Quadrilha aterroriza e furta banco em Ourinhos, SP

Criminosos usaram fuzis, metralhadoras e granadas no roubo, finalizado com refém feito de escudo humano

Grupo fez refém de escudo humano (à esq.) para fugir da cidade | Foto: Arquivo/Ponte

Ao menos 40 ladrões armados de fuzis e metralhadoras explodiram a única agência do Banco do Brasil em Ourinhos, cidade no interior de São Paulo, a 370 km da capital, na madrugada deste sábado (2/5). O bando fugiu levando dinheiro dos caixas eletrônicos. A quantia roubada não foi divulgada.

população acordou assustada com a saraivada de balas. Eram 2h. Os criminosos, encapuzados, chegaram em dez veículos. Eles atiravam para o alto para intimidar moradores e policiais militares. Bases da PM acabaram cercadas e foram alvos de disparos. Vizinhos da agência filmaram a ação.

Os assaltantes fizeram seis reféns. Uma pessoa foi baleada na perna, mas, segundo a Polícia Civil, ela foi socorrida num hospital da cidade e não corre riscos.

A quadrilha era bem organizada. Além das armas de grosso calibre – uma delas metralhadora ponto 50, capaz de derrubar até helicóptero –, os criminosos também utilizaram granadas, coletes à prova de bala e um drone para monitorar a chegada de policiais militares.

Mesmo assim, segundo a Polícia Civil, houve confronto entre ladrões e PMs. Os criminosos fugiram em direção ao Paraná. Um dos reféns foi colocado em cima de um veículo da quadrilha. A vítima foi usada como escudo para por fim ao tiroteio. Minutos depois ela foi liberada.

Os ladrões deixaram para trás três granadas: uma ficou dentro da agência bancária, outra na rua da instituição financeira e a terceira foi colocada em frente ao batalhão da Polícia Militar.

Homens do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais), unidade de elite da Polícia Militar, especializada em explosivos, foram acionados para desarmar os artefatos.

Até às 13h deste sábado, nenhum criminoso havia sido preso. O roubo em Ourinhos foi semelhante a outro realizado em Botucatu, também no interior do estado, em dezembro do ano passado, quando um bando atacou a agência da Caixa Econômica Federal.

Na ocasião, os ladrões encapuzados também usaram armas de grosso calibre, explosivos e diversos veículos. As ruas nas proximidades do banco foram bloqueadas pela quadrilha. 

Na fuga, eles usaram “miguelitos”, espécie de pregos de ferro entrelaçados utilizados para furar pneus, evitando assim uma possível perseguição policial.

A Polícia Civil investiga se esses dois assaltos foram feitos pela mesma quadrilha e se os criminosos têm alguma ligação com o PCC (Primeiro Comando da Capital).

Por Josmar Jozino – Repórter da Ponte

PM que matou jovem por causa de cone vai a júri popular

Por Arthur Stabile

Brian morreu com o único disparo, que o acertou no pescoço
(Arquivo Pessoal/via Ponte Jornalismo)

A Justiça de São Paulo marcou para o dia 22 de maio de 2020 o júri popular que analisará o assassinato do jovem Brian Cristian Bueno da Silva, então com 22 anos, morto no dia 8 de junho de 2016. O policial militar Luís Paulo Izidoro responde pelo crime, ocorrido durante uma abordagem realizada porque Brian derrubou um cone de trânsito em Ourinhos, no interior de São Paulo.

Há um conflito de versões: o PM alega que sua arma disparou por conta própria, sem intenção, enquanto Brian fez um movimento brusco. Os amigos do jovem garantem que o policial estava “exaltado”, o agarrou pela camisa e o chacoalhou antes de ouvirem o disparo. 

A juíza Raquel Grellet Pereita Bernardi considerou que há elementos suficientes para o julgamento do PM por homicídio, que contará com cinco testemunhas de acusação, uma em comum e quatro de defesa.

Brian morreu com um tiro no pescoço, assassinato registrado em vídeo obtido pela Ponte.

Vídeo mostra momento do crime

Ele voltava de uma festa na qual tinha ido com amigos e se dirigiam sentido São José do Rio Pardo, cidade vizinha, distante 257 quilômetros da capital paulista. O jovem ocupava o banco do passageiro do carro, ao lado do motorista. Na avenida Jacinto Ferreira de Sá, Brian teria colocado a mão para fora do veículo e derrubado um cone de sinalização. Foi quando a PM os abordou.

Os amigos de Brian contam que Izidoro chegou alterado ao falar com Brian, na porta do passageiro, ordenando que o jovem saísse do carro. A versão é de que não havia como pois o policial bloqueava a abertura da porta com o corpo. Quando Brian tentou tirar o cinto, os ocupantes do carro contam que ouviram o disparo letal. 



Izidoro alega que apontava a arma para o chão durante a abordagem e de ter pedido que os rapazes saíssem do carro, não sendo atendido. Quando chegou mais perto, Brian teria feito um movimento brusco que fez o PM recuar. Com esse momento, segundo o policial, sua pistola Taurus calibre .40 teria disparado sozinha. O PM alega que nem estava com o dedo no gatilho.

A denúncia do MP (Ministério Público) vai de encontro com a versão dos amigos da vítima. “Luís Paulo [Izidoro] agiu por motivo fútil, uma vez que matou a vítima em razão da mesma ter mexido em um cone de sinalização. Da mesma forma, Luís Paulo agiu mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima, pois Brian não teve tempo de ter qualquer reação à abordagem policial”, sustenta o promotor Silvio da Silva Brandini, responsável por acusar o PM por homicídio duplamente qualificado (motivo fútil e sem chance de defesa para a vítima). 

Por outro lado, a defesa do PM entrou com recurso buscando a absolvição sumária. A tese é exatamente a de que a arma disparou sozinha, citando casos em que pistolas da marca Taurus atiraram espontaneamente, sem movimentos intencionais. “Já recorremos da decisão, entramos com embargos de declaração. Vamos recorrer até Brasília se for necessário. A morte aconteceu por defeito na arma, não foi por dolo ou culpa. A arma contém defeito mesmo”, explicou a advogada Sandra Kamimura, em entrevista à Ponte, na época em que entrou com o recurso.

A advogada buscava o adiamento do juri, o que os desembargadores José Raul Gavião de Almeida, Marco Antônio Marques da Silva e Cassiano Ricardo Zorzi Rocha negaram.

*Reportagem publicada originalmente neste link: https://ponte.org/pm-que-matou-jovem-por-causa-de-um-cone-sera-julgado-em-maio-de-2020/

Fatec anuncia novos cursos superiores na Capital e no Interior

O Vestibular 2020 das Faculdades de Tecnologia do Estado (Fatecs) terá vagas para três novos cursos: Ciência de Dados, Gestão da Qualidade e Design de Produto com ênfase em Processos de Produção e Industrialização. A partir de 2020, portanto, serão 80 cursos superiores de tecnologia oferecidos pelo Centro Paula Souza, responsável pela administração das Fatecs e Etecs no Estado de São Paulo.

O Vestibular para o primeiro semestre de 2020 tem ao todo 15.565 vagas, distribuídas entre as 73 Fatecs, localizadas em todas as regiões do Estado. As inscrições podem ser feitas até 11 de novembro, às 15 horas, pelo site www.vestibularfatec.com.br.

Ciência de Dados
Fatec Ourinhos (40 vagas)

Nove em cada dez rankings de carreira apontam a profissão de cientista de dados como uma das mais promissoras no mundo. A explicação para esse interesse está no fato de a tecnologia gerar um volume de informações muito grande nas organizações que, se for tratado de forma inteligente, gera valor e oportunidades de negócios.

Para o coordenador do novo curso da Fatec Ourinhos, Sidney Ferrari, o momento é favorável porque os primeiros cursos de formação superior ainda estão surgindo e, além da falta de gente especializada, o volume de dados cresce de forma exponencial. “Nosso curso vai proporcionar conhecimentos e habilidades exigidos pela Indústria 4.0”, afirma. “A ideia é atender candidatos de São Paulo e até de outros Estados”, complementa o professor.

No processo seletivo são oferecidas 40 vagas para o período noturno. O curso reúne conhecimento integrado e multidisciplinar das áreas de computação, estatística, marketing e psicologia. Empresas como IBM e Microsoft são parceiras da unidade e estão apoiando a implantação do novo curso.

A partir do segundo semestre, os alunos terão acesso a laboratórios específicos para práticas de Inteligência Artificial e Machine Learning. No sexto semestre, estão previstos workshops para estudo de casos reais de empresas que serão parceiras nessas atividades.

Gestão da Qualidade
Fatec Lins (40 vagas)

Além dos cursos superiores de Logística e Gestão da Produção Industrial, a Fatec Lins vai disponibilizar aos candidatos a graduação tecnológica de Gestão da Qualidade a partir do próximo semestre. O Vestibular oferece 40 vagas para o período noturno.

“O novo curso atende à demanda da região, um polo de produção de tecido e plástico biodegradável”, afirma a coordenadora de projetos da Unidade de Ensino Superior de Graduação (Cesu) do CPS, Marinês Perez. A formação tecnológica na área de qualidade capacita profissionais para monitorarem o processo de produção, identificando falhas e necessidade de adequação às normas técnicas dos órgãos certificadores.

Para viabilizar as atividades práticas, a Fatec de Lins montou dois laboratórios de metrologia equipados com balança digital, paquímetro digital para medição de chapas de aço, calibrador para conferência de embalagem tridimensional, traçador de altura para medição de equipamento vertical, entre outros instrumentos para medição e calibração que conferem o cumprimento de normas técnicas.

Design de Produto com ênfase em Processos de Produção e Industrialização
Fatec Tatuapé (40 vagas)

A partir de 2020, a Fatec Tatuapé, localizada na zona leste da capital, vai oferecer o curso de Design de Produto com ênfase em Processos de Produção e Industrialização, no período da manhã, com 40 vagas. Para o coordenador de projetos do eixo tecnológico de Produção Cultural e Design, André Guilles, o mercado é carente desses profissionais porque existem apenas cursos de bacharelado que oferecem uma formação mais conceitual e menos prática.

“O curso visa oferecer ao tecnólogo uma capacidade de execução bem consolidada para que possa sair com domínio de diversas técnicas e softwares de impressão em 3D para desenvolver projetos, protótipos, modelagens e croquis”, explica Guilles.

Segundo o coordenador, o design é uma atividade imprescindível para as marcas que querem disputar o mercado internacional. “Sem investimento em design não é possível ser competitivo no exterior. O Brasil tem uma tradição forte na área, somos referência”, diz.

*Conteúdo do Governo do Estado de SP