Professores da Escola Raul Brasil retornam às atividades

Por Flávia Albuquerque 

Os professores da Escola Estadual Professor Raul Brasil retomam hoje (25) às atividades para dar continuidade ao ano letivo. O retorno dos alunos está programado para amanhã (26), a partir das 7h com as boas-vindas de toda a equipe da escola.

As aulas na Raul Brasil estão suspensas desde o dia 13, quando dois ex-alunos de 17 e 25 entraram na unidade, armados e encapuzados para um ataque que deixou sete alunos mortos, além de 11 feridos. Eles também morreram no ataque.

Na sexta-feira (22), professores, gestores e a equipe pedagógica da Secretaria Estadual de Educação, além de instituições parceiras, reuniram-se para elaborar as diretrizes pedagógicas da retomada das atividades regulares na escola.

De acordo com a secretaria, diversas instituições se colocaram à disposição para dar continuidade aos trabalhos na escola, tanto no âmbito pedagógico quanto no suporte psicológico de alunos e funcionários.

Entre os parceiros estavam o Centro de Apoio Psicossocial (Caps); o Centro de Referência e Apoio à Vítima (Cravi); a Universidade Braz Cubas;  a Universidade Cruzeiro do Sul; o Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, a Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Suzano; a Neuroconecte; o, Conselho Regional de Psicologia; a Defensoria Pública; a Secretaria Municipal de Educação de Suzano; a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); a Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a Universidade Federal Mato Grosso do Sul (UFSM).

Escola atacada em Suzano retoma as aulas terça-feira

Por Camila Maciel

Retorno às atividades tem acompanhamento de profissionais de saúde (Prefeitura de Suzano/Reprodução)

As aulas na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, no interior paulista, serão retomadas na próxima terça-feira (26). Na segunda-feira (25), a escola receberá novamente apenas os professores, que vão planejar as atividades e definir o material que será usado na continuidade do ano letivo.

As aulas foram suspensas no dia 13 deste mês, quando dois ex-alunos, de 17 e 25 anos, entraram na escola, encapuzados e armados, e promovetam um ataque que resultou na morte de sete pessoas – cinco estudantes e duas professoras. Os atiradores, que antes de invadir a escola mataram um empresário, também morreram na ação.

Nesta sexta-feira (22), professores, gestores e a equipe pedagógica da Secretaria Estadual de Educação, além de instituições parceiras, reuniram-se para elaborar as diretrizes pedagógicas da retomada das atividades regulares na escola.

De acordo com a secretaria, diversas instituições se colocaram à disposição para dar continuidade aos trabalhos na escola, tanto no âmbito pedagógico quanto no suporte psicológico de alunos e funcionários.

Entre os parceiros estão o Centro de Apoio Psicossocial (Caps); o Centro de Referência e Apoio à Vítima (Cravi); a Universidade Braz Cubas;  a Universidade Cruzeiro do Sul; o Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, a Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Suzano; a Neuroconecte; o, Conselho Regional de Psicologia; a Defensoria Pública; a Secretaria Municipal de Educação de Suzano; a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); a Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a Universidade Federal Mato Grosso do Sul (UFSM).

Aluno ferido em massacre de Suzano permanece internado

Por Flávia Albuquerque

Apenas um aluno ferido no atentado ocorrido na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), no último dia 13, permanece internado na enfermaria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-USP).

O estado de saúde dele é estável. Um outro aluno que  estava internado teve alta na noite de ontem (21).

No último dia 13, dois ex-alunos da escola, ambos de 17 e 25 anos, entraram no colégio armados, fizeram um ataque que resultou na morte de dez pessoas, sendo cinco estudantes, duas funcionárias e um empresário. Além dessas, os atiradores também morreram na ação.

A escola foi reaberta, mas as aulas ainda serão retomadas.

Dois alunos de escola em Suzano permanecem internados

Por Flávia Albuquerque

Dois alunos feridos no atentado ocorrido na Escola Estadual Professor Raul Brasil, no município de Suzano, no último dia 13, continuam internados na enfermaria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-USP), ambos com estado de saúde estável.

No último dia 13, dois ex-alunos da escola, de 17 e 25 anos, entraram no colégio armados, fizeram um ataque que resultou na morte de oito pessoas, sendo cinco estudantes, duas funcionárias e um empresário. Além dessas, os atiradores também morreram na ação.

A escola foi reaberta aos alunos, mas as aulas não foram retomadas. Na manhã de ontem foi celebrado um culto ecumênico no pátio do colégio em homenagem às vítimas do atentado.

Entenda a relação do menor apreendido com o massacre em Suzano

(Rovena Rosa/Agência Brasil)

O Ministério Público de São Paulo e a Polícia Civil acreditam que o adolescente apreendido na manhã de ontem (19) teve participação no atentado à Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano. Em entrevista coletiva concedida na tarde desta terça-feira em Mogi das Cruzes, a polícia disse que o garoto pode ser um dos mentores do crime.

Segundo o Ministério Público, foi oferecida denúncia contra o menor de idade por haver indícios de autoria e prova da materialidade, mas isso, de acordo com o órgão, ainda será objeto de mais investigação.

“Ele é mentor intelectual [junto com o outro adolescente, autor dos homicídios]. Comprou objetos que poderiam fazer ele participar daquele delito. Teve participação dele com um dos autores na compra de outros objetos e na idealização desse objeto”, disse o delegado Alexandre Dias.

A polícia ainda investiga porque ele não teve participação direta nas mortes e apura se há envolvimento de outras pessoas no planejamento do massacre.

O adolescente foi apreendido por ser suspeito de ter participado do massacre e foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para a realização de exame de corpo de delito, antes de ser apresentado ao fórum. De lá, ele seguiu para uma unidade da Fundação Casa, que não informada. Segundo o Ministério Público, a internação tem prazo de 45 dias e é improrrogável. Após esse prazo, caberá à Justiça se pronunciar a respeito de uma apreensão definitiva, que pode durar no máximo três anos.

De acordo com o MP, ele foi apreendido após diligências da polícia analisarem o conteúdo de celular e tablet do jovem e indicarem a participação dele no planejamento das mortes. A investigação tramita em sigilo.

O jovem esteve acompanhado do advogado Marcelo Feller, indicado pelo Instituto de Defesa do Direito de Defesa após a Defensoria Pública informar que não poderá atuar na defesa do menor de idade, porque já está trabalhando na defesa de vítimas do massacre. O advogado diz que o adolescente nega participação no planejamento do ataque.

Conforme a Fundação Casa, a vaga de internação provisória foi solicitada pela Justiça de Suzano e foi liberada por volta das 11h40 de ontem. O local do cumprimento da medida socioeducativa não poderá ser divulgado, segundo a Fundação, em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e para preservação da integridade física do adolescente.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo, o caso é investigado por meio de um inquérito policial da Delegacia de Suzano, com apoio do Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa da Seccional de Mogi das Cruzes. Até este momento, informou a secretaria, 31 testemunhas já foram ouvidas e poderão ser chamadas novamente ao longo das investigações.

Luiz Henrique e Guilherme, apontados como atiradores do massacre em Suzano (Facebook/Reprodução)

O ataque à escola, ocorrido na manhã da última quarta-feira (13), foi provocado por dois ex-alunos – um adolescente de 17 anos e um rapaz de 25 anos – encapuzados e armados. Dez pessoas morreram: duas funcionárias da escola, cinco alunos, um comerciante que era tio de um dos atiradores e os dois atiradores.

Três feridos no ataque continuam internados: uma jovem de 16 anos, que está na enfermaria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; um jovem de 15 anos que está na Unidade de Terapia Intensiva do mesmo hospital; e uma jovem de 15 anos, que está na enfermaria do Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes. O estado de saúde deles é estável.

Escola em Suzano reabre após atentado que deixou 10 mortos

Por Camila Maciel

(Arquivo/Rovena Rosa/Agência Brasil)

A Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, no interior paulista, foi reaberta hoje (18) apenas para professores e funcionários. O funcionamento está suspenso desde a última quarta-feira (13), quando dois ex-alunos, de 17 e 25 anos, entraram na escola encapuzados e armados, promovendo um ataque que resultou na morte de oito pessoas. Os atiradores também morreram na ação.

Nesta segunda-feira, será traçado um planejamento com atividades de acolhimento e preparação psicológica para os alunos, que retornarão amanhã (19). Ainda não há data para o reinício das aulas.

De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, o planejamento dessas atividades contará com o apoio de profissionais do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), dos centros de Atenção Psicossocial (Capes) da prefeitura de Suzano, além de outras secretarias do governo do estado.

A proposta para o acolhimento é desenvolver atividades livres, como oficinas, terapias em grupos, rodas de conversa, depoimentos, compartilhamento de boas práticas, entre outras.

Segundo o governo estadual, uma rede de apoio, formada por instituições públicas e privadas, atuou no fim de semana, prestando atendimento psicológico e especializado na Diretoria Regional de Ensino de Suzano e no Capes do município, além de visitas domiciliares às famílias das vítimas.

Aluno de 15 anos ferido em escola de Suzano recebe Alta

Por Camila Maciel

Hospital das Clínicas, em São Paulo (Marcos Santos/USP Imagens/Reprodução)

Mais um estudante da Escola Estadual Raul Brasil teve alta no início da noite desse sábado (16). O jovem de 15 anos estava internado no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP) após atentado ocorrido em Suzano na última quarta-feira (13). Atiradores, que eram ex-alunos, entraram na escola e mataram oito pessoas, sendo cinco estudantes, duas funcionárias e um comerciante. Quatro adolescentes feridos no ataque continuam internados.

De acordo com o boletim do governo estadual, dois estudantes, de 15 e 16 anos, continuam internados no Hospital das Clínicas da USP. A jovem de 16 anos saiu da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e está internada na enfermaria em um quadro estável. O adolescente de 15 anos está estável, mas permanece na UTI.

Mais dois jovens, também de 15 e 16 anos, estão no Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes. A adolescente de 15 anos saiu da UTI, está estável e segue internada. O estudante de 16 anos passou por cirurgia nesse sábado (16), sem intercorrências, e permanece internado.

Massacre em Suzano: Dois alunos recebem alta do hospital

Por Elaine Patrícia Cruz

(Nivaldo Lima/SP AGORA)

Duas vítimas do massacre na Escola Estadual Raul Brasil, que estavam internadas no Hospital Santa Maria, em Suzano, tiveram alta na manhã de hoje(16). Segundo o hospital, elas foram liberadas por volta das 8h e já deixaram a unidade.

Ainda há cinco pessoas internadas em hospitais. No último balanço, divulgado ontem pela assessoria do governo paulista, dois estudantes, de 15 e 16 anos de idade, estasvame internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC/FMUSP). O estado delas era estável na tarde de ontem.

Uma adolescente está internada na UTI do Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes. O estado de saúde da adolescente também era estável até ontem. Um adolescente de 16 anos, que foi levado ao Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, passou por cirurgia, sem intercorrências e segue internado, em estado estável. Já um outro jovem, de 15 anos, está estável, na enfermaria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Na manhã de ontem (15), um paciente que estava internado na Santa Casa de Suzano recebeu alta após passar por uma cirurgia em um dos joelhos no dia anterior. Ele agora fará tratamento no setor de ortopedia da Santa Casa de Misericórdia.

O ataque à escola, ocorrido na manhã da última quarta-feira (13), e provocado por dois adolescentes encapuzados e armados, deixou dez mortos, dos quais duas funcionárias da escola, cinco alunos, um comerciante e os dois atiradores.

Ferido em escola melhora e deixa a UTI

Por Elaine Patrícia Cruz

Cinco estudantes, vítimas do ataque à Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, continuam internados em dois hospitais estaduais de São Paulo. Balanço divulgado no fim da manhã de hoje (16), pela Secretaria estadual de Saúde, informa que o estado de saúde dos estudantes é estável.

Uma delas, de 16 anos, que estava internada até ontem na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC/FMUSP), deixou a UTI e encontra-se agora na enfermaria da unidade. Já um adolescente de 15 anos continua internado na UTI do mesmo hospital. Outro adolescente, também de 15 anos, permanece na enfermaria do HC.

Mais dois estudantes encontram-se internados no Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes. Uma adolescente de 15 anos está na UTI, em estado estável. Já um adolescente de 16 anos passou por cirurgia, sem intercorrências e segue internado.

Outras duas vítimas do massacre que estavam internadas no Hospital Santa Maria, em Suzano, tiveram alta na manhã de hoje. Segundo o hospital, elas foram liberadas por volta das 8h e já deixaram a unidade.

O ataque à escola, ocorrido na manhã da última quarta-feira (13), foi feito por dois adolescentes encapuzados e armados. Dez pessoas morreram: duas funcionárias da escola, cinco alunos, um comerciante que era tio de um dos atiradores e os dois atiradores.

https://spagora.com.br/massacre-em-suzano-dois-alunos-recebem-alta-do-hospital/

Menor suspeito de participar do massacre é ouvido e liberado

Por Elaine Patrícia Cruz

Equipes da polícia na escola onde massacre aconteceu, em Suzano (Rovena Rosa/Agência Brasil)

O adolescente, de 17 anos, apontado pela Polícia Civil como terceiro suspeito de ter participado do planejamento das mortes na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, foi ouvido na manhã de hoje(15) no Fórum de Suzano. Segundo informações do Tribunal de Justiça, o adolescente foi ouvido por representantes do Ministério Público por cerca de duas horas e liberado em seguida.

Ele foi ouvido nesta sexta-feira em uma oitiva informal, procedimento administrativo em que um adolescente suspeito de um delito é ouvido por um promotor de Justiça. Segundo o Ministério Público, não foram constatados indícios suficientes e foram requisitadas diligências complementares por parte das autoridades policiais para, posteriormente, se for o caso, pedir a internação do adolescente, como determina o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Ontem (15), o delegado geral da Polícia Civil, Ruy Ferraz Fontes, pediu à Vara da Infância e da Juventude a apreensão do adolescente, que era colega de classe de um dos dois atiradores e que teria, segundo a polícia, ajudado no planejamento do crime e na compra de equipamentos utilizados. A apreensão do jovem foi autorizada pelo Tribunal de Justiça, além de buscas em seu endereço.

O ataque deixou dez mortos, dos quais duas funcionárias da escola, seis alunos e os criminosos, que se mataram depois do ataque. Outros 11 feridos foram encaminhados a hospitais. Oito ainda continuam internados.