainda se desculpou com as pessoas que viram a cena: “Desculpa por todos os palavrões.”

(Reprodução)

*Com TV Cultura

Homem furta carro do gás carregado de botijões e é preso

Policiais recuperaram os botijões furtados (Reprodução)

Um homem foi preso em Jundiaí, no interior de São Paulo, ontem (14), após furtar um veículo de entrega de gás de cozinha. Testemunhas contaram aos policiais militares que o suspeito cometeu o crime enquanto o funcionário da empresa fazia uma entrega.

O suspeito aproveitou que a chave estava no contato e fugiu levando o veículo e todos os botijões de gás de cozinha que estavam na caçamba. A Polícia Militar foi chamada e rapidamente conseguiu localizar o veículo de entrega.

Todos os botijões foram recuperados. O criminoso, ao ser preso, confessou aos PMs que venderia os botijões de gás de cozinha no bairro São Camilo. Ele foi autuado em flagrante por furto.

Polícia prende 10 suspeitos de desvio de cloro da Sabesp

A Polícia Civil prendeu hoje (14), em Santo André, na Grande São Paulo, dez pessoas acusadas de desvio do cloro usado no tratamento de água no estado. Foram expedidos 15 mandados de prisão e estão sendo cumpridos 27 de busca e apreensão na capital paulista e em mais seis cidades da região metropolitana e do litoral.

(Polícia Civil/via Band)

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) informou que acompanha os desdobramentos da operação e que vai tomar medidas judiciais contra os fornecedores envolvidos para o ressarcimento de eventuais prejuízos.

A Sabesp destaca, no entanto, que a água é testada diversas vezes antes de ser distribuída para o abastecimento e que, por isso, não existe risco para a população.

Em nota, a  Sabesp diz que segue a legislação brasileira, do Ministério da Saúde, que estabelece parâmetros para qualidade da água. “Para controlar isso, são realizados 90 tipos de testes e mais de 90 mil análises mensais que aferem turbidez, cor, cloro, coliformes totais, dentre outros”, informa o comunicado.

A companhia é responsável pelo fornecimento de água, coleta e tratamento de esgotos em mais de 370  municípios do estado de São Paulo.

(Igor Calian/Band/Reprodução)

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil

Fim de semana de pré-Carnaval teve baleados e 413 detidos

(Paloma Vasconcelos/Ponte Jornalismo)


No sábado (15) e no domingo (16), durante o pré-carnaval na cidade de São Paulo, 413 pessoas foram detidas. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, dentre os detidos, 127 eram procurados pela Justiça e 21 são adolescentes. Também houve uma ocorrência grave registrada em um bloco que passava pela avenida Luis Carlos Berrini, zona sul da capital, na tarde de ontem (17), quando um policial civil reagiu a uma tentativa de assalto.

Cinco pessoas foram baleadas. A secretaria não informou o estado de saúde dos feridos nem se os tiros foram disparados em troca de tiros ou apenas pelo policial.

Dentre as prisões efetuadas pelos policiais, quatro aconteceram ontem (16) na passagem de um bloco pela avenida Brigadeiro Faria Lima. Com os presos foram apreendidos 48 celulares furtados ou roubados durante a folia.

Já em um bloco na Barra Funda, zona oeste da capital, os policiais localizaram dois drones que eram utilizados de maneira irregular, abaixo de 30 metros, o que, segundo a secretaria, colocou as pessoas em risco. Dois pilotos, que não apresentavam a documentação completa dos dispositivos, foram detidos.

Segundo a Secretaria de Segurança, 24 armas e 59,9 quilos de drogas foram apreendidas nos dois dias de folia. Também foram recuperados 69 veículos produtos de roubo ou furto.

Por Elaine Patrícia Cruz – Repórter da Agência Brasil

Arrastão na Avenida Paulista reúne 100 ladrões, diz tv

Um arrastão, no fim da tarde de ontem (19), provocou pânico para quem estava na Avenida Paulista. Cerca de cem bandidos, incluindo mulheres, furtaram celulares de quem aproveitava o ponto turístico de São Paulo. A informação foi divulgada pela TV Globo, no Hora 1 de hoje (20).

Segundo a reportagem, 12 vítimas registraram boletim de ocorrência na delegacia dos Jardins. A polícia chegou a prender 4 pessoas, incluindo um adolescente de 13 anos, e investiga quem são os outros envolvidos no arrastão.

A informação de que seriam cem bandidos foi baseada nos relatos das vítimas e de policiais que trabalhavam na avenida. Aos domingos, a Avenida Paulista fica fechada para os carros e aberta para o público.

Trio é preso com celulares furtados no Sambódromo



Policiais civis do Grupo Armado de Repressão a Roubos (Dope) prenderam três pessoas suspeitas de furto aparelhos celulares. As prisões aconteceram na Avenida Olavo Fontoura, na zona norte da Capital, ao lado do Sambódromo do Anhembi.

Durante averiguação no local, os policiais suspeitaram de três pessoas, que se separaram ao notar a presença dos agentes. Na abordagem, os policiais encontraram 9 aparelhos celulares. Um deles tentou oferecer a quantia de R$ 20 mil ao policial.

Na delegacia, os investigadores descobriram que dois dos suspeitos apresentaram documentos falsos e outro era procurado pela Justiça. 

O trio responderá pelos crimes de furto qualificado, uso de documento falso e corrupção ativa.

Em 2017, a cidade de São Paulo teve 530 furtos por dia

A cada 24 horas, a cidade de São Paulo é palco de 530 furtos: uma média de 22 por hora, aponta levantamento feito a partir das estatísticas de crimes divulgadas, na última quarta (24), pela Secretaria da Segurança Pública (SSP).

Em 2017, a SSP, que agrega dados das polícias Civil e Militar, registrou 193.685 furtos – 10,3 mil a mais do que no ano anterior. O aumento de 5,6% fez com que o índice se aproximasse do recorde: em 2013, foram 201,3 mil furtos.

A SSP não detalha os objetos furtados. Contudo, com base nos registros disponíveis no Portal da Transparência da secretaria, é possível anotar que, em 2017, foram abertos aproximadamente 72 mil boletins de ocorrência relacionados a furto de celulares – o número pode variar para mais e para menos, conforme andam as investigações da polícia.

A SSP disse em nota que trabalha sem parar no combate aos crimes contra o patrimônio. A pasta afirma que em 2017 houve queda em quase todos os crimes no estado, e acrescenta que o número de furtos na capital caiu 1,5% em dezembro, em comparação com o mesmo mês de 2016.

Concentração

A Sé está no topo das regiões com mais casos de furtos em 2017. O 1º Distrito Policial registrou mais de 11,6 mil crimes do gênero – aumento de 17% em relação a 2016. Além disso, distritos próximos do Centro da cidade também apresentam altos índices e respondem por 22,2% de todos os furtos em São Paulo.

Atendendo à circunscrição dos Jardins, região nobre da capital, o 78º DP registrou 8.337 casos em 2017 – aumento de 6,79%. Ao lado, no Campos Elíseos, o 3º DP contabilizou 7.913 furtos – queda de 0,78% sobre 2016. Respondendo à região da Consolação, o 4º DP observou um aumento de 31,29%, chegando a 7.531 crimes do gênero. Já o 23º DP, em Perdizes, anotou 7.474 furtos, 6,51% a mais do que no ano anterior.

A concentração de crimes na Sé e em distritos no entorno também é refletida na análise de regiões com maiores crescimentos de furtos. O Centro teve aumento de 12,29% entre os anos, passando de 41,2 mil para 46,3 mil – bem acima do aumento de furtos nas demais regiões, que foram de 2,87% (Zona Oeste) a 4,34% (Sul).

Diferença entre roubo e furto

O número de roubos na capital em 2017 chegou a 153.848 registros. Em relação ao ano anterior, teve leve queda, de 0,04%. Parece pouco, mas esse percentual significa 5,7 mil roubos a menos de um ano a outro.

O roubo ocorre quando um bem é subtraído com o emprego de violência ou ameaça à vítima, de acordo com o artigo 157 do Código Penal. A pena para quem comete o crime é a reclusão de 4 a 10 anos, além de multa.

Já o furto, tipificado no 155º artigo do Código Penal, é caracterizado pela subtração de um bem material sem violência ou ameaça contra a vítima. Nesse tipo de crime, a vítima não percebe a ação. A pena é de 1 a 4 anos, além de multa.

Além de roubo em geral, a SSP registrou queda em diversos outros crimes, como roubo de veículo (32.230 casos em 2017; 15,5% a menos do que em 2016) e homicídio doloso (713 casos; 15,5% a menos), e anotou estabilidade em latrocínio (117 casos, sendo 1 a mais que 2016; aumento de 0,86%).