Parque Bruno Covas, na região do Novo Rio Pinheiros, começa a ser construído

(Gov. do Estado de SP)

O Governador João Doria deu início neste domingo (13) às obras do Parque Bruno Covas – Novo Rio Pinheiros. Nesta etapa está contemplado um trecho de 8,2 quilômetros entre a sede do Pomar Urbano e a Ponte Cidade Jardim, na margem oeste do canal. Na ocasião também foi assinado o contrato para a revitalização do segundo trecho, de 8,9 quilômetros, entre as pontes Cidade Jardim e a área de Retiro da CPTM, nas proximidades da ponte do Jaguaré.

“No Parque Bruno Covas teremos várias estações de ginástica, de uma convivência daquilo que o Bruno gostava, da natureza com exercício. É uma homenagem justa, correta e adequada para o perfil daquilo que o Bruno representou ao longo da sua existência. Ele amava a natureza, amava também a prática de esportes, amava gente, amava as pessoas. A população poderá vir para desfrutar um momento de lazer com seus filhos, familiares e amigos”, disse Doria.

No Parque Bruno Covas – Novo Rio Pinheiros serão implantadas pistas de skate e de caminhada; locais para esportes, lazer e cultura; criação de novas áreas verdes e manutenção dos plantios existentes; áreas de descanso e alimentação; facilidades e serviços voltados aos ciclistas; banheiros; assistência de primeiro-socorros; conexão intermodal com as ciclovias e com as estações de ônibus, Metrô e CPTM; entre outros.

João Doria, governador de São Paulo, e Ricardo Nunes, prefeito de São Paulo (Gov. do Estado de SP)

“O início das obras do Parque Bruno Covas é mais um marco na revitalização do Programa Novo Rio Pinheiros porque representa a soma de esforços entre as esferas pública e privada em busca da melhoria da qualidade de vida das pessoas com novas opções de lazer e convívio. A volta da população às margens ocorrerá em função de um grande investimento em saneamento básico, que propiciará a melhora da qualidade da água e também a recuperação ambiental e paisagística”, destacou o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido.

No total, o investimento privado será de 58 milhões de reais e ocorrerá ao longo dos próximos 5 anos. A revitalização será realizada pelos consórcios Parque Linear Novo Rio Pinheiros no trecho 1; e Parque Novo Rio Pinheiros no trecho 2, selecionados por meio de Chamamento Público.

Programa de despoluição do Novo Rio Pinheiros

A despoluição do Rio Pinheiros está em andamento. Mais de 51% das ações de coleta e tratamento de esgoto já foram concluídas, beneficiando mais de 800 mil pessoas na bacia do Pinheiros com saneamento básico.

Paralelamente estão em andamento ações de desassoreamento, que já retiraram o equivalente a 16 mil caminhões de sedimentos, a remoção do lixo – até agora 35.221 toneladas – e medidas para revitalização das margens, além da concessão da Usina SP que também será um novo espaço de lazer.

Por Gov. de São Paulo

Estado capta mais de meio bilhão de reais para despoluir o rio Pinheiros

Rio Pinheiros, em São Paulo (Rovena Rosa/Agência Brasil)

O Governador João Doria anunciou nesta quarta-feira (19) a captação de US$ 100 milhões (aproximadamente R$ 530 milhões) para financiamento de projetos de saneamento básico e água potável, por meio de parceria firmada pelo banco estadual Desenvolve SP com a IFC, membro do Grupo Banco Mundial, e com o Santander Brasil. Deste total, 75% serão destinados às obras do programa de despoluição Novo Rio Pinheiros e o restante atenderá a projetos sustentáveis de micro e pequenas empresas voltados à preservação de recursos hídricos e tratamento de resíduos sólidos.

“O Governo de São Paulo acaba de captar R$ 530 milhões, adicionalmente ao que já se investe na limpeza e despoluição do rio Pinheiros, que até o final de 2022 será entregue limpo e despoluído para a população do Estado”, disse Doria.

Este é o primeiro financiamento da IFC a uma instituição de fomento controlada por agente público. Também de forma inédita, o Desenvolve SP realizou a operação em formato A/B Loan, mecanismo que permite que sejam captados, indiretamente, recursos de bancos privados, maximizando o aporte inicial da IFC de US$ 75 milhões. Assim, o Santander Brasil se somou ao projeto como cofinanciador, fornecendo US$ 25 milhões, além de ser responsável pelo repasse total dos recursos em reais, protegendo toda a operação contra as variações cambiais.

“Estamos empenhados em trazer mais recursos para a economia do estado de São Paulo. Esta captação une forças de bancos público, multilateral e privado em uma engenharia financeira inédita, que vai possibilitar o financiamento deste que é o maior programa de saneamento básico do país”, celebrou o Presidente do Desenvolve SP, Nelson de Souza.

Os recursos serão disponibilizados para financiamento dos projetos das empresas vencedoras dos editais da Sabesp para execução de obras de construção de infraestrutura de coleta e tratamento de esgoto nas bacias do Jaguaré, Pirajuçara, Cidade Jardim/Morumbi, Morro do S, Ponte Baixa, Socorro, Corujas/Rebouças, Águas Espraiadas, Cordeiro, Pouso Alegre/Santo Amaro/Poli, Aterrado/Zavuvus e Pedreira/Olaria. As empresas terão condições de financiamento facilitadas por meio da linha de crédito Economia Verde (LEV), operada pelo Desenvolve SP, que apoia exclusivamente projetos com foco em desenvolvimento socioambiental.

“A despoluição do Rio Pinheiros é uma questão civilizatória para a cidade mais rica do Brasil. Toca em questões fundamentais de saneamento básico de vários municípios que interagem com o rio e endereça a importância de São Paulo não mais dar as costas aos seus rios, mas ir ao encontro deles. Ou seja, passa por questões profundas de aproximação da sociedade das grandes capitais do país com os seus rios”, disse Sérgio Rial, presidente do Santander Brasil.

Em 2020, o Desenvolve SP realizou o maior financiamento de sua história para o Programa, com R$ 70 milhões para a construção de infraestrutura de coleta de esgoto na bacia do Jaguaré e sua ligação às residências, que vai beneficiar mais de 58 mil famílias. Até o momento, o banco destinou, no total, R$ 84 milhões para a revitalização do rio.

“A parceria com entes internacionais mostra a confiança e credibilidade do investidor no Estado de São Paulo e garante a aplicação de recursos nestes projetos que beneficiam a saúde da população e o nosso meio ambiente”, explicou o Secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado Marcos Penido.

A captação é parte da estratégia do Desenvolve SP para apoiar o programa estadual Novo Rio Pinheiros, que tem o objetivo de revitalizar este importante símbolo da cidade de São Paulo por meio da ação de diversos órgãos públicos em parceria com a sociedade. A meta até o fim de 2022 é reduzir o esgoto lançado em seus afluentes, melhorar a qualidade das águas e integrá-lo completamente à cidade.

A revitalização do Pinheiros deve beneficiar mais de três milhões de pessoas no entorno da Bacia. É coordenado pela Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente, com a participação das empresas SABESP, Companhia Ambiental do Estado de São Paulo – CETESB, Departamento de Águas e Energia Elétrica – DAEE e Empresa Metropolitana de Águas e Energia – EMAE, além da Prefeitura de São Paulo.

Por Gov. do Estado de SP

Ciclovia do Rio Pinheiros recebe iluminação de LED

Entrega dos primeiros kms da Iluminação LED para a Ciclovia do Rio Pinheiros
João Doria, governador de São Paulo, pedalou pelo trecho com a nova iluminação (Reprodução)

Foi entregue nesta sexta-feira (7), o primeiro sistema de iluminação da Ciclovia do Rio Pinheiros. O projeto é uma parceria entre o Governo de São Paulo e a Enel. Foram colocados 130 pontos de lâmpadas inteligentes no trecho da região da Vila Olímpia, com investimento de R$ 1 milhão da Enel, em recursos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) da Aneel.

A iniciativa faz parte de um plano mais amplo para transformar o local na primeira ciclovia inteligente do país por meio de tecnologias inovadoras.

“São Paulo já é a capital do Brasil e da América Latina em termos de uso de bicicletas e também de ciclovias. E uma belíssima ciclovia que tem os primeiros quilômetros, hoje, com a iluminação da Enel”, disse João Doria, governador do Estado de São Paulo, que pedalou pelo trecho durante a noite de ontem.

A primeira etapa do projeto contempla três quilômetros de vias cobertas com a tecnologia SmartLighting, que permite o gerenciamento do sistema de forma remota. A iluminação será ampliada gradualmente. Até julho, a ciclovia receberá ainda 40 câmeras de segurança instaladas pela concessionária Farah Service, cujas imagens serão monitoradas em um Centro de Controle Operacional. Este conjunto de medidas propiciará mais segurança aos ciclistas e pedestres que frequentam o local.

“Sem onerar o Estado, nós estamos implementando novas áreas de lazer e esportes ao longo das margens do Pinheiros para que as pessoas ocupem estes espaços e tenham uma nova relação com este rio tão importante para a cidade de São Paulo. A nova iluminação aumentará a segurança dos frequentadores”, disse Marcos Penido, secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente.

(Gov. do Estado de SP/Reprodução)

Com 21,5 km de extensão numa área pertencente à CPTM, ao longo da Linha 9-Esmeralda e às margens do Rio Pinheiros, a ciclovia tem atraído cerca de 70 mil ciclistas por mês. Por meio de um chamamento público, o Governo transferiu a gestão da área para a iniciativa privada em 2020 e a Farah Service assumiu os trabalhos de recuperação com direito de explorar comercialmente o espaço.

Desde então, já foram feitos recapeamento e pintura da pista, sinalização, limpeza e jardinagem. Os ciclistas ganharam pontos de apoio com banheiro e bebedouro, além de novos cafés, vending machines e chuveiros distribuídos ao longo do percurso. Em dezembro de 2020, a pista foi rebatizada como “Ciclovia Novo Rio Pinheiros”

Serviço

A pista está aberta diariamente, entre 5h30 e 18h30, e pode ser acessada pelos usuários por seis pontos diferentes, localizados na Rua Miguel Yunes, entre as estações Jurubatuba e Autódromo, Estação Jurubatuba, Passarela da EMAE, junto à estação Vila Olímpia, Estação Santo Amaro, Passarela Parque do Povo e Ponte Cidade Universitária.

*Com Gov. do Estado de SP

Rio Pinheiros ganhará novo parque linear

Ciclovia do Rio Pinheiros (Gov. do Estado de SP)

O Governador João Doria anunciou nesta quarta-feira (27) a assinatura de mais um contrato para revitalizar as margens do Pinheiros e aproximar a população deste rio, que é símbolo da cidade de São Paulo. O Consórcio Parque Novo Rio Pinheiros investirá, nos próximos cinco anos, cerca de R$ 30 milhões na implantação e manutenção de pista de caminhada, ciclovia, cafés e banheiros, além de construir acessos para a entrada do público ao local.

Os atrativos serão gratuitos e as obras devem ser iniciadas em fevereiro, com previsão de término até fevereiro do próximo ano.

“O Parque Novo Rio Pinheiro é um passo na maior obra socioambiental que é a despoluição do Rio Pinheiro. É um investimento de R$ 4 bilhões do Governo do Estado em execução desde 2019 e, até dezembro de 2022, o Estado de São Paulo entrega o Rio Pinheiros totalmente limpo e despoluído à sua população, assim como entrega em 12 meses esse Parque Novo Rio Pinheiros”, afirma o Governador.

A nova área de lazer será construída na margem oeste do canal Pinheiros, entre a sede do Pomar Urbano e a Ponte Cidade Jardim, na zona Sul da capital, após convênio firmado com a Empresa Metropolitana de Águas e Energia (EMAE,) responsável pelo espaço. O trecho possui 8,2 mil metros de extensão e estará interligado a outros parques públicos da região.

“Esta é nossa terceira ação no âmbito do eixo revitalização com investimento privado. Tivemos a concessão da Usina SP e da Ciclovia da CPTM ano passado. Isto demonstra a confiança do mercado no projeto, cuja base é o saneamento básico. Este conjunto de medidas para trazer a população às margens permite a apropriação do espaço e a conscientização sobre o cuidado com o rio, afinal ele é de todos nós”, comemora o secretário Marcos Penido.

Um novo edital será publicado ainda este ano para complemento do parque no trecho de 8,9 mil metros entre as pontes Cidade Jardim e a Ponte Jaguaré (Retiro). As contrapartidas para os investimentos permitem o anúncio publicitário e a organização de eventos no espaço concedido.

Chamamento

O Consórcio Parque Novo Rio Pinheiros é composto pelas empresas Amarílis – representante do Parque Global –, Farah Service, Jardiplan e Metalu Brasil. O grupo apresentou proposta, após publicação do chamamento público em novembro do ano passado. A seleção ocorreu em 6 de janeiro e o contrato foi assinado na última semana.

“É um desejo e um direito da população ter o seu rio de volta e desfrutar de uma área cercada de natureza. Mais que a recuperação da paisagem da região, o parque trará um novo significado para a relação das pessoas com o meio ambiente. Estamos colocando nosso investimento econômico e de energia no projeto pois acreditamos ser um legado para a cidade”, afirma Adalberto Bueno Neto, fundador do Grupo Bueno Netto, idealizador do Parque Global e um dos membros do consórcio.

Novo Rio Pinheiros

O Programa Novo Rio Pinheiros visa despoluir o curso d’água por meio de um grande projeto de saneamento básico, ações de manutenção, além da recuperação das margens com o apoio da iniciativa privada. Até o momento, 150 mil imóveis, de um total de 533 mil, foram conectados à rede para serem levados a tratamento.

Além disso, 20 mil toneladas de lixo flutuante já foram removidas do leito desde o início do programa, em meados de 2019. Com a redução da carga orgânica e melhora da qualidade da água, o local abrigará novas áreas de convivência, comerciais e escritórios, além dos bicicletários.

Usina de Traição do Rio Pinheiros será administrada por empresa

O Governador João Doria anunciou nesta quinta-feira (12) a assinatura de contrato para revitalização da antiga Usina da Traição, firmado entre a Empresa Metropolitana de Águas e Energia S.A. (EMAE) e o consórcio Usina São Paulo SPE S.A.

O grupo venceu a licitação realizada em setembro e será responsável por implementar espaços de uso público na área de 29.804 metros quadrados, incluindo a cobertura do prédio e o entorno.

“O Governo de São Paulo deixa de gastar R$ 12 milhões por ano, que despende com a manutenção da chamada Usina da Traição, agora rebatizada de Usina São Paulo. Neste espaço será construída uma instalação moderna, impactante, com cafés, bares, restaurantes, lojas, academia, museu e o maior cinema ao ar livre da América Latina”, disse Doria. “A concessão da Usina São Paulo é mais um passo no programa de despoluição do Rio Pinheiros, cujo investimento do Governo do Estado, ao lado da Sabesp, beira R$ 4 bilhões”, completou o Governador.

A revitalização é um dos eixos do Programa Novo Rio Pinheiros, que visa despoluir o canal por meio de um grande projeto de saneamento básico e prevê a implantação de áreas de convivência, comércio e escritórios na região. Também está previsto o aproveitamento da cobertura para implantação de restaurante, bar ou lanchonete e mirante aberto permanentemente ao público.

“Com a melhora da qualidade das águas, queremos que a população ocupe as margens do rio para atividades culturais e de lazer. Neste sentido, a parceria com a iniciativa privada será fundamental para a estruturação e manutenção destes espaços”, explica o Secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido.

A proposta vencedora da licitação para concessão de áreas da usina, no valor de R$ 280 milhões, representou um ágio de 1.900%, o que demonstra a confiança do mercado no projeto. O critério para julgamento, após as análises técnicas de qualificação, foi o maior preço ofertado para a parcela (outorga) fixa.

O prazo de concessão estabelecido no edital vai até novembro de 2042. Já a remuneração pela concessão será composta de parcelas mensais fixas e variáveis, calculada em percentual do faturamento bruto do empreendimento. O consórcio vai investir R$ 300 milhões nas obras de remodelação do espaço.

“O futuro que se abre para a cidade e para o estado de São Paulo com essa concessão é empolgante. Teremos sim um rio limpo, com espaços de convivência para paulistanos e visitantes, com parques, ciclovias e fauna e flora no coração desta imensa metrópole. Com certeza, o Novo Rio Pinheiros se tornará um exemplo de recuperação para o mundo”, destacou Marcio Rea, Diretor-Presidente da EMAE.

O Consórcio Usina São Paulo é formado pelas empresas Kallis Administração e Participações Eireli, Nacional Shopping Planejamentos e Reestruturação de Shopping Center Ltda. e Concessões e Participações BR Ltda. O contrato foi assinado nesta quarta-feira (11) no Palácio dos Bandeirantes.

*Gov. do Estado de São Paulo

Rio Pinheiros terá 530 mil ligações para coleta de esgoto, diz Estado

Rio Pinheiros, em São Paulo (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Até 2022, o governo do estado de São Paulo construirá a infraestrutura para a coleta e tratamento de esgoto em mais de 530 mil imóveis de comunidades informais instaladas nas proximidades do Rio Pinheiros, na capital paulista. A previsão é do secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido. 

Segundo a pasta, por se tratar de comunidades instaladas em áreas irregulares, o tratamento do esgoto será feito por pequenas estações, chamadas de unidades de recuperação da qualidade da água, nos próprios córregos por onde o esgoto chegaria ao Rio Pinheiros. 

“Teremos todas as comunidades em áreas informais dessa bacia tratadas dentro de uma lógica que é do tratamento no afluente, no próprio corpo, nas miniestações de tratamento”, explicou Penido, ao participar hoje (26) do evento Brazil Water Week, promovido pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes). De acordo com o secretário, o esgoto dessas comunidades, em que não é possível “ir na porta”, por questões legais da informalidade, será tratado no próprio afluente.

O projeto Novo Rio Pinheiros prevê intervenções em áreas de todas as sub-bacias dos grandes afluentes do rio, onde vivem cerca de 3,3 milhões de pessoas.

Estimado em R$ 1,5 bilhão, o pacote de obras tem o objetivo de devolver o Rio Pinheiros limpo para a população até 2022.

Por Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil 

Para conter mosquitos, Rio Pinheiros recebe larvicida

Rio Pinheiros, em São Paulo (Rovena Rosa/Agência Brasil)

A Empresa Metropolitana de Águas e Energia faz hoje (25) uma pulverização com larvicida biológico para conter a proliferação de mosquitos no Rio Pinheiros, na zona oeste da capital paulista. A ação percorrerá cerca de 10 quilômetros, desde a Usina São Paulo, na Vila Olímpia, até a confluência com o Rio Tietê, na altura da Vila Leopoldina.

Infestação de pernilongos

Nas últimas semanas, os moradores da região estavam sofrendo com o grande aumento do número de pernilongos ao longo das margens do Pinheiros.

“Estava um drama, em termos de volume e época do ano, estava atípico e as pessoas não estavam conseguindo se defender. Não tinha inseticida, espiral, luz ou raquetinha que conseguisse vencer a batalha”, conta a presidente da Associação de Moradores e Amigos dos Predinhos de Pinheiros, Veronica Bilyk.

No entanto, segundo ela, o ponto mais crítico do problema já passou, em parte, devido a pulverizações de inseticida feitas pela prefeitura de São Paulo nas ruas da região. “Foi diminuindo. A gente teve também a sorte de o tempo dar uma esfriada e, atualmente, não se fala mais nesse assunto”, acrescenta.

“A aplicação de inseticida por meio de termonebulização vem ocorrendo desde o início de agosto e continuará acontecendo nas próximas semanas, cumprindo todos os critérios técnicos do programa”, informou a prefeitura por nota. A administração municipal diz que tem monitorado, junto com o governo do estado de São Paulo, as proximidades de rios e córregos na cidade para conter os pernilongos.

A prefeitura recomenda ainda que os moradores evitem deixar água parada em casa para não dar espaço para criadouros dos mosquitos. “Lembramos que existe uma relação direta entre aumento da temperatura e a capacidade de multiplicação dos mosquitos. Deste modo, o ciclo dos mosquitos foi antecipado por conta das altas temperaturas verificadas nesta fase final do inverno. Nesta situação, os ovos eclodem mais rápido, provocando o aumento da população dos insetos”, acrescenta o comunicado.

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil 

Obra vai retirar areia do fundo do Rio Pinheiros

Por Camila Maciel

(Rovena Rosa/Agência Brasil)

O governo paulista anunciou ontem (12) o início do desassoreamento do Rio Pinheiros. Segundo o governador de São Paulo, João Doria, a despoluição do rio ocorrerá até 2022. Em um ano, será feito o desassoreamento e o desaterro de 1,2 milhão de metros cúbicos de detritos com recursos que somam aproximadamente R$ 70 milhões.

Para fazer o desassoreamento – remoção de areia, lodo e outros sedimentos do fundo do rio – será utilizada a técnica de escavadeira embarcada em plataformas flutuantes. De acordo com a Empresa Metropolitana de Águas e Energia, máquinas vão retirar sedimentos do leito do rio, depositá-los em barcaças, transportá-los às margens para disposição final na Cava de Carapicuíba.

O órgão aponta que o volume mensal dos resíduos, se colocados em caminhões, formaria uma fila de 100 quilômetros. Serão investidos inicialmente neste processo R$ 32 milhões. A previsão é que, em até 12 meses, sejam desassoreados 500 mil metros cúbicos. O objetivo é remover 2,4 milhões de metros cúbicos de sedimentos nos próximos anos.

Duas empresas que vão prestar o serviço foram selecionadas por meio de pregão eletrônico. São os consórcios Jerivá, do qual fazem parte a Soebe Construção e Pavimentação, a FBS Construção Civil e a Pavimentação S.A.; e o Pinheiros 14, do qual participam a ETC Empreendimentos e Tecnologia em Construção e DP Barros Pavimentação e Construção.

As ações de desaterro, por sua vez, vão aumentar o espaço de áreas chamadas de “bota-fora” com a e a escavação mecânica dos materiais depositados. O custo será de mais de R$ 37 milhões. Serão desaterrados cerca de 700 mil metros cúbicos de materiais em um ano. Vão executar os serviços, o consórcio Pinheiros 15 (ETC Empreendimentos e Tecnologia em Construção, e DP Barros Pavimentação e Construção) e a empresa Construdaher Construções e Serviços.

Rio Pinheiros será despoluído até 2022, diz Doria

Por Flávia Albuquerque

O governador do Estado de São Paulo, João Doria, assiste a testes com dois ecobarcos coletores de resíduos flutuantes, conhecidos como Ecoboats, para auxiliar na limpeza do rio Pinheiros (Governo do Estado de SP/Reprodução)

O governador de São Paulo, João Doria, reafirmou hoje (5), no Dia Mundial do Meio Ambiente, o compromisso da administração estadual na despoluição completa do Rio Pinheiros até dezembro de 2022, incluindo as margens recuperadas.

Os testes com dois barcos coletores de resíduos flutuantes, os chamados Ecoboats, começaram nesta quarta-feira, à altura da Usina Traição, perto da Ponte Ary Torres. As embarcações de 2,80 metros de largura e 7 m de comprimento e 4 toneladas vão operar  por 30 dias sem custo para a administração. Se a tecnologia for aprovada, será avaliada a possibilidade de aquisição dos barcos.

Segundo o governador, o espaço onde está a Usina Traição – que passará a se chamar Usina São Paulo – será concedido ao setor privado em 2021. O projeto de concessão  será apresentado no próximo ano.

“Uma parte dos recursos para a despoluição do rio é do Estado, colocada em orçamento, outra parte é de recursos privados, a partir da concessão de algumas áreas para exploração do transporte turístico de passageiros aqui no Rio Pinheiros.”

Doria disse que a usina continuará funcionando, mas os demais espaços se tornarão públicos, utilizados para lazer e entretenimento, com cafés e restaurantes.

“É uma área bonita, é um prédio antigo, da década de 40, que recuperado e explorado pelo setor privado oferecerá uma ótima oportunidade de entretenimento e uma marca importante para São Paulo. A dimensão desse espaço e sua localização poderá transformar a usina em um Puerto Madero paulistano”, disse Doria. Puerto Madero é um dos bairros da cidade de Buenos Aires, capital da Argentina, localizado às margens do Rio da Prata, sendo um dos locais mais valorizados da capital argentina.

De acordo com o governador, o projeto é atrativo para a iniciativa privada porque a oportunidade de exploração do transporte de pessoas representa a possibilidade de geração de receita, com a utilização por milhares de pessoas, com mais vantagem e velocidade do que a utilização das marginais. “As estações de embarque e desembarque também serão de exploração privada, com a utilização de publicidade e o pagamento do transporte de passageiros no volume que cabe a um rio cujas marginais transportam 3,5 milhões de pessoas diariamente.” 

Conscientização

Durante o período em comemoração à Semana do Meio Ambiente, duas esculturas feitas com sucata, sendo uma em formato de peixe e a outra, de capivara, preenchidas com o material recolhido nas ecobarreiras do Rio Pinheiros, ficarão expostas para chamar a atenção da população para o descarte correto dos resíduos. E também para lembrar que alguns dos materiais demoram dezenas de anos para se decompor.

“As esculturas serão preenchidas com lixo do Rio Pinheiros para mostrar à população que fomos nós que jogamos, que nós somos os responsáveis pela poluição. Precisamos conscientizar para que não se suje mais o rio. E o nosso trabalho é não deixar que a sujeira chegue, e recuperar a beleza que temos aqui, para que esse espaço tenha maior atratividade”, afirmou o secretário estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido.

Tietê

A segunda etapa de despoluição de rios abrange também o Tietê, que começará o processo enquanto o projeto estiver em andamento no rio Pinheiros. Já foi firmado um contrato com a cidade de Guarulhos, que fica na região metropolitana de São Paulo, e é uma das que mais polui o Tietê. “O projeto do Tietê é de oito anos e, nesse período, ele também estará despoluído, como compromisso do governo do Estado e igualmente de municípios do entorno do rio”, disse Doria.