Estado ativa mais 25 leitos de UTI na região de Marília

A Secretaria de Estado da Saúde e serviços do SUS da região de Marília anunciaram que estão abrindo mais 25 leitos de UTI, em quatro serviços de referência localizados em cidades diferentes, permitindo, segundo a nota, a expansão da rede que tem atuado no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. Marília está na fase vermelha do Plano São Paulo, com altas taxas de transmissão do coronavírus e de internação.

Segundo o Estado, vão ser ativados 10 leitos de UTI no Hospital Regional de Assis, 6 na Santa Casa de Garça, 5 na Santa Casa de Paraguaçu Paulista e 4 no Hospital das Clínicas de Marília. Todos já atuam como referência regional para atendimento a estes pacientes.

Com a medida, a capacidade da Terapia Intensiva do HC Marília passa de 26 para 30. Na Santa Casa de Paraguaçu, os leitos saltam de cinco para 10, e seis leitos também são ativados na Santa Casa de Garça. O Hospital Regional de Assis continuará ofertando atendimento no Pronto Socorro aos casos de urgência e emergência e agora poderá auxiliar na internação dos casos graves com seus 10 novos leitos de UTI.

“Estamos em constante monitoramento para reforçar a rede hospitalar para enfrentar a pandemia. Diante do cenário epidemiológico da COVID-19 em todo o mundo, decidimos ampliar os leitos de Terapia Intensiva de Marília para continuar garantindo assistência a todos que precisarem”, declara em comunicado o Secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn.

Hoje (16), a taxa de ocupação na região de Marília é de 68% de UTI e 47,5% em enfermaria. “Todas as ativações de leitos feitas pela Secretaria são fruto de análise técnica, monitoramento contínuo do cenário da COVID-19 e no planejamento da rede, visando salvar vidas e assegurar atendimento igualitário à população”, finaliza a nota.

Em áudio, comandante ameaça punir PM que apreendeu carro de vereadora

Um policial militar de Marília foi transferido da Companhia de Trânsito, onde atuava, para outras funções de policiamento, após apreender um carro de propriedade da vereadora professora Daniela (PL). O veículo foi guinchando no início da madrugada do último domingo (16).

O Ford Fusion preto, ano 2008, estava supostamente circulando com dois pneus “carecas” e com licenciamento vencido.

O veículo, que era conduzido pela filha da vereadora, foi abordado por volta da 0h30 do dia 16 de agosto, durante uma blitz de trânsito na rua Carlos Botelho, no bairro Maria Izabel.

O policial teria orientado a motorista de que é possível efetuar o pagamento do licenciamento por aplicativo, para evitar a apreensão. Para tentar resolver o problema, a jovem teria ligado para familiares e provocado a intervenção da mãe vereadora.

A reclamação contra o procedimento do policial foi parar – ainda durante a madrugada – no alto escalão do 9º Batalhão da Polícia Militar do Interior (BPM/I).

A tenente-coronel Márcia Cristina Cristal Gomes teria ligado para a equipe responsável pela apreensão, para tentar intervir. Ao saber que o carro já havido sido recolhido, repreendeu o policial militar responsável pela patrulha de trânsito.

Apesar de agir em conformidade com o Código de Trânsito – que prevê a remoção, quando há “impossibilidade da irregularidade ser sanada no local”, o policial acabou sendo afastado do patrulhamento de trânsito por supostamente não ter “jogo de cintura” e “bom senso”.

“Ela é vereadora, quem você pensa que é?”, teria dito Cristal ao policial.

Polícia Militar

Em nota a Polícia Militar afirmou “que o comando do 9º Batalhão de Polícia Militar do Interior instaurou procedimento apuratório para averiguar a regularidade da apreensão do veículo, considerando que há indícios de inconformidades administrativas”.

“O policial militar foi afastado do policiamento de trânsito durante a apuração”, finaliza o breve comunicado.

Ouça abaixo o diálogo entre a comandante Crystal e o sargento Allan de Marília.

Reabertura: Bares e restaurantes adotam novas medidas

Restaurante em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, em março, seguia medidas para distanciamento entre clientes (Arquivo/Luciano Lanes/Pref. de Porto Alegre)

Comerciantes de cidades do interior de São Paulo começam a adotar medidas de segurança para a reabertura de serviços não essenciais nesta segunda-feira (1º). As medidas seguem o que foi estabelecido no Pacto Regional assinado pela prefeitura de Marília, Jundiaí, Bauru e Sorocaba e outras 35 cidades da região e são compatíveis com o Plano São Paulo, conjunto de orientações do governo do estado para a retomada das atividades.

De acordo com as orientações, bares, restaurantes, lanchonetes, sorveterias, docerias e similares estão autorizados a fazerem o atendimento ao público com até 40% da capacidade, somente mesas ao ar livre ou com plena capacidade de ventilação natural. O horário de atendimento ao público está reduzido a seis horas seguidas e salões internos devem permanecer fechados.

Para o presidente executivo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel Nacional), Paulo Solmucci, a retomada deve considerar a realidade do município. “Esse movimento de retomada que está acontecendo em algumas cidades e regiões é uma etapa natural no enfrentamento ao coronavírus, que leva em consideração a realidade da pandemia naquele local e as medidas adotadas pelo governo. Mas, para isso, é fundamental que haja transparência e diálogo nesse processo de planejamento da reabertura do comércio e que o poder público embase as decisões em informações técnicas e não em critérios políticos. Esperamos que esse movimento nas cidades do interior de São Paulo seja bem-sucedido e possa inspirar a capital [São Paulo] a planejar de forma mais clara os próximos passos”.

Retomada segura

A Abrasel criou um site com orientações para o planejamento da retomada segura das atividades de bares e restaurantes pós crise. As orientações podem ser acessadas no site da entidade.

Com uma série de ferramentas capazes de conectar pessoas, conhecimentos e oportunidades em torno de áreas de interesse comum, a ideia é que os usuários possam se apoiar de forma prática, expansiva e gratuita.

“Todo mundo que trabalha no setor seja empresário, garçom, contador, consultores e até mesmo advogados podem fazer parte da Rede Abrasel, mesmo sem ser nosso associado”, explica o presidente do Conselho de Administração da Abrasel, Paulo Nonaka. “Esse ambiente foi pensado justamente para aproximar as pessoas, enriquecendo os diálogos e troca de informações para construirmos juntos soluções para um setor mais produtivo, ajudando até quem está em áreas mais afastadas ou conta com menos recursos”, reforça.

Negociação de aluguéis

A Abrasel em São Paulo também disponibilizou, de forma online e gratuita, uma cartilha sobre negociações de aluguéis para ajudar a gestão de empresários de bares e restaurantes em todo o Brasil.

O documento aborda a busca do reequilíbrio contratual, ações judiciais e fundamentos jurídicos, rescisão sem pagamento de multa e disponibilidade de imóveis comerciais após a crise.

Para o presidente da Seccional Abrasel em São Paulo, Percival Maricato, o empresário do setor de alimentação fora do lar deve estar ciente de todos seus direitos e deveres em relação ao imóvel. Ele conta que o gasto com aluguéis dos imóveis comerciais utilizados pelas empresas costuma passar dos 4% do custo total dos negócios. “Enquanto durar a crise do Coronavírus é imperativo que as empresas, que reduziram ou até deixaram de faturar, tentem diminuir esse custo, tanto como os demais, em todas as áreas de atividade; é uma questão de sobrevivência, é justo buscar reequilíbrio dos contratos”, diz.

Por Ludmilla Souza – Repórter da Agência Brasil 

Sorveteria abre quatro unidades no interior de SP

(Divulgação)


O interior de São Paulo ganhou quatro unidades Gela Boca. A sorveteria, que nasceu em Maringá, no Paraná, tem conquistado o paladar dos paulistas e estará em plena operação durante os meses mais quentes do ano.

Humberto Willian Aceti é franqueado da unidade Gela Boca em Marília. Após 12 anos morando na Inglaterra, resolveu começar um novo negócio no retorno ao Brasil, seguindo os passos da irmã.

“Minha irmã já tem duas unidades em Maringa e, ao longo de 10 anos, tem obtido bons resultados. Escolhi uma boa época do ano para começar no setor e as pessoas têm gostado do produto”, diz Humberto.

Por ser uma novidade no município, Humberto já estuda a criação de mais unidades. “Atualmente estou com uma unidade, com quatro funcionários, mas o resultado tem sido positivo e o objetivo é expandir em Marília”, diz.

Além de Marília a Gela Boca chegou aos municípios de Bauru, Araçatuba e Presidente Prudente.  Em breve, sorveteria vai abrir mais uma unidade em Assis.

Com foco nas cidades do interior, a sorveteria busca fidelizar seus clientes pelo sabor. A Gela Boca oferece de picolés, a partir de R$ 1, a potes de sorvete de até 2 quilos que custam R$ 32, além de sobremesas prontas, picolés premiums e taças produzidas nas próprias unidades.

A Gela Boca produz os próprios sorvetes em uma indústria moderna, em Maringá, com mais de 8 mil m² e que emprega mais de 500 pessoas de maneira direta e indireta.

Franquia

Fundada em 2000, a rede entrou no franchising em 2010 e conta com 70 unidades em operação nos estados do Paraná, onde nasceu, e em São Paulo. O investimento inicial para ser um franqueado da Gela Boca é a partir de R$ 200 mil, com previsão média de retorno de 24 a 36 meses e lucratividade de 22%, em média.

Ficha Técnica

  • Investimento total: (média) R$ 200 mil
  • Capital de Giro: 20 mil 
  • Taxa de Franquia: 20 mil 
  • Número de Funcionários: de 2 à 5 
  • Royalties:750,00 fixo 
  • Taxa de Publicidade: não cobra 
  • Faturamento: 60 mil média 
  • Lucro: 22% média 
  • Tempo de retorno: 24 à 36 meses 
  • Área Média Loja: 100 m
  • Número de Unidades: 70 
  • Ano de Fundação:2000 
  • Ano de Entrada Franchising:2010 

Interior terá 18 novos voos diários para Congonhas

O interior de São Paulo terá 18 novos voos diretos, diários, para o Aeroporto de Congonhas, na capital paulista. O anúncio vai beneficiar passageiros das cidades de Araçatuba, Bauru, Marília e Ribeirão Preto, atendidos pela companhia Passaredo, em conjunto com a MAP Linhas Aéreas.

“O Estado de São Paulo é o maior polo emissor de turismo da América Latina e esse segmento é o que mais rapidamente gera empregos e movimenta a economia criativa, são três milhões de postos fixos e temporários em todo o Estado”, diz João Doria, governador do Estado.

Com os novos voos, a companhia passa a operar 158 voos por semana a partir do dia 27 de outubro. Além das quatro cidades do interior paulista, outras três ficam em estados vizinhos: Dourados (MS), Uberaba (MG) e Macaé (RJ). Os novos voos serão operados em aviões modelo ATR 72-600, com 70 assentos.

Benefício fiscal

Desde fevereiro, quando o Governador João Doria reduziu a alíquota de ICMS sobre o combustível dos aviões de 25% para 12%, as companhias aéreas anunciaram 503 novos voos no Estado – 478 já entraram em operação. Os voos da Passaredo e da MAP se somarão a esse total. Com isso, foi superado o compromisso inicial do governo de criar 490 novas partidas semanais até o fim de 2019.

“As atividades turísticas já cresceram 7,7% no primeiro semestre deste ano no Estado, segundo o IBGE, número bem superior à média nacional, de 3,1%. O emprego no setor cresceu 4,4% no período”, comparou o secretário estadual de turismo, Vinicius Lummertz.

Segundo o Governo do Estado, a projeção da companhia para os próximos 12 meses, após o início da operação em Congonhas, é chegar a 1,5 milhões de passageiros – hoje são 800 mil.

Os voos da Passaredo/MAP partindo do Aeroporto de Congonhas serão:

OrigemDestinovoos/dia
CGH – CongonhasRibeirão Preto4
Ribeirão PretoCGH – Congonhas4
CGH – CongonhasBauru3
BauruCGH – Congonhas3
CGH – CongonhasDourados (MS)2
Dourados, MSCGH – Congonhas2
CGH – CongonhasMarília1
MaríliaCGH – Congonhas1
CGH – CongonhasAraçatuba1
AraçatubaCGH – Congonhas1
CGH – CongonhasUberaba (MG)1
Uberaba, MGCGH – Congonhas1
CGH – CongonhasMacaé (RJ)1
Macaé, RJCGH – Congonhas1
TOTAL26 voos por dia

Pai que matou a ex-mulher terá que indenizar os filhos

Um homem que está preso por ter assassinado sua ex-mulher indenizará seus três filhos em R$ 120 mil por danos morais. Além disso, ele terá de pagar uma pensão fixada em 1,29 salários mínimos até as crianças completarem 25 anos de idade.

A decisão foi tomada pelos desembargadores da 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo.

O casal se separou em 2011. Dois anos depois do divórcio, o réu, que não aceitava a separação, esfaqueou e matou a ex-esposa.

Ele já cumpre pena por ter praticado esse homicídio. No entanto, seus filhos buscaram na Justiça reparação pelos danos sofridos e o direito a receberem pensão. O caso aconteceu em Marília, no interior de São Paulo.

Segundo o relator do processo, desembargador Edson Luiz de Queiróz, o pagamento de indenização se justifica porque os prejuízos imateriais são evidentes.

“Não há como negar o amor, carinho, e sentimento de proteção que somente o amor materno pode oferecer. Infelizmente, os autores foram impossibilitados desfrutar desta relação, em razão da atrocidade praticada pelo réu”, escreveu.

        Além do relator, participaram do julgamento os desembargadores Angela Lopes e Piva Rodrigues. A votação foi unânime.

*Com informações do TJ-SP

PRF realiza leilão de veículos apreendidos em Guarulhos

Veículos apreendidos pela Polícia Rodoviária Federal vão a leilão nesta terça-feira (18), às 9 horas. São 171 lotes, entre carros e motos, que estão em quatro pátios da delegacia da PRF, em Marília, interior de São Paulo.

Todos os veículos são vendidos como sucatas, sem direito a documento para circulação, possibilitando o aproveitamento de peças. Os interessados já podem realizar lances online até o evento presencial, que será em Guarulhos/SP. 

Os veículos da lista estão no pátio há mais de nove meses sem as providências de seus donos. Há um carro com quase 11 anos.

O leilão é o procedimento administrativo realizado após o abandono do veículo pelo seu responsável. Ele é previsto no artigo 328 do Código Brasileiro de Trânsito (CTB) e o valor de venda obtido no lote é usado para pagar taxas e multas inadimplentes. Se houver sobra, a diferença é direcionada a seu proprietário. Da mesma forma, se faltar, a quantia é lançada na Dívida Ativa da União no CPF do responsável.

A hasta pública, termo técnico usado no CTB, visa cessar os custos de guarda do veículo, cumprir com as obrigações legais inadimplentes e dar melhor uso ao bem, que fica sujeito a degradação no pátio. Outra benefício é ao meio-ambiente. São grandes os esforços para limpeza e conservação dos pátio, sendo maiores em época de chuvas, com os cuidados de prevenção contra focos de criadouros de mosquitos, como o Aedes aegypti, transmissor da dengue, entre outras doenças. O esvaziamento dos pátios contribui para a saúde pública.

As pessoas interessadas podem consultar os lotes no site. Os pátios da PRF estão nos seguinte locais:

1-) Pátio da Unidade Operacional de Marília/SP, situado à BR153, km 259, Marília/SP – CEP: 12630-000 – telefone (14) 3417-2499;

2-) Pátio da Unidade Operacional de Guaiçara/SP, situado à BR-153, km 174, Guaiçara/SP – CEP: 12630-000 – telefone (14) 3547-1344;

3-) Pátio da Unidade Operacional de Ourinhos/SP, situado à BR-153, km 345, Ourinhos/SP – CEP: 16330-000 – telefone (14) 3324-9427;

4-) Pátio Ibirarema Pátio Novo, situado na Estrada Municipal IBM, 444, Barra da Água Bonita, Ibirarema/SP – CEP: 19940-000 – telefone (14) 3307-7695.

LEILÃO DE VEÍCULOS APREENDIDOS EM PÁTIOS DA PRF EM MARÍLIA

Quando: Já disponível para lance online até o evento presencial, em 18/9/2018 (terça-feira), às 9 horas.
Evento presencial: Av. Presidente Tancredo de Almeida Neves, nº 529, Bairro Macedo, Guarulhos/SP.

*Com informações da Agência PRF

Mais notícias