Em fase de transição, comércio volta a funcionar hoje

(Arquivo/Divulgação)

O Estado de São Paulo entra neste domingo (18) em uma fase de transição de restrições para controle do avanço da pandemia, na qual setor da atividade econômica voltam a funcionar. A nova fase está dividida em dois períodos, segundo o vice-governador Rodrigo Garcia.

Na primeira semana, de 18 a 23 de abril, a flexibilização acontecerá para o setor do comércio, incluindo lojas de shopping, com funcionamento permitido das 11h às 19h. Neste período, também será permitida a realização de cerimônias e cultos religiosos com restrições, desde que seguidos rigorosamente todos os protocolos de higiene e distanciamento social.

No período de 24 a 30 de abril, além dos estabelecimentos comerciais, poderão voltar a funcionar as atividades ligadas ao setor de serviços como restaurantes e similares (lanchonetes, casas de sucos, bares com função de restaurante), salões de beleza e barbearias, atividades culturais, parques, clubes e academias. O horário de funcionamento será das 11h às 19h, com exceção das academias, que poderão abrir das 7h às 11h e das 15h às 19h.

“A fase de transição é necessária para que possamos dar passos seguros adiante sem o risco de retroceder. O apoio da população nesse novo momento da pandemia continua sendo fundamental. Não é hora de baixarmos a guarda”, afirmou.

Para evitar aglomerações, a capacidade de ocupação permitida nos estabelecimentos na fase de transição será de 25%. O toque de recolher continua em vigência em todo o Estado, das 20h às 5h, assim como a orientação para o teletrabalho para as atividades administrativas não essenciais e escalonamento de horário na entrada e saída das atividades do comércio, serviços e indústrias. A próxima atualização do Plano SP acontecerá a partir do dia 1 de maio.

Casos

Números divulgados nesta sexta-feira (16) mostram que o Estado de São Paulo registrava um total de 87.326 mortes e 2.722.077 casos confirmados pela COVID-19. Entre os infectados, 2.337.994 estão recuperados e, desse total, 276.222 estiveram internados e receberam alta hospitalar.

O número de internações segue em declínio, segundo o Estado. São 24.792 internados, sendo 13.194 em leitos de Terapia Intensiva e 11.598 em enfermaria. As taxas de ocupação dos leitos de UTI registradas hoje foram de 83,3% na Grande São Paulo e 85% no Estado.

*Com gov. do Estado de São Paulo

MP-SP analisa autorização para cultos religiosos na fase vermelha

(MPSP/Reprodução)

O Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) informou que está analisando o decreto do governo paulista que autorizou o funcionamento de templos religiosos durante a Fase Vermelha de combate à pandemia de covid-19.

Segundo o Ministério Público, o assunto será debatido nesta segunda-feira (8) pelo procurador-geral de Justiça, Mario Sarrubbo, membros do gabinete de crise da covid-19 do MPSP, integrantes do Comitê de Contingência do governo estadual e líderes religiosos.

Desde o último sábado (6), em todo estado de São Paulo está vigorando a Fase Vermelha, a mais restritiva classificação do Plano São Paulo, em que apenas as atividades consideradas essenciais podem ser realizadas.

O decreto do governador João Doria, publicado no Diário Oficial do Estado no último dia 2, acrescentou cultos religiosos de qualquer natureza ao rol de atividades consideradas essenciais.

Por Bruno Bocchini, da Agência Brasil

Doria recebe ameaças após implantação da fase vermelha

(Gov. do Estado de SP)

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), divulgou hoje (7), em uma rede social, que voltou a receber ameaças. Segundo a publicação, as ameaças foram dirigidas à casa do governador e à família dele.

“Bolsonaristas loucos tentam me intimidar com novas ameaças contra mim e minha família. Agora ameaçam minha casa e nossa família”, escreveu Doria.

As ameaças acontecem no primeiro fim de semana após a implantação da fase vermelha de restrição, do Plano São Paulo, para conter o avanço da covid-19. Pela medida, comércios e restaurantes não podem atender presencialmente.

Doria informou que, após as ameaças, a polícia foi mobilizada.

“Além de pedir apoio policial e tomar medidas legais, quero registrar meu repúdio a este comportamento”, disse.

Durante a semana, após o anúncio da fase mais restritiva, Doria foi alvo de protestos em diferentes locais do Estado. Na Capital, a Marginal Tietê chegou a ser bloqueada.

Justiça autoriza abertura do comércio em São José dos Campos

(Adenir Britto/Pref. de São José dos Campos)

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) autorizou, na última sexta-feira (5), que a São José dos Campos permaneça na fase laranja do Plano SP. A prefeitura entrou com um pedido para não implementar a fase laranja porque as taxas de internação estão abaixo dos 75%, principal critério para a adotar medidas mais restritivas. 

A decisão foi tomada pelo desembargador Jeferson Moreira de Carvalho. Ele levou em consideração a taxa dos leitos de UTI voltadas para o tratamento de Covid-19 e usou como o Decreto Estadual nº 64.994, de maio de 2020 (Plano São Paulo).

Depois da decisão do TJ-SP, o prefeito Felício Ramuth anunciou que o decreto da fase vermelha publicado na última sexta será revogado. É a única região do estado que tomou essa atitude. 

Sendo assim, bares, restaurantes, shoppings e comércios podem funcionar até as 20h, mas respeitando o limite de pessoas dentro dos estabelecimentos. 

O pedido da prefeitura para adotar a fase laranja no município foi negado em primeira instância, mas foi revertido pelo TJ-SP. 

Por TV Cultura

Estado autua 43 estabelecimentos na 1ª noite de fase vermelha

Na primeira madrugada de vigência da nova classificação do Plano São Paulo, que recuou todo o estado à Fase Vermelha, a Vigilância Sanitária autuou 43 estabelecimentos por descumprimento das regras do plano. Todos esses estabelecimentos, segundo a Vigilância Sanitária, são da capital paulista. Desse total, sete foram autuados por aglomerações e funcionamento além do horário permitido.

Desde a meia-noite deste sábado (6), todo o estado de São Paulo entrou na Fase 1-Vermelha do Plano São Paulo, onde somente serviços considerados essenciais podem funcionar. Comércio de rua, bares, restaurantes, museus, cinemas, parques e shoppings estarão fechados. Somente podem funcionar serviços de delivery e drive-thru. A medida vale até o dia 19 de março.

“Nossas ações [de fiscalização] visam sobretudo à mudança de comportamento e ao respeito às normas sanitárias para proteção coletiva, e não miram a punição, embora isso possa ser realizado se a lei for descumprida. Esses bares estavam abertos após o horário permitido e mantendo o atendimento presencial. Encontramos aglomerações e dezenas de pessoas sem máscaras, então agimos para evitar que esse tipo de situação se repita”, disse Cristina Megid, diretora do Centro de Vigilância Sanitária de São Paulo.

Cidadãos que quiserem denunciar estabelecimentos por descumprimento das regras do Plano São Paulo podem fazer suas denúncias pelo telefone 0800 771 3541 ou  pelo e-mail [email protected]

Os estabelecimentos que descumprirem as regras do Plano São Paulo podem ser autuados com base no Código Sanitário, que prevê multa de até R$ 290 mil.

Pela falta do uso de máscara, que é obrigatória, a multa é de R$ 5.278 por estabelecimento, por cada infrator. Pessoas que estiverem em espaços coletivos sem máscara também podem ser multados em R$ 551,00.

Fase vermelha

Na Fase Vermelha, a mais restritiva do Plano São Paulo, somente serviços considerados essenciais, como indústria, farmácias, padarias, postos de combustíveis, transporte, bancos, hotéis e supermercados, podem funcionar. Também podem funcionar estabelecimentos religiosos, que foram recentemente incluídos como atividade essencial pelo governador de São Paulo, João Doria.

As aulas presenciais nas escolas da rede pública ou privada não serão suspensas nesse período. A frequência dos alunos, no entanto, não é obrigatória e a capacidade é limitada a 35%. Segundo o governo paulista, as aulas serão permitidas principalmente para atender aos alunos de maior vulnerabilidade.

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul). O plano divide o estado em 17 regiões e cada uma delas é classificada em uma fase do plano, dependendo de fatores como capacidade do sistema de saúde e a evolução da epidemia.

Por Elaine Patricia Cruz, da Agência Brasil

Protesto contra fase vermelha no Estado fecha Marginal

(Rede Social/Reprodução)

Manifestantes bloquearam, na manhã de hoje (5), a Marginal Tietê, sentido da rodovia Ayrton Senna, contra a fase vermelha de restrição. A medida anunciada pelo governador do estado de São Paulo, João Doria, é para tentar conter o avanço da Covid-19. 

Números da Secretaria Estadual da Saúde indicam que 77,4% dos leitos de UTI no Estado estão ocupados. Na região metropolitana de São Paulo o quadro é ainda pior, com 79,1% dos leitos de Unidade de Tratamento Intensivo com pacientes.

Durante o protesto, vans e caminhões estacionaram fechando as três pistas da via (expressa, central e local). Faixas contra o governador eram apresentadas. 

Esta semana, ao anunciar as medidas mais duras contra a circulação de pessoas, o governador disse que “estamos hoje, em São Paulo e no Brasil, à beira de um colapso na saúde. Isso exige medidas urgentes, coletivas”. “Exige também a sensibilidade daqueles que preferiram praticar o negacionismo, fazer aglomerações, promover festividades, não usar máscaras, ridicularizar aqueles que usam mascaras e se protegem. Não é só um problema de um governo negacionista, é também um problema de parte da população que nega existência e que se expõe, desnecessariamente, ao risco de perderem suas vidas e estimularem que outras pessoas a perder suas vidas também”, completou Doria.

A partir de amanhã (6), todo o estado entrará na fase vermelha do Plano São Paulo, e apenas serviços essenciais poderão permanecer abertos. A medida vale até o dia 19 de março e poderá ser prorrogada.

*com TV Cultura

Grande SP entra na fase laranja a partir de hoje

A Grande São Paulo entra na fase laranja da quarentena a partir desta segunda-feira (1º). A fase de restrição, anunciada pelo governo de São Paulo na última sexta-feira (26), proíbe o funcionamento de bares e permite que restaurantes fiquem abertos somente até às 20h. 

O chamado “toque de restrição”, que limita a circulação de pessoas das 23h às 5h, opera no estado desde sexta-feira (26), com o objetivo de conter o avanço de infecções pelo coronavírus. O governo promete intensificar a fiscalização até o dia 14 de março, com os serviços da Vigilância Sanitária, Polícia Militar e Procon-SP.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, pelo menos 46 estabelecimentos foram autuados na capital paulista, durante o período entre a noite da última sexta-feira (26) e a madrugada do último domingo (28). 

Por TV Cultura

Fase Vermelha aos fins de semana é suspensa

O governo de São Paulo decidiu hoje (03) revogar o decreto que colocava o estado paulista na Fase 1-Vermelha aos finais de semana e também após as 20h nos dias úteis. Isso ocorreu após ter ocorrido nesta semana uma leve queda nas internações e óbitos provocados pelo novo coronavírus. 

A medida, que fechava as atividades não essenciais no período, passou a vigorar no dia 25 de janeiro. A princípio, valeria até o dia 7 de fevereiro, mas agora a restrição noturna está suspensa e o comércio pode reabrir nas cidades paulistas que estão classificadas a partir da Fase Laranja do Plano São Paulo já neste final de semana. 

A classificação das regiões dentro do Plano São Paulo não sofreu alteração. 

Regiões 

Atualmente, o estado de São Paulo tem seis regiões na Fase 1-Vermelha: Barretos, Franca, Ribeirão Preto, Marília, Bauru e Taubaté. Nesta fase, essas regiões só podem abrir os serviços considerados essenciais de logística, saúde, segurança e abastecimento. 

O restante do estado, que inclui a capital paulista e a Grande São Paulo, está na Fase 2-Laranja, onde academias, salões de beleza, restaurantes, cinemas, teatros, shoppings, concessionárias, escritórios e parques estaduais podem funcionar por oito horas diárias, com atendimento presencial limitado a 40% e encerramento às 20h. O consumo local em bares está proibido na Fase Laranja.

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul).

O plano divide o estado em 17 regiões e cada uma delas é classificada em uma fase do plano, dependendo de fatores com capacidade do sistema de saúde e a evolução da epidemia.

Por Elaine Patrícia Cruz – Repórter da Agência Brasil 

Covid-19: Estado passa para a fase vermelha a partir de hoje

Mudanças no Plano São Paulo
Plano São Paulo (Gov. do Estado de São Paulo)

Começa a valer hoje (25), em todo o estado de São Paulo, a nova classificação do plano de retomada econômica e de convivência com o novo coronavírus (covid-19), o Plano São Paulo. Com a nova classificação, anunciada na  sexta-feira (22), sete regiões do estado estarão na fase 1-vermelha e só poderão manter em funcionamento os serviços considerados essenciais de logística, saúde, abastecimento e segurança.

As regiões de Barretos, Bauru, Franca, Marília, Presidente Prudente, Sorocaba e Taubaté terão que fechar o comércio considerado não essencial. Já as demais regiões do estado, o que inclui a Grande São Paulo e a capital paulista, estarão na fase 2-laranja, onde academias, salões de beleza, restaurantes, cinemas, teatros, shoppings, concessionárias, escritórios e parques estaduais podem funcionar por oito horas diárias, com atendimento presencial limitado a 40% e encerramento às 20h. O consumo local em bares está proibido nessa fase.

O governo paulista determinou ainda que, aos finais de semana, feriados e todas as noites, após as 20h, todas as regiões do estado terão que manter a quarentena, abrindo apenas os serviços considerados essenciais. A medida vai valer, pelo menos, até o dia 7 de fevereiro.

Sem essas mudanças no Plano São Paulo, que restringem ainda mais a circulação das pessoas, e com o atual ritmo de crescimento da transmissão do coronavírus, o governo paulista calculou que em 28 dias o estado poderia ter um esgotamento dos leitos de unidades de terapia intensiva (UTI). Até ontem (24), 71,3% dos leitos de UTI de todo o estado já estavam ocupados, com 5.970 pacientes internados em estado grave.

Neste mês de janeiro, até ontem (24), informou a secretaria estadual da Saúde, o estado já registrou 237.130 novos casos, 16.486 a mais que o total de dezembro inteiro (220.644). O estado também já computou 4.785 novas mortes registradas neste mês, contra 4.622 no mês anterior.

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul). O plano divide o estado em 17 regiões e cada uma delas é classificada em uma fase do plano, dependendo de fatores como a capacidade do sistema de saúde e a evolução da epidemia.

Por Elaine Patrícia Cruz, da Agência Brasil

São Paulo terá fase vermelha durante noites, fim de semana e feriados

Com as taxas de ocupação de unidades de terapia intensiva (UTI) acima de 71% por causa do novo coronavírus (covid-19), o governo de São Paulo decidiu colocar todo o estado em quarentena aos finais de semana, feriados e no período noturno, sempre após às 20h nos dias úteis. A medida passa a valer a partir de segunda-feira (25). A quarentena deve durar, pelo menos, até o dia 7 de fevereiro.

Aos sábados, domingos, feriados e após as 20h nos dias úteis, só poderão funcionar os serviços considerados essenciais das áreas de logística, saúde, segurança e abastecimento. O restante das atividades econômicas, tal como o comércio, terá que ser fechado nesses dias e horários. 

A quarentena já vale para o feriado do dia 25 de janeiro, aniversário da cidade de São Paulo. 

Essa foi a terceira reclassificação do Plano São Paulo somente neste mês de janeiro. A primeira ocorreu no dia 8 de janeiro e a expectativa do governo era de que a próxima seria somente no dia 5 de fevereiro. Mas com o crescimento rápido de infecções e mortes, o governo acabou fazendo uma nova reclassificação no plano na última sexta-feira (15).

Na última reclassificação, apenas a região de Marília havia ficado na fase 1-vermelha. Agora, com a nova alteração no Plano São Paulo, divulgada hoje, sete regiões vão ficar na fase 1-vermelha e só poderão reabrir os serviços considerados essenciais. São elas: Marília, Presidente Prudente, Bauru, Sorocaba, Taubaté, Franca e Barretos. As demais regiões do estado, incluindo a Grande São Paulo e a capital paulista, vão ficar na fase 2-laranja. Na fase 2-laranja, academias, salões de beleza, restaurantes, cinemas, teatros, shoppings, concessionárias, escritórios e parques estaduais podem funcionar por oito horas diárias, com atendimento presencial limitado a 40% e encerramento às 20h. O consumo local em bares está proibido nessa fase.

O governo determinou ainda que nenhuma região passará para as fases 3-amarela ou 4-verde até o dia 8 de fevereiro.

Sem essas mudanças no Plano São Paulo, restringindo mais a circulação das pessoas, e com o atual ritmo de crescimento de infecções pela covid-19, o governo paulista calculou que em 28 dias o estado poderia ter um esgotamento dos leitos de unidades de terapia intensiva (UTI).

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul). O plano divide o estado em 17 regiões e cada uma delas é classificada em uma fase do plano, dependendo de fatores como a capacidade do sistema de saúde e a evolução da epidemia.

Ocupação de leitos

Ontem (21), a secretaria estadual de Desenvolvimento Regional divulgou que 58 dos 645 municípios paulistas já estavam com ocupação hospitalar para pacientes graves acima de 80%. Nove desses municípios já estavam com 100% de ocupação, ou seja, não poderiam atender mais ninguém: Itaquaquecetuba, Américo Brasiliense, Promissão, Artur Nogueira, Itatiba, Socorro, Pirassununga, Fernandópolis e Porto Feliz.

Da penúltima semana de dezembro até hoje (22), o número de casos cresceu 79% no estado, passando de uma média de 5.606 casos por dia para 10.023 casos por dia. Já o número de novas internações passou de uma média de 1.331 por dia para 1.664, com crescimento de 25%. Nesse mesmo período, o número de mortes cresceu 96%, passando de 111 mortes por dia na penúltima semana de dezembro para 218 mortes por dia esta semana.

Segundo balanço divulgado hoje (22) pela Secretaria estadual da Saúde, o estado tem, até este momento, 1.679.759 casos confirmados do novo coronavírus, com 51.192 mortes. Há 6.044 pacientes internados em estado grave em todo o estado, além de 7.659 internados em enfermarias.

Novos leitos

Para tentar conter o avanço da covid-19 e ampliar o atendimento, o governo de São Paulo vai criar 756 novos leitos no estado, vai cancelar as cirurgias eletivas, e reativar o hospital de campanha de Heliopólis, que havia deixado de atender casos de coronavírus em setembro. O hospital de campanha de Heliópolis estava instalado no Ambulatório Médico de Especialidades (AME) Barradas, localizado na maior comunidade da capital.