Hospital de Campanha no Centro terá 60 leitos até o fim do mês

Foi inaugurado ontem (13), no Centro de São Paulo, o Hospital de Campanha Santa Cecília, dedicado exclusivamente a casos graves de COVID-19. Com este, segundo o Governo do Estado, chega a 12 os hospitais de campanha ativados para garantir assistência nesta segunda onda da pandemia.

“Temos cerca de 900 profissionais que vão trabalhar neste Hospital de Campanha, entre médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e funcionários administrativos. O investimento do Governo de São Paulo é de R$ 12 milhões por mês e a implantação ocorre em fases para que os pacientes sejam atendidos de forma adequada nos leitos primários e nos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva)”, disse João Doria, governador do Estado.

O Hospital de Campanha Santa Cecília está sendo ativado gradativamente e terá 60 leitos ainda neste mês de abril, sendo 40 de enfermaria e 20 de UTI. Já está em funcionamento a estrutura de 20 leitos de enfermaria e 10 de UTI.

Outros 122 leitos de UTI e 131 de enfermaria estão em funcionamento nos hospitais de campanha instalados pelo Governo de São Paulo em serviços que passaram por adequações para atender casos da doença.

Desde a segunda quinzena de março, sete unidades entraram em operação: no Hospital São José da Zona Norte da Capital e nos AMEs (Ambulatórios Médicos de Especialidades) de Andradina, Barretos, Botucatu, Campinas, Sorocaba e Itapeva.

O Governo de São Paulo também reativou neste ano o hospital de campanha de Heliópolis, instalado no AME da zona Sul da Capital, que possui 24 leitos de UTI e 20 de enfermaria. Também converteu o AME de Franca, que passou por ampliação e agora opera com 22 leitos de UTI e três de enfermaria.

No Hospital Estadual de Bebedouro são 20 de UTI e 20 de enfermaria. Além disso, em Bauru, o hospital de campanha instalado no prédio da USP funciona com 40 leitos de enfermaria e 10 novos leitos de UTI devem começar a funcionar ainda nesta semana.

Também estão previstos outros seis hospitais de campanha nos AMEs de Assis, Lorena, Dracena, Tupã, Santo André e Santos. Devido à alta demanda por gases medicinais na rede de saúde de todo o país, a instalação dos equipamentos para o fornecimento destes insumos nestas unidades ainda está em fase de conclusão.

Total de leitos de UTI

Em março de 2020, o Governo de São Paulo deu início a uma série de anúncios e medidas para a ampliação do sistema de saúde por conta do novo coronavírus. Em maio do ano passado, o Estado contava com 5.786 leitos de UTI, sendo 1.724 da rede privada e 4.062 da rede pública e filantrópica.

Em março de 2021, após um ano de pandemia, o sistema de saúde paulista teve um aumento de 150%, chegando a 14.414 leitos de UTI COVID-19, sendo 4.340 da rede privada e 10.074 da rede pública e filantrópica.

A ampliação da rede é fruto de análise técnica e planejamento da Secretaria de Estado da Saúde com base no monitoramento do cenário da COVID-19, visando assegurar atendimento igualitário à população.

*Com Inf. Gov. do Estado de SP

Acidente entre caminhão e ônibus deixar 18 feridos

(Record TV/Reprodução)

Um acidente entre um ônibus e um caminhão deixou ao menos 18 pessoas feridas na manhã de hoje (12) na zona leste da capital paulista. O acidente ocorreu por volta das 8h da manhã, na Avenida Miguel Ignácio Curi. De acordo com a SPTrans, empresa que administra o sistema público de ônibus na capital paulista, o ônibus envolvido no acidente fazia a linha 2780/10 Jardim Camargo Novo – Metrô Itaquera. 

Segundo o Corpo de Bombeiros, três das vítimas tiveram ferimentos graves. Uma delas, o motorista do veículo, sofreu um trauma no tórax e foi encaminhado ao hospital Salvalus. Uma outra vítima, uma mulher, teve uma suspeita de fratura no braço e foi encaminhada a uma unidade do NotreDame. O estado de saúde da terceira vítima não foi informado pelos Bombeiros.

A Polícia Militar informou que o caso foi encaminhado para o 65º Distrito Policial.

Já a SPTrans informou à Agência Brasil que, por causa do acidente, 23 linhas de ônibus tiveram que ser desviadas.

Por Elaine Patricia Cruz, da Agência Brasil

Frente fria reduz temperatura e provoca chuva fraca

A passagem de uma frente fria pelo oceano muda o tempo no litoral e influencia o clima também para quem vive na região metropolitana da Capital. Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE-SP), no fim da tarde hoje (12) há previsão de aumento de nebulosidade, provocando “chuviscos eventuais em função da mudança na direção dos ventos que passam a soprar do quadrante sul”, sinaliza o órgão.

Apesar disso, a segunda-feira começou com tempo firme e previsão de até 29ºC de temperatura. Com a mudança no tempo, a umidade relativa do ar deve melhorar.

Terça-feira

“A terça-feira (13) deve começar com muitas nuvens, temperatura média na casa dos 16°C e chuva fraca intermitente no decorrer do dia, em decorrência do avanço de uma frente fria com rápido deslocamento ao largo do litoral paulista. O dia também será marcado por ligeira sensação de frio por conta dos ventos úmidos que sopram do quadrante sul/sudeste. A temperatura máxima não deve superar os 21°C e os percentuais de unidade do ar se mantêm entre 55% e 95%”, prevê o CGE.

Festa clandestina tinha 133 pessoas aglomeradas

Mais de 130 jovens foram encontrados aglomerados na noite de ontem (11) em um lounge bar na região do Capão Redondo, na Zona Sul de São Paulo. A balada ocorria na casa noturna localizada na Avenida Augusto Cardoso, no Jardim Maracá.

Averiguando denúncias, policiais civis do GARRA/DOPE, o Departamento de Operações Policiais Estratégicas, e do GER, Grupo Especial de Reação, além de homens da PM e da Guarda Civil e fiscais do PROCON e da Vigilância Sanitária,  que compõem a força-tarefa de fiscalização às regras sanitárias, foram até o endereço fornecido. No bar, eles surpreenderam 133 pessoas aglomeradas, sendo que 103 delas não usavam a máscara de proteção obrigatória. 

No ambiente, com pouca ventilação, garotas e rapazes consumiam bebidas, dançavam e fumavam narguilé, em horário e aglomeração que violam as regras vigentes no Estado. Após serem identificados e submetidos a consulta de antecedentes criminais, todos foram liberados.

Já o responsável pela casa e os funcionários foram conduzidos ao Departamento de Polícia e Proteção à Cidadania, onde os fatos foram objeto de um Termo Circunstanciado. Além de ter equipamentos de som e máquinas leitoras de cartões apreendidos, o bar foi multado e interditado.

*Com Paulo Édson Fiore, da Jovem Pan

Festa é interrompida e estabelecimento é multado em R$ 120 mil

A ação da força-tarefa de fiscalização às regras sanitárias fechou mais uma festa clandestina na noite de ontem (8), na região da Penha, Zona Leste de São Paulo. Após denúncia, agentes das duas Polícias, da GCM e fiscais do Procon e Vigilância Sanitária seguiram para a esquina entre as Ruas Amorim Diniz e Osvaldo Sobreira, próximo à Avenida Governador Carvalho Pinto, na Vila Santo Antônio.

Eles encontraram 36 clientes, 15 deles sem a máscara de proteção. Havia outros jovens, mas, com a chegada dos policiais, eles conseguiram fugir pelos fundos do estabelecimento.

Os frequentadores estavam consumindo bebidas alcoólicas e fumando narguilé aglomerados em ambiente de pouca ventilação, violando às regras da fase emergencial do Plano São Paulo, em vigor em todo o Estado. A casa foi autuada em cerca de 120 mil reais e interditada.

Para evitar novas aglomerações, os jovens foram liberados após a consulta de antecedentes criminais. O proprietário da casa e os funcionários compareceram ao Departamento de Polícia e Proteção à Cidadania, no Centro, onde foi lavrado um Termo Circunstanciado.

*Com Paulo Édson Fiore, da Jovem Pan

Técnico de enfermagem é morto por ladrões de moto

Um técnico em enfermagem foi baleado e morto ao tentar fugir de ladrões de moto no Jardim São Luís, Zona Sul de São Paulo. A vítima, de 36 anos, foi atacada na noite de ontem (8), na Avenida Guido Caloi, junto à Ponte Transamérica.

Segundo a PM, o técnico seguia para casa em uma motocicleta quando foi abordado por dois bandidos que ocupavam outra moto, de pequeno porte. Os desconhecidos anunciaram o assalto e exigiram que ele entregasse o veículo, mas o jovem tentou escapar, acelerando a moto, momento em que o suspeito que estava na garupa atirou, atingido a vítima nas costas.

A ação foi presenciada por um  agente da CET que passava pelo local. Após o disparo, a dupla fugiu em direção à Avenida Guarapiranga, sem levar nada. 

O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas quando, a equipe chegou ao local, constatou que o técnico em enfermagem já estava morto. A vítima, de acordo com a Polícia Civil, havia comprado a motocicleta recentemente e, inclusive, trazia consigo, em uma pasta, um carnê com as prestações do financiamento.

O caso foi registrado no Distrito Policial do Capão Redondo e vai ser investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

*Com Paulo Édson Fiore, da Jovem Pan

Capital faz consulta pública sobre volta às aulas

A prefeitura da cidade de São Paulo lançou, na última quarta-feira (7), uma consulta online para que pais e responsáveis possam opinar sobre o retorno das aulas presenciais no município, que está previsto para ocorrer na próxima segunda-feira (12), caso a fase emergencial do Plano SP não seja prorrogada.

A consulta pode ser acessada por meio deste link e deve ser respondida até a próxima sexta-feira (9). De acordo com nota publicada pela prefeitura, “a pesquisa tem o objetivo de preparar as unidades e organizar a logística necessária para atendimento dos alunos quanto a merenda e transporte escolar.”

“Para a retomada, os protocolos deverão permanecer, com a presença de até 35% dos alunos nas unidades educacionais, em sistema de rodízio. Para a Educação Infantil (CEIs, CEMEIs e EMEIs), permanece o limite de até 35%, porém não há rodízio. Em todos os ciclos, será dada prioridade de atendimento aos alunos filhos dos profissionais dos serviços essenciais”, conclui o texto.

Por TV Cultura

Polícia flagra festa com metade dos clientes sem máscara

Equipamento de som usado na festa foi apreendido (Reprodução)

Policiais, junto fiscais do Procon e Vigilância Sanitária, interditaram mais um bar na última noite, o oitavo em 11 dias .O flagrante de desobediência à fase emergencial ocorreu no estabelecimento localizado na Vila Inglesa, região da Cidade Ademar, Zona Sul de São Paulo.

Averiguando denúncia, as equipes encontraram 46 pessoas no local, 23 sem máscaras de proteção. Os frequentadores foram separados e qualificados, para checagem de antecedentes criminais.

A casa foi multada e interditada. Foram apreendidos equipamentos de som e máquinas leitoras de cartões. Já os responsáveis pelo bar e alguns funcionários foram encaminhados ao Departamento de Polícia e Proteção à Cidadania, no Centro, onde  foi lavrado um Termo Circunstanciado de natureza “Infração de Medida Sanitária Preventiva”.

*Com Paulo Édson Fiore, da Jovem Pan

Cresce volume de coleta seletiva na pandemia

(Pref. de São Paulo)

A Prefeitura, por meio da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (AMLURB), realizou um estudo com o intuito de compreender o impacto da pandemia do novo coronavírus nos resíduos sólidos coletados na capital. De acordo com esse levantamento, que comparou dados atuais com os do ano anterior, a cidade registrou um crescimento histórico nos números de coleta seletiva durante o primeiro ano de quarentena. Houve um aumento de 12% durante 2020, quando foram coletadas cerca de 92.6 mil toneladas de recicláveis, contra 82.4 mil toneladas no período anterior, um aumento de 10,1 mil toneladas.

De janeiro a dezembro do último ano foram coletadas 94.4 mil toneladas de resíduos secos passíveis de reciclagem: um crescimento de 17.4%, comparado ao mesmo período de 2019.

O estudo atribui esse crescimento não somente ao período de isolamento social, onde foi observado maior adesão do paulistano à reciclagem, mas também às iniciativas promovidas pela Prefeitura em educação ambiental, como as ações de conscientização porta a porta – em que equipes orientam os munícipes sobre o horário de coleta, descarte correto dos resíduos, endereços dos Ecopontos mais próximos e a importância da separação dos materiais para a reciclagem.

Recicla Sampa

Além dessas ações, o município também promove o Recicla Sampa, movimento lançado em 2019 que busca ampliar a adesão da população à coleta seletiva na cidade, por meio de uma plataforma on-line com amplos conteúdos sobre reciclagem.

O relatório também apresentou o comportamento dos resíduos provenientes do serviço de coleta domiciliar comum, que apresentaram certa estabilidade durante o período, com uma variação de -2%.

Varrição

Em contrapartida, os resíduos recolhidos na limpeza e varrição de ruas e logradouros da cidade apresentaram uma queda de -10%. Neste período, foram coletadas cerca de 71.6% mil toneladas de resíduos de varrição, contra 79.9% mil toneladas. Estima-se que essa queda tenha acontecido em decorrência da diminuição do fluxo de pessoas nas ruas, já que os planos de trabalho tiveram ampliações como a expansão das equipes de limpeza e lavagens em torno dos hospitais, pontos de ônibus e terminais de trem e metrô.

Em um recorte anual, de janeiro a dezembro do ano passado, a Prefeitura coletou cerca de 77.2 mil toneladas de resíduos de varrição e limpeza de papeleiras, menor número nos últimos cinco anos. O isolamento social provocado pela pandemia e as restrições nos estabelecimentos comerciais apontam para menor geração de lixo nas vias da cidade.

Grandes geradores de saúde

O comportamento dos resíduos hospitalares produzidos por grandes geradores, locais que geram mais de 20 kg de resíduos de saúde por dia, como os hospitais e clínicas, apresentou um aumento de 17%. E seguiu o previsto devido à pandemia do novo coronavírus, pois já era estimado o aumento no número de pacientes nos hospitais. Durante esse primeiro ano de quarentena na cidade foram coletadas cerca de 39 mil toneladas de resíduos de saúde, contra 33.4 mil toneladas durante o mesmo período de 2019.

Outro fator que impactou diretamente no aumento dos resíduos hospitalares foi a nota técnica emitida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (GVIMS/GGTES/ANVISA Nº 04/2020). O comunicado determinou que todo material que entre em contato com pacientes com suspeita ou confirmação de Covid-19 deve ser considerado como infectante (restos de comida, vestuário dos médicos e pacientes, etc.). Portanto, esses resíduos passaram a ser coletados e destinados para as unidades de tratamento de resíduos de saúde da capital.

Pequenos geradores de saúde

Os pequenos gerados de saúde, estabelecimentos que produzem menos de 20kg por dia como clínicas odontológicas, veterinárias, estúdios de tatuagem, entre outros, tiveram uma pequena variação nos dados: um aumento de 23 toneladas em relação ao período anterior à quarentena.

Com a reabertura gradual desses estabelecimentos em agosto do ano passado, as quantidades recolhidas voltaram aos níveis parecidos com os de 2019, quando foram coletadas 9.15 mil toneladas de resíduos de saúde, enquanto no período de quarentena foram recolhidas 9.17 mil toneladas – um aumento de 0,2%.

Estima-se que esse tipo de resíduo não tenha sofrido muitas variações devido ao fechamento temporário dos estabelecimentos e às restrições de funcionamento.

Plano de contingência

Na capital paulista, os serviços de coleta e limpeza pública continuam operando normalmente desde o início da pandemia. A fim de garantir a proteção da saúde pública dos colaboradores e prevenir a disseminação do vírus, a AMLURB apresentou em março de 2020 um plano de contingência de gestão de resíduos sólidos em decorrência da pandemia. O programa, que está sendo aplicado conforme as mudanças do cenário da pandemia, foi dividido em três etapas: preventivas, administrativas e operacionais.


Entre as ações operacionais adotadas tem-se o descarte voluntário dos resíduos nos Ecopontos, sem o manuseio dos funcionários, medida que busca proteger a saúde dos agentes de limpeza e da população. O descarte deve ser feito pelos munícipes direto nas caçambas e/ou nos Pontos de Entrega Voluntária (PEV’s) e os itens de áreas comuns, como puxadores e tampas, são higienizados após o descarte voluntário dos resíduos.

Em outra medida de prevenção, a autarquia ressaltou a importância de se fazer o descarte seguro do lixo, para evitar que os coletores tenham contato com possíveis resíduos contaminados. Os materiais devem ser ensacados duas vezes em sacos resistentes, descartáveis e com enchimento de até dois terços da sua capacidade. A AMLURB destaca ainda a importância do respeito ao horário da coleta, que deve ser feita até duas horas antes do horário da coleta domiciliar diurna e após às 18h, para o período noturno. Para ter acesso a todos os quantitativos, clique aqui.

Sobre a AMLURB

Em 2002, entrou em vigor a lei número 13.478, na qual houve a criação da AMLURB (Autoridade Municipal de Limpeza Urbana), um órgão regulamentador encarregado pela gestão dos resíduos e limpeza urbana da cidade de São Paulo.

A autarquia é vinculada à Secretaria Municipal das Subprefeituras da Prefeitura de São Paulo e presta serviços com o intuito de proporcionar melhor qualidade de vida aos munícipes.

Dentre os serviços públicos prestados, estão a conservação e limpeza dos bens e uso comum do município, limpeza de áreas públicas em aberto, varrição e lavagem das vias, viadutos, praças, túneis e etc.; capinação e roçada do leito de ruas, coleta de Resíduos Domiciliares até 200 litros, coleta de Resíduos da Construção Civil – RCC até 50 kg; coleta de Restos de Móveis e utensílios até 200 litros (Cata Bagulho), coleta de Resíduos de Serviços de Saúde e coleta Seletiva (Recicláveis).

Por Pref. de São Paulo

Bolsonaro visita São Paulo e se encontra com empresários

Jair Bolsonaro no Centro Avançado de Atendimento Covid-19, em Chapecó (SC) (Alan Santos/PR)

O presidente Jair Bolsonaro visitou hoje (7) o município de Chapecó, na região oeste de Santa Catarina, para conhecer o Centro Avançado de Atendimento Covid-19. A unidade foi desativada após a alta e a transferência de pacientes para outros setores.

Bolsonaro voltou a defender o tratamento off-label de infectados com covid-19. O medicamento chamado off-label é aquele prescrito pelo médico que diverge das indicações da bula. Desde o início da pandemia, no ano passado, o presidente defende o uso dessas medicações como, por exemplo, a hidroxicloroquina, que não tem eficácia científica comprovada contra a doença, mas pode ser prescrita por médicos com a concordância do paciente.

“É um direito e dever do médico, ele tem que buscar uma alternativa”, disse Bolsonaro. “Hoje têm aparecido medicamentos ainda não comprovados que estão sendo testados, e o médico tem essa liberdade, tem que ter”, completou.

Ontem (6), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu comunicado alertando sobre o uso indiscriminado de medicamentos e sobre os efeitos adversos resultados de práticas como a “falta de prescrição de acordo com as diretrizes clínicas baseadas em evidências científicas”. 

Segundo o sistema de notificações de farmacovigilância da Anvisa, o número de registros de reações adversas pelo uso da cloroquina saltou de 30 em 2019 para 242 em 2020, um aumento de mais de 800%. O medicamento também passou a encabeçar a lista dos remédios com maior número de reações adversas.

Após a parada em Chapecó, Bolsonaro segue viagem para Foz do Iguaçu (PR), onde participa de dois eventos nesta tarde. Às 14h, ele estará na solenidade de entrega da ampliação da pista de pouso e decolagem do aeroporto internacional da cidade e da inauguração do novo pátio de manobras e da duplicação da via de acesso ao aeroporto. Na sequência, participa da posse do novo diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, general João Francisco Ferreira.

No fim da tarde, o presidente da República deixa Foz do Iguaçu com destino a São Paulo, onde jantará com empresários. O retorno a Brasília está previsto para 23h.

Centro de atendimento

De acordo com o prefeito de Chapecó, João Rodrigues, a estrutura do Centro Avançado de Atendimento Covid-19 foi montada em momento crítico de falta de leitos com ajuda de empresários da cidade, que doaram R$ 2,5 milhões. A unidade passou a atender no dia 24 de fevereiro como um local de passagem enquanto os pacientes aguardavam vagas em hospitais.

Agora, com a desativação, parte dos equipamentos será emprestada a outros municípios e parte será preservada no centro de eventos para o caso de uma nova onda de contágio.

Nos últimos meses, Chapecó adotou diversas medidas restritivas para conter o agravamento da pandemia de covid-19, como toque de recolher, fechamento do comércio e mais ações de fiscalização. Segundo o prefeito, a testagem rápida e o tratamento imediato também foram importantes no combate à doença.

De acordo com o boletim divulgado ontem (6), o município tem 34.116 casos confirmados e 541 óbitos por covid-19. Entre os 606 casos ativos, de pessoas que estão com doença, 187 vítimas estão internadas, sendo 121 em unidades de terapia intensiva. Com cerca de 220 mil habitantes, Chapecó já vacinou 21.023 pessoas com a primeira dose e 8.537 pessoas com a segunda dose de vacinas contra a covid-19.

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil