Incêndio destrói galpão no Brás

Um incêndio na manhã de hoje (15), no Brás, área central de São Paulo, destruiu um galpão. O Corpo de Bombeiros chegou a mobilizar dez equipes para conter o avanço das chamas.

Enquanto bombeiros trabalhavam, trabalhadores do local tentavam salvar objetos que estavam guardados no local do incêndio. Segundo a Band News FM, no prédio funciona a Associação dos Comerciantes da Central de Abastecimento do Pátio do Pari e Região.

O incêndio foi controlado e, segundo os Bombeiros, não houve feridos.

Incêndio destrói fábrica de embalagens no Sul do Brasil

Um incêndio de grandes proporções atingiu um barracão da Rafitec, empresa de embalagens, em Xaxim (SC). As chamas iniciaram por volta das 15h30 desta quinta-feira (2), criando uma enorme nuvem preta de fumaça.

Ainda não se sabe o que deu início ao fogo, mas o galpão em que o incêndio começou continha produtos químicos.

O prefeito de Xaxim, Chico Folle (MDB), prestou solidariedade à empresa que gera muitos empregos na cidade. Ele também disse que dará suporte às vítimas.

Até o momento, sete pessoas precisaram de atendimento e duas tiveram queimaduras leves.

Os bombeiros seguem trabalhando para controlar as chamas, que podem ser vistas às margens da BR-280.

Por Tv Cultura

Incêndio em indústria mata três pessoas

Um incêndio de grandes proporções em uma indústria de reciclagem em Barueri, na Grande São Paulo, deixou ao menos três mortos hoje (26). Os corpos das vítimas foram encontrados pelo Corpo de Bombeiros em um dos galpões da empresa. 

O incêndio, que teve início por volta das 11 horas, gerou uma grande nuvem de fumaça tóxica preta que atingiu parte do município. As chamas já foram controladas e os bombeiros fazem o rescaldo do local. 

A prefeitura de Barueri emitiu um alerta à população em relação à inalação da fumaça tóxica. “A fumaça preta que tomou conta do céu da região é extremamente tóxica e, se algum cidadão a tiver inalado, a orientação do Corpo de Bombeiros é para procurar a unidade de saúde mais próxima”, destacou a administração municipal, em nota.

O Corpo de Bombeiros fez o combate ao incêndio com o apoio de 18 viaturas e 57 homens.

Por Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil 

Tempo seco dificulta combate aos incêndios no Mato Grosso do Sul

Animais perto da área incendiada (Corpo de Bombeiros do MS/Reprodução)

A baixa umidade relativa do ar e as temperaturas elevadas vêm favorecendo o surgimento de focos de incêndios em diferentes regiões do Mato Grosso do Sul, incluindo o Pantanal sul-mato-grossense.

Só nos últimos dias, bombeiros militares, brigadistas e voluntários foram mobilizados para tentar apagar as chamas que se espalham por diferentes áreas de cinco cidades: Água Clara, Bela Vista, Brasilândia, Corumbá e Porto Murtinho.

Segundo o Corpo de Bombeiros, das cinco principais frentes de combate ao fogo, a situação mais crítica é a de Porto Murtinho, onde as chamas já atingiram a terra indígena Kadiwéu e ameaçam avançar sobre propriedades rurais. Na região, os bombeiros se dividiram em quatro frentes para tentar debelar as chamas.

“Tivemos sucesso na região da Ingazeira, onde o fogo está praticamente controlado. Porém, surgiu mais um foco de grandes proporções mais ao sul deste”, informou, hoje (24), o comandante da Operação Portal do Pantanal, dos Bombeiros, o tenente-coronel Fernando Carminatti. “A situação também estava praticamente controlada na região mais ao norte [de Porto Murtinho], entretanto, esta madrugada, o fogo evoluiu e, agora, um grande foco está sendo combatido com a ajuda de proprietários rurais.”

Na semana passada, ao menos oito pontes de madeira foram incineradas entre Porto Murtinho e a cidade vizinha, Corumbá, município sul-mato-grossense com a maior porção territorial de bioma Pantanal e onde, segundo o próprio governo estadual, foram registrados 502 focos de calor entre 1º de janeiro e 25 de julho (contra 2.595 ocorrências registradas no mesmo período de 2020, o maior número registrado desde 2017).

Na quinta-feira (19), o secretário estadual de Infraestrutura, Eduardo Riedel, disse haver indícios de que os incêndios foram criminosos. “Isso está nas mãos da Polícia de Mato Grosso do Sul. Vamos investigar e buscar os responsáveis. Não estamos falando apenas do patrimônio público, mas também sobre o direito das pessoas de ir e de vir, afinal, não podemos deixar as comunidades isoladas”, disse o secretário.

Diretor da organização não governamental (ONG) Instituto Homem Pantaneiro, gestora de áreas protegidas no pantanal sul-mato-grossense, Angelo Rabelo disse à Agência Brasil que, em algumas regiões do Pantanal menos atingidas pelas queimadas do ano passado, o acúmulo de material orgânico favorece o surgimento de incêndios de grandes proporções.

(Corpo de Bombeiros do MS/Reprodução)

“Este ano, a situação do Pantanal se apresenta mais crítica em função das condições climáticas ainda mais adversas. Principalmente em regiões como Porto Murtinho, Nabileque [ao sul de Corumbá] e da Serra da Bodoquena, que não foram tão atingidas em 2020, o fogo vem alcançando grande escala”, comentou Rabelo.

Na região do Paraguai Mirim, próxima a Corumbá, equipes estão desde ontem fazendo o rescaldo de parte da área atingida por um grande incêndio que neste domingo começou a ser controlado. Já em Brasilândia, na região Leste do estado, o fogo segue consumindo parte da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Cisalpina, na divisa com o estado de São Paulo. As chamas surgiram na unidade de conservação de responsabilidade da Companhia Energética do Estado de São Paulo (Cesp) na última terça-feira (17).

De acordo com o Corpo de Bombeiros, desde o início da atual temporada de incêndios no estado, mais de 445 bombeiros militares foram mobilizados para enfrentar as chamas, além de brigadistas, voluntários, 162 viaturas e 12 aeronaves. “Diariamente são feitas avaliações para traçar as melhores estratégias de combate e ações a serem executadas a fim de preservar o Meio Ambiente”, explica a corporação, em nota.

Segundo o Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima (Cemtec), é possível que, a partir da próxima quarta-feira (25), uma frente fria supere a massa de ar quente e seco, provocando chuvas, refrescando a temperatura e favorecendo, ao menos temporariamente, o trabalho de combate às chamas em parte do estado.

Por Alex Rodrigues, da Agência Brasil

Mais da metade da vegetação do Parque Juquery foi destruída pelo fogo

(Pref. de Franco da Rocha/via Fotos Públicas)

O combate ao incêndio que atingiu o Parque Estadual do Juquery, na Grande São Paulo, continuou ao longo da manhã de hoje (23), mobilizando o Corpo de Bombeiros, brigadistas e voluntários. Segundo a prefeitura de Franco da Rocha, que participa do enfrentamento ao fogo, as chamas, ainda ontem (22), já haviam consumido mais da metade da vegetação do parque.

O Juquery tem área de quase 2 mil hectares de Cerrado. É o último fragmento desse bioma na Região Metropolitana de São Paulo. A área de conservação foi criada em 1993 entre os municípios de Caieiras e Franco da Rocha.

De acordo com a Prefeitura de Franco da Rocha, o fogo pode ter começado com a queda de um balão na manhã de ontem. Para combater as chamas, foi utilizado até um helicóptero da Polícia Militar que lançou água retirada da Represa Paiva Castro.

O fogo fez com que animais silvestres fugissem da área e invadissem rodovias próximas. A fumaça e as cinzas do incêndio chegaram até a região central de Franco da Rocha e também a outros municípios, incluindo a capital paulista.

(Pref. de Franco da Rocha/via Fotos Públicas)

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil 

Incêndio atinge prédio da Segurança Pública em Porto Alegre

(Rodrigo Ziebell/via Fotos Públicas)

Um incêndio, na noite de ontem (14), destruiu parte do prédio da Secretaria de Segurança Pública (SSP), do Rio Grande do Sul. Ainda não se sabe como as chamas começaram.

Segundo o governo do Estado, as informações iniciais eram de que não haviam feridos. “No entanto, por volta da 1h da quinta-feira (15/7), tendo passado a etapa de rescaldo, verificou-se o desaparecimento de dois bombeiros”.

Segundo nota, serão feitas buscas para confirmação de vítimas. Apesar da proporção do incêndio, serviços como o atendimento do 190 e a instalação de tornozeleiras eletrônicas, não foram prejudicados.

“Estamos trabalhando para restabelecer o atendimento telefônico a partir do Departamento de Informática do 9° Batalhão de Polícia Militar da capital”, afirmou Ranolfo Vieira Júnior, vice-governador. “Todas as nossas polícias seguirão nas ruas 24 horas, mantendo toda a atividade operacional regular em todo o Estado”, acrescentou.

O governador Eduardo Leite, que estava em São Paulo para reuniões, voltou ao estado nas primeiras horas de hoje.

Fogo em hospital mobiliza 17 equipes dos Bombeiros

O prédio do Hospital Pérola Byington, em São Paulo, começou a ser esvaziado às pressas após o início de um incêndio às 7h30 desta segunda-feira (21). Segundo informações do Twitter do Corpo de Bombeiros, 17 viaturas com 41 bombeiros participam da operação. O prédio fica na avenida Brigadeiro Luiz Antônio, na Bela Vista, no centro da cidade.

O fogo começou no duto de um ar-condicionado no quarto andar e a fumaça se alastrou até os andares superiores. A situação já foi controlada e, no momento, os bombeiros fazem uma ventilação no local para a dispersão da fumaça. Não há informação de vítimas. 

O hospital é referência no atendimento à saúde da mulher e faz parte da rede estadual de atendimento. 

Por Ludmilla Souza, da Agência Brasil

Incêndio em hospital mata quatro pessoas

(Rede Social/Reprodução)

Um incêndio atingiu parcialmente uma ala do Hospital Municipal Zona Norte Doutor Nestor Piva, em Aracaju, destinada a tratamento de pacientes com a covid-19. Segundo a prefeitura, quatro pessoas morreram.

O incêndio teve início por volta das 6h30 desta sexta-feira (28), mas foi prontamente controlado. A área onde ocorreu o incêndio está isolada e o espaço não atingido será equipado para atendimento ao público.

“Em decorrência da necessidade de evacuação e isolamento total da UPA, 35 pacientes que estavam internados na unidade foram transferidos para os hospitais de Urgência (Huse), da Polícia Militar (HPM), Santa Isabel, Senhor dos Passos, Primavera, Hapvida, Fernando Franco e leitos do Caps Jael Patrício. Demais usuários do SUS que recebiam atendimento porta aberta e funcionários que inalaram fuligem também foram transferidos pelo Samu”, informou a prefeitura.

A prefeitura acrescentou, ainda na nota, que está em meio a tratativas para encontrar uma nova unidade de atendimento que possa substituir os leitos do Nestor Piva e garantir assistência em saúde às pessoas. 

Em caráter emergencial, a pediatria do Hospital Fernando Franco foi “adaptada para atendimento clínico; mantendo-se, contudo, os atendimentos pediátricos na unidade”.

A prefeitura informou que estruturou espaço para atendimento psicológico e de informações para familiares dos pacientes e trabalhadores do hospital.

Por Pedro Peduzzi, da Agência Brasil

Incêndio atinge prédio do jornal Folha de S.Paulo

Na tarde desta terça-feira(30) um incêndio de pequenas proporções atingiu o prédio do jornal Folha de S.Paulo, na Alameda Barão de Limeira, no Centro de São Paulo.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o pequeno foco de incêndio já foi controlado. As pessoas foram retiradas do local e não há relato de feridos.

Funcionários do jornal afirmaram que o incidente aconteceu no subsolo do prédio, causando muita fumaça e acionando os alarmes de incêndio.

Em nota, a “Folha” afirmou que o foco surgiu em um tanque de tinta “durante a operação de desmonte do antigo parque industrial da empresa, com muita fumaça, mas sem provocar vítimas” e que a operação jornalística não sofreu interrupção.

Incêndios deixam dois mortos e três feridos em São Paulo

O Corpo de Bombeiros teve muito trabalho na noite desta terça-feira(3) na Capital paulista.

As equipes foram acionadas para combater pelo menos quatro incêndios em várias regiões da cidade.

Em dois deles, houve vítimas, sendo duas fatais. Na Zona Norte, o fogo atingiu uma residência na Rua Caldas Ribeiro, próximo à Avenida Benjamim Pereira, no Jaçanã. Antes mesmo da chegada dos bombeiros, um bebê foi resgatado por vizinhos e levado para o Hospital São Luiz Gonzaga. Outras duas vítimas foram resgatadas pelos militares, sendo uma jovem, de 19 anos, e a mãe dela, de 63, ambas com queimaduras nas penas e mãos. Elas foram levadas para os hospitais das Clínicas, no Jardim Paulista, Zona Sul, e Municipal do Tatuapé, na Zona Leste da Capital, que dispões de uma ala exclusiva para atender vitimas com queimaduras. As causas do incêndio ainda são desconhecidas.

Já em outro incêndio, em uma residência da Rua dos Municípios (334) na Vila Califórnia, região da Vila Prudente, na Zona Leste, os moradores não tiveram a mesma sorte. Cinco equipes do Corpo de Bombeiros seguiram para o local e controlaram rapidamente o fogo, que destruiu três cômodos do imóvel. Assim que conseguiram ter acesso à casa, os socorristas encontraram os corpos carbonizados. Informações iniciais são de que o morador, de 50 anos, e a mulher dele, de 44, chegaram em casa aparentemente embriagados e foram para o quarto. A casa fica nos fundos de um imóvel onde residem outras famílias.

Quando eles já estavam dormindo, teria ocorrido um vazamento de gás que provocou o incêndio. As chamas se propagaram rapidamente e o teto desabou. O casal não conseguiu deixar o local e morreu carbonizado. O local foi isolado para o trabalho da equipe de peritos.

O Corpo de Bombeiros também foi convocado para apagar outros dois incêndios em São Paulo. Um deles consumiu um prédio comercial de dois andares localizado na Avenida Mário Lopes Leão (68), perto do Largo Treze de Maio, em Santo Amaro, na Zona Sul.

Sete equipes foram mobilizadas, e, em pouco tempo, as chamas foram extintas. Não houve vítimas.

O outro incêndio atingiu um imóvel na Alameda Barão de Piracicaba 1.000, nos Campos Elíseos, no Centro. O fogo também foi rapidamente controlado e não deixou feridos.

*Com informações de Paulo Édson Fiore, da Jovem Pan